quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

A Trindade: Verdade, Bondade e Beleza. A Doença do Relativismo e da Feiura.

Outro dia, eu falei aqui do grande filósofo Dietrich von Hildebrand,  tão elogiado por papas de Pio XII a Bento XVI, passando por Joao Paulo II. Pio XII o considerava Doutor da Igreja, pela sua defesa do casamento e da pureza, em livros como In Defense of Purity.

Mas o vídeo que estou assistindo sobre a vida dele me fez admirar também a sua esposa, Doutora Alice von Hildebrand (foto acima). Ela tem uma memoria assustadora, mesmo ao 91 anos, e mostra todo seu conhecimento da filosofia. Ela também é autora de muitos livros. O mais recente se chama Memoirs of Happy Failure, no qual ela trata de como os verdadeiros católicos são tratados na vida profissional, contando a própria vida dela como professora de filosofia, amada pelos estudantes mas atacada pelos colegas, assim como foi seu marido.

Alice deu uma entrevista para o jornal National Catholic Register. Ela fala sobre a doença do relativismo e da feiura que tomou conta até da Igreja. Fala também de como o feminismo de Simone de Boeuvoir é destrutivo e  também lembra seu marido.

Nao tenho tempo para traduzir esta entrevista, neste último dia de 2014. Mas a entrevista dela vale ser lida e refletida para nosso futuro e o futuro da Igreja.

What inspired your search for truth, goodness and beauty from the time of your youth — especially when relativism, evil disguised as good and ugliness were growing in prominence?

As I near the end of my life, I recall all the graces and gifts God has sent me. One of the greatest is that I grew up in Belgium when it was a truly Catholic country. At 4 years of age, I was conscious of the beauty of the Catholic culture surrounding me. There were glorious churches, sublime chant and superb paintings, to name a few things. Everything was beautiful.
Sadly, the same cannot be said today. There is so much ugliness around us — a sure indication that the devil has been at work. Ugliness is a reflection of the devil, and the profoundly disordered nature of our modern culture unmistakably reflects its greatest influence. What is most distressing is the fact that ugliness has made headway in our own Church.
The great tragedy of today is that truth has been replaced by preferences, goodness by whim and beauty by “fun.” In my 37 years of teaching, the overwhelming majority of students I encountered were of the belief that truth, goodness and beauty were relative: They were whatever you wanted to make of them. My conception of them may differ from yours, and this was to be celebrated, not lamented.
The reality is far different. We are in a severe moral crisis in which the eternal truths have been exchanged for temporary fads. We have been blinded into valuing quick fixes more than a permanent transformation.
If only we would open ourselves up to God through prayer and penance, we would be given the grace to see things as they truly are and the power to love as God wants us to. On our own, we are pitiably weak creatures, but with sanctifying grace, we can live the very life of God. This is extraordinarily beautiful.

Beauty is often seen as an “extra” to the more important matters of truth and goodness. What is wrong with this view?

Truth is beautiful, and goodness is beautiful. Truth, goodness and beauty form a trinity of values that are interactive and dependent upon each other. They are the transcendental properties of being, so you don’t isolate one and take it all on its own; because where you find one, you will find the others.
Today, we have largely replaced beauty with “fun.” What I mean by “fun” is the countless distractions that help us to forget that we [as a society] are tremendously bored. The noise, flash and inanity so common today serve to keep us oblivious to our own disconnect with reality. Instead of searching for meaning in life, we cover up our present lack of purpose with an abundance of superficial delights.

Your husband’s book My Battle Against Hitler has recently been released in English. How did your husband catch on to Hitler so early?

My husband’s ardent love for truth is what allowed him to perceive the poison of the Nazi philosophy so quickly. When truth was violated, it registered clearly to someone who had such an appreciation for it.
However, the key may not have been the immediacy of recognition, because many other people did not like Hitler’s philosophy from the time it became known. What distinguished my husband was that he went to the trouble of speaking out against Hitler’s atheistic, brutal philosophy that obliterated the individual and deified the state.
There were millions of Germans who did not agree with Nazism but who, nonetheless, offered no resistance to it. They kept a low profile in order to avoid possible repercussions in their personal and professional lives. The problem with this strategy can be seen in the abominable results that took place in the 1930s and ’40s.
Physical courage — something you find on athletic fields, for example — is very common, but moral courage is not. It is not easy to stand up for what is right when that might mean losing one’s job, one’s family or even one’s life. It is far easier to keep quiet and let things slide.
My husband, by contrast, was a morally courageous man. I had the privilege of meeting many good Catholics before making the acquaintance of my husband, but I don’t think I had met a hero before meeting him. My husband was, by the grace of God, a man with heroic dedication to truth, goodness and beauty. That is a rare grace.
My husband left a comfortable job and mansion in Germany to flee into Italy, then Austria, then France, then Portugal, then Brazil and, finally, to the United States. He was not willing to remain silent in the face of evil. For him, being constantly on the move was highly preferable to being immersed in the lies, evil and ugliness of Nazism — or communism, for that matter. He was an ardent opponent of both philosophies, which are, despite different names, essentially the same.
My husband taught at Fordham University, where he helped to bring many converts into the Catholic Church. Just one example was a Jew who had been an officer in the Pacific during World War II. One evening, while onboard his ship, he saw a sunset of such beauty that it brought tears to his eyes. He longed for more and thought he could find it in the study of philosophy. At the advice of a friend, he enrolled at Fordham. There, under the influence of my husband, he found what he was looking for: He became Catholic and then started a Carthusian monastery in Vermont.

You have been a critic of how the Church’s theology of the body has sometimes been taught. How should it be presented?

It is sometimes mistakenly put forth — even by well-meaning Catholics — that, in the intimate sphere, we are like animals, that human intimacy is “natural” as it is in a dog, cat or horse. While this may seem to be the case, it is in the human body that the personhood of man — I use this term to include women, so you see that I do use inclusive language — is so apparent.
A man and a woman collaborating with the Eternal God in creating a new human being is an awe-inspiring privilege not given to the angels — not even the highest of the seraphim. Every husband and wife should be filled with profound reverence at the fact that they can bring into being a unique creation of God who will live forever. The intimate sphere is a sacred one — one that should be treated with trembling awe.
I’ve taken my husband’s book In Defense of Purity as my inspiration for attempting to explain the crucial importance of this topic in my own book Dark Night of the Body. My husband shows the God-given beauty and importance of this sphere, yet he does not lose sight of the fact that, precisely because of its beauty and importance, it is particularly targeted by the devil and wounded by original sin.    
Young people should be taught — as modestly as possible — the sublime meaning of the sphere and simultaneously be made aware that it is also open to grave temptations, not only because of its inebriating character, but because it can easily be misused by the devil to make persons seem like objects. Moreover, public discussions loaded with unnecessary details scratch the noble enamel of this topic, which is, of its nature, mysterious and secret.
As important as it is to reject a Puritanism that sees the human body as inherently evil, it is crucially important to reject immodesty, which, in its severest forms, is a cancer that destroys love, marriage and family. We need only look at the nearest shopping mall to see the ground gained by immodesty, so great care is necessary to protect the young from its influence.
A note here on penance might be helpful, too: St. Thomas More wore a hair shirt. A married man engaging in a corporal penance thought of as only for monks is something very instructive. No matter our state in life, our fight for salvation has not ended while we are still on earth. Rather, subduing the flesh is meant for everyone in the Church militant.

You’ve written and spoken of the privilege of being a woman. Do you think a renewed respect for authentic femininity has grown a little bit in recent years? 

My philosophical archenemy, Simone de Beauvoir, who demeaned motherhood, has gained far more ground than I have. She has convinced thousands of women that their purpose in life is to be found competing against men. This is a grave error — one that completely misses the centrality of motherhood, not only for women, but for the entire human race.
Why did the serpent go to Eve instead of Adam? Some have said it was because Eve was weaker and therefore an easier target, but I think the answer goes much deeper: Eve was the mother of the living, which drew the attention of the “murderer from the beginning.” Because he hated human life, the devil went after Eve.

A hallmark of your husband’s career was his promotion of reverence. Why is this characteristic so important?

If we have not reverence, all our other talents are for naught. The greatest heretics and erroneous philosophers were talented, but they lacked the one essential ingredient for anyone desiring to pursue the truth: reverence. In other words, they did not allow reality to reveal itself; they wanted to make up reality. A man can come up with all kinds of interesting ideas, but if he is to get to the truth, he must baptize his intellect with humility, which is closely related to reverence.
Truth is not a matter of invention, but of veneration. We do not create truth; we serve it. This is why we cannot end our quest with acceptance of the truth, as praiseworthy as that is. We have to live out the truth in our lives, which is another way of saying our actions have to be good. The apparent beauty of our actions then points others back toward the source of all truth, goodness and beauty: God himself.
How can we effectively share the glorious truths of the Catholic faith with others when we do not let those truths affect our behavior? This is especially so when in the direct presence of the Supreme Lord of the Universe, who deigns to reside in our tabernacles. It is impossible for a Protestant or Jew to believe in the Real Presence when he enters a church filled with Catholics who chat and joke as if they were in a restaurant or who are dressed as if they were going on a camping trip. If God is really present in our churches, we must act like it.

In your most recent book, Memoirs of a Happy Failure, you recount being persecuted for the “crime” of claiming there is objective truth.

I endured many unfortunate experiences at the hands of administrators, fellow professors and even students at Hunter College who did not like the proposition that reality is not what one determines it to be. I was pushed into an exhausting schedule, was underpaid and had the slowest promotion of any professor I was aware of. When I finally received tenure after 13 years, a colleague said this was nothing short of a miracle. So, in the secular domain, I was a radical failure because I would not go along with the spirit of the age for material advantages.
However, as the title of the book suggests, the persecutions were outnumbered by positive experiences, most of which came from the students. From the very start, many of them happily accepted objective truth, and at the end of my career, I was voted by the students as the best teacher at Hunter. Despite the attempts of many professors to have things otherwise, objective truth had prevailed.  
I should also say that, even though I never presented the Gospel in the classroom, my defense of objective truth, citing thinkers like Plato and Aristotle, was the starting point for many students to search further. Their thirst for truth led them to the One who said he is the Truth, and then they entered Holy Mother Church. Thanks be to God that he uses weak and imperfect instruments for his glory.
Because we were made by God, we long for the truth, goodness and beauty that can only be found in God. We will only be content in the possession of the Almighty, who does not merely have truth, goodness and beauty, but who is truth, goodness and beauty.
There is a price for this greatest of all goals: our very selves. We must exchange self-love for love of God, or charity. We must deny ourselves, take up our various crosses and follow Christ. If we suffer with Christ, we will be glorified with Christ. Then, enjoying the ineffable majesty of the beatific vision, we will desire nothing more, because we will have found all we were made for.

Trent Beattie writes from Seattle.
Fantástica Alice. Que Frase!: The great tragedy of today is that truth has been replaced by preferences, goodness by whim and beauty by “fun.”

Feliz Ano Novo para os amigos do blog.

2015 promete mais luta pela trindade Verdade, Bondade e Beleza.

É Guerra na Igreja. Tomem seus Lados.

A Conferência dos Bispos da Alemanha, comandada pelo cardeal Reinhard Marx (foto acima), acha um "escândalo" que divorciados que se casaram de novo não recebam comunhão e se pergunta se a Bíblia e a Tradição da Igreja não podem ser entendidas de outra maneira, isto é, eles querem jogar fora a indissolubilidade do casamento determinada por Cristo e pela tradição da Igreja.

E um bispo belga chamado John Bonny quer que a Igreja aceite o relacionamento gay.

Será que Francisco concorda com eles? 

Como diz o site Creative Minority Report: É Guerra!! Você acredita, como Cristo, na indissolubilidade do Casamento entre um homem e uma mulher ou não? Você acha que a Igreja pode abandonar Cristo?

A posição dos Bispos da Alemanha foi divulgada hoje no blog do católico Damian Thompson no site The Spectator. Ele explica o atual estado da Igreja Católica na Alemanha: Rica, mas sem fiéis. Eles estão destruindo a Igreja por lá e querem implantar suas políticas em todo o resto católico.

Vejamos  parte do que disse Thomson (traduzo em azul):

Pouco antes do Natal, praticamente despercebido pela mídia, os bispos católicos alemães fizeram um apelo para a readmissão dos divorciados e recasados católicos (ou católicos casados com mulheres divorciadas) para a Sagrada Comunhão.

Que deveria ser os alemães, liderados pelo Cardeal Reinhard Marx - Arcebispo de Munique, presidente da Conferência dos Bispos da Alemanha e coordenador do Secretariado do Vaticano para a economia - não é coincidência. Em 1993, o futuro cardeais Kasper e Lehmann pediram ao Vaticano para admitir casais em uniões irregulares na Comunhão - na verdade, para permitir que esses casais fizessem suas próprias mentes para saber se eles devem receber o sacramento. Cardeal Ratzinger chutou essa proposta, e com ela, a Igreja liberal alemã, na grama espessa.

Agora Papa Francisco reavivou o plano alemão, convidando Kasper para definir a agenda para a primeira sessão do Sínodo sobre a Família em outubro passado. Que terminou em desordem, deixando todo mundo confuso sobre o que Sínodo, reunidos no próximo Outono, tinha a autoridade para decidir.

O tempo é da essência. E os alemães têm o seu agir em conjunto, como este relatório. Vale a pena citar na íntegra o relato feito pelo site Tablet sobre a Conferência dos Bispos da Alemanha:

A grande maioria dos bispos alemães gostaria de ver os divorciados recasados serem autorizados a receber os Sacramentos sob determinadas circunstâncias.

Cardeal Reinhard Marx, que apresentou os resultados de um grupo de trabalho especial dos bispos alemães de uma 'conferência sobre o assunto em Bonn em 22 de dezembro, descreveu divórcio e novo casamento como "muitas vezes o começo de um processo de alienação da Igreja'.

O presidente dos bispos alemães prosseguiu:" A busca por um acompanhamento teologicamente responsável e pastoralmente adequado para os católicos cujos casamentos foram rompidos e que se casaram novamente em um cartório é um desafio premente para a Igreja em todo o mundo ".

A abordagem da Igreja para os católicos provocou fortes críticas, tanto dentro como fora da Igreja. Mesmo bem casado, católicos comprometidos acham 'incompreensível e sem misericórdia ", particularmente o fato dos católicos recasados serem excluídos dos Sacramentos. Só muito poucos os divorciados recasados ver anulação como uma solução, porque eles não pensam que seu primeiro casamento simplesmente nunca existiu, disseram os bispos.

Uma possível anulação do primeiro casamento "é apenas possível para uma pequena minoria. Não resolve o problema ", acrescentaram. 'Quando a atual pastoral para os divorciados é percebida como um escândalo por católicos praticantes, deve-se perguntar a sério se as Escrituras e a tradição não revelam uma outra maneira, " os bispos alemães assim concluíram, e sublinharam a sua determinação em intensificar os seus esforços para a renovada pastoral para com os divorciados recasados.

Os bispos alemães gostariam de ver os resultados utilizados como diretrizes nos preparativos em curso em todo o país para acompanhamento Sínodo do próximo mês de Outubro sobre a Família no Vaticano.

A partir disso, pode-se inferir três coisas. 1. A Igreja alemã está agindo como um lobista empurrando para a mudança. 2. Quando os alemães dizem que os católicos devotos acham a posição sobre comunhão para divorciados  é "incompreensível e sem misericórdia", e um "escândalo", isto significa que o cardeal Marx e colegas é que acham um escândalo incompreensível. Estou assumindo que Marx escolheu essas palavras a si mesmo; ele certamente colocou seu nome a elas. 3. Os bispos alemães planejam dominar - um é tentado a dizer sequestrar - as discussões sobre Comunhão para pessoas divorciadas no próximo Sínodo.

Por que os alemães? Um artigo de 12 de dezembro de Jon Anderson, especialista em política católica europeia, ajuda a explicar. Os católicos alemães que frequentam missas passaram de 22 para 11 por cento desde 1989 - e o declínio seria mais acentuada se não fosse por imigrantes poloneses. Como a igreja alemã exerce essa influência global? Resposta: ela recebe 4,6 bilhões de euros por ano a partir de impostos da igreja da Alemanha. Sua caridade Caritas emprega 560.000 funcionários - o segundo maior empregador do país, depois de Volkswagen.

Estes vastos orçamentos criaram uma mentalidade na qual bispos alemães se sentem no direito de ditar a prática pastoral para dioceses do Terceiro Mundo cujas igrejas estão transbordando, mas não pode se dar ao luxo de substituir uma lâmpada. Os bispos dessas dioceses, que voltará a encontrar os gostos de Marx e Kasper em outubro, são muito conservadores na questão do divórcio. Você pode pensar que é hipócrita, dada a prevalência das amantes dos padres na África, para não falar da poligamia, mas tal caos faz bispos no mundo em desenvolvimento ainda mais determinados a manter a linha. Além disso, eles suspeitam que Kasper et al têm racismo subtil, buscando 'iluminar' pessoas de pele mais escura.

No final do Sínodo, será o Papa Francisco, que tem de decidir. 

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Cruzadas, Dietrich von Hildebrand e o Papa Francisco

Eu estou lendo sobre a vida do fantástico filósofo Dietrich von Hildebrand, comprei também um vídeo em que sua esposa Alice conta a vida dele. É simplesmente espetacular como ele desafiou Hitler e sofreu vendo padres católicos na Alemanha da década de 30 chegarem a achar que o "nazismo era o corpo místico de Cristo". Hildebrand desafiou o nazismo e foi perseguido. Hildebrand era um verdadeiro católico que sabia o que era o mal. E sabia como reagir a este mal.

Também tenho lido muito sobre as Cruzadas e como homens como Ricardo Coração de Leão e Sao Luis IX se levantaram em defesa do cristianismo.

Ler sobre Hildebrand e sobre as Cruzadas e olhar para o Papa Francisco que quer que todos lutem contra uma tal mudança climática é de chorar muito.

Eu tenho dois artigos publicados no exterior que tratam de mudança climática global. E também publiquei um no Brasil. Logo depois que publiquei o texto no Brasil, estudando mais assunto, vi que era falso a ideia de aquecimento global. Vi que era uma maneira de enriquecer gente como Al Gore e afins, vi que era um jeito de dominar as pessoas. Meus textos publicados no exterior já tiveram uma abordagem crítica ao ambientalismo exagerado dos nossos dias.

E vi também os diversos erros científicos. Para começar há mais de 17 anos não se vê aquecimento global. As previsões da ONU foram todas por água abaixo quando não eram fabricadas. E o número de desastres naturais não estão aumentando, estão diminuindo. O número de ursos polares estão aumentando, se querem saber.

Mas o Papa Francisco resolveu ntender que o risco de uma tal mudanca climatica é um grande risco para a humanidade, a ponto de escrever uma encíclica. O próprio cardeal australiano Pell ja falou que isto é bobagem. E o Papa Bento XVI disse que dever-se-ia preocupar primeiro com a ecologia humana. Será não há nada mais importante para Cristo no mundo? Será que os cristãos no mundo estão tranqüilos?

Viva Dietrich von Hildebrand, viva Ricardo I, Viva Sao Luis IX.

domingo, 28 de dezembro de 2014

O Papa Francisco e "Os Americanos"

Acabo de ver a reportagem do Jornal Nacional sobre o Papa Francisco. Antes da reportagem foi anunciado que se faria "uma análise das palavras fortes do Papa Francisco".

Eu pensei que a reportagem iria tratar das palavras do Papa em defesa das minorias cristãs no Oriente Médio.

Mas não, nem se tocou no tema. E do que se tratou? Não sei dizer. Isto mesmo, eu assisti mas não sei dizer. Foi uma péssima reportagem mas claramente tinha "uma agenda", como se diz nos Estados Unidos. Não foi uma reportagem foi uma tentativa de passar uma mensagem, de defender uma tese.

A tese é simples: O Papa Francisco enfrenta uma resistência de malignos "cardeais americanos conservadores" que apesar de terem votado em favor de eleger Francisco, agora querem impedir que o Papa "reforme a Igreja".

A reportagem também diz que estes conservadores querem corromper a Doutrina da Igreja.

Isto mesmo, pela reportagem só existe conservadores católicos nos Estados Unidos. E eles são malignos, corrompem a Igreja e impedem que o líder da Igreja reforme a Igreja.

A reportagem usa como base uma reunião que o Papa Francisco teve com os cardeias no começo da semana, no qual atacou 15 pecados da Igreja. Mas as palavras do Papa nesta reunião foram consideradas estranhas e fora de lugar (pois era uma reunião de Natal) por todos, tanto por conservadores como  por aqueles que exaltam o Papa Francisco, como o cardeal Kasper que procurou fingir que o Papa não tinha dito aquelas palavras.

Além de uma leitura completamente equivocada da reunião. Vejamos alguns pontos.

Como é que se sabe que os americanos votaram em Francisco? Um Conclave deve ser mantido estritamente em segredo.

Se os cardeais americanos são conservadores como é que eles querem corromper a Doutrina. Se são conservadores eles deveriam é querem manter a Doutrina.

Só existe conservadores católicos nos Estados Unidos? Até onde eu sei o cardeal Patrick O'Malley é muito próximo do Papa, muito antes de ele ser Papa. O cardeal de Nova Iorque, Timothy Dolan, vive defendendo o Papa.

Eu sei quem a reportagem quer atacar: cardeal Raymond Burke.

Por que não se ataca os outros inúmeros cardeais que criticam o Papa, como os outros que escreveram junto com Burke um livro em defesa do casamento (Brandmuller, Caffarra, De Paolis)?

Eu já vinha reparando nesta narrativa: Papa Francisco versus os Americanos.

É bem lógico por que a imprensa esquerdista coloca o Papa Francisco contra o "império", os Estados Unidos são um alvo fácil para todo quanto é maldade no mundo para boa parte dos incautos católicos.

O Papa Francisco vai visitar os Estados Unidos em 2015. A narrativa esquerdista já está pronta. Se o Papa for bem recebido, o Papa terá vencido "os americanos" como sua "lição de misericórdia". Se ele tiver algum problema lá, os americanos não prestam mesmo.

Vejam a reportagem do Jornal Nacional vocês mesmos, clicando aqui.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Fulton Sheen: O Verdadeiro Significado do Natal

O Arcebispo Fulton Sheen, cuja causa de canonização está a pleno vapor, fazia programas de televisão e de rádio, ele ensinava o cristianismo de forma brilhante e com humor.

Vejamos um vídeo abaixo de 1956 no qual ele fala do verdadeiro significado do Natal. Não vou traduzir o vídeo,  mas vou colocar os principais pontos, de um vídeo belíssimo, que merece ser visto e traduzido completamente.

Depois de contar um "causo" do seu irmão e mencionar Chesterton, que também está em processo de canonização, Sheen diz que há apenas duas filosofias de vida.

A primeira é o homem em direção a Deus, o homem em busca da perfeição usando seu próprio esforço, filosofia do budismo, taoismo e dos filósofos gregos.

A segunda é Deus em direção ao homem. O homem se submetendo a Deus, reconhecendo que sozinho o homem não consegue chegar à perfeição. Reconhecendo que o homem não consegue saber de tudo. Deus o amou o homem primeiro. Religião é uma resposta a Deus.

Na hierarquia da vida: primeiro químicos, depois plantas, animais e por último o homem. Para se passar para um hierarquia deve-se morrer, deve-se abandonar a vida que se tem. 

Se o homem quer se tornar maior, Deus deve se tornar homem e dizer ao homem que ele deve morrer, se entregar a Deus para se tornar um ser superior. Mas o homem é diferente de plantas e animais, ele pensa, ele é livre.

Nossa Senhora respondeu livremente ao anjo que aceitava ser a mãe do Salvador. Ele se submeteu a Deus.

9 meses depois, Deus se tornou homem. Deus foi recebido por pastores, aqueles que sabem que não sabem nada, e por Sábios, aqueles que sabem que não podem saber tudo.

Este menino que nasceu não era homem que fez a si mesmo Deus, não era apenas um reformador social, não era apenas um mestre, como Buda ou Sócates.

Ele não veio para que nos tornemos "gente boa", mas para que nos tornemos um "novo homem". Veio mudar nossa natureza humana, nos tornar maior.

O verdadeiro significado do Natal, é que o Filho de Deus veio ao mundo para nos tornar também filhos de Deus. Não é fácil, é muito difícil, é um caminho de esperança.

(Agradeço o vídeo ao site Big Pulpit)

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Natal dos Cristãos Perseguidos

Em um ano menos terrível para os cristãos poderíamos celebrar hoje os 100 anos em que o Natal parou a Primeira Guerra Mundial. Soldados alemães e ingleses cantaram Noite Feliz e selaram a paz por um dia em 1914. Mas o ano foi terrível demais, decapitações e crucificações de cristãos foram rotina em 2014, assim como o silêncio e imobilismo dos líderes religiosos e políticos do mundo cristão. Tantas vezes falei disso aqui no blog e pedi reação do Ocidente. 

O ano vai acabando. Mas 2015 não promete alívio.

Li ontem no jornal inglês Daily Mail um relato de repórter alemão, Jurgen Todenhofer, que passou alguns dias acompanhando o Estado Islâmico no Iraque e na Síria. Ele disse que o mundo subestima o Estado Islâmico. O Estado Islâmico é mais preparado militarmente, mais inteligente e mais perverso do que o mundo pensa. O Estado Islâmico quer realmente fazer uma limpeza religiosa, matar todos os infiéis e escravizar suas crianças.

E o Boko Haram, e os cristãos dos outros países muçulmanos na África e na Ásia?

Vi ontem também que foi lançado um documentário chamado "Walking Next to the Wall" que conta a vida dos cristãos do Egito, que há séculos caminham "pregados na parede" com medo de perseguições.

Vejam vídeo abaixo do Rome Reports que fala sobre o documentário e entrevista o diretor.

O Papa Francisco mandou uma carta aos cristãos perseguidos no Oriente Médio, mas ele ainda fala em diálogo, diplomacia, e em "solução geral para o Oriente Médio" (não sei o que isto significa).

Durante o ano, eu mostrei como podemos ajudar a estes cristãos, como pela Ajuda à Igreja que Sofre ou pelo site do Nasarean.

Vamos também rezar neste Natal pelos cristãos perseguidos no mundo. Vamos rezar por aqueles que defendem sua fé todo santo dia correndo risco de morte.

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Exilados Cubanos e Damas de Branco Criticam Acordo com Cuba e Papa Francisco.

A foto acima é do senador Marco Rubio, ele pode ser o próximo presidente dos Estados Unidos. Ele está em qualquer lista de possíveis candidatos. É um político inteligente, tem uma carreira sólida, apesar de ser novo, sabe falar bem, é católico, e é filho de exilados cubanos.

O que ele estaria achando do acordo dos Estados Unidos com Cuba?

O que os exilados cubanos nos Estados Unidos acham?

Costuma-se dizer que os mais velhos, que conheceram de perto os horrores de Cuba, detestaram a aproximação dos Estados Unidos, mas os filhos de exilados não são contra. Esse não é o caso de Marco Rubio.

Ele é do partido que faz oposição a Obama, mas até membros do próprio partido dele aplaudiram o acordo. No entanto, Rubio, não. Rubio diz que os Castros irão se aproveitar do acordo, mas não promoverão liberdade política.

O jornal Portland Press Herald também relatou a raiva dos exilados cubanos com o acordo e com o próprio Papa Francisco. Para eles, a "Igreja está contaminada."

Outra exilada conhecida nos Estados Unidos é Marielena Montesino, que possui um blog católico.

Ela foi ainda mais severa com o acordo, atacou Obama e também o Papa Francisco.

Ela diz que sofre muito ao ver o acordo feito por Obama lembrando do que ela e sua família passaram em Cuba. E diz que Obama segue uma agenda socialista e que o Papa Francisco abre as portas para marxistas, ateístas e outros e segue os preceitos da ONU.

O texto dela se chama Rewarding the Evil, e vale à pena lê-lo. Ela diz coisas como:

During my life in Cuba, as I walked down the streets of Havana, I never saw any signs of American “colonization.”
Adding insult to injury, Obama mentioned “His Holiness Pope Francis” as a driving force behind this exercise in poor diplomatic judgement. This was also to be expected. Francis has opened the doors of the Vatican wide open to Marxists, Atheists, and others– who march to the beat of the United Nations.
For nearly fifty-six years the world has watched the slow agony of the Cuban people– and very few have stepped up to the plate to denounce it. The international community has no problem uniting with vigorous opposition to programs such as  Operation Condor, which was intended to eradicate communist or Soviet influence in Argentina, Chile, Uruguay, Paraguay, Bolivia and Brazil. But they remain silent when it comes to the horrors committed in Cuba.
Is it any wonder that Alan Gross, the American citizen who was finally released yesterday from a Cuban prison after five years, was met with a picture of Che Guevara at his lawyer’s office in Washington DC?
Além dos exilados, as famosas Damas de Blanco, que reúne esposas, mães e familiares de presos políticos cubanos criticaram duramente o acordo e o Papa Francisco.

É o que relata hoje no New York Daily News, Nicholas Hahn. As Damas de Blanco sempre falaram que não se deve conceder nada aos ditadores cubanos sem que eles promovam a liberdade na Ilha. 

Além das críticas das Damas de Blanco, Hahn lembra que na Argentina, terra do Papa, também teve ditadura que matou padres, o Papa deveria saber como se deve lidar com ditadores. Ele também menciona Marco Rubio.

Aqui vai parte do que escreveu Nicholas Hahn:

When Berta Soler met Pope Francis, it had been a long time coming.

Soler’s Ladies in White, a Catholic opposition movement comprised of relatives of jailed human rights activists in Cuba, had pleaded numerous times for a meeting with Pope Benedict XVI. He declined and visited the communist island in 2012 only to continue a policy of détente established by his predecessor, John Paul II.

But a short blessing by Pope Francis in March 2013 signaled a slight shift in direction — or that’s at least what Soler believed.

“We think a Latin American Pope is very good for us. Pope Francis knows a little better the problems that our peoples have, he comes from far down and he can help the people who are suffering,” Soler told the Italian newspaper La Stampa after receiving some papal encouragement.

If only Soler and her Ladies had known better. Last week, the Vatican confirmed that for more than 18 months, the Holy See had been working to restore diplomatic relations between the United States and Cuba. The pontiff seems to have blessed the Cuban opposition with one hand, and the Castro brothers with the other.

Soler’s Ladies, Cuban exiles, and other dissident groups have long lobbied against new relations without any concessions from the communist regime. They aren’t as hopeful as others who say more U.S. trade with the Caribbean island may lead to more freedom.

The Argentine pontiff should know a thing or two about the church’s cause for freedom. When a military junta in his own country took power in a 1976 coup during what is called the “Dirty War,” Father Bergoglio was head of the Jesuits.

The future-Pope saw many of his priests and seminarians jailed and killed. Bergoglio is reported to have helped many flee the country and even met with the military dictatorship to save the lives of two imprisoned priests.

But those experiences may not have been on the pontiff's mind when he wrote personal letters to Obama and Castro or when he hosted delegates from Cuba at the Vatican.

While it might be fodder for sensational journalism, Rubio and other Catholics who make public policy shouldn’t have to correct their pontiff on foreign affairs. Clerics are spiritual leaders, not political ones. When prelates pretend to be diplomats, it dilutes their authority on issues of faith and morals.

Francis might have done one better by prodding the Castro brothers about their regime’s woeful human rights record. That would have been in a Pope’s wheelhouse.

Eu já dei minha opinião sobre este acordo. Também acho que não necessariamente um país livre economicamente é amigo dos valores caros a humanidade (ver China, Arábia Saudita, Venezuela, Argentina...). O possível fim do embargo não traz na mala o respeito aos direitos humanos.

E além disso, é óbvio que o acordo saiu muito barato para Cuba, a ilha não concedeu nada, além de um prisioneiro, e ainda recebeu cinco espiões.

Ninguém, nem o Papa, nem Obama, pediram nenhuma reforma em favor da liberdade do povo cubano. 

(Agradeço a informação das Damas de Blanco ao site Pewsitter)

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Europa não é mais Cristã - 133 Ataques Terroristas na Europa contra Cristãos.

O que você faria ou deixaria de fazer pela sua fé? Isto determina sua religião. Cristo pediu a um jovem que largasse toda sua frtuna e O seguisse. O jovem não quis. Hoje eu acho que Cristo bastaria pedir para que um jovem largasse o facebook e seria abandonado.

O presidente do Observatory on Intolerance and Discriminartion Against Christians in Europe (Observatório da Intolerância e Discriminação Contra Cristãos na Europa), Martin Kugler, disse recentemente que a Europa não é mais cristã. Os cristãos ainda se sentem maioria, mas só uma minoria é de cristãos praticantes, os outros não se importam com ações de intolerância ou mesmo terrorismo contra cristãos na Europa.

O que a Igreja fará contra isso? Dissolver o casamento tradicional e aceitar o casamento gay irão atrair mais "cristãos praticantes"? Não seria mais cristão (mais Cristo) reforçar  e ensinar mais a Doutrina para que todos entendam o significado da incarnação de Deus e 2 mil anos de história?

O Observatório contou 241 casos contra cristãos na Europa em 2013, destes, 133 foram ataques violentos contra locais sagrados para cristãos.

Vejam o vídeo abaixo da Rome Reports em que Kugler relata isso, traduzo em seguida.

Uma das marcas registradas da Europa é que durante séculos o Velho Continente foi Critão. As coisas mudaram e a Europa cristã está se tornando uma coisa do passado.

MARTIN KUGLER do Observatório sobre Intolerância e Discriminação contra os cristãos na Europa
"Os cristãos na Europa, ainda na crença de que eles são a maioria, isso não é verdade, se estamos falando de cristãos praticantes. Se você não tem a sua fé realmente em sua vida, então você não se importa se você é forçado a cooperar em alguma coisa antiética em sua profissão ".

O Observatório sobre a Intolerância e Discriminação contra os cristãos na Europa, monitora agressão direta ou indireta contra os cristãos. Em 2013, verificou-se 241 casos de intolerância. Destes, 133 foram ataques violentos contra locais de adoração. O resto são discriminação no trabalho e em novas legislações.

MARTIN KUGLER do Observatório sobre Intolerância e Discriminação contra os cristãos na Europa
"Há discriminação nas esferas jurídicas quando estamos falando de nossa liberdade de consciência. Por exemplo, quando estamos a falar de médicos, farmacêuticos, parteiras que são forçados a cooperar em um aborto ou em fertilização in vitro ou em eutanásia."

Especialistas confirmam que a discriminação religiosa contra os cristãos piorou nos últimos anos. Se os cristãos querem defender sua fé e convicções, Kugler afirma que primeiro devem mudar sua mentalidade e reconhecer que eles são uma minoria religiosa, que vai se tornar ainda menor, se algo não mudar.

sábado, 20 de dezembro de 2014

A Guerra Secreta do Vaticano: Como Papa Francisco Traz Discórdia

O título do meu post é apenas tradução do título da revista francesa Le Figaro, edição desta semana (19 de dezembro), que traz também uma entrevista com Cardeal Burke. Infelizmente, o site da revista não é aberto ao público.

Mas o Rorate Caeli publicou a entrevista com Cardeal Burke. O Rorate Caeli que leu a  revista diz que o tema geral é o autoritarismo do Papa Francisco e como muitos estão insatisfeitos e perplexos com o Papa.

Aqui vai tradução da entrevista de Burke:

Cardeal Burke: "Estou muito preocupado."

Jean-Marie Guénois
Le Figaro Magazine
19 de dezembro de 2014

Nomeado por Bento XVI prefeito do Supremo Tribunal da Signatura Apostólica, um dicastério da Cúria Romana, o cardeal americano Raymond Burke foi demitido desta missão por Francisco, e nomeado capelão da Ordem de Malta. Em um evento extremamente raro na história da Igreja, ele se atreveu a criticar publicamente o método seguido pelo Papa durante o Sínodo sobre a Família.

Le Figaro Magazine - Pode um cardeal estar em desacordo com o papa?

Cardeal Burke - É certamente possível para um cardeal estar em desacordo com o papa sobre as questões processuais ou de uma linha pastoral. Mas é, por outro lado impossível que haja uma divergência sobre um assunto de doutrina e disciplina da Igreja. Isso significa, portanto, que um cardeal, em determinadas situações, tem o dever de dizer o que ele realmente pensa ao papa. Obviamente, ele deve sempre expressar-se de forma respeitosa, porque o papa representa o ministério petrino. Mas se o papa tem cardeais em torno dele, é precisamente com o objetivo de dar-lhe conselhos.

Foi demasiada importância dada às divergências notadas durante o Sínodo sobre a Família?

O que é estranho neste dossier dos divorciados recasados é que aqueles que lembraram e apoiam o que a Igreja sempre ensinou foram acusados de serem contra o Santo Padre, e de não estar em sintonia com a Igreja ... É incrível! Dito isto, a Igreja sempre teve disputas teológicas e fortes confrontos em que os teólogos e cardeais foram levados a dar a sua opinião. Se, portanto, eu publiquei, junto com outros cardeais, um estudo sobre este tema para expressar minha opinião, é no espírito de proporcionar uma verdadeira discussão teológica para alcançar a verdade.

Você ficou chocado com o que aconteceu no Sínodo?

O sínodo foi uma experiência difícil. Havia uma linha, a do cardeal Kasper, poderíamos dizer, por trás da qual se alinharam aqueles que tinham em suas mãos a direção do sínodo. Na verdade, o documento intermediário [Relatio post disceptationem] parecia ter já tinha sido escrito antes das intervenções dos padres sinodais! E de acordo com uma única linha, em favor da posição do cardeal Kasper ... A questão homossexual também foi introduzida, o que não tem nenhuma relação com a questão do casamento, procurando elementos positivos nela. Outro ponto altamente preocupante: o texto intermediário não fez referência às Escrituras, nem para a Tradição da Igreja, nem para o ensino de João Paulo II sobre o amor conjugal. Era, portanto, altamente decepcionante. Como também o fato de que no relatório final foram mantidos os parágrafos sobre a homossexualidade e os divorciados recasados que no entanto não tinham sido aprovados pela maioria necessária de bispos.

O que está em jogo nestas controvérsias?

Em uma época cheia de confusão, como podemos ver  na teoria do gênero, temos o ensinamento da Igreja sobre o matrimônio. No entanto, estamos, sendo empurrados para uma direção de admissão à comunhão dos divorciados que voltaram a casar. Sem mencionar essa obsessão em apressar os procedimentos de anulação do vínculo conjugal. Tudo isso levará de fato a uma espécie de "divórcio católico", e para o enfraquecimento da indissolubilidade do casamento. No entanto, a Igreja deve defender o casamento, e não enfraquecê-lo. A indissolubilidade do matrimônio não é uma penitência, nem um sofrimento. É uma grande beleza para aqueles que a vivem, é uma fonte de alegria. Por isso, estou muito preocupado, e eu apelo a todos os católicos, leigos, sacerdotes e bispos, a envolver-se, a partir de agora até a próxima assembléia próximo, a fim de destacar a verdade sobre o casamento.

- Entrevista concedida em Roma a Jean-Marie Guénois

(Agradeço a indicação do Le Figaro ao site Vox Cantoris)

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

5 Dicas para Dedender o Catolicismo contra Protestantes ou Ateus

São Tomás de Aquino exaltou o debate religioso em sua Summa Teológica
 Ele usava o melhor argumento contra a posição dele para avaliar. Ele ensinou que deve-se ser honesto e caridoso com inimigos da religião católica para conseguir convertê-los.

Regularmente, eu debato especialmente com ateus e procuro o ensinamento dele.

Esta semana, Dr. Taylor Marshall do New Saint Thomas Institute divulgou um vídeo com 5 dicas para debater com ateus e protestantes.

Vejamos as 5 dicas.

1) Evite ficar emocionado ou exaltado. Permaneça tranquilo. Não diga que a pessoa vai para o inferno ou que lembra Hitler.

2) Procure não debater por email. Pois emails não permitem perceber o estado de espírito da pessoa.

3) Se prepare para debater. Estude e pesquise sobre os pontos mais relevantes da história e da Doutrina Católica.

4) Não use a falácia do Espantalho (strawman). Isto é, não piore o argumento do oponente para facilitar a desaprovação dele. Faça como São Tomás, use o melhor argumento dele. E se não souber respondê-lo diga que não sabe mas que irá estudar o assunto e na próxima conversa irá respondê-lo.

5) Aprenda estilos de retórica, como usar sua própria experiência de vida ou usar histórias/parábolas como o próprio Cristo fez.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Os Castros Venceram? A Oposição a Obama Responde. E eu também.

Vamos ouvir a opinião da oposição ao governo Obama sobre o acordo dos Estados Unidos com Cuba, na pessoa do senador Ted Cruz. Depois eu dou a minha própria opinião.

Cruz tem se destacado na sua firmeza contra o presidente Obama e tem celebrado as vitórias recentes do seu partido nas eleições parlamentares. Meu candidato a governo americano não seria ele, mas certamente, ele tem força popular para pleitear ser candidato a presidente.

Os dissidentes cubanos estão muito tristes com o acordo dizendo que os Castros venceram depois de anos de opressão. A opinião é compartilhada por Cruz.

Cruz deu uma entrevista para o canal Fox News sobre o acordo divulgado hoje entre Cuba e Estados Unidos que teve apoio do Canadá e do Papa Francisco. Este acordo pode acabar gerando o fim do embargo econômico a Cuba.

Aqui vão os pontos de argumentação de Cruz. Infelizmente, eu não consegui baixar o vídeo da entrevista, cliquem aqui para assistirem,  se quiserem. Cruz argumentou que:

1) Governo Obama, com o acordo com Cuba, segue o que vem fazendo há seis anos. Obama vem abandonando aliados (Reino Unido, Israel) e satisfazendo inimigos (Rússia, Irã e agora Cuba).

2) Cuba estava desesperada sem ajuda financeira quando seu principal aliado, Venezuela, vive uma crise econômica gigantesca. É nesse hora que Obama aparece para socorrer os ditadores cubanos que oprimem o povo há décadas.

3) O embargo econômico não trouxe democracia para Cuba, mas serve para limitar o impacto da ditadura cubana no mundo.

4) Obama em seu discurso culpou os Estados Unidos pela situação de Cuba. citou a tentativa de invasão da Baía dos Porcos, mas não mencionou em nenhum momento a Crise dos Mísseis  que quase levou o mundo a uma guerra nuclear. Cuba ia instalar mísseis soviéticos há poucos quilômetros dos Estados Unidos.

5) A doutrina do Obama é: "blame America first". Culpe primeiro os Estados Unidos. Os irmãos Castros é que são ditadores e Obama, o próprio presidente dos Estados Unidos, culpa os Estados Unidos.

6) Eu respeito o Papa Francisco, mas Obama deve defender os princípios americanos e não ditadores.

7) Há motivos para celebrar este acordo, no entanto, pela liberação do americano Alan Gross do regime opressor castrista.

8) Obama, porém, está libertando espiões cubanos. Isso é ruim para a soberania americana.

9) Obama tentou satisfazer Putin, tirando mísseis da Polônia, e Putin se tornou inimigo ainda mais forte dos Estados Unidos. Obama tentou satisfazer o Irã, e eles continuam falando em nos destruir.

10) Obama, pelas suas próprias palavras, segue o método "leading from behind" (liderando de trás). Os Estados Unidos abandona a liderança do mundo, e vemos a Ucrânia em chamas e muito mais.

O que eu acho da opinião de Cruz?

Bom, é límpido que Obama, apesar de presidente dos Estados Unidos, detesta tudo que representa os Estados Unidos, desde a constituição americana até o poderio militar americano. Obama é um inimigo dos princípios americanos dentro do salão oval da presidência.

A diplomacia de Obama é um desastre? Sem sombra de dúvida.

Obama tem popularidade muito baixa, por conta de inúmeros erros, e está em fim de governo. O acordo pode estimular os apoiadores de Obama. Cuba precisa de ajuda financeira. Os Castros e Obama se ajudam.

Sobre Cuba, o embargo econômico dos Estados Unidos não justifica a pobreza do país e sim a ditadura opressora dos Castros que rouba Cuba há décadas. O embargo não é o problema. Cuba é aberta a todos os outros países. E o embargo foi muito aliviado durante o tempo.

Além disso, Venezuela, Rússia e China não sofrem embargo e são inimigos vorazes dos Estados Unidos.

Mas o embargo limitou a força econômica de Cuba? Acho que sim. Foi importante para pressionar os Castros? Não sei determinar isso.

Cuba precisa de um novo padrinho depois da Venezuela? Certamente.

E sobre o Papa Francisco? Não sei até que ponto ele foi importante. E como ele costuma ter um pensamento esquerdista, deve acreditar que o embargo é o que impede o desenvolvimento de Cuba. Cruz fugiu da crítica ao Papa.

Qual será o resultado do acordo? Os Castros venceram?

Não dá para dizer agora. Os Castros são moribundos, mas depois de décadas de roubo e opressão estabeleceram um método político perverso na ilha. O dinheiro que pode vir dos Estados Unidos pode alimentar ainda mais uma ditadura. Mas também o respiro de liberdade que pode vir dos Estados Unidos pode estimular o fim da ditadura.

E Cuba pode ainda trazer sérios problemas aos Estados Unidos? Claro que sim. Basta manter aliança com Irã, Rússia...


quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Al-Azhar: Terroristas do Estado Islâmico não São Infiéis. São sim Islâmicos.

Os líderes políticos e religiosos (como o Papa Francisco) do mundo cristão chamam o Estado Islâmico de extremistas, fundamentalistas e no máximo de terroristas. Evita chamar o Estado Islâmico de Islâmico. Por que?

A Universidade Al-Azhar é a mais antiga e mais importante universidade islâmica do mundo. Suas opiniões têm força política internacional sobre os muçulmanos. Por exemplo, quando o Papa Bento XVI discutiu fé e religião no Discurso de Regensburgo, argumentando sobre as fragilidades dos preceitos do Islã, a Universidade cortou relações com o Vaticano, que depois foram reatadas, depois que o Papa Bento XVI disse que foi um mal-entendido, pedindo desculpas. A Universidade age como um líder islâmico sunita mundial, em uma religião cheia de diversos líderes religiosos.

Recentemente, a universidade discutiu se o Estado Islâmico era ou não representante do Islã, se os membros do Estado Islâmico eram ou não infiéis. Muitos políticos ocidentais e até a Igreja Católica deseja que o Estado Islâmicos seja declarado anti-islâmico, um não representante da religião muçulmana. Apesar do Estado Islâmico sempre mencionar o Alcorão e os feitos de Maomé nas suas decisões.

E o que disse a Al-Azhar? Ora, que o Estado Islâmico não é infiel, faz parte sim da religião muçulmana. 

Será que isto irá silenciar os políticos e líderes religiosos cristãos que insistem na estupidez de dizer que o Estado Islâmico não é Islâmico?

Ayman Ibrahim falou muito bem sobre esta decisão da Al-Azhar e gostaria de perguntar a Al-Azhar se os cristãos seriam infiéis, em relação ao Islã. 

Os cristãos, assim como os judeus, são o “Povo do Livro”, Noé, Abraão, Moisés e Jesus também são profetas do Islã (apesar de serem descritos de forma bem diferente no Alcorão). Mas o Alcorão também os define como infiéis e manda persegui-los.

Se a Universidade AL-Azhar declarar que os cristãos são infiéis irá acelerar o genocídio dos cristãos no mundo muçulmano. Se declarar que não são fiéis talvez ajude aos cristãos, mas irá de encontro a passagens do Alcorão.

O que fazer? Ora, silenciar.

Leiam o excelente de Ibrahim no site da First Things.