quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Estado Islâmico Usa Criança de 4 Anos para Matar 3 Inimigos em um Carro


O Estado Islâmico prendeu três inimigos em um carro e colocou explosivos no carro. Daí, chamou uma criança de 4 anos para apertar o botão e explodir o veículo.

A criança se chama Isa Dare e é de nacionalidade britânica.

Enquanto isso, o mundo vira as costas para o mal mais óbvio. E membros da Igreja Católica dizem que "amam" aqueles que fazem parte do Estado Islâmico e rezam por eles.

Eu conheço muita gente até da minha família que se escora nas orações. Elas não fazem nada e chegam até a prejudicar terrivelmente uma pessoa mas dizem que rezam por ela. Que a Igreja não siga esse caminho e reconheça o valor da ação com o mesmo empenho que reconhece o valor das orações.

Vejam as terríveis fotos da criança matando os 3 homens.






(Agradeço a informação ao site Weasel Zippers)

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Vídeo: Papa Francisco, Capitalismo, Meio Ambiente e...a Vaca


Não, eu não estou brincando, quando coloquei a vaca no título do post. Eu sou economista, eu tenho um bom conhecimento do que significa o comunismo, o socialismo, o nazismo e o capitalismo em termos econômicos. Condeno totalmente o comunismo, o socialismo e o nazismo, mas também não sou um defensor ardente do capitalismo. Eu diria que eu entendo a economia de maneira muito semelhante que a Rerum Novarum do Papa Leão XIII. Inclusive, essa encíclica gerou uma doutrina econômica conhecida como Distributismo. Eu costumo escrever sobre isso no meu outro blog, chamado Bloco 11, Cela 18.

Mas voltando ao assunto do post, o Papa Francisco fez um vídeo que relaciona o cuidado do meio ambiente com a pobreza.

Ele defende que o meio ambiente é de todos e assim todos devem cuidar e proteger o meio ambiente. Ele condena o consumismo, sugerindo que o consumo exagerado destrói o meio ambiente e traz pobreza.

O que a vaca tem com isso?

Bom, sempre que alguém defende que o meio ambiente deve ser de todos, eu lembro da teoria econômica do bem comum. A teoria diz que aquilo que é de todos, não é de ninguém e tende a ser exaurido e destruído rapidamente. É necessário que apareça um "dono" que gerencie o uso do bem. Basta ver o que acontece com o jardim de um parque. Se é deixado para todos, sem que ninguém cuide e policie, irá ser destruído. Basta ver o que se faz do "dinheiro público".

Lembro também da vaca. A vaca não é uma espécie em extinção, mas é muito consumida no mundo todo, ao contrário, de bichos que não entraram no "mercado".  O consumo não mata a vaca, pelo contrário, a salva. Isso ocorre, porque a vaca tem dono. tem preço e serve ao homem. Para salvar um bicho da extinção, deve-se então entregar ele a um dono.  

O problema da pobreza, eu diria, não é que os países ricos são consumistas, é que os países pobres consomem pouco. Eles precisam se enriquecer, encontrar formas de produzir algo que o mundo queira e produzir essa coisa de forma eficiente. Eles precisam de uma "vaca", um produto desejado, para vender. Reduzir o consumo nos países ricos pode até destruir a economia de países pobres que vivem do consumo dos ricos. Doações ajudam não mas não salvam um país da pobreza.

O meio ambiente, da mesma forma que a vaca, vai ser salvo, se encontrarmos uma maneira produtiva para ele, se ele entrar no mercado, e tiver donos.

Conter o consumo nos países ricos pode ser terrível para o meio ambiente também, pois as populações pobres podem ficar mais pobres e destruir o que resta de recursos naturais.

O vídeo do Papa Francisco não se sustenta em termos econômicos, mesmo eu entendendo que o consumo exagerado tenha um impacto pessoal devastador. E é até pecado.

A teoria que sai da Rerum Novarum em poucas palavras defende que os pobres também sejam donos, tenham propriedade.

Em suma, o argumento do Papa não se sustenta, ele entra numa lógica meio hippie de economia.

Vejam o vídeo do Papa Francisco:




Rezemos por ele.


segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Vídeo: Grupo Pró-Aborto Detestou esse Comercial


Grupo pró-aborto nos Estados Unidos, chamado NARAL, detestou o comercial da Doritos abaixo. Eles acham que o comercial está "humanizando fetos" (como diz a imagem acima). Para eles, as crianças no ventre da mãe não são humanas, podem ser sujeitas a morte a qualquer hora. Só há uma maneira humana de responder ao NARAL: Vade Retro Satanás!

Apreciem o comercial da Doritos, que passou durante o super bowl no domingo nos Estados Unidos.

Se não conseguir ver o vídeo, clique aqui.







sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

3 Vídeos: Crianças Brincando de Serem Padres



Tenho um amigo padre que me disse que quando era criança fazia extrema unção de formigas.

Eu já falei aqui do Isaiah, que brincava de celebrar missa já aos três anos. Mas o site da Irmã Theresa trouxe mais vídeos de crianças brincando de celebrar missas.

São vídeos lindos. Vejamos três.

1) Thuan, de 4 anos, é muito sério, compenetrado, diz a missa em inglês e também em latim.





2) Samuel, de três anos, sabe a missa decorada em espanhol, mas o ajudante não ajuda muito, hehe.





3) Padre Bob tenta ajudar nosso pequeno padre, mas ele tem questões mais urgentes, antes da missa, hehe.....tem que ir ao banheiro.





Rezemos por essas crianças.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Vídeo: Muçulmano que Faz Cinto Suicida Não Quer Usar Um. Lembrei da Comédia dos Melhores do Mundo.


O iraquiano Jasim Mohammed Attli'ya (foto acima) faz cintos para terroristas suicidas do Estado Islâmico. Ele foi preso pelos curdos no Iraque, que permitiram que a Fox News entrevistasse ele. Na entrevista, Jasim se autoelogiou, disse que era dever dele matar infiéis, que o Alcorão apoia essas mortes, que os terroristas irão atacar os Estados Unidos, exaltou o Estado Islâmico e prometeu voltar a fazer bombas suicidas caso fosse libertado, mas não para serem usadas por ele.

Ele disse que nunca pensou em se matar, ele "não estar convencido em se matar". Disse que nunca usaria um cinto terrorista. Se alguém mandasse ele fazer isso, ele fugiria. Disse que esse tipo de coisa é para gente com "outro nível de fé". Vejam a entrevista clicando aqui.

O assunto é sério, envolve mortes de muitos inocentes pelas mãos de um covarde estúpido, mas também é ridículo.

Eu lembrei do "Grande Mohamed" da Comédia Melhores do Mundo, que também "não estava convencido em se matar".

Vejam o vídeo abaixo e se divirtam.






Apesar do riso, rezemos pelas almas mortas por esse homem estúpido e maligno.


quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

O Nome de Deus é Misericórdia?


O nome de Deus, descrito na Bíblia (Êxodo 3:14), é : EU SOU.

Vejamos:

13Moisés disse a Deus: "Quando eu for aos filhos de Israel e disser: 'O Deus de vossos pais me enviou até vós'; e me perguntarem: 'Qual é o seu nome?', que direi?" 14Disse Deus a Moisés: "Eu sou aquele que é." Disse mais: "Assim dirás aos filhos de Israel: 'EU SOU me enviou até vós.' 

Já li textos que declaram que não há outro nome mais adequado para Deus, teologicamente, pois Ele É. Ele é Tudo. Alfa e Ômega. O Começo e o Fim. Ele é a Perfeição, nele nada é potencial, tudo está.

Em São João 1,1, Deus é Verbo (Razão, Logos).

Em 1 João 8:14: Deus é Amor.

No novo livro do Papa Francisco, o Papa define o nome de Deus como Misericórdia. Infelizmente, já no título temos problemas doutrinários sérios, mas relevemos. Eu não li o livro e ele pode ter sido teologicamente mais firme nas páginas. Se Deus quiser.

Mas Christopher Ferrara leu e destacou um pequena história que o Papa Francisco ressaltou no livro.

Geralmente pequenas histórias, como as fábulas de Esopo, servem para nos guiar moralmente, mas também não deixam de ter riscos sérios, quando exaltam demais um aspecto moral ou quando simplesmente desviam o caminho da Verdade com palavras bonitas.

A história é a seguinte:

O Papa Francisco exalta um frade capuchinho que chegou na Igreja se ajoelhou e disse: "Meu Deus me perdoe, se eu perdoo demais, mas foi o Senhor que me deu o mal exemplo". O Papa Francisco exaltou o que disse o frade e disse que "quando alguém se perdoa desse jeito, ele pode perdoar os outros"

A palavra mal da história é uma ironia, mas será que tem lógica e é doutrinariamente correto o que disse o frade? E será que um padre tem de se perdoar várias vezes para que possa perdoar os outros?

Christopher Ferrara aponta que não, pois se esquece da justiça divina e também do como deser feito perdão na Igreja. Em resumo, deve-se perdoar quando o pecador realmente está arrependido e promete nunca mais pecar. Assim, como Cristo disse para a prostituta que ia ser apedrejada: "Vá e não peque mais". Além disso, a história reduz o poder do sacramento da Confissão, um sacramento tão católico.

Sobre o padre se perdoar, Ferrara lembra que a confissão não está relacionada com o que padre pensa de si mesmo, pois o perdão vem de Deus e depende mais do pecador.

Vale à pena ler o texto de Christopher Ferrara, pois nos ensina sobre confissão e também sobre lógica, vejamos parte do texto abaixo, leiam todo no site Fátima Perspective, onde está o texto de Ferrara:

A Curious Sort of Mercy

by Christopher A. Ferrara
January 29, 2015
While one might like to refrain from continual commentary on the doings and sayings of Pope Francis, this is impossible, unfortunately, from the perspective of Fatima. It is precisely in light of the Message of Fatima that we see how the Pope is the single most important member of fallen humanity, for in his office resides the power literally to renew the face of the earth — by the papal Consecration of Russia, of course, but also by papal governance of the Church, as we see with such Popes as Saint Gregory the Great. Conversely, in the same office lies the power to inflict terrible damage upon the Church and thus humanity at large.
Which brings me to another of the Pope's recent doings: his publication of a book whose title declares that The Name of God is Mercy. Actually, no. The Church has never given God that name. Rather, as Saint John so famously tells us: "God is love (1 John 4:8)." To quote John Paul II in this regard: "Before all else, it is Love that judges. God, who is love, judges through love." But since the Council, John Paul admitted, "preachers, catechists, teachers… have lost the courage to preach the threat of hell." (Crossing the Threshold of Hope, pp. 183, 187).
God's love embraces His justice as well as His mercy, His punishments as well as His rewards. The divine love embraces the entire universe and the operations of everything in it, which we call the eternal law. This is why Dante speaks even of the divine love that "moves the Sun and the other stars." It is absurd to declare that God is simply mercy for sinners who have offended Him, and that mercy is His name.
Moreover, this book confirms the sense that there is something very peculiar about Francis' notion of an all-encompassing mercy that is practically equated with God and somehow overwhelms and voids His justice. It seems a rather lowly and human conception of mercy — an attempt to outdo God Himself by declaring Him to be "more merciful" than even He had revealed before Francis renamed Him.
We see this in a vignette from the book cited in a review by the liberal Catholic web journal Crux. The book recounts Francis' account of a Capuchin priest who once told him: "I go to our chapel and stand in front of the tabernacle and say to Jesus: 'Lord, forgive me if I have forgiven too much. But you're the one who gave me the bad example!'" Francis records his reaction thus: "I will never forget that. When a priest experiences giving mercy to himself like that, he can give it to others."
This anecdote is immensely troubling:
First, Francis is impressed by a priest who wisecracks to Our Lord that it was He who gave a bad example by "forgiving too much." Granted, the comment is ironic. The priest can't have meant that Our Lord erred in His judgment, that His example really was bad. On the contrary, if a sinner repents of his sin, experiencing what we call "perfect contrition" — that is, he is sorry because he has offended God, not merely because he is afraid of eternal punishment — then it is impossible for God to forgive "too much" as all sins thus repented of are forgivable, no matter how grave. The woman taken in adultery is the most famous example of this.
Second, the sacrament of Confession confers a precious gift on Catholics, extending the divine mercy even further: the penitent whose contrition is imperfect, meaning that his repentance is motivated by the fear of divine punishment rather than love of God, is forgiven nonetheless — by God acting through the priest — provided he has a firm purpose of amendment.
That being so, how is it possible for any priest to forgive "too much" in the confessional if the sinner is contrite and has a firm purpose of amendment? After all,it is God who forgives — not the priest, who only administers the Sacrament of Confession and grants absolution in God's name if the sinner meets the Church's requirements for absolution. The only way the anecdote would make any sense is if the priest quoted was overly lenient and required no showing of contrition or firm purpose of amendment. But that would mean that the priest did intend to say that Christ had literally given a bad example by doing likewise, when we know that His forgiveness of sin always came with this admonition: "Go and sin no more… Sin no more, lest a worse thing come upon you." (Cf. John 8:11; John 5:14)
Lastly, what are we to make of Francis' statement that "When a priest experiences giving mercy to himself like that, he can give it to others"? Since when is the mercy that one receives from God Himself in the confessional dependent on whether the priest has "given mercy" to himself? What is that supposed to mean?
The priest confessor is an intermediary between God and the sinner, and as such he must, according to the constant practice of the Church, grant absolution according to the Sacrament unless it is apparent that the sinner before him is neither contrite nor resolved to amend his life...


terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Vídeo: Em um trem em Munique, Refugiados Assediam Mulher e Atacam Idosos


O Jornal inglês The Telegraph disponibiliza um vídeo em que refugiados atacam idosos em um trem em Munique. Os idosos tinham se levantado para proteger mulher que tinha sido assediada pelos refugiados, que segundo o jornal são de "origem do leste europeu ou árabes".

O texto do jornal conta a história descrita por quem filmou tudo.

É a Europa se destruindo.

Vejam o vídeo abaixo e depois o texto do jornal.





German pensioners 'attacked by migrants after defending young woman'


Two pensioners who stood up for a young woman reportedly harassed by a migrant were apparently attacked in Germany by a group of refugees, according to a video.
The mobile phone footage posted online appears to show a group of young migrants of eastern European or Arabic origin attacking two German pensioners on a busy train in Munich in the middle of the day.
In the video the migrants are seen holding one man by the arms as he is verbally abused, while the second pensioner tussles with one of the young men before being held up by the neck and threatened.
The fight allegedly broke out after one of the migrant men was rejected by a woman whom he had placed his hand upon on the train.
A man named Tom Roth, who filmed and posted the video on his Facebook page, wrote alongside the video that one of the men said something to the woman and then asked: “Why will you not answer me in German?” The woman reportedly replied: “Because you asked me in English.”
Mr Roth wrote: “I think he had his hand on her back. She turned away and looked in my direction.
“As the train continued, the asylum seeker struck the glass window full force. I guess he was angry the woman rejected him. Several men shouted at him to stop.”
But when they did, one elderly German man was patted mockingly on the head by one of the migrant group, sparking an angry exchange.
“The gentleman stood up right away,” wrote Mr Roth. “The asylum seeker then turned, approached the man and grabbed him by the neck. Everyone immediately became involved, with many trying to get in between the pair.”
“The man's attacker fell back in his four-seater. There were four asylum seekers now involved, staring at us and two other older gentlemen angrily.
“There were about 10-15 people beside and behind me. The situation was brought under control. When the train reached the station I called the police. They said there was nothing they could do.”
Mr Roth said he felt the need to share the video, adding: “Those involved were very distressed. An older lady said she doesn't leave her home at night any more. The two gentlemen said that it cannot go on like this.
“I felt safer in Germany two or three years ago. I find that terrifying and sad.
“I'm really sorry for the people who need help, but something must happen against the violent and disrespectful people among them. Many asylum seekers have no respect for women, no respect for men - not even the old - let alone our laws and the police.
A spokesman for the Munich Police Department told the Telegraph that the video was "real and investigations are ongoing".
The police confirmed that they were made aware on Sunday of the incident that is understood to have taken place on January 30, and that they wanted to get in contact with the man who posted the video.
Officers want to clarify with the help of witnesses how the situation escalated and how it ended, as only a part of what happened was captured on the video. They also want to ascertain whether the culprits are definitely refugees.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Polícia da Europa: Há Campos de Treinamento do Estado Islâmico na Europa


A Europol declarou que há campos de treinamento para o Estado Islâmico dentro da Europa, em países como Bélgica. Texto em inglês aqui.



Já ouvi relatos de treinamento terrorista também dentro dos Estados Unidos.

Também leio hoje que há mais de 3 milhões de muçulmanos na Grã-Bretanha. E que em alguns bairros de Londres 50% da população é muçulmana.

Vai ter de ter distribuição de senha para entrar nos campos de treinamentos, quantidade de muçulmanos não é problema na Europa.

Rezemos pela Europa cristã.