sábado, 16 de janeiro de 2021

Bill Gates - Maior Latifundiário Agrícola dos EUA. O Que Francisco Sugeriria para Ele?

Enquanto o "great reset" no diz que o futuro não é a propriedade privada, que todos devem ter tudo de todos, Bill Gates e sua esposa, defensores do great reset, chegam à posição de maiores proprietários de terras agrícolas dos EUA. O casal possui 242 mil acres em 18 estados dos EUA.

O que os esquerdistas sugeririam para ele? O que Francisco sugeriria para ele? Seria o Francisco do "Terra, Trabalho e Teto" para todos ou seria o Francisco do "Salvem o Planeta"? Será que Francisco condenaria o acúmulo de riquezas nas mãos dos Gates, enquanto Gates patrocina congressos no Vaticano sobre Aquecimento Global? 

Dividir as terras entre os mais pobres? Que tal colocar uns pobres da África ou da América Latina para morar lá?

Ou eles vão deixar lá tudo intacto, sem produzir nada, e plantar árvores para conter o tal aquecimento global?

Se invasores do tipo MST invadisse as terras de Gates, o que ele faria?

Eu sei, o esquerdismo não tem lógica, eles vão falar de moral e de distribuição de riquezas, enquanto roubam os concorrentes e aumentam o poder econômico.

O jornal Daily Mail diz que provavelmente os Gates usaram as terras para combater a tal mudança climática. Realmente, como o casal Gates é conhecido por defenderem o apocalipse climático e o controle populacional, é mais provável que usem para plantar árvores e testar suas teses populacionais, que se danem os seres humanos e suas carências.

Capaz de um dia convidarem Francisco para ver que lindas árvores eles plantam em suas gigantescas fazendas.

Como é comum na história, ricaços e filhos de ricaços serem comunistas, na maior parte das vezes sugerindo tomar as posses dos outros.


quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Vamos Lembrar. Teve Violência Quando Trump Tomou Posse? You Bet

 

Será que teve transição pacífica quando Trump assumiu? Hehehe. Clique aqui para um lista de vídeos do dia da posse. Você lembra de Obama ou Biden condenando a violência? Não? Pois é, não condenaram.

E by the way, como disse o senador Babin, 20 minutos depois de Trump assumir o jornal Washington Post declarou que o processo de impeachment iria começar.

Hummm, os democratas e esquerdistas em geral são sempre moralistas, contra os outros.

Este é mais um post do tipo só para lembrar, antes que refaçam a história. Recentemente eu coloquei em outro postoutros fatos do governo Trump que já foram esquecidos pela mídia.




O Que Twitter Não Censura? Matem Trump ou Matem Policiais ou Morte para América.


Em uma pesquisa que até demorou muito, 10 minutos, o New York Post, mostrou todo o discturso de ódio que passa pelos critérios do Twitter, como Kill Trump ou Assassinate Trump ou diversos tuítes pedindo a matança de policiais ou death to America dos iranianos.

Não adianta Trump ter dito no mesmo dia que reprova qualquer tipo de violência, o ódio a Trump das Big Tech é total.

Como lembrou Tucker Carlson, o ódio a Trump une os esquerdistas, que se deixarem soltos vão se digladiar.  Por isso mesmo os esquerdistas lançaram um processo de impeachment que não tem qualquer apoio constitucional, não se pode prever um impeachment de alguém que não está mais no cargo, como Trump em 6 dias.

Como mostrou Prager University, as mídias sociais se ajustam legalmente se dizendo apenas uma "plataforma pública" de debate, dessa maneira ela escapam de processos jurídicos do que é publicado nelas, mas por outro lado deveriam ser totalmente abertas a qualquer ideologia. Mas elas se comportam muitas vezes como "publishers" (jornais) que podem censurar de acordo com suas ideologias, mas são responsáveis por aquilo que publicam.

Aí, elas agem como publishers sendo protegidas por lei para avançar a agenda do esquerdismo e  silenciar conservadores.

Trump sempre insistiu em querer  alterar a lei das mídias sociais (seção 230), mas os democratas não deixam e muitos republicanos são estúpidos o bastante ou recebem apoio financeiro das big techs e não deixam Trump fazer o certo.

Tucker Carlson entrevistou o jornalista que escreveu como facilmente, qualquer criança pode ver que Twitter apoia defesa de assassinato de Trump e ataque a policiais. Vejam entrevista no vídeo abaixo.


Aqui vai o texto do New York Post.

The threats and violence Twitter won’t police


Of late, much attention has been focused on acts of censorship by Twitter. What has garnered far less attention is what Twitter chooses not to censor, and the examples are shocking both in content and in the hypocrisy that Big Tech shows in its effort to destroy Twitter’s competitor, Parler.

Amazon, Apple, and Google have all acted to shut Parler down supposedly because it hosts calls for violence, but a simple search of Twitter shows that it regularly allows such calls itself.

Twitter hosts a #KillTrump hashtag. In all of the glorious English language there is no clearer, plainer, or shorter way to call for violence than the word kill followed by someone’s name. But there it is. One of these tweets reads “#ArrestTrump not enough #KillTrump.” And this isn’t new, back in June the hashtag #AssassinateTrump was bouncing around the website with gems like “Someone take this clown out NOW.” That tweet is still up.

And while Trump’s alleged calls for violence, in fact he explicitly called for peaceful protest, got him banned, the Ayatollah Khamenei tweeted this in November, “. . . Palestine will be free, while the fake Zionist regime will perish. There’s no doubt about this.” So encouraging a completely legal challenge to election results gets our President banned, but the leader of Iran’s brutal state threatening to wipe out Israel is no problem at all.

There is a Twitter account that calls itself “Pigs In A Blanket, Fry Em Like Bacon,” a call to kill police that is also found in myriad tweets. There is currently a tweet up from the day of the Capitol riots that reads “I hope the Trumpers out there all die of Covid. When Congressman elect Luke Letlow did die with Covid there were tweets celebrating or calling it justice.

Antifa, which engaged in riots all summer in Portland has several Twitter accounts that they use to organize. In July a left wing Portland journalist tweeted during a riot, “Heads up all, it looks like Andy Ngo is here.” Author and Antifa critic Ngo has been physically assaulted by the group. Clearly she knew she was putting him danger.

The point is that Twitter is a cesspool of threats of violence, but takes little notice unless they come from conservative voices that threaten their power and their bottom line. This idea that Twitter is acting in the interest of the community or promoting healthy discourse with its censorship is absurd. Twitter acts in one and only entity’s interests: Its own.

What is really happening here is that Twitter CEO Jack Dorsey is cynically taking advantage of the tragic and chaotic events on the Capitol to secure his company’s dominance. It is deeply un-American and they deserve to be called out. Twitter has the right to police the speech on its platform, but the rules must apply equally to everyone if they claim to be a neutral platform and not a publisher. Their actions over the last few days show clearly they are the latter, and that they should be just as liable for their content as any other publisher in the country.

David Marcus is The Federalist’s New York correspondent.




quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

Antes que Refaçam o Passado - Nós Lembramos


Em tempos em que lógica, senso comum, e leis constitucionais são desprezadas, a loucura mental avança para virar a norma. 

Cabe então registrar um pouco do passado em favor da sanidade mental. Para sobreviver nestes tempos terríveis precisamos de sanidade mental, nós precisamos "outlive the bastards".

O site The American Catholic lembrou alguns fatos corriqueiros de ataques aos conservadores e a Trump de forma violenta nos últimos quatro anos.

Para o Brasil, devemos fazer também uma lista, pois o PT está voltando com apoio do próprio governo Bolsonaro. 

Aqui vão os fatos que se deve lembrar para os EUA, é uma lista não exaustiva:
  • We remember the protests the day of/after inauguration.
  • We remember the 4 years of personal attacks and endless name calling
  • We remember “not our president” and the “Resistance…”
  • We remember being called racist and evil.
  • We remember Maxie Walters telling followers to harass Trump supporters in department stores and gas stations.
  • We remember the Presidents press secretary being chased out of a restaurant.
  • We remember hundreds of Trump supporters being physically attacked.
  • We remember Trump supporters getting Doxed, and fired from jobs.
  • We remember riots, and looting.
  • We remember “a comedian” holding up the President’s severed head.
  • We remember a play in Central park paid with public funding, showing the killing of President Trump.
  • We remember Robert de Niro yelling “F–k Trump” at the Tony’s and getting a standing ovation.
  • We remember Trump being accused of being a Russian spy and the media going with it. Trying to frame him for treason.
  • We remember Nancy Pelosi tearing up the State of the Union Address.
  • We remember how totally in the tank the mainstream media was in opposition.
  • We remember non-stop in your face lies and open cover-ups from the media.
  • We remember the MSM cabal in 24/7 Hate Trump broadcasts.
  • We remember the press not holding Democrats responsible for anything and hiding anything negative.
  • We remember conservative voices neutered by Tech companies (Facebook, Google, Twitter, etc.).
  • We remember the partisan impeachment.
  • We remember the President and his staff being spied on; even before he was President and Obama and Biden knew of it.
  • We remember Republican congressmen shot on a ballfield by a Socialist supporter of Bernie Sanders.
  • We remember every so-called comedy show turn into nothing but Trump hate fest.
  • We remember 95% negative coverage in the news from the mainstream media and newspapers.
  • We remember the state governors asking for and getting everything they wanted to address COVID-19 then blaming Trump.
  • We remember leftists threatening outside the homes of prominent Republicans and TV commentators who support Trump.
  • We remember the vile attempted destruction of Brett Kavanaugh by Democrats, Kamala Harris in particular.
  • We remember people pounding on the Supreme Court doors.
  • We remember that we were called every name in the book for supporting President Trump.
  • We remember that many in Hollywood said they would leave after Trump was elected, but they stayed here anyway.
  • We remember the hundreds of taxpayer funded police cars burnt during your ‘mostly peaceful’ demonstrations.


terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Madre Miriam e Padre Kirby - Biden Será uma Desgraça, Representará o Mal. Ei Católicos que Votaram Neles, Vocês são Responsáveis.

1) Padre Jeffrey Kirby - Aqueles católicos que votaram em Biden são responsáveis por votarem em alguém e em um partido que persegue a Igreja e aprova a matança de crianças. "O que vocês fizeram para a sua Igreja?"


2) A linda Madre Miriam (do grupo Mother of Israel Hope) - "Administração Biden virá o mal nunca visto antes, não porque Biden é capaz de fazer, mas porque Biden não é capaz de fazer, parar o mal".


Visitem a pagina do Mother of Israel Hope e também do padre Jeffrey Kirby

segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

A Fraude Facebook das Eleições nos EUA

Se uma enorme população normalmente nunca vota, mesmo que tenha direito de votar, e se uma fundação estimula com muita grana o voto dessas pessoas, mas só daquelas que estão em um lado ideológico, nós temos aí claramente uma enorme fraude. Mas uma fraude difícil de pegar e de condenar.   

O voto voluntário naturalmente já tem um defeito: favorece àqueles que têm como base eleitoral sindicatos e sociedades/comunidades organizadas, pois dentro dessas organizações já se estimula o voto para seus escolhidos. Agora, imagine um dos homens mais ricos do mundo ajudando no voto deste escolhido. 

Vamos imaginar um caso brasileiro. Imagine que SP fosse um país e o voto fosse voluntário. Dentro de SP há regiões mais esquerdistas (muitas vezes governadas por partidos de esquerda e com forte presença de sindicatos, como São Bernardo de Campo) e regiões mais conservadoras. Se uma fundação poderosa fosse a São Bernardo de Campo e patrocinasse a propaganda para que se votasse nas eleições e ainda patrocinasse a coleta de votos, e negligenciasse completamente as regiões conservadoras do estado. A contagem de votos vindos de São Bernardo iriam ter muito maior peso do que costumava ter.

Muita gente já sabia da infiltração do dinheiro do Facebook nas eleições dos EUA para elevar de forma gigantesca a participação de eleitores esquerdistas nas eleições dos EUA (eu mesmo falei disso aqui no blog). 

Mas hoje li o site Life Site News que detalhou o problema. 

Vou traduzir parte do texto do Life Site News.

Surgem revelações sobre o envolvimento eleitoral de vários milhões de dólares do CEO do Facebook

Se o governo dos EUA estivesse contratando uma empresa para realizar nossas eleições, o Facebook é o último lugar para onde a maioria de nós recorreria. Para começar, eles não provaram que apóiam a liberdade de expressão - muito menos eleições livres. Depois, há o viés inerente. Em novembro passado, o CEO Mark Zuckerberg admitiu sob juramento que sua "base de funcionários inclina-se para a esquerda". Portanto, a ideia de que a América entregaria as chaves da eleição de 2020 para ele - ou qualquer outro magnata da Big Tech - é horrível. Mas, a trilha do dinheiro mostra, isso é exatamente o que 2.500 jurisdições locais fizeram. E agora, a nação inteira está pagando por isso.

Zuckerberg e sua esposa disseram que só queriam ajudar. Com o país atingido pelo coronavírus e as negociações no Congresso paralisadas, o titã do Facebook se ofereceu para dividir seu próprio dinheiro para ajudar a manter as eleições nos trilhos. Usando uma organização sem fins lucrativos, o Center for Technology and Civic Life, como uma tela, o casal poderoso começou a canalizar centenas de milhões de dólares para os escritórios eleitorais locais para ajudar "[a ​​lidar] com as dificuldades de adaptação a um novo comportamento eleitoral" durante a pandemia.

No momento em que a eleição começou, um colossal quinto das administrações eleitorais do país havia tomado um pedaço do bolo de Zuckerberg. Os liberais anunciaram sua generosidade. Os conservadores deram o alarme. Acontece que o Centro de Tecnologia e Vida Cívica (CTCL) não era uma instituição de caridade comum. Foi fundada por ex-assessores democratas e composta e financiada por alguns dos esquerdistas mais extremistas do país, pessoas como David Plouffe - gerente de campanha de Barack Obama. Indo mais fundo, os republicanos ficaram ainda mais preocupados. Parecia que os maiores potes de dinheiro do CTCL estavam sendo canalizados para estados de um azul profundo e áreas urbanas de campo de batalha, lugares onde os democratas precisavam fazer o maior pedaço de votos para vencer. De repente, ficou claro: esses filantropos que vinham ao resgate da democracia a estavam subvertendo silenciosamente.

A operação de Zuckerberg estava decidindo quantos locais de votação deveriam ser abertos, contratando as pessoas que contam os votos - e pagando-as - criando novas caixas suspensas e enviando ativistas que se tornaram funcionários eleitorais aos bairros para coletar os votos. Em outras palavras, Phill Kline, da Thomas More Society, disse: "Tivemos um governo paralelo gerenciando essas eleições, especialmente no centro urbano. Eles estabeleceram esses procedimentos que permitiram a violação da cadeia de custódia das cédulas e a infusão de documentos fraudulentos cédulas. "

E a maioria dos funcionários eleitorais locais não tinha ideia. Desesperados por dinheiro para manter suas operações à tona, eles solicitaram subsídios, sem nunca perceber quem era o mestre das marionetes que puxava os cordões. Frank Byrd, um escrivão do condado de Jackson, Illinois, disse a Vox que nem sabia do envolvimento de Zuckerberg. "Quando você ganha dinheiro", disse Byrd, "você sempre tenta dizer a si mesmo: 'Está tudo bem'." Mas nem tudo era bom - um fato que um número crescente de autoridades conservadoras percebeu. Procuradores-gerais do estado, como Jeff Landry (R), realizaram um ataque em grande escala para impedir a Louisiana de aceitar o dinheiro. Outros estados começaram a fazer o mesmo. Em poucas semanas, os republicanos entraram com ações judiciais em nove estados para impedir que as "doações" interferissem nos processos locais.

Em dezembro, J. Christian Adams no "Washington Watch" chamou toda a trama de "diabólica". "[As pessoas] precisam se preocupar com [isso], porque o Center for Technology and Civic Life transformou os escritórios eleitorais da cidade" em lugares como "Filadélfia, Detroit, Milwaukee, Atlanta e em todo o país para construir um viés estrutural. Para fazer o sistema funcionar de forma diferente. Para ajudar um lado. E essa é a verdadeira história desta eleição - o desmantelamento das leis estaduais e a construção de preconceitos estruturais por meio de bilionários, que deram meio bilhão de dólares para esse esforço. "

Veja, ele explicou, "esse plano estava sendo arquitetado em março por grupos de esquerda", bem quando o coronavírus os atingiu e lhes deu uma cortina de fumaça. "Adams começou a vasculhar a lei, em busca de provas de que financiar eleições era ilegal. Acontece que, ele balançou a cabeça, não há nenhuma. Mas a verdadeira questão é: por que alguém daria milhões de dólares ao governo para administrar seus escritórios? Simples. Eles "criaram um esquema em que bilionários esquerdistas ricos podem refazer como as eleições são realizadas. "Na Filadélfia, eles dobraram o orçamento para enviar pessoas de porta em porta na Filadélfia, batendo de porta em porta para coletar votos." Eles contrataram ativistas de rua para se tornarem funcionários eleitorais da cidade e depois irem aos bairros para coletar votos. " eles o fizeram sob os auspícios de uma capacidade oficial.

Libertarianismo e a Ditadura das Big Tech

Recentemente, eu vi um professor de economia libertariano (aquele tipo que só escreve sobre déficit público, condena tudo que é governo, exalta o setor privado, sendo ele um funcionário público) tendo que analisar a ações ditatoriais do twitter e do Facebook contra conservadores. Ele disse (sabe Deus com que lógica) que a culpa era dos políticos que se infiltraram no setor privado das mídias sociais.

Depois, ao que parece, ele apagou o post. Pelo menos alguém deve ter alertado da estupidez de suas palavras. Ou foi o tico e o teco que não se entenderam. 

Incrível como libertarianos, mesmo sendo economistas, não conseguem ver o óbvio: setor privado vive em conluio com o poder público, que esse negócio de livre mercado não existe, e se existir é o caos. E hoje em dia ainda não ver que o alinhamento das mídias sociais com partidos e políticos esquerdistas é mais óbvio que o sol.

Estudem a vida dos maiores bilionários da história, em qualquer tempo, e vejam a relação deles com o Estado e a forma selvagem que agiram contra concorrentes, como apoio do Estado.

Em resumo, em termos de paraíso na terra. O marxismo diz que o capitalismo será destruído pela suas próprias contradições e os trabalhadores irão dominá-lo e ocorrerá o paraíso, por isso o capitalismo deve ser deixado sem restrições para rapidamente se autodestruir. O libertariano tende a entender que o paraíso é justamente em um capitalismo sem qualquer restrições (soltem as armas, as drogas e a prostituição, tudo tem preço e deve estar no mercado), se o cara é poderoso, e domina os outros, é porque ele mereceu, foi mais esperto. 

As duas ideologias pensam em políticos, empresários e trabalhadores como classes distintas de pessoas, quase como se fosse diferentes raças de seres humanos, que não se misturam. Há uma concepção metafísica idiota semelhante nas duas vertentes.

Aliás perguntem a um marxista e a um libertariano o que é liberdade. Eles terão respostas bem semelhantes, amorais e imorais.

O marxismo é escravidão nas mãos de uns imbecis corruptos que não sabem produzir nada. O capitalismo sem restrições é anarquia em que os mais poderosos vencem e não os trabalhadores, e esses poderosos escravizam os outros também. 

Onde está o paraíso? Em que ideologia econômica?

Esqueça isso. Tente com todas as forças não pecar. E reze muito.



Francisco do Titanic

 


Ótima charge. Francisco do Titanic (ao lado de Guterres, secretário-geral da ONU, Klaus Schwab, do fórum econômico mundial, Biden e Bill Gates) diz pra Jesus: " Ei, você está no barco errado".

Muito bom.