quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Chesterton era Glutão e Alcoólatra? Dale Alhquist responde


Eu comprei no ano passado a blusa acima, que mostra uma frase de Chesterton: In Catholicism, the Pint, the Pipe and the Cross can all be together (No Catolicismo, a bebida, o charuto, e a cruz podem estar juntos). Se quiser comprar a blusa, clique aqui.

Eu já escrevi aqui no blog que um dos possíveis empecilhos para a santificação de G.K. Chesterton foram algumas palavras que ele disse após a morte de seu irmão, Cecil Chesterton. O irmão de G.K. Chesterton tinha uma posição muito anti-judia e sofreu com isso, Chesterton especialmente no funeral do irmão disse algumas palavras impensadas, mas nada nem de longe tão importante quanto a posição de GK Chesterton contra o nazismo, como disse um judeu.

Agora aparece outra acusação, a de que GK Chesterton não podia ser santo porque comia e bebia além da conta. Faltaria a Chesterton um das virtudes cardeais: a temperança.

Quem escreveu sobre isso foi Steven Drummel. Quando eu li o artigo de Drummel, eu comentei que santos não são perfeitos. São Tomás de Aquino não aceitou a Doutrina da Imaculada Conceição, por exemplo, sem falar que São Tomás era bem gordo, e Madre Teresa de Calcutá aceitou dinheiro de ditadores perversos e defendeu o ato de receber dinheiro deles. Além disso, eu sugeri que Drummel propusesse santificar a mulher de Obama, Michelle Obama, que anda por aí propondo "comida saudável".

Mas nada melhor do que ouvir o presidente da Sociedade Chesterton Americana, Dale Alhquist, respondendo Drummel.

Dale Alhquist está impecável.

Estou em um dia bem complicado para traduzir o texto brilhante de Alhquist. Vou colocar abaixo apenas parte do texto original. Leiam todo no site Catholic Household.

Chesterton the Glutton and the Drunk



When I had the privilege of making the announcement in August, 2013, that the Catholic Church was going to appoint an investigator to look into the possibility of opening the Cause for G.K. Chesterton, there was an immediate and widespread response around the world. While it was generally positive, in fact, uproariously positive, there was also a surprising number of people who were anxious to appoint themselves Devil’s Advocate, as if Satan does not have an easy enough time getting recruits for his work.
The most recent self-appointment is Mr. Steven Drummel, who has made the case that Chesterton cannot be counted among the saints because of his obvious intemperance. The trouble with attacking a giant is that though one imagines the large target as easy to hit, the result is often that one simply gets crushed for his efforts. Mr. Drummel has written an interesting and provocative piece, but he has done himself no favors by going after the giant G.K. Chesterton, first by pointing out that he was in fact a giant, but then by blaming him for it. I’m afraid he has only ended up making himself look. . . small.
My first reaction after reading Mr. Drummel’s piece was not something that Chesterton said (which is usually my first reaction to anything), but something that Jesus said: 

“The Son of man came eating and drinking, and they say, ‘Behold, a glutton and a drunkard. . .!’ Yet wisdom is justified by her deeds.” (Matt. 11:19)

Wisdom is justified by her deeds.

Let us be clear. G.K. Chesterton was a virtuous man. His goodness drew other people to him, made him one of the most admirable figures of his time, made would-be enemies into friends, and made people change their own lives. That goodness still has the same effect almost 80 years after his death. It exudes from his writings. One cannot read a lot of Chesterton without the firm realization: “A good man wrote this.” He not only speaks the truth, he speaks it in love, and he speaks it from goodness. His incredible spiritual insight comes from an intimate friendship with God. Father Robert Wild in his recent book The Tumbler of God, argues persuasively that Chesterton should be counted not only among the great mystics, but among the saints. I have been promoting Chesterton’s cause for years, because I have come to know his holiness and his goodness, seeing it not only evident in his life and his words, but as part of  a growing cult of devotion to him. His heroic virtue continues to draw a new generation to Chesterton—and to God. I have a list of hundreds of people who have become Catholic as a result of reading Chesterton. I am on that list. I have been reading Chesterton for 33 years and I still have not read everything he wrote. No one has. But I’ve read more than just about anyone. His books represent only a fraction of what he wrote. He was primarily a journalist, and in his mountain of throwaway newspaper columns, Chesterton hides nothing. He reveals himself utterly, writing honestly and truthfully and fairly (and always a under a deadline). What he reveals is goodness. No one is going to tell me that I am reading a glutton and a drunk.
But Chesterton did in fact defend drinking (and smoking!), which is a shock for a society that is still afflicted with the puritanism of its past. Chesterton was writing during Prohibition in America (and with Prohibition being threatened in his native England). He was as incredulous that such a thing could happen as we are now about some of the insane laws that have been forced on us today. “The custom of drinking fermented liquor,” he writes, “is an ancient, normal, and nearly universal custom of mankind, and rather especially of the most civilised part of mankind.” He stood up for the local pub as a place of joyful conviviality. It was not a place of solitary drunkenness, like an American bar. The so-called “temperance” societies of his time were in fact abstinence societies. He regards on forced abstinence as a social evil with nasty repercussions because it goes against a natural and normal tradition and will provoke an over-reaction against it. But even the evils associated with drink he considers minor in comparison with the abuse of other freedoms: “I could never see why a man who is not free to open his mouth to drink should be free to open it to talk. Talking does far more direct harm to other people.”
Chesterton certainly understands the importance of temperance: “The great value of temperance is not that it increases restraint, but that it increases enjoyment.” He says it is unnatural to be drunk. And it is evil. “The real case against drunkenness is not that it calls up the beast, but that it calls up the Devil.”
Mr. Drummel makes far too much of the bit of textual evidence he has unearthed to shore up the case for Chesterton the Glutton and the Drunk. The one account of Chesterton possibly being tipsy and actually falling (which happened in the dark, and in 1911, long before his conversion) is shored up by. . . well, by nothing. There are simply no other accounts of Chesterton being drunk. None. Chesterton is not one who called up the Devil.
He and his beloved wife Frances enjoyed arguments about many things. Theirs is one of the great love stories. Their occasional arguments about alcohol were jovial like their other arguments. Neither Chesterton nor Frances was ever in good health (she often with worse maladies than he). There were two times in his life when his doctor had him refrain from alcohol for a period, and the greatest difficultly for Chesterton during these times did not come from having to abstain himself, which he did dutifully, but from not being able to offer a drink  to his guests. He poked fun at Frances not allowing it and still claiming it was a Christian household! To suggest that there was alcoholism in their household is not just irresponsible speculation. It is calumny.
“Drink when you are happy,” he advises, “not when you are miserable.” Chesterton was not a miserable man. He was a happy man....
As for over-eating, there are some accounts of Chesterton eating absent-mindedly if food was in front of him, and the fact that he loved beef and disliked vegetables (but not as much as he disliked vegetarianism!) but this does not constitute gluttony. It is true that George Bernard Shaw, chewing on grass, lived much longer than Chesterton. But Shaw was wrong about almost everything. And who would you rather be? But again, the evidence of gluttony is simply not there, other than the photographic evidence that Chesterton was fat, along with his wonderful jokes on himself about his great size: “It is impossible to be fat in secret.” And: “I enjoy myself more than other men because there is such a lot of me having a good time.” But with his great size came great humility: “I know that the thin monks were holy, but I am sure that the fat monks were humble.”
Perhaps the most disingenuous part of Mr. Drummel’s piece is that he so quickly prevents the fat saints from coming to Chesterton’s defense. He says that Thomas Aquinas wasn’t really fat and John XXIII was only fat by some other means than eating. But the same could be said for Chesterton in both cases. Thomas had his thin and athletic period (So did Chesterton), but he also had his sedentary period where he was mostly sitting and writing and had to have part of the table cut out in front of him to accommodate his stomach (not even Chesterton came to this). Furthermore, Thomas’ poor health gave him an early death, but not before he wrote more than one man could conceivably write in one lifetime, and all of it overflowing with truth (except for Chesterton, who did the same thing). As for the John XXIII comparison, that he “ate like a bird,” Chesterton’s secretary, Dorothy Collins, said she was amazed at how little Chesterton ate. Also, Chesterton’s lifelong friend Edmund Clerihew Bentley maintained that Chesterton did not eat that much and that his weight problem was due to a glandular condition. Even Chesterton’s physical collapse in 1914 has never been fully understood. The descriptions of his symptoms as well as the cause of them are mysterious and contradictory.
We are a living in a new age of Prohibition, and the idea of a tobacco user being canonized is simply unimaginable. Of course, we might point out that St. Pius X enjoyed snuff. St. Damian smoked a pipe. So did Blessed Pier Giorgio Frassati (though the pipe was airbrushed out of his mouth in the famous photo that hung in St. Peter’s Square at his beatification. Puritans lurk in the Vatican as well as on Catholic websites.) Pope Benedict XVI, who is not yet canonized, smokes cigarettes. But it will probably kill him and then keep him out of heaven. 

---

Dale Alhquist não deixa passar nada contra Chesterton e sempre escreve muito bem.

Continuo com orgulho de defender a santidade de Chesterton e tomando as cervejas que gosto com temperança, como fazia Chesterton.


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Minhas Publicações: Islã, Terrorismo, Mudança Climática, Finanças Internacionais, Commodities.


Após o anúncio da publicação do artigo mais importante de minha carreira profissional (até agora), por uma revista acadêmica do Reino Unido, eu me sinto mais confortável de divulgar minhas publicações. Alguns leitores do meu blog, como Nik, avmss e Duddu, em um momento ou outro, pediram para que eu fizesse isso.

Vocês vão ver que eu tenho escrito sobre coisas muito diferentes e, graças a Deus, tenho conseguido publicar, depois de muito esforço. Pois como os assuntos são bem distintos eu acabo enfrentando grupos de analistas bem diferentes, que não fazem parte da minha área de formação natural, e por isso eles  têm mais facilidade de negar o artigo. Eu sou um completo estranho para os avaliadores e editores dos journals. Por isso, fico mais orgulhoso quando consigo publicar, pois é um sinal de que a ideia do meu artigo foi bem convincente.

As minhas publicações vão desde questões econômicas brasileiras até um artigo que trata exclusivamente sobre a religião islâmica.

O artigo que publico este mês se chama Trying to Catch the Deluge: Shari'ah, Terrorism and Religious Freedom, que poderia ser traduzido por "Tentando Conter o Dilúvio: Sharia, Terrorismo e Liberdade Religiosa". Eu considero este o artigo mais importante que já escrevi. Foram quase três anos de estudo e eu o apresentei em quatro países diferentes. 

No artigo, eu discuto como o Islã trata o "Povo do Livro" (judeus e cristãos), terrorismo, e liberdade religiosa, além de analisar se Alá comanda que os fiéis amem o inimigo (infiel ou pecador), como Cristo fez. Faço toda a análise observando o que diz o Alcorão.

E por que dilúvio no título? Porque no artigo eu faço uma crítica às ciências sociais de hoje em dia que abandonaram completamente o conhecimento sobre teologia (revelada ou natural), mas continua falando de assuntos extermamente relacionados a religião, como Sharia, Terrorismo e Liberdade Religiosa. O dilúvio é porque o conhecimento sobre religião exige muito do estudioso, é um conhecimento muito vasto, mas os modernos tentando conter a dimensão desse conhecimento para falar de religião, como se tentassem não enxergar um dilúvio ou tentassem conter um dilúvio com um copo de papel.

O título também é inspirado em uma música que gosto muito, chamada Don't Dream Its Over, do grupo Crowded House.  Eu já coloquei a letra desta música aqui no blog e um vídeo de Susan Boyle cantando-a.

Bom, este paper ainda não está disponível na internet no site do journal. Eu pedi hoje que o editor fizesse pequenas modificações ainda. Assim, que tiver pronto eu posso enviar para quem quiser do blog. Basta me passar uma mensagem com um email, eu não publicarei o email.

Este ano eu publiquei outro artigo, dessa vez sobre commodities e industrialização no Brasil. Vejam abaixo minha lista de artigos, muitos podem ser acessados na internet. Não são muitos artigos, tenho amigos que publicaram 5 vezes mais, mas são todos importantes para mim, revelam uma fase da minha vida profissional e todo esforço que fiz para publicá-los.

Journal of Law of Justice - Reino Unido
Artigo “Trying to Catch the Deluge: Shari'ah, Terrorism and Religious Freedom" a ser publicado em novembro de 2014.


Escola de Administração Fazendária –ESAF
Artigo “Desafios na Terra Média: Commodities e Indústria no Brasil" publicado no Caderno de Finanças Públicas, n.13. dez/2013, pp 133-173. Disponível em http://www.esaf.fazenda.gov.br/a_esaf/biblioteca/cadernos-de-financas-publicas

Journal World Environment - Estados Unidos
Artigo “The Immoderate Complexities to Model Government and the Environment”, 2012, Volume 2, Number 5. Disponível no site http://www.sapub.org/journal/archive.aspx?journalid=1004&issueid=713

Ambivium Institute Press - Estados Unidos
Artigo “Tear Down this Wall: The Tri-Border Area Terrorism”. Incluído no livro  Global Security: Flexibility, Issues, and the Thin Lines on the War Against Terrorism. Ed. Nubert Boubeka. Ambivium Institute Press. 2012. Disponível na Amazon: http://www.amazon.com/Global-Security-Flexibility-Against-Terrorism/dp/0615644376/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1363956242&sr=8-1&keywords=boubeka

Donetsk: Donetsk National Technical University, 2011 - Ucrânia

Journal of Risk Finance – Estados Unidos
Artigo “10 Years’ Analysis on Sovereign Risk: Noise Rater Risk, Panels and Errors”. Volume 10, Issue 2, April 2009, pp 107-130.

Contexto Internacional – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Artigo: “Mudança Climática e Gasto Público”, vol 30, nº 1, 2008.

Prêmio do Tesouro Nacional
Obtida menção honrosa pelo artigo “Gerenciamento de Risco Soberano: Fatores Observados e Erros Praticados pelas Agências de Classificação de Risco”, publicado em 2005.

Revista da Associação Brasileira de Orçamento Público
Artigo: “Os impactos da Lei Complementar nº. 87”. Publicado em 1997.


--
Vejam se os artigos interessam a vocês. E se quiserem meu novo artigo, me enviem um comentário com o email de vocês.



Caros, vou viajar. Só volto a publicar posts a partir do dia 27/11. Até lá. 


quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Contaram os Mortos do Terrorismo em 2013: Aumento de 61% em 10 mil (!) Ataques.


O Institute for Economics and Peace acompanha o número de mortos do terrorismo global. E o númeors são assustadores. No relatório do Instituo de 2014, que avalia os mortos do ano anterior, observou-se que em 2013 houve quase 10 mil ataques terroristas, isto mesmo quase 10 mil ataques em apenas um ano, aumento de 44% em relação ao número de ataques de 2012. Nestes ataques, quase 18 mil pessoas morreram, um aumento de 61% no números de mortos pelo terror em relação a 2012.

Mais de 80% dos ataques terroristas foram concentrados em apenas 5 países: Iraque, Afeganistão, Paquistão, Nigéria e Síria. No Iraque houve aumento de 164% (!) no número de mortes.

O que estes países têm em comum?

Quatro grupos terroristas foram responsáveis por 66% de todas as mortes: ISIS, Boko Haram, Al Qaeda e Talibã.

Apesar da concentração em poucos países há aumento do terror em muitos outros países: Bangladesh, Burundi, República Centro-Africana, Costa do Marfim, Irã, Israel, Mali, México, Myanmar, Sri Lanka e Uganda.

Vejam gráfico abaixo.




quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Papa Bento XVI em Ação. Corrige Texto de 1972 e Atinge Cardeal Kasper


O cardeal Kasper costuma mencionar o artigo do Papa Bento XVI de 1972, em que o então cardeal Ratzinger defendeu a comunhão para divorciados que se casaram novamente. Mas agora foi feita uma edição das obras do Papa Bento XVI, e ele resolveu editar este artigo e mudar esta conclusão, retirando as palavras usadas por Kasper e defendendo no lugar um aprimoramento do processo de anulação de casamento.

Em 1972, o cardeal Ratzinger dizia que o casamento era sim indissolúvel, mas se um segundo casamento por um longo período fosse para engradecimento moral e elevação da fé talvez pudesse ser admitido que recebesse a comunhão. Agora, o Papa Bento XVI mudou todo este argumento ressaltando a indissolubilidade do casamento e afastando a hipótese de comunhão de divorciados que se casaram novamente.

A revelação da edição do artigo foi feita pelo jornal alemão Suddeutsche. O jornalista que escreveu sobre o assunto não gostou da edição do artigo feita pelo Papa Bento XVI. Mas eu adorei.  

Quem me sugeriu este artigo do Suddeutsche, foi o site Dyspetic Mutterings. Lá ele inclui um link para a tradução para o inglês do que disse o jornal, usando o Google Translate, que sempre traz uma tradução rápida mas ruim. Mas vou fazer o mesmo que o Dyspetic Mutterings e disponibilizar um link para a tradução dessa feita para o português. Aqui vai.

O Papa Bento XVI está "alive and kicking" (vivo e chutando) os que atacam a doutrina.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

O Que é a Palestina? Hoje, Mais um Ataque Terrorista.


Vejam esta bandeira acima. Vocês acham que uma bandeira da Palestina teria uma Estrela de Davi? Pois é, a bandeira da Palestina já foi esta.

Por quê? Porque a ideia de uma região chamada Palestina, veio dos Romanos, no ano 134 d.C, depois que eles expulsaram os judeus. O nome Palestina é derivado de Filisteus, inimigos históricos dos judeus na Bíblia. Quem deu o nome Palestina não foram muçulmanos, mesmo porque o Islã só surgiu depois de 5 séculos após o nome Palestina. E o nome Palestina é muito posterior ao povo que habita a região ha milhares de anos.

A bandeira acima é de 1939, antes da criação do Estado Judeu em 1948.

Depois os árabes adotaram o nome Palestina. Mas não existe um povo palestino, o que existe são habitantes não judeus descendentes de diversos países, que após conflitos contra Israel resolveram se chamar palestinos. A ideia de povo palestino, então, existe apenas em contradição ao Estado de Israel e não como povo culturalmente da região.

É o que explica, em um excelente texto Robert Spencer, mostrando um enciclopédia francesa de 1939 que contava a bandeira acima.

Hoje vemos no novo ataque contra judeus dentro de uma sinagoga, que acabou mantando americanos e um britânico, feito pela Frente pela Libertação da Palestina. Terroristas usaram facas e machados para matar. Terrível.

O conflito Israel-Palestina não é simples. Mas não é muito difícil saber qual lado tem uma ideologia que defende a vida e qual tem uma ideologia de morte, apesar da condenação ao ataque feita pela Autoridade Palestina, que só manda em parte da chamada Palestina e foi expulsa da Faixa de Gaza por outros "palestinos".

Os "palestinos" até comemoram a matança de civis judeus nas ruas da Faixa de Gaza. Como pode? Bom, vejamos o que diz a ideologia destes "palestinos".


segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Livro: A Guerra do Islã contra o Cristianismo. E o Silêncio do Papa.


Michael Coren autor de um livro best seller chamado Why Catholics are Right (Por que Católicos estão Certos), acaba de lançar outro livro chamado Hatred: Islam´s War on Christianity (que poderia ser traduzido como Ódio: A Guerra do Islã contra o Cristianismo). Parece-me muito bom, dentro da linha de livros que eu já recomendei aqui, como o sensacional Crucificed Again, de Raymond Ibrahim.

O especialista em Islã, também católico, Robert Spencer, comentou o livro de Coren no site Truth Revolt, tecendo considerações sobre a atuação do Papa Francisco.

Vou traduzir aqui parte do que disse Spencer sobre o livro, em azul.

Na semana passada, Kirill, Patriarca de Moscou, escreveu uma carta a Himari Hussain, o presidente do Paquistão, pedindo que ele perdoasse Asia Bibi, uma mulher cristã que foi condenada à morte sob a acusação de blasfêmia contra o Islã.

"Seria uma perda irreparável para a sua família, e seus parentes e amigoso" se ela morresse, Kirill escreveu, e iria "causar um grande dano para o diálogo islâmico-cristão e também pode agravar a tensão entre cristãos e muçulmanos, tanto em Paquistão e em todo o mundo ".

A amarga ironia é que a quimera de diálogo islâmico-cristão é o que tem mantido todos os demais líderes cristãos no Ocidente de falar contra a crescente horror da perseguição muçulmana aos cristãos em todo o mundo. Em seu breve mas completo novo livro, Hatred: Islam's War on Christianity, Michael Coren expõe toda a história horrível e terrível: como leis estabelecendo status de segunda classe para os cristãos e um nível contínuo, legalmente sancionado de assédio e perseguição islâmica; como os muçulmanos que perseguem os cristãos de hoje estão seguindo escrupulosamente essas diretrizes, que são considerados ser a lei do próprio Deus; e como os cristãos de hoje estão sofrendo níveis de perseguição não vistos desde os dias em que o cristianismo era uma seita desprezada e proibida no Império Romano - e em alguns casos, os muçulmanos contemporâneos fazem os antigos romanos parecer multiculturalistas tolerantes.

Síria, Iraque, Egito, Paquistão, Irã, Indonésia, África e em outros lugares - praticamente todos os lugares que os cristãos vivem entre muçulmanos hoje, Coren mostra que eles estão sendo perseguindo. Na Síria e no Iraque, Coren detalha como esta perseguição chegou a tal nível que as comunidades cristãs que viveram naqueles países desde o tempo de Cristo foram totalmente dizimadas e provavelmente nunca mais vão voltar .

Indiscutivelmente tão horrível como as contas desta perseguição, no entanto, é a informação que Coren inclui sobre como os líderes cristãos no Ocidente têm reagido a essa perseguição. Enquanto os líderes cristãos estendem a mão amiga e chamam para o diálogo com os muçulmanos, Coren escreve, "simplesmente não há reciprocidade genuína. Os líderes muçulmanos que são corajosos o suficiente para chamar para o diálogo e compromisso semelhante tendem a falar para as comunidades islâmicas pequenas e geralmente marginais, e eles são geralmente ignorados ou mesmo condenado pela maior parte do mundo muçulmano...não há nenhum compromisso por parte do Islã para reformular sua relação com o cristianismo. "

No entanto, apesar de tão óbvio como isso é, todos os demais líderes cristãos se apegam à falsa esperança de "diálogo", a tal ponto que eles hesitam mesmo de dizer qualquer coisa em defesa de seus irmãos perseguidos. Patriarca Kirill é uma das poucas excepções a esta, e é singular entre os principais líderes cristãos em tomando conhecimento da situação de Asia Bibi. Em janeiro passado, Asia Bibi apelou ao Papa Francisco. Segundo o máximo do que eu tenho conhecimento, ela não obteve resposta dele.

Este é, naturalmente, o mesmo Papa Francisco, que escreveu que " a leitura adequada do autêntico Islã se opõe a todas as formas de violência" - uma declaração que Coren caracteriza como "otimista ao ponto do absurdo ou mesmo irresponsabilidade.

No entanto, o que é bom de todo esse "diálogo" se ele não faz nada para acabar com a perseguição dos cristãos que Coren descreve tão dolorosamente em ódio?

E em nossos dias, como Michael Coren mostra em ódio, novos santos e mártires estão sendo feitos todos os dias. Que o livro de Coren seja um catalisador para trazer-lhes o reconhecimento que merecem.

---
Eu diria o seguinte sobre o Papa Francisco e os terroristas islâmicos.

O Papa Francisco tem falado de vez em quando sobre a perseguição aos cristãos no Oriente Médio, mas ao meu ver suas palavras são como aquelas que saem da boca da ONU: "precisamos que a comunidade internacional faça alguma coisa, blá, blá, blá...".

E ele nunca pediu intervenção armada, chegou apenas a dizer que era preciso "parar" os terroristas. Mas, em seguida, alertou que não estava defendendo a guerra. Como seria então esse "parar"? Ele não revelou.

O que ele acha das bombas lançadas pelos Estados Unidos sobre o Estado Islâmico, grupo terrorista que continua decapitando gente na Síria e no Iraque? Se os aliados derrotarem o Estado islâmico, ele vai elogiar a ação armada?

Ai, minha paciência..

Compremos os livros de Coren, parecem muito bons.

(Agradeço a indicação do livro de Coren ao site Jihad Watch)

domingo, 16 de novembro de 2014

Vídeo mais Bonito que vi na minha Vida.


E tem um sentido muito pessoal.

A esposa de Chris Picco faleceu e os médicos tentaram salvar a criança em seu ventre, que estava na 24a semana. A criança recebeu um nome: Lennon James Picco e foi para incubadora.

Durante este período, Chris acompanhava de perto seu fragilíssimo filho e percebeu que Lennon se mexia quando ouvia música. Então ele pediu autorização para cantar para Lennon.

E ele cantou uma música que eu adoro. Durante um momento bem difícil da minha vida, esta música me estimulava a continuar, coloquei parte da letra da música em minha tese de doutorado.

A música se chama Blackbird, de autoria de Paul McCartney e John Lennon.

Lennon James Picco não sobreviveu, infelizmente, mas Chris, seu pai, mostrou que qualquer vida tem um imenso valor. Chris declarou: 

I am so thankful for the four unforgettable days I got to spend with him.

Vejam Chris cantando Blackbird para Lennon James Picco.





Muito obrigado, Chris Picco.

Rezemos por Chris. Que Deus tenha Ashley e Lennon Picco.

Viva a Vida!

sábado, 15 de novembro de 2014

Vídeo: 100 Anos do Natal da Primeira Guerra Mundial.


Durante o Natal de 1914, no front de guerra entre ingleses em alemães, eles pararam o conflito ao som de Noite Feliz, e se cumprimentaram, trocaram presentes e até jogaram futebol. Esta história belíssima foi contada pelo History Channel.

Eu tenho verdadeira devoção pela música Noite Feliz, já contei a história desta música aqui no blog, que tem letra de um padre austríaco e tem até museu dedicado a ela.

No Natal deste ano celebra-se 100 anos da trégua mais bonita da história da humanidade. Trégua que já foi motivo de filme, chamado Feliz Natal (Joyeux Noel).

Aproveitando a comemoração dos 100 anos da trégua, uma belíssima propaganda da rede supermercados britânica Saisnbury's foi feita para o Natal. Apesar de eu achar a descrição do History Channel, por contar com relatos de testemunhas daquele momento, bem mais sensacional.

Eu não consegui baixar para o blog o vídeo do History Channel, vejam lá no site do canal, clicando no vídeo The Christmas Truce. Abaixo, a bela propaganda da Sainsbury's.





Que todos meus queridos amigos do blog tenham uma Stille Nacht neste natal.


(Agradeço a indicação dos vídeos ao site The Crescat)