quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Trump para Turquia - "Não Banque o Valentão. Não seja Idiota"


Trump liberou a carta que enviou a Recep Endorgan no dia que anunciou que retiraria as tropas americanas da Síria.

Trump está sendo acusado de deixar curdos e cristãos a mercê da ditadura turca, com a retirada das tropas.

Por conta dessa acusação, Trump liberou a carta no qual diz a Endorgan: Don'be a tough guy. Don't be a fool" (que pode ser traduzido por: "não banque o valentão. Não seja Idiota").

A guerra na Síria se iniciou sob administração de Obama, durante a tal "primavera árabe" (que só trouxe desgraça), se alastra desde 2003, e tem vários países na confusão da guerra, como Irã, Rússia, Estados Unidos e Turquia, além de grupos terroristas islâmicos.

A Turquia faz fronteira com a Síria e tem briga de décadas com os curdos que vivem na região de fronteira.

Trump alega que os Estados Unidos não podem ficar em uma guerra sem fim, que quer poupar a vida dos soldados americanos, que os Estados Unidos estão a 7 mil milhas de distância, não têm nada a ver com a guerra, e que os Estados Unidos não ganham nada com a guerra.

Trump também ameaça a Turquia com sanções, caso aja de forma agressiva.

Bom, eu acho que Trump está errado. Temo que não dará certo a sua ameaça a Endorgan.

Infelizmente, sim, o mundo precisa de polícia, de polícia que defenda e esteja do lado da verdade cristã. Apesar, é claro, de se cometer erros durante os atos de polícia.

Recep Endorgan é um ditador que não custa para ameaçar os inimigos políticos e as minorias religiosas. Apesar de fazer parte da Otan, a posição dele frente a imensa imigração na Europa vai fazer a Europa calar frente aos ataques que ele fizer na Síria. Só nos resta os Estados Unidos mesmo para evitar que a Síria se torne xiita ao estilo iraniano ou um poço de terroristas que ameaça o Líbano e Israel.

Algumas vezes o mundo esteve mas mãos de soldados americanos, poucas vezes se reconhece isso.


quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Financial Times: Fraude Financeira do Vaticano


Financial Times trouxe novidades sobre a fraude financeira que envolveu dinheiro de caridade do Vaticano para compra de condomínio luxuoso na região de Chelsea em Londres.

Eu já noticiei isso aqui duas vezes.

Recapitulando: envolve o cardeal Angelo Becciu, muito próximo do Papa, e secretário substituto da Secretaria de Estado (órgão máximo do Vaticano como Estado, a Autoridade de Informação Financeira (órgão de controle das finanças do Vaticano), um monsenhor ajudante de Becciu, Mauro Carlino (que foi suspenso e não pode entrar no Vaticano).

E envolve a compra de um condomínio luxuoso de Londres usando dinheiro de caridade do Vaticano depositado na Suiça, um paraíso fiscal, muito conhecido dos políticos brasileiros.

A novidade trazida pela reportagem é a presença de um fundo de investimento localizado em Luxemburgo, que é também paraíso fiscal.

O fundo se chama Athena Capital e segundo a reportagem lucrou 128 milhões de libras, com a compra do Vaticano e um transação financeira complexa. O fundo tinha comprado por 40 milhões de libras mais 100 milhões de empréstimo. O Vaticano assumiu o empréstimo quando comprou o condomínio por 168 milhões de libras.

O dono da Athena é um tal de Raffaele Mincione, que administra recursos do Vaticano.

O Financial Times disse também que Becciu autorizou pessoalmente a compra do condomínio.

A reportagem do Financial Times foi reproduzida pelo Life Site News.


segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Você já Confessou seu "Pecado Ecológico"?


Será essa a contribuição brasileira para a Igreja Católica? Oh, meu Deus.

Durante entrevista para o sínodo da Amazônia, o arcebispo brasileiro, de Palmas, Pedro Brito Guimarães (foto acima), disse que os católicos deveriam confessar seus pecados ecológicos. A Igreja, segundo ele, está lançando essa novidade, "porque tudo está conectado".

O quê? você abortou? Matou alguém? Roubou os cofres públicos? Tudo bem, plante uma árvore e não jogue lixo na rua, isso deve compensar,

Ainda Ena entrevista,  uma freira do Peru disse que as multinacionais dos Estados Unidos e do Canadá destroem o meio ambiente da Amazônia e a Igreja ajuda a população a processar estas empresas. Ela disse no entanto que "empresas chinesas são mais complicadas para processar".

Como disse o site The American Catholic sejam o que forem essas declarações sejam NÃO são catolicismo.

Em todo caso, nós brasileiros, há anos que ouvimos este tipo de coisa dentro da igrejas e depois vamos para casa assitir novela ou futebol.

Vejam texto sobre a entrevista no site Crux.


sábado, 12 de outubro de 2019

Lista: 50 Anos de Erros de Previsão Climática.


Em tempos em que até a Igreja Católica se rebaixa a previsões apocalípticas ambientais, que já foram provadas erradas tantas vezes, o Competitive Enterprise Institute trouxe uma lista de erros de previsão ambientalistas dos últimos 50 anos.

Ser cientista é ser cético até das próprias previsões e ter muito medo de influenciar os outros com suas previsões..

Mas hoje em dia os que fazem verdadeira ciência se escondem de ataques de ideólogos babacas. Enquanto falsos cientistas roubam dinheiro público.

Na lista, tem de tudo, e uma grande parte vem com data específica de destruição total da humanidade e do mundo.

O mundo ou grandes cidades eram pra ter acabado há muito tempo por diversos tipos de causas.

A lista vem acompanhada de foto de jornal ou de artigo em que apareceram as previsões.

Não vou mostrar essas fotos, pois vai encher muito o post.

Vou colocar aqui só as previsões.

Cliquem no link para ver as fotos.

Wrong Again: 50 Years of Failed Eco-pocalyptic Predictions.

1967: ‘Dire famine by 1975.’

1969: ‘Everyone will disappear in a cloud of blue steam by 1989.’

1970: Ice age by 2000

1970: ‘America subject to water rationing by 1974 and food rationing by 1980.’

1971: ‘New Ice Age Coming’

1974: ‘New Ice Age Coming Fast’

1974: Ozone Depletion a ‘Great Peril to Life’

1980: ‘Acid Rain Kills Life in Lakes’

1978: ‘No End in Sight’ to 30-Year Cooling Trend.

1988: James Hansen forecasts increase regional drought in 1990s

1988: Maldives completely under water in 30 years

1989: Rising seas to ‘obliterate’ nations by 2000

1989: New York City’s West Side Highway underwater by 2019

2000: ‘Children won’t know what snow is.’

2002: Famine in 10 years

2004: Britain to have Siberian climate by 2020

2008: Arctic will be ice-free by 2018

2008: Al Gore warns of ice-free Arctic by 2013

2009: Prince Charles says only 8 years to save the planet

2009: UK prime minister says 50 days to ‘save the planet from catastrophe’

2014: Only 500 days before ‘climate chaos’



sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Infanticídio na Amazônia.


Devo publicar o livro acima daqui a um mês, mais ou menos. Nele, há uma extensa seção sobre teologia da libertação. Eu trato de suas origens, entre elas está Bartolomeu de las Casas. Bartolomeu, que viveu no século 16, já teve de enfrentar a informação que índios da América praticavam infanticídio, libertinagem e canibalismo.

Desde lá, o infantilismo, libertinagem e canibalismo sobrevivem entre os índios, especialmente infanticídio e libertinagem. As crianças não têm voz para reagir e libertinagem e aborto são aceitos abertamente no mundo hoje.

Agora, durante o sínodo, clérigos querem negar que isso exista entre os índios, propagando paganismo.

Como eu digo no livro,  Bartolomeu, pelo menos defendia a evangelização católica, apesar de tentar proteger o infanticídio e o canibalismo.

Os projetos de Bartolomeuc com os índios foram um fracasso, mas parece que os clérigos da Amazônia de hoje não querem ouvir as lições da história.

Texto de hoje do Church Militant pergunta se clérigos brasileiros aceitam infanticídio 

Um jornalista italiano mostrou que os próprios clérigos brasileiros reconheceram a prática do infanticídio entre os índios em documentos e que há um projeto de lei no Brasil contra isso.

Mas esses clérigos apagaram documentos.

O jornalista denunciou.

Vejam parte do texto do Church Militant abaixo:

AMAZON SYNOD: BRAZILIAN BISHOPS SUPPORTING INFANTICIDE?


At Tuesday's synod press briefing, Italian journalist Giuseppe Rusconi, who writes at www.rossoporpora.org, asked a pointed question about infanticide practiced among some Amazonian tribes, leading to a defensive retort from Peruvian Cdl. Pedro Barreto, who denied the practice exists. Rusconi discovered documents posted on the Brazilian bishops' website that acknowledged infanticide is practiced among Amazon tribes, and included a statement endorsing permission for tribes to continue this practice, out of "respect" for their culture. The next day, that document was removed from the the website.
Rusconi granted Church Militant permission to republish his report below.

In [Tuesday's] synod briefing, Cdl. Pedro Barreto said, answering one of our questions, that he had never heard that about 20 Amazonian tribes still practice infanticide. Never before has a site linked to the Brazilian Bishops' Conference (that of Cimi) hosted a contribution against an indigenous anti-infanticide bill. Here we try to fill in his incomplete knowledge. Meanwhile, in the early hours of today, the aforementioned contribution of the anthropologist Segato against the anti-infanticide law disappeared from the Cimi site, linked to the Brazilian Bishops' Conference.
Who is Pedro Ricardo Barreto Jimeno? Born in Lima in 1944, he is a Peruvian Jesuit who received episcopal consecration in 2001 and was appointed in 2004 (also by John Paul II) metropolitan archbishop of Huancayo. Jorge Mario Bergoglio created him a cardinal on June 28, 2018. He is vice president of the Peruvian Bishops' Conference, but above all vice president of the Pan-Amazonian Ecclesial Network (REPAM). No wonder he was named among the three president-delegates of the current Synod.
In this capacity, Cardinal Barreto appeared yesterday at half past one in the Holy See Press Office for the usual synod briefing together with the Filipina Victoria Lucia Tauli — Corpuz (UN special rapporteur on the rights of indigenous peoples) and the Brazilian Moema Maria Marques de Miranda (councilor of the aforementioned REPAM, a fervent trade unionist).
...

Cardinal Barreto intervened after her. At first the president-delegate of the Synod also recognized that "it's not all roses and flowers among the indigenous peoples." For which we cannot speak of "original purity, because this would mean disregarding human nature"; and yet "we must recognize their ancestral wisdom, because they have enriched this biome that Europe is using." Then, "with all due respect," the vice president of REPAM continued, "I have never heard that 20 Amazonian populations practice infanticide." And, taking off his headphones, he pointed out that "those who make similar statements must bring documented evidence." To conclude, Cdl. Barreto pointed out that "every human life is sacred. If someone says that such practices are possible, he is disavowing the message of the Gospel. We must always defend life."
To Cardinal Barreto we provide the following information, which is apparently lacking:
1. The Brazilian Parliament is discussing the draft law (PL) 1057/2007 of deputy Henrique Afonso, which aims to ban the practice of infanticide in indigenous areas. The proposal was approved by the Chamber of Deputies on Aug. 26, 2015 with [votes of] 361 yes and 84 no. The Senate is discussing it. In the very lively debate, the reasons for the universal rights of the human person (right to life) recognized by the Brazilian Constitution in force and those of the indigenous communities (in particular the most isolated) to be able to preserve their own habits and customs are contrasted with each other (as can be seen in the Brazilian Constitution itself). Opposition to the bill is mainly made up of anthropologists who are extreme experts on Indian identity.

...

That infanticide is a practice still in use in our times among some indigenous peoples (some say at least 13, others speak of 20) is confirmed by Repubblica, a wickedly reactionary newspaper: See the article from Nov. 16, 2010, in which the sociologist and anthropologist Giuseppe Bonazzi interviews the Consolata missionaries among the Yanomami people. You hear the interviewee say: "With these people the weakest babies, or those whose mother could not pay attention because they are still busy with the brothers born before, are not accepted and die." A chilling statement, to say the least. But also the equally wickedly reactionary Lettera 43 has in its Rivista Studio magazine an article with the following title: "Will Brazil change the law that allows natives to kill children?" 


The subject is thoroughly researched also on the Brazilian website www.jus.com.br (Oct. 2017), under the title "Indigenous Infanticide." The introduction reads: "The traditional practice of 'indigenous infanticide' consists in the murder of unwanted creatures by the group and is common to several Brazilian tribes." In the conclusion the statement is clear: "In no way can the right to cultural diversity legitimize the violation of the right to life. Therefore any attempt to justify the practice of infanticide cannot find support in any international legislation." 
Also the Brazilian daily O Globo (as wickedly reactionary as Repubblica and Lettera 43) published on Dec. 7, 2014 the results of a survey by a journalistic team called Fantastico (belonging to the newspaper) on the Yanomami. The survey confirms that when a child is born, the mother goes with the child to the forest, examines the child and, if he has a disability, she normally returns home alone. Or, if there are twins, the mother recognizes only one. The act of recognition is symbolized by breastfeeding and the child is then considered a living being by the community.
...
Vejam mais no site do Church Militant.


quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Roubo de 400 Milhões de Euros do "Óbolo" do Papa


Na semana passada, eu relatei aqui uma investigação de fraude financeira na Secretaria do Estado do Vaticano, que envolveu o cardeal Angelo Becciu, homem de confiança de Francisco.

Hoje, leio no Church Militant,  relatos de que a investigação envolve roubo de 400 milhões de euros das doações mundiais que fazem parte do "Óbolo de São Pedro", doações que o mundo faz às intenções de ajuda humanitária do Papa. É dinheiro que os cristãos do mundo fazem aos mais necessitados.

Há clérigos investigados por esse roubo, que envolve investimentos em terrenos luxuosos da Inglaterra e empresas de fachada, o modus operandi da lavagem de dinheiro global.

O Church Militant fala até um clérigo venezuela, arcebispo Edgar Peña Parra, que estaria envolvido com os roubos e em assassinato de dois homens em orgias homossexuais. A foto acima mostra Parra com o Papa Francisco.

Segundo o site, todos os envolvidos são de grupos de apoiam o Papa, mas todos estão infelizes com ele de alguma forma. Normal, grupos de apoio a líderes estão sempre em briga e possuem algo a reclamar do líder. Se juntam todos contra o grupo de oposição, no caso de Francisco, se juntam todos contra os ortodoxos, conservadores, todos que querem que a Igreja siga o mais perto possível as palavras de Cristo. 

O Church Militant diz que o próprio Papa Francisco consentiu no pedido do Banco do Vaticano para que a polícia do Vaticano entrasse nos escritórios da cúria para cumprir mandato de busca e apreensão. Mas o fez porque os roubos ficaram muito evidentes e muita gente já estava sabendo. Acho também que o Banco do Vaticano está sob vigilância cerrada de autoridades italianas e financeiras globais e por isso fez o pedido ao Papa para liberar a investigação. O Banco deve ter muita informação dos roubos.

Aqui vai parte do texto do Church Militant.


NOW, IT’S HUNDREDS OF MILLIONS!

A half a billion, to be precise.

October 10, 2019


Following up on yesterday's Vortex where we talked about Vatican Secretary of State Cdl. Pietro Parolin and his apparent covering up of at least a $13 million theft from the U.S.-based Papal Foundation — now there's more.
Parolin's offices were raided internally by Vatican police last week, as was widely reported in international media. The unprecedented raid, created a firestorm of questions.  
Church Militant has been informed that, behind the scenes, this is something of a power play between various Pope Francis factions, apparently all of whom are unhappy with him — just for competing reasons.
Indeed, it was Francis himself who gave permission for the raid, but by the time the case arrived on his desk, too much was already known by too many for the Pope to have not acted.
In short, various workers in the Vatican Secretary of State diverted — or ripped off — approximately 400 million euros; that's almost $500 million from the account which administers Peter's Pence.
Let that sink in: half a billion dollars stolen. Those optics immediately look bad — really bad. Francis' "Church of the Poor" has high-level workers stealing from a pot intended to help the poor.
It's so bad that the Swiss Guard was handed this flyer with the workers' official headshots and ordered to not let them back into Vatican City while the investigation is going on.
What has the investigation turned up so far, according to our Vatican sources?
That about half of the money, approximately $250 million, diverted from Peter's Pence, was used to buy a massively expensive building in the heart of London on Sloane Avenue.
While the cost of the building was at market price, the point is that the purchase was made with funds not authorized to be used for real estate or real estate speculation.
On top of that, when all the Brexit madness and political fallout turned into economic news, the market for expensive real estate in London took a huge hit and the value of the building dropped.
Additionally, some of the remaining roughly $250 million — 200 million in euros — appears to have been diverted to either phony legal companies or, at a minimum, fraudulent billable hours to cover for the purchase of the London property.
Aside from the theft, which makes Cdl. Parolin's so-called "loan agreement" for $13 million with the Papal Foundation look small by comparison, there is the more painful PR problem for Pope Francis of just who was in charge when the senior managers got sticky fingers.
That man is Cdl. Angelo Becciu, who was deputy to the Secretariat of State, the offices that were raided, at the time all this illegal stuff was going on.
He is a dyed-in-the-wool Francis man, who the Pope promoted to cardinal last year.
In December of last year, he transferred to become prefect of the Congregation for Saints and his replacement at State is none other than Abp. Edgar Peña Parra, a man with a very questionable past, but also an FOF — "Friend of Francis."
The theft or diversion of half a billion dollars appears to have happened on Becciu's watch, and the cover-up and resulting raid on Parra's watch.
Parra has a very troubling past, a past which Pope Francis seems to have no problem with.
This past June, Abp. Viganò, in hiding for fear of his life, told The Washington Post that he's seen with his own eyes official Church documentation linking Parra to the deaths of two men in Venezuela in 1992.
The deaths from electrocution occurred on the island of San Carlos in Lake Maracaibo in northern Venezuela, and according to the Church documents Viganò read, he says, "[T]he two corpses were found naked, with evidence of macabre homosexual lewd encounters."
Moreover, Parra has a long history of accusations of homosexual predation, including the seduction of two seminarians in September 1990 in Maracaibo, an account investigated and confirmed in writing by the seminary rector.
Archbishop Viganò also insists the Vatican has in its possession a 25-page dossier detailing Parra's alleged crimes, but none of this has stopped his rise to power in the Francis Vatican.
According to sources here in Rome, the half-billion-dollar theft was reported to Francis by high-ranking officials at the Vatican bank. 
That little nugget is what prompted the reports that a huge internal power play was underway inside the walls here.
The Vatican Bank has a very long history of corruption. That the bank would actually report other officials of corruption has become something of a quiet joke here. 
When Francis stepped out onto the loggia back in 2013, one of the two pressing issues was the widespread corruption — financial and moral — that needed cleaning up.
Jorge Bergoglio was presented to the cardinals in conclave as the man who could get everything cleaned up because he was not part of the bureaucracy, he was the consummate outsider.
But under Francis, the scandals have proliferated and Vatican corruption seems more entrenched than ever.


quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Padre Weinandy: "Igreja Caminha para Cisma Interno Assustador"


Padre capuchino Thomas Weinandy é ex-chefe da comissão teológica da conferência de bispos dos Estados Unidos e membro da comissão teológica internacional do Vaticano.

Em um artigo publicado pelo The Catholic Thing,  e reproduzido pelo National Catholic Register, Weinandy disse que a Igreja nunca enfrentou um pontificado como o de Francisco. E que a Igreja já teve cismas no passado, e ter-a no futuro, mas a "natureza do atual cisma é assustadora".

Para ele, Francisco dá boas-vindas ao cisma, se ele estiver com o poder.  Weinandy diz que Francisco deseja um cisma, pois, para o Papa, o cisma é o "novo paradigma".

A Igreja caminha para um cisma interno:

De um lado, temos o Papa e aqueles membros do clero que aprovam e propagam uma doutrina ambígua e confusa.

Do outro lado, temos aqueles membros do clero que desejam permanecer leais ao Papa mas não aceitam a  exaltada heterodoxia na doutrina.

O texto de Weinandy toca também em diversos aspectos, coisas que já tratei muitas vezes aqui no blog, como:

- O Papa foca suas críticas nos membros do clero dos Estados Unidos, mas seus críticos estão em todos os lugares;

- O Papa diz que trata com "carinho" seus críticos, mas nunca demonstrou isso, pelo contrário, vive insultando-os;

- A imensa maioria dos críticos do Papa não desejam um cisma;

- O Papa e seus adeptos nunca ofereceram diálogo teológico com seus críticos, ficam entrincheirados no Vaticano.

- O Papa e os seus adeptos não enfrentam o debate teológico, pois sabem que não venceriam, por isso abusam de xingamentos e rótulos contra os críticos;

- Weinandy acredita que os bispos da Alemanha não farão um cisma pela esquerda, porque precisam do nome "católico" para sobreviver. Mas Weinandy acredita que eles adotaram doutrina ambígua com apoio do Papa;

- Weinandy disse que a Declaração de Abi Dhabi, assinada pelo Papa junto com um Imã, que diz que "Deus deseja a diversidade religiosa" é diretamente contraditório ao dogma divino e elimina a primazia de Cristo como único caminho para salvação;

- No Sínodo da Amazônia, o Papa se cercou daqueles que pregam ambiguidade e confusão de doutrina;

- O Papa Francisco é líder de duas igrejas dentro da Igreja, que está em cisma interno;

- Francisco não só não tem medo de cisma, como ele até deseja um cisma, se ele estiver no poder;

- Weinandy termina dizendo que os leigos católicos devem se levantar para defender a Igreja e que ele acha que as mulheres especialmente sçao bem vindas na luta para evitar a desgraça de um cisma e trazer a necessidade d euma purificação.

Vejam todo o texto de Weinandy, clicando aqui, abaixo vai um pedaço:

Pope Francis and Schism



Sinodo da Amazônia: Mulher Rodopia em Calça "Leg" com a Bíblia, Índia Amamentando um Cachorro. Paganismo e Bestialidade. E os "Bennyplenists"



Vídeo acima do professor Taylor Marshall que mostra (a partir do minuto 19): uma mulher (talvez brasileira) que rodopia (isso não é dança) em calça leg com a Bíblia na mão. E depois ele mostra um cartaz dentro da Igreja que mostra uma índia segurando seu filho enquanto amamenta um cachorro, com os dizeres "tudo está conectado" (como que mostrando que uma criança é igual a um cachorro).

Tudo isso dentro da Igreja Santa Maria Transpontina, no Vaticano, durante o Sínodo da Amazônia. A Igreja ficou cheia de imagens pagãs durante o sínodo, como o vídeo também mostra.

Paganismo com bestialidade dentro da Igreja no Vaticano. Heresia e apostasia promovida pelo Papa Francisco.

Como ele fala no vídeo, o padre Malachi Martin costumava dizer que havia cerimônias secretas demoníacas dentro do Vaticano, hoje, em tempos de Francisco, você liga o youtube e assiste isso ao vivo, todo dia.

Antes de mostrar essas ridículas imagens pagãs dentro da Igreja, Marshall estava falando que o movimento que ele chamou de "bennyplenists" está aumentando, o movimento alega que Bento XVI ainda é o papa, pois um verdadeiro papa não permitiria isso dentro da Igreja.




segunda-feira, 7 de outubro de 2019

Polícia Investiga Escândalo Financeiro no Vaticano em Tempos de Francisco


Esse aí acima é o cardeal Angelo Becciu, que foi recentemente nomeado cardeal pelo Papa Francisco. Ele está envolvido em várias atividades de confiança do Papa Francisco, como a crise em Malta e também na gestão financeira. Pois ele também ao que parece está envolvido com crimes financeiros, ou acoberta crimes financeiros. O secretário dele na Secretaria de Estado do Vaticano, um monsenhor, foi suspenso pela polícia do Vaticano por suspeita de crime financeiro.

Uma das supostas razões para eleição de Francisco foi que ele era um homem afastado da cúria e assim corrigiria mais fácil os escândalos financeiros. Mas os escândalos financeiros não pararam e o déficit público da Vaticano é récorde. A última informação que tive é que Francisco triplicou o déficit do Vaticano em sua gestão, de 20 milhões d euros, para 70 milhões de euros.

No dia primeiro de outubro, a polícia do Vaticano colheu provas e computadores da Secretária de Estado do Vaticano (órgão mais importante da administração do Vaticano) e também da Autoridade de Informação Financeira (tipo um TCU do Vaticano). Isto é, é comum a polícia tivesse entrado na sala do prefeito e na controladoria geral do Vaticano por conta de crimes financeiros.

5 pessoas foram suspensas e proibidas de entrar no Vaticano, entre elas o diretor da Autoridade Financeira, Tomasso Di Ruzza, e o monsenhor Mauro Carlino, que chefia a informação da Secretaria de Estado.

Ao que indica a polícia investiga crimes financeiros, a pedido do Banco do Vaticano, relacionados com compras de terreno.

Hummm...compras de terreno, fonte de lavagem de dinheiro em qualquer sopa.

Aqui vai uma tradução de parte de um artigo da Life Site News sobre o tema.

Aqui está o que sabemos:

- O promotor está investigando as transações financeiras que foram sinalizadas pelo banco do Vaticano e pelo escritório do gerente geral. É este último - o auditor geral - que nos interessa aqui.
O escritório do auditor geral está atualmente vago; o trabalho está sendo feito por um administrador interino.

- O último auditor geral em tempo integral, Libero Milone, foi forçado a renunciar em junho de 2017. Foi expulso pelo então arcebispo (agora cardeal) Angelo Becciu. Milone afirmou que havia sido demitido depois que começou a caçar irregularidades financeiras; Becciu respondeu que Milone estava espionando seus superiores. Essas acusações  não são mutuamente exclusivas.

- Um dos funcionários do Vaticano agora suspenso em conexão com esta investigação, Mons. Mauro Carlino, foi até recentemente assessor de Becciu na Secretaria de Estado.

Estes fatos levam a seguinte possível explicação:

- Milone, cujo trabalho era fazer perguntas sobre finanças, desconfiava de algumas pessoas que passavam pelos escritórios do chefe substituto da Secretaria de Estado, o então arcebispo, agora cardeal, Angelo Becciu.

- Becciu percebeu que Milone estava entrando no escritório sem a sua autorização (de Becciu) e ficou furioso. Becciu ameaçou Milone com acusação criminal por espionar seus superiores: uma ameaça que só foi retirada depois que Milone renunciou.

- Esses são fatos estabelecidos. O que a polícia do Vaticano fez leva-nos a acreditar que Milone tinha boas razões para suspeitar - se não de Becciu, pelo menos de seu secretário Carlino

Certamente mais fatos surgirão - lentamente. Mas mesmo os poucos que já vieram à luz são mais eficazes que o secretariado da economia. 

O cardeal George Pell, levado a Roma para trazer transparência financeira ao Vaticano, perdeu a batalha principal quando seu plano para uma auditoria independente foi bloqueado pela Secretaria de Estado. Milone, como auditor geral, perdeu o emprego quando sua busca por informações foi bloqueada - pela Secretaria de Estado.

Então agora o promotor do Vaticano está perseguindo informações que Milone, deixado por conta própria, poderia ter descoberto mais de dois anos atrás? Parece provável que este último escândalo possa ter sido evitado.

Em junho de 2017, quando Milone renunciou, o Vaticano prometeu que um novo auditor geral seria nomeado "o mais rápido possível". Mais de dois anos depois, ainda estamos esperando. E durante o período, o Vaticano fez foi retirar poderes do auditor geral.

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Vídeo: A Ridícula Apostasia de Francisco



Um dos motivos mais básicos da minha fé católica é que as alternativas são ridículas ao primeiro olhar. Hoje o Papa Francisco mostrou isso com sua apostasia pagã nos jardins do Vaticano.

Dancinha indígena para "mãe terra" é demais, foge a qualquer possível comentário sadio.

Na história, quantas vezes os europeus viram que isso é ridículo demais frente ao cristianismo/judaísmo ou racionalismo grego?

E o vídeo ainda usa a imagem de São Francisco, homem que lutou tanto pela fé católica, indo até a Cruzadas para defender essa fé.

O mundo quis destruir São Francisco fazendo-o ser apenas um "defensor dos animais". Uma estupidez.

O vídeo é uma ofensa a São Francisco no dia dele. Paganismo ofensivo.

Meu Deus.


Vídeo: Grandes Católicos em Defesa da Igreja e de Cristo se Reúnem em Roma



Life Site News reuniu renomados católicos, da Itália, do Reino Unido, dos Estados Unidos e da França, para defender a Igreja e Cristo frente às heresias propagadas pelo Papa Francisco e pelos bispos do sínodo da Amazônia.

Um deles, Dr. Taylor Marshall, foi meu professor de teologia e doutrina católica no New Saint Thomas Institute. Os outros, eu acompanho o trabalho há muito tempo, com destaque entre os destaques, Roberto de Mattei. Acompanho mais de perto: John-Henry Western (Life Site News), Michael Matt (jornal The Remnant), Michael Voris (Church Militant), John Smeaton (SPUC, sociedade protetora da criança no útero da mãe) e José Ureta (TFP).

Fantástico. Ficará na história este encontro.




quarta-feira, 2 de outubro de 2019

A Carta de Boris Johnson e o Conluio Estrangeiro contra Brexit

Boris Johnson divulgou hoje a carta que enviou ao presidente da Comissão da União Europeia, Jean-Claude Juncker. Você pode ler a carta toda (de quatro páginas) clicando aqui.

Basicamente, ele disse: ou negocia já para que o Reino Unido saia da União Europeia com acordo, ou o Reino Unido vai sair de qualquer jeito dia 31 de outubro. Em termos técnicos, falou mais da situação da fronteira entre Irlanda e Irlanda do Norte, em que a Irlanda permanecerá na Zona do Euro, sendo este a questão prática.

E ainda temos que o jornal Daily Mail divulgou investigação contra conluio entre França, Alemanha e deputados britânicos esquerdistas contra o Brexit, na tentativa de que estes deputados conseguissem um arranjo na Câmara dos Comuns e agissem no lugar de Boris. No final, eles fariam  o país se render à União Europeia.

Se os democratas nos Estados Unidos estão loucos para provar um conluio estrangeiro contra Trump, os deputados esquerdistas ingleses estão em conluio estrangeiro contra o Brexit.

Em suma, é guerra, os progressistas odeiam Trump e odeiam o Brexit.

Boris que se prepare, o tom da carta mostra que ele sabe que está em guerra.


terça-feira, 1 de outubro de 2019

Filme: Manifesto de Fé



Foi lançado hoje o filme Manifesto of Faith (Manifesto de Fé), que é baseado no manifesto de fé do Cardeal Gerhard Muller, que foi divulgado aqui no blog no dia 8 de fevereiro de 2019, e foi considerado "uma quase correção do Papa Francisco", uma vez que o cardeal foi o prefeito para Doutrina da Fé (espécie de chefe máximo da Doutrina da Igreja), até 2017, quando foi demitido por Francisco.

Saudemos a produtora Arcadia que teve a brilhante ideia de fazer um filme e assim propagar mais e melhor o manifesto de Muller.

O filme pode ser assisitido no site Manifesto of Faith, clicando aqui.

Vejam trailer do filme acima.


Sobre o "Impeachment" de Trump - Parem com Loucuras



Acho que o vídeo do Partido Republicano (partido de Trump) elucida bem o caso do impeachment. Os inimigos de Trump sempre foram tresloucados e não aguentam a vitória dele. O vídeo mostra políticos, atores, cantores, jornalistas promovendo abertamente o assassinato de Trump e de todos que estão em volta dele. Pensem se tivesse ocorrido o mesmo com o Obama. Todos estes estariam presos e teriam suas vidas profissionais acabadas.

O novo caso de impeachment, depois das tentativas de dois anos de tentar provar influência da Rússia na vitória de Trump (em que se consumiu bilhões de dólares em investigações), é  mais nova tentativa baseada em um telefonema no qual o informante "ouviu dizer" que  Trump pressionou o presidente da Ucrânia (que vendeu as eleições para combater a corrupção em seu país) para fiscalizar Joe Biden (que foi vide-presidente de Obama) e seu filho, que até admitiram ter negócios escusos com a Ucrânia e com a justiça ucraniana.

Boa parte do submundo da CIA também detesta Trump, depois de anos de politicamente correto e esquerdismo, com os Clinton, Bush e Obama.

Em suma, é guerra. Trump não é santo, ninguém é, mas ele já provou estar do lado da vida e da paz mundial. Obama teria ganho um prêmio nobel da paz merecido se tivesse feito o que Trump fez com a Coréia do Norte, sem alienar os parceiros sul-coreanos e japoneses.


Hong Kong - Tiros em Manifestantes



Vários sites do mundo hoje mostram videos em que manifestantes em Hong Kong receberam tiros da polícia chinesa. Um dos vídeo vai acima, da Associated Press. Outro vídeo, mais explícito está no site do jornal Daily Mail, clique aqui para ver.

Hong King virou local em guerra.

Enquanto isso, o mundo olha pro lado, quem é que vai se meter com o partido comunista chinês que anda prometendo dinheiro para os países pobres fazendo estes silenciar, e os países ricos também não vão se meter, pois suas empresas usam a mão de obra barata dos chineses

Só mesmo o Trump tem coragem de desafiar, nem que seja minimamente, a China.

Os líderes religiosos do mundo também silenciam, por vezes até elogiam o modo como a "China aplica a Doutrina Social da Igreja" (palavras do bispo Sorondo), enquanto a China destrói igrejas e persegue os fiéis, sejam cristãos ou muçulmanos.



segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Papa Francisco Mostra Apoio a James Martin (o Padre dos LGBT)


O Papa Francisco recebeu o padre jesuíta James Martin, conhecido mundialmente por apoiar a causa LGBT, especialmente o que ele chama de "católicos LGBT".

O encontro foi visto como apoio explícito ao padre dos gays, depois que o arcebispo Charles Chaput advertiu os católicos contra James Martin nos Estados Unidos. Chaput alertou que a mensagem de Martin confundia os católicos e não representava a Doutrina da Igreja.

O encontro entre Martin e Francisco ocorreu na sala onde Francisco recebe representantes internacionais, o que dá mais força ao encontro.

James Martin, depois da reunião, declarou que foi um encontro fantástico com o Papa, que "eles tiveram várias risadas", que dividiu com o Papa a "experiência e a alegria dos católicos LGBT"  e que viu a audiência "como um sinal de que o Papa se preocupa com os católicos LGBT".

Bom, acho que Chaput entendeu o recado, viu de que lado o Papas está.

Se você está aí lembrando que sodomia (ato homossexual gay) é um dos quatro pecados que "clamam aos céus por vingança", o Papa Francisco deseja que você esqueça isso.

Ele deseja também que você esqueça, as seguintes passagens na Bíblia:

Gênesis 18:20: É imenso o clamor que se eleva de Sodoma e Gomorra,e o seu pecado é muito grande.

Levítico 18:22: "Não te deites com um homem, como se fosse com uma mulher: é uma abominação."

No Novo Testamento:

1 Coríntios 6:9-10: "Não sabeis que os injustos não herdarão o Reino de Deus? Não vos iludais! Nem os imorais, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os depravados, em os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os caluniadores irão herdar o Reino de Deus."

1 Timóteo 1:8-10: "Sabemos que a Lei é boa, contanto que a tomemos como uma lei. Ela não é destinada ao justo, mas aos iníquos e rebeldes, ímpios e pecadores, sacrílegos e profanadores, parricidas e matricidas, homicidas, impudicos, pederastas, mercadores de escravos, mentirosos, para os que juram falso, e para tudo o que se oponha à sã doutrina,"

Romanos 1:25-27: "Trocaram a verdade de Deus pela mentira e adoraram e serviram a criatura em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amén. Por isso, Deus entregou os homens a paixões vergonhosas: suas mulheres mudaram a relação natural em relação contra a natureza. Os homens fizeram o mesmo: deixaram a relação natural com a mulher e arderam de paixão uns com os outros, cometendo atos torpes entre si, recebendo dessa maneira em si próprios a paga pela sua aberração."

Aqui vai uma foto famosa de James Martin:


sexta-feira, 27 de setembro de 2019

O Papa às Claras em Suas Próprias Palavras


Quem é o Papa Francisco? Bom, está muito claro, em suas próprias palavras, em diversos livros e em depoimentos, especialmente de argentinos. Eu mesmo já escrevi um e-book sobre quem é o Papa Francisco (e coloquei o e-book em duas línguas: português e inglês)

Sobre suas próprias palavras, hoje foi divulgado o que ele disse para um grupo de jesuítas de Moçambique (foto acima).

É o Papa falando sem script, sem ler nada, e entre os seus companheiros jesuítas.

O que sai das palavras dele? O que tudo mundo já sabe:

  • Condenação a padres que se vestem, se comportam e falam como padres, no respeito à Doutrina Católica;
  • Aceitação da pauta esquerdista global;
  • Exaltação de livros com viés progressista para a Igreja, que defendem a paranoia esquerdista;
  • Ataque contra os conservadores ou tradicionalistas, palavras contra todos que respeitam com ardor a fé católica;
  • Condenação de missionários e qualquer um que ensine e defenda o catolicismo frente a outras religiões;
  • Perversão das palavras de santos: ele usou as palavras de São Francisco que disse: "vá e evangelize, se preciso use palavras", nas quais São Francisco diz que se deve evangelizar de todo jeito, com atos e palavras, mas defender que a "evangelização é livre", isto é, o missionário não deve fazer nada, deve deixar a pessoa sozinha para decidir se quer ir para a Igreja. Um bispo que trabalhou para o sínodo na Amazônia disse que se orgulha de nunca ter batizado um índio. Isso é puro Papa Francisco.
  • Uso de termos mal definidos, como "clericalismo" para atacar conservadores e padres tradicionalistas, ou de "populismo", para atacar políticos conservadores;
  • Falta de preocupação com libertinagem sexual (acha que que os pecados que envolvem moralidade sexual não são relevantes);
  • Preconceito e ignorância em relação aos Estados Unidos.
É o Papa sem script e falando o que todos já sabem, mas alguns ainda não admitem.



quinta-feira, 26 de setembro de 2019

A Igreja "Cristislã" do Papa Francisco.


O Papa Francisco assinou um entendimento com o líder islâmico Ahmed al-Tayeb, em fevereiro deste ano, dizendo que Deus "deseja" diversidade religiosa, depois lançou o Projeto Fraternidade Humana. Agora, temos o lançamento da "Iniciativa da Casa de Abraão".

Dentro dessa "iniciativa" seria lançado uma "Igreja Cristislã", que combinaria cristianismo e islã, igreja e mesquita. Essa "igreja-mesquita" será construída nos Emirados Árabes Unidos, local onde Papa Francisco assinou o documento, para ser aberta em 2022.

Bem, essa iniciativa é um encadeamento lógico do documento herético assinado pelo Papa Francisco. Se você apoiou esse documento, deve aceitar a Igreja Cristislã.

Não sei se os judeus ficaram de fora, o texto do jornal é ambíguo (sobre Abraão e as três religiões recomendo o livro On the God of the Christians and two more, de Rémi Brague). Um rabino falou em apoio à iniciativa, mas seria "igreja-mesquita".

Em todo caso, Papa Francisco e os seus estão na busca por uma "religião global", condenada tanto pela Bíblia como por tantos outros pensadores na história.

Vejam texto do jornal The Times Of Israel.

UAE to open synagogue, part of interfaith compound, in 2022

Abu Dhabi complex will include church and mosque; follows pope’s visit to country earlier this year that resulted in religious tolerance pact




The United Arab Emirates will build a new synagogue as part of an interfaith compound that will also house a mosque and church and is reportedly set to open in 2022.

The announcement of the Abrahamic Family House, on the Saadiyat Island in Abu Dhabi, follows a visit by Pope Francis to the UAE in February, the first by a pope to the Arabian Peninsula. During the trip, the pope signed a joint declaration with the grand imam of al-Azhar, Dr. Ahmed el-Tayeb, that called for religious tolerance and dialogue.
An interfaith council to oversee projects advancing tolerance was formed as a result of the declaration, and named the Higher Committee of Human Fraternity. The Abrahamic Family House is its first initiative.
“This is an important opportunity for all who believe in the power of faith and humanity. It will help build bridges between religious leaders and communities as well as foster peace and harmony in an era that is too often defined by difference,” said Rabbi M. Bruce Lustig, senior rabbi at Washington Hebrew Congregation, and a Jewish representative of the committee.

terça-feira, 24 de setembro de 2019

Cardeal Burke e Bispo Schneider Divulgam Documento sobre Pontificado de Francisco


O cardeal Raymond Burke e o bispo Athanasius Schneider divulgam mais um documento chamado A clarification about the meaning of fidelity to the Supreme Pontiff (que poderia ser traduzido como: "Um Esclarecimento sobre o Significado da Fidelidade ao Sumo Pontífice). Recentemente pediram orações e jejum para que o sínodo da Amazônia não gerasse heresias na Igreja, para que o Papa Francisco protegesse a fé católica.

Nesta nova declaração, eles afirmam que têm o dever de consciência de se manifestar contra uma “confusão doutrinária quase geral” na Igreja hoje em dia, e que essa crítica é feita por “grande amor pelas almas ” e para o Papa Francisco.

Na declaração de três páginas de hoje, Burke e Schneider dizem que suas consciências não deixa que eles se calem, ”diante de ambiguidades e erros doutrinários deste pontificado".

Eles se referem, em particular, à indissolubilidade do casamento e à admissão à Santa Comunhão daqueles que “coabitam em uniões irregulares”, a “crescente aprovação de atos homossexuais” e o que eles dizem serem erros doutrinais no recente documento da Fraternidade Humana assinado pelo Papa, e no instrumentum laboris, ou documento de trabalho, do próximo Sínodo da Amazônia.

Eles afirmam que atualmente emergiu uma “infalibilização quase total” nas declarações papais, levando a “não mais possibilidade de um debate intelectual e teológico honesto” e um “desrespeito pela razão e, portanto, pela verdade. "

Eles lembram que corrigir um papa é recorrente na história da Igreja, desde o começo, desde que São Paulo advertiu São Pedro, o primeiro papa.

Eles especulam como São Paulo reagiria frente ao documento que o Papa assinou com o líder muçulmano no Egito, no qual se lê que "Deus deseja a diversidade religiosa e de sexo". E também sobre como São Paulo  reagiria ao paganismo do documento do sínodo da Amazônia.

Dizem que ambos os documentos contribuem para uma "traição" da "singularidade incomparável" de Cristo e são contra a integridade da Fé Católica, algo que está acontecendo "diante dos olhos" da Igreja e do mundo.

Aqui vai o documento que foi publicado em primeira mão pelo jornalista Edward Pentin, no National Catholic Register.

A clarification about the meaning of fidelity to the Supreme Pontiff

No honest person can anymore deny the almost general doctrinal confusion which is reigning in the life of the Church in our days. This is particularly due to ambiguities regarding the indissolubility of marriage, which is being relativized through the practice of the admittance of persons cohabitating in irregular unions to Holy Communion, due to the increasing approval of homosexual acts, which are intrinsically contrary to nature and contrary to the revealed will of God, due to errors regarding the uniqueness of the Our Lord Jesus Christ and His redemptive work, which is being relativized through erroneous affirmations on the diversity of religions, and especially due to the recognition of diverse forms of paganism and their ritual practices through the Instrumentum Laboris for the coming Special Assembly of the Synod of Bishops for the Pan-Amazon.

In view of this reality, our conscience does not allow us to be silent. We, as brothers in the College of Bishops, speak with respect and love, so that the Holy Father may unequivocally reject the evident doctrinal errors of the Instrumentum Laboris for the coming Special Assembly of the Synod of Bishops for the Pan-Amazon and not consent to the practical abolition of priestly celibacy in the Latin Church through the approval of the ordination of so-called “viri probati”. 

With our intervention, we, as shepherds of the flock, express our great love for souls, for the person of Pope Francis himself and for the divine gift of the Petrine Office. If we would not do this, we would commit a great sin of omission and of selfishness. For if we were silent, we would have a quieter life, and perhaps we would even receive honors and acknowledgments. However, if we would be silent, we would violate our conscience. In this context we think of the well-known words of the future Saint Cardinal John Henry Newman (who will be canonized on October 13, 2019): “I shall drink — to the Pope, if you please, — still, to Conscience first, and to the Pope afterwards” (A Letter Addressed to the Duke of Norfolk on Occasion of Mr. Gladstone’s Recent Expostulation). We think of these memorable and germane words of Melchior Cano, one of the most learned bishops during the Council of Trent: "Peter does not need our adulation. Those who blindly and indiscriminately defend every decision of the Supreme Pontiff are those who most undermine the authority of the Holy See: they destroy, instead of strengthening its foundations”.

In recent times, there has been created an atmosphere of an almost total infallibilization of the statements of the Roman Pontiff, that is to say, of every word of the Pope, of every pronouncement, and of merely pastoral documents of the Holy See. There is, in practice, no more the observance of the traditional rule of distinguishing the different levels of the pronouncements of the Pope and of his offices with their theological notes and with the corresponding obligation of adherence on the part of the faithful.

In spite of the fact that dialogue and theological debates were encouraged and promoted in the life of the Church during the past decades after the Second Vatican Council, in our days, there seems to be no more possibility of an honest intellectual and theological debate and of the expression of doubts regarding affirmations and practices which seriously obfuscate and harm the integrity of the Deposit of the Faith and of the Apostolic Tradition. Such a situation leads to the disregard for reason and, therefore, for the truth.
Those who criticize our expressions of concern employ substantially only sentimental arguments or arguments from power. They seemingly do not want to engage in a serious theological discussion of the subject. In this respect, it seems that oftentimes reason is simply ignored and reasoning suppressed.

A sincere and respectful expression of concern regarding matters of great theological and pastoral importance in the life of the Church today, addressed also to the Supreme Pontiff, is immediately squelched and cast in a negative light with defamatory reproaches of "sowing doubts", of being "against the Pope", or even of being “schismatic”.

The Word of God teaches us, through the Apostles, to be certain, firm, and uncompromising regarding the universal and unchanging truths of our Faith and to keep and protect the Faith in the face of errors, as St. Peter, the first Pope, wrote: “Take heed, lest being led aside by the error of the iniquitous, you fall from your own steadfastness” (2 Pt. 3:17). St. Paul also wrote: “We may no longer be children, tossed to and fro by the waves and carried about by every wind of doctrine, by human cunning, by craftiness in deceitful schemes. Rather, speaking the truth in love, we are to grow up in every way into him who is the head, into Christ” (Eph. 4:14-15).

One must keep in mind the fact that the Apostle Paul publicly reproached the first Pope at Antioch in a matter of a lesser gravity, compared to the errors which in our days are spread in the life of the Church. St. Paul publicly admonished the first Pope because of his hypocritical behavior and of the consequent danger of questioning the truth that says that the prescriptions of the Mosaic law are no longer binding for Christians. How would the Apostle Paul react today, if he would read the sentence of the Abu Dhabi document which says that God wants in his wisdom equally the diversity of sexes, nations and religions (among which there are religions which practice idolatry and blaspheme Jesus Christ)! Such an affirmation effects, indeed, a relativization of the uniqueness of Jesus Christ and of his redemptive work! What would St. Paul, St. Athanasius and the other great figures of Christianity say, when reading such a phrase and the errors expressed in the Instrumentum Laboris for the coming Special Assembly of the Synod of Bishops for the Pan-Amazon? It is impossible to think that these figures would remain silent, or would let themselves be intimidated with reproaches and accusations of speaking "against the Pope".

When Pope Honorius I in the seventh century showed an ambiguous and dangerous attitude regarding the spread of the heresy of monothelitism, which denied that Christ had a human will, St. Sophronius, Patriarch of Jerusalem, sent a bishop from Palestine to Rome, asking him to speak, pray and not remain silent until the Pope condemned heresy. If St. Sophronius lived today, he certainly would be accused of speaking "against the Pope".

The affirmation on the diversity of religions in the Abu Dhabi document and especially the errors in the Instrumentum Laboris for the coming Special Assembly of the Synod of Bishops for the Pan-Amazon contribute to a betrayal of the incomparable uniqueness of the Person of Jesus Christ and of the integrity of the Catholic Faith. And this occurs before the eyes of the whole Church and of the world. A similar situation existed in the fourth century, when with the silence of almost the entire episcopate, the consubstantiality of the Son of God was betrayed in favor of ambiguous doctrinal affirmations of semi-Arianism, a betrayal in which even Pope Liberius participated for a short time. St. Athanasius never tired of publicly denouncing such ambiguity. Pope Liberius excommunicated him in the year 357 "pro bono pacis", i.e. “for the sake of peace”, to have peace with Emperor Constantius and the semi-Arian bishops of the East. St. Hilary of Poitiers reported this fact and rebuked Pope Liberius for his ambiguous attitude. It is significant that Pope Liberius, unlike all his predecessors, was the first pope whose name was not included in the Roman Martyrology.

Our public statement corresponds with the following words of Our Holy Father Pope Francis: “One general and basic condition is this: speaking honestly. Let no one say: ‘I cannot say this, they will think this or this of me...’. It is necessary to say with parrhesia all that one feels. … A Cardinal wrote to me, saying: what a shame that several Cardinals did not have the courage to say certain things out of respect for the Pope, perhaps believing that the Pope might think something else. This is not good, this is not synodality, because it is necessary to say all that, in the Lord, one feels the need to say: without polite deference, without hesitation.” (Greeting to the Synod Fathers during the First General Congregation of the Third Extraordinary General Assembly of the Synod of Bishops, October 6, 2014).

We affirm in the presence of God who will judge us: we are true friends of Pope Francis. We have a supernatural esteem of his person and of the supreme pastoral office of the Successor of Peter. We pray very much for Pope Francis and encourage the faithful to do the same. With the grace of God, we are ready to give our lives for the truth of the Catholic faith about the Primacy of Saint Peter and his successors, should persecutors of the Church ask us to deny this truth. We look to the great examples of fidelity to the Catholic truth of Petrine Primacy, such as it St. John Fisher, a bishop and cardinal of the Church, and St. Thomas More, a layman, and many other Saints and Confessors, and we invoke their intercession. 

The more lay faithful, priests and bishops hold to and defend the integrity of the deposit of faith, the more they, in fact, support the Pope in his Petrine ministry. For the Pope is the first in the Church to whom applies this admonition of the Holy Scripture: “Hold the form of the sound words that you have heard from me, in the faith and love that are in Christ Jesus. By the Holy Spirit who dwells in us, guard the good deposit entrusted to you” (2 Tim. 1:13-14).  

Raymond Leo Cardinal Burke
Bishop Athanasius Schneider

September 24, 2019
Feast of Our Lady of Ransom