sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Papa Francisco Usa Desejo Sexual de Comer Fezes(!!!) Para Falar de Notícias Falsas.


Será que ele está na melhor faculdade mental? Que loucura é essa?

Ele disse: "pessoas têm tendência de cropofagia" (ato ou desejo sexual de comer fezes) ao comentar sobre "fake news" (notícias falsas)

Se fosse o Trump falando essa estupidez até comentarista de futebol iria comentar.

Leiam sobre isso no excelente artigo de Damian Thompson. Thompson até defende que o Papa se aposente.

Que loucura, meu Deus. Que estão fazendo na Igreja?

Isso é lá jeito de Papa falar? E isso é maneira de falar do assunto de fake news?.

Fake news não é desejo de reportar coisas ruins, é simplesmente reportar notícias falsas.  Notícias falsas não são notícias ruins, não são nem notícias.


Itália Deporta Terrorista Muçulmano que Atacaria Vaticano. Mas 1.500 estão Chegando


Li ontem que a Itália deportou um muçulmano que planejava ato terrorista contra o Vaticano.

No entando, li também no jornal The Sun que um relatório oficial europeu diz que o Estado Islâmico já colocou mais de 1.500 terroristas dentro da Europa prontos para realizar ataques. Só aguardando sinal ou oportunidade de matar mais gente ou gente importante. Entre 30 e 35% desses terroristas têm missões específicas.

Vejam abaixo

READY TO STRIKE 

MORE than 1,500 jihadists fighting with ISIS in Syria and Iraq have returned to Europe with orders to “carry out attacks”, an EU report warned.

An estimated 5,000 European ISIS fanatics went to Syria and Iraq and 15 to 20 per cent of them died on the battlefield.
Around 30 to 35 per cent have returned with “specific missions”, while the other half  remained in the battle theatre – which amounted to between 2,000 and 2,500 Europeans.
This means as many as 1,750 may have returned, based on the percentages listed in the report which EU counter-terrorism coordinator Gilles de Kerchove will present to EU interior ministers on Friday.
The report said there were two types of ‘foreign terrorist fighters’ returning.
It warned: “It is important to share information on returnees who are already back in Europe, those that are in transit and … (those) still in the conflict zone.”
“There are largely two categories of returnees: those in the majority who will drift back and those who will be sent back on specific missions, which are of most concern.”
--
Enquanto isso, o Vaticano vai tentar "dialogar" com líderes muçulmanos.
Rezemos pela nossa fé.


quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Vídeo: Muçulmano - "Eu Cresci Odiando Israel" Até que Resolvi Ver a Verdade com meus Olhos


O Youtube resolveu banir o vídeo abaixo alegando disseminação de ódio. Mas depois da reação de milhares de pessoas, o vídeo voltou. E o que fala o vídeo? Mostra um muçulmano declarando amar Israel, depois que ele leu sobre quem são os verdadeiros culpados do sofrimento dos palestinos e depois de visitar Israel.

Assistam ao vídeo que é  Prager University abaixo, antes que o Youtube faça a besteira de bani-lo novamente.







terça-feira, 6 de dezembro de 2016

As Cidades-Fantasmas Cristãs do Iraque


No meu livro, eu discuti se os cristãos devem proteger seus irmãos em fé até usando armas, ou devem deixa-los ser "sementes do martírio".

O Papa Francisco chegou a recomendar certa vez que os cristãos sigam o modelo japonês. Lá, diante da perseguição, os cristãos simplesmente se esconderam. Acontece que depois desses cristãos escondidos poucos continuaram católicos e o Japão acabou ficando quase sem cristãos, pois não tinha quem passasse a fé.

Vejam mais no meu livro.

Leiam abaixo o triste relato do patriarca Younan sobre as cidades iraquianas que o Jornal Catholic Herald traz. Ninguém protegeu esses cristãos, eles morreram ou abandonaram as cidades onde viviam. Perderam tudo com o avanço do Estado Islâmico.

É muito triste.

O patriarca condena os países ocidentais, com toda razão.


Syriac Catholic patriarch ‘horrified’ after seeing Iraqi ‘ghost towns’


Patriarch Ignace Joseph III Younan visited beleaguered Christians in northern Iraq last month
The Syriac Catholic patriarch said he was horrified to see widespread devastation and what he called “ghost towns” during a recent visit to northern Iraq.
Patriarch Ignace Joseph III Younan wrote in an email to Catholic News Service that there was little left in some of the communities that he toured from November 27-29 and that “the emptiness of the streets except for military people … the devastation and burned-out houses and churches” was shocking.
About 100,000 Christians — among them more than 60,000 Syriac Catholics — were expelled from the Ninevah Plain by ISIS in the summer of 2014 as the militants campaigned to expand their reach into Iraq.
Patriarch Younan also called for understanding from the incoming administration of President-elect Donald Trump about the plight and ordeal of all minorities, including Christians affected by violence in the region.
The patriarch told CNS about “walking through the Christian towns of Qaraqosh, Bartella and Karamles and witnessing the extent of devastation as if we had entered ghost towns.”
Graffiti and inscriptions “expressing hatred toward Christian symbols and doctrine were seen everywhere” on walls near streets, outside and inside houses and churches, he wrote.
“Aside from the looting, destruction of and damage to buildings, we discovered that the terrorists, out of hatred to the Christian faith, set fire to most of the buildings, including churches, schools, kindergartens and hospitals,” the patriarch’s message said, noting that only Christian properties were targeted.
In Qaraqosh — once inhabited by more than 50,000 Christians — the patriarch celebrated the Eucharist on November 28 “on an improvised small altar” in the incinerated sanctuary of the vandalised Church of the Immaculate Conception. That church, which had 2,200 seats before its desecration by ISIS, was built by parishioners in the 1930s.
Few people could attend the liturgy, among them a few clergy and some armed youth and media representatives, the patriarch said.
“In my short homily, I just wanted to strengthen their faith in the redeemer’s altar and cross, although both were half broken behind us. I reminded them that we Christians are the descendants of martyrs and confessors, with a long history dating back to the evangelisation of the apostles,” he wrote.
“I had the intention after its restoration five years ago, and still have it, to ask the Holy Father, the Pope, to name this church as a minor basilica,” the patriarch added.
In addition to the Church of the Immaculate Conception in Qaraqosh, all of the churches the patriarch’s delegation visited, including St. Behnam and St Sarah Monastery, which dates to the fourth century, sustained significant damage or were destroyed.
In opening the trip on November 27 in Irbil, which escaped being occupied by the militants, Patriarch Younan celebrated Mass for more than 800 displaced people at Our Lady of Peace Syriac Catholic Church. Located in the capital of the Kurdish region of Iraq, where many of those uprooted from the Ninevah Plain sought refuge, the church recently opened to serve refugees.
Concelebrating the liturgy were Syriac Catholic Archbishops Yohanna Moshe of Mosul and Ephrem Mansoor Abba of Baghdad and 20 priests. Patriarch Younan said he sensed “mixed feelings” among the worshippers, who were pleased that ISIS had been forced out of the Ninevah Plain during the current Iraqi military campaign, but also were saddened because of the “horrendous state” in which the militants left their communities.
The patriarch also said he met with the faith community, religious leaders and nongovernmental organisations to discuss the future of Christianity in northern Iraq.
Based on “what happened in recent times,” the patriarch noted, “it was the overall opinion that none would dare to return, rebuild and stay in the homeland, unless a safe zone for the Christian communities in the Plain of Ninevah is guaranteed.”
He called for a “stable, law-abiding and strong government” to support the establishment of an eventual self-administrative province under the central government of Iraq.
“I therefore reiterate what I have been saying for years. We, Christians in Iraq and Syria, feel abandoned, even betrayed, by the Western politicians of recent times,” Patriarch Younan said.
“We have been sold out for oil and forgotten because of our small number compared to the ‘Islamic Ummah’ (Islamic nation) in which we have lived for centuries.”
The patriarch urged the “so-called ‘civilised world’ to uphold its principles and to seriously defend” the Universal Declaration of Human Rights, which he described as “vital for our survival.”
“It is time to stand up and condemn those regimes that still discriminate against non-Muslim communities, with (their) excuses such as … ‘our law, our education and governing system’ are based on our ‘particularities of culture, history and religion,'” the patriarch continued.
Patriarch Younan expressed his “strong hope” that the Trump administration “will understand our plight and the ordeal of all minorities, including Christians.”
“It is time that the United States be respected around the world,” and most particularly in the Middle East, as “a nation of hope and freedom and not a land of opportunism.”

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

8 Cardeais, 203 Bispos e Inúmeros Padres Pedem Explicações ao Papa Francisco e Declaração de Fidelidade ao Imutável Casamento



Assine uma petição dirigida ao Papa Francisco, que já foi assinada por 8 cardeais, 203 bispos e inúmeros padres (alguns do Brasil), segundo o site Pewsitter.

O texto da petição está disponível em português. Vejam abaixo.
Resumo
Erros sobre o verdadeiro casamento e a família estão hoje disseminados nos círculos católicos, particularmente após os Sínodos Extraordinário e Ordinário sobre a família e a publicação da Amoris Laetitia. Diante desta realidade, a presente declaração manifesta a determinação de seus signatários de permanecerem fiéis aos ensinamentos imutáveis da Igreja sobre a moral e os Sacramentos do Matrimônio, da Penitência e da Eucaristia, bem como à sua disciplina atemporal e perene relativa a esses sacramentos.

Em particular, a Declaração de Fidelidade defende firmemente que:

I. Quanto à castidade, ao matrimônio e aos direitos dos pais

  • Todas as formas de coabitação more uxorio fora de um casamento válido contradizem gravemente a vontade de Deus;
  • Tanto o casamento quanto o ato conjugal têm como fim a procriação e a união dos esposos, e todo ato conjugal deve ser aberto ao dom da vida;
  • A assim chamada educação sexual é um direito básico e primário dos pais, a ser sempre exercido sob a sua atenta orientação;
  • A consagração definitiva de uma pessoa a Deus através de uma vida de perfeita castidade é mais excelente do que o casamento.

II.Quanto à coabitação, às uniões entre pessoas do mesmo sexo e ao novo casamento civil após o divórcio

  • As uniões irregulares jamais podem ser equiparadas ao casamento nem consideradas moralmente lícitas ou legalmente reconhecidas;
  • As uniões irregulares contradizem radicalmente o matrimônio cristão, não podem exprimir nem parcial nem analogamente o bem que ele representa, e devem ser vistas como formas pecaminosas de viver;

III. Quanto à Lei Natural e à consciência individual

  • As uniões irregulares não podem ser recomendadas como sendo um cumprimento prudente e gradual da lei divina;
  • A consciência não é a fonte do bem e do mal, mas um lembrete de como uma ação deve se conformar à lei divina e à natural;
  • Uma consciência bem formada nunca chegará à conclusão de que, dadas as limitações da pessoa, sua permanência numa situação objetivamente pecaminosa possa ser sua melhor resposta ao Evangelho, nem que isso seja o que o próprio Deus lhe pede;
  • As pessoas não devem ver o Sexto Mandamento e a indissolubilidade do matrimônio como meros ideais a serem perseguidos;
  • O discernimento pessoal e pastoral nunca pode levar os divorciados civilmente "recasados" a concluir que sua união adúltera possa ser moralmente justificada pela "fidelidade" ao seu novo parceiro, que desfazer uma união adúltera é impossível, ou que, se ela se desfizer, os parceiros se expõem a cometer novos pecados;
  • Os divorciados que estão "recasados" civilmente e não podem cumprir com a grave obrigação de separar-se, são moralmente obrigados a viver como "irmão e irmã" e evitar escândalo, em particular qualquer manifestação de intimidade própria aos cônjuges.

IV. Quanto ao discernimento, à responsabilidade, ao estado de graça e ao estado de pecado

  • Os divorciados civilmente "recasados" que escolhem a sua situação com pleno conhecimento e consentimento da vontade não são membros vivos da Igreja, por se encontrarem em estado de pecado grave que os impede de possuir a caridade e nela crescer;
  • Não há nenhum meio termo entre estar na graça de Deus ou estar privado dela pelo pecado mortal. O crescimento espiritual para alguém que vive em estado objetivo de pecado consiste em abandonar essa situação;
  • Sendo Deus onisciente, a lei revelada e a lei natural contemplam todas as situações particulares, especialmente ao proibirem ações específicas "intrinsecamente más";
  • A complexidade das situações e os diversos graus de responsabilidade dos casos não impedem os pastores de concluir que as pessoas em uniões irregulares se encontram em estado objetivo de pecado grave manifesto, e de presumir, no foro externo, que elas se privaram da graça santificante;
  • Uma vez que o homem é dotado de livre arbítrio, os atos morais voluntários devem ser imputados ao seu autor, e a imputabilidade deve ser presumida;

V. Quanto aos sacramentos da Penitência e da Eucaristia

  • O confessor tem o dever de admoestar os penitentes sobre as transgressões da Lei de Deus, e de certificar-se de que eles realmente desejam a absolvição e o perdão de Deus e estão decididos a reexaminar seu comportamento e corrigi-lo;
  • Os divorciados civilmente "recasados" que permanecem no estado objetivo de adultério nunca devem ser considerados pelos confessores como vivendo em estado objetivo de graça e com direito a receber absolvição ou a serem admitidos à Sagrada Eucaristia, a menos que exprimam contrição e a firme resolução de abandonar seu estado de pecado;
  • Nenhum discernimento responsável pode sustentar a admissão à Eucaristia de divorciados civilmente "recasados" que vivem abertamente more uxorio, sob a alegação de que, pelo fato de sua responsabilidade ser menor, não existe culpa grave, uma vez que seu estado de vida externo contradiz objetivamente o caráter indissolúvel do matrimônio cristão;
  • A certeza subjetiva em consciência sobre a nulidade de um casamento anterior nunca é por si só suficiente para eximir os divorciados civilmente "recasados" do pecado material de adultério ou permitir que ignorem as consequências sacramentais por viverem como pecadores públicos;
  • Aqueles que recebem a Sagrada Eucaristia devem encontrar-se em estado de graça, e portanto os divorciados civilmente "recasados", vivendo publicamente em estado de pecado, correm o risco de cometer sacrilégio ao receber a Sagrada Comunhão;
  • De acordo com a lógica do Evangelho, as pessoas que morrem em estado de pecado mortal, não reconciliadas com Deus, são condenadas para sempre ao inferno;

VI. Quanto à atitude maternal e pastoral da Igreja

  • O ensino claro da verdade é uma eminente obra de misericórdia e caridade;
  • A impossibilidade de dar a absolvição e a Sagrada Comunhão aos católicos que vivem manifestamente em estado objetivo de pecado grave decorre do cuidado materno da Igreja, que não é proprietária dos Sacramentos, mas sua fiel dispensadora;
  • VII. Quanto à validade universal do Magistério permanente da Igreja
  • As questões doutrinárias, morais e pastorais relativas aos Sacramentos da Eucaristia, Penitência e Matrimônio devem ser resolvidas por meio de intervenções do Magistério, e por sua própria natureza não permitem interpretações contraditórias nem consequências práticas substancialmente diversas;
No momento em que as pragas do divórcio e da depravação sexual se espalham por toda parte, inclusive na vida da Igreja, é dever dos bispos, sacerdotes e fiéis católicos de declarar em uníssono sua fidelidade aos ensinamentos imutáveis da Igreja sobre o casamento e à sua ininterrupta disciplina recebida dos Apóstolos.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Exército da Síria Reconquista Aleppo e Assad está mais Forte.


Mutos disseram "Assad Must Go" (Assad deve Sair do Poder na Síria), como Obama, Hillary e David Cameron. Mas Assad termina 2016 mais forte do que nunca, desde a guerra iniciada em 2011 na Síria.

Foi anunciado que o Exército de Assad, com a ajuda decisiva da Rússia, reconquistou Aleppo, derrotando as forças do Estado Islâmico e outros rebeldes que inclusive são financiados pela Europa, pelos Estados Unidos de Obama e pela Arábia Saudita.

Trump já disse que seu objetivo não é tirar Assad, mas derrotar o Estado Islâmico, muito semelhante ao que diz Putin. Assim, Assad deve comear 2017 bem fortalecido.

Resta ainda saber como será de fato o relacionamento entre Putin e Trump. Tende a ser mais tranquilo, mas Putin é até menos previsível que Trump e a Rússia não tem histórico de ser pacífica. Também vai depender de como Assad vai sair da guerra, se ele vai ficar mais próximo dos Estados Unidos de Trump ou mais próximo de Putin e do Irã.

Não quero dizer aqui que Assad é ótimo para a Síria. Mas ele é bem melhor que as alternativas a ele financiadas pela ONU, Obama, Arábia Saudita e afins. Assim, a vitória de Assad em Aleppo é uma boa notícia para o mundo.

Rezemos pela Síria, que o país volte a ter a força cristã, que por séculos teve.

O site Zero Hedge traz uma descrição do que a vitória de Assad em Aleppo significa.


The Battle For Aleppo Is Over, Now The Real War Has Begun

The Syrian Arab Army (SAA) has essentially reclaimed the city of Aleppo in the past couple of days.  The failure to break the siege from the Southwest coupled with the Turkish Army not resupplying militants meant the situation wouldn’t hold for long.
Aleppo is the key to the Syrian ‘civil war.’ Now that pro-Assad forces have won the day it touches off a number of responses around the region.  This further breaks down the position of U.S/NATO-backed forces trying to oust Syrian President Bashar al-Assad from powerregardless of what Turkish President Recep Tayyip Erdogan has to say about it.
It also ushers in the next potential escalation of the proxy war between the outgoing Obama administration, doing the bidding of the U.S. Deep State, and its opponents coalescing around Russia and its front-man President Vladimir Putin.

The Aleppo Fulcrum

Aleppo is the strategic key to Assad remaining in power.  This is why it has been fought for with such vigor by all sides.
The only thing left for the U.S./NATO/GCC coalition is a diplomatic solution.  But, given the military facts on the ground there is little hope of that as well.  The time for that was back in February when U.S. Secretary of State John Kerry and Russian Foreign Minister Sergei Lavrov brokered a cease-fire and Russia announced the removal of military assets from Syria.
That agreement, however, held no more water than the Minsk II agreement over Ukraine or the later ceasefire in September. That one was broken within 24 hours by a ‘mistaken’ U.S. military strike on SAA forces near Deir Ezzor.
And now that the battle for Aleppo is over, the whole regional situation becomes more dangerous, not less.  Because the window for any kind of victory for those within the U.S. and NATO that pushed for this conflict is closing as each day brings us closer to the inauguration of President Trump.
And Trump has all but said that his primary foreign policy goal is to reverse this operation and assist Russia and Iran in wiping out ISIS.

The Responses to Aleppo

Within hours of the news that the Sunni militant resistance in eastern Aleppo collapsed, the U.S. House passed House Bill 5732, authorizing an investigation into creating a No-Fly-Zone over Syria.
In other words, the U.S. House is looking for ways to start a hot war in Syria with Russia.  This may just be more impotent sabre rattling by a fading group of back-bencher neoconservatives – think Lindsay Graham and John McCain– but it is something that bears witness all the same.
The goal of a No-Fly Zone is to implement the ‘Plan B’ strategy to break Syria up into two separate countries.  Then they can create some form of Greater Kurdistan across parts of Syria, Iraq, Iran and eastern Turkey.
Russia’s deployment of S-300 and S-400 missile defense systems around Syria and delivering them as well to Iran is an important counter-move to this plan.
On the other side, Sunni Egypt pledged to send pilots to Syria to help Assad wipe out what remains of the ISIS/Al-Qaeda resistance in the South and East of the country.
When you have Sunni Egyptians fighting alongside Shi’ite Syrians it is time to seriously re-assess any conventional narrative you might have in your head.  Egypt has now openly sided with Russia in stopping the expansion of U.S.-fomented chaos around the Middle East and North Africa.
And it seems the election of Donald Trump was the impetus to break open these old definitions of who is on which side.

Wither Saudi Arabia

When all of this is viewed within the context of the goings-on at the latest OPEC meeting the picture becomes even clearer.
The agreement by OPEC to cut production by 1.2 million barrels was done to prop up oil prices in the medium term. This is an attempt by the Saudis to remain the marginal oil producer in the world, a status they have not held now for the past couple of years with the emergence of U.S. shale production.
But cutting production to raise prices alone will not plug the massive hole in the Saudi’s budget.  So, they threw Indonesia out of OPEC to allow individual GCC members to pump more oil under the rubric of OPEC but cut overall production.
As this situation gets more desperate for the U.S./Saudi forces trying to hold onto power in the region, expect more aggressive counter moves.
We’re seeing provocations by Ukraine into Crimea now.  Erdogan was likely forced to make that statement about Turkey’s invasion of Syria being in service of ousting Assad.
The European Union and Canada are contemplating and/or enacting new anti-Russian sanctions.
All of this means that the likelihood of some ugly false flag incident rises by the hour.  I expect Putin understands this and will not take the bait but there are no guarantees.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

O Papa que Foi Corrigido por Teólogos e Reis. Será que Francisco se juntará a Ele?


No meu livro, eu relato por que o século 13 é considerado o ano de ouro da cristandade e por que o século 14, logo em seguida, é um dos piores, se não o pior século da Cristandade.

O site EWTN traz a história de um papa do século 14, o Papa João XXII (foto acima), que ficou dos anos 1316 a 1334, no cargo.

João XXII insistiu em uma heresia até ser corrigido por teólogos e até líderes políticos.

A heresia do Papa João XXII na frente do que pode ser a heresia moral do Papa Francisco parece brincadeira ou coisa acadêmica. Apesar de que em se tratando de Cristo tudo é importante.

O Papa João XXII quis impor na Igreja a ideia de que quando a pessoa morre, a alma dela não era julgada imediatamente, esperaria até o juizo final para ser admimitida ou não no Paraíso e ter acesso à visão beatífica. Ele dizia que a heresia dele tinha apoio da Bíblia e dos Patriarcas e escreveu três homilias em apoio a ela.

O Papa João XXII insistiu em uma sua heresia, arregimentou padres e cardeais e favoreceu aqueles que o apoiavam, mas ele encontrou resistência na escola de teologia dominicana de Paris e no próprio rei francês Filipe VI.

A Doutrina da Igreja atesta desde o início que o julgamento da alma é imediato após a morte. A alma vai para o paraíso, purgatório ou inferno e fica lá eternamente.

No dia 19 de dezembro de 1333, uma comissão de 23 teólogos. sob a presidência do patriarca dominicano de Jerusalém, Peter de la Palud, na presença de reis, muitos bispos e padres, unanimamente declararou que o Papa João XXII estava errado.

Eles escreveram ao Papa declarando a posição deles e disseram que o Papa deveria dizer que o que ele defendia era apenas uma opinião e não uma decisão como Líder da Igreja.

Sob pressão, o Papa João XXII aceitou a decisão.

Espero que, caso ocorra tal pressão sob o Papa Francisco, ele tenha a mesma humildade do Papa João XXII.

A heresia moral que está aberta no documento Amoris Laetitita parece-me muito mais destrutiva do que a heresia de João XXII.

Vejam o relato da EWTN sobre o Papa João XXII, clicando aqui.