quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Tanta Coisa em Apenas uma Foto



Este acima é Ryan Lemm (4 anos), ele está saudando seu pai, Joseph Lemm que recentemente morreu em um ataque terrorista no Afeganistão. Joseph (foto abaixo) era soldado e detetive de Nova York, conhecido como Superman.



O que poetas como Chesterton ou T.S. Eliott poderiam escrever só olhando essa imagem? Escreveriam livros.

Uma criança saudando com firmeza, tristeza e amor seu pai morto por terroristas de outra religião em terras distantes. Seu pai lutava pelo o quê? Por quem?

Joseph tinha a minha idade e Ryan tem a idade de um filho meu.

Que Cristo receba Joseph e abençoe Ryan, na sua vida.

Que o  mundo siga o exemplo de Ryan.

Feliz 2016 para Ryan e todos os amigos do blog. 

Muito obrigado por todo o carinho em 2015, vamos para luta em 2016.


6 comentários:

Anônimo disse...

Que Deus nos guie no ano vindouro e que a Sempre Virgem Maria nos guarde !!!
Viva Cristo Rei!!!
Emanoel

Pedro Erik disse...

Amém, meu amigo.

flavio disse...

Os EUA são a Babilônia moderna. Terra poderosa, que quer unificar o mundo sob sua égide, promovendo hedonismo como religião, igual aos antigos babilônicos: Guerras, materialismo, homossexualismo ritualístico, industria do aborto, confusão religiosa, pornografia e aí vai.

Pedro Erik disse...

Entendo suas críticas, Flavio. Mas eu respeito muito a história dos EUA, sua declaração de independência, e se comparamos com a história da Alemanha, França, Japão ou Rússia ou mesmo ONU, os EUA tem um histórico bem melhor de defesa da humanidade, como dizia o padre Neuhaus.

Feliz 2016.
Abraço,
Pedro

flavio disse...

Muita propaganda caro Pedro.
Que digam os 3 milhões de índios mortos depois da independência,os 500 mil tejanos católicos desapropriados e expulsos no final do século XIX, as 30 mil vietnamitas estupradas na década de 70, os 6 mil soldados iraquianos já rendidos e fuzilados no deserto da Arábia....
Nem digo da tragédia que virou os países "libertos" pelos EUA....
E os 55 milhões de crianças assassinadas legalmente desde 1973? E o apartheid americano até 1959?
E as invasões de mais de 40 países desde a segunda guerra mundial?
E o rompimento unilateral do acordo de breton woods que levou a falência dos países em desenvolvimento na década de 70?
E a nefasta influência americana no Brasil a partir da década de 50 resultou no que mesmo? E na Colômbia?
Pedro, a tão falada prosperidade dos EUA é fruto direto da politica tripé de: Controle de natalidade, industria bélica e endividamento. Sem contar na mão de obra migrante semiescrava dos países desestruturados pelos proprios americanos.

É muito marketing....
Me apontem qual guerra eles conseguiram vencer efetivamente desde 1960? E o que acontece com a economia deles se os árabes, japoneses e chineses decidirem retirar seus depósitos de Nova York?
Não sei porque me veio a lembrança bíblica da profecia da ultima potencia prefigurada pelos pés de barro misturado com metal da grande imagem. Uma aparente força, mas essencialmente fraca. Ou seja marketing.
Claro que não tiro méritos do país, que hoje deve ser melhor de viver que no patropi.
Não sei se viajei muito, mas levanto a polêmica!
Abraço.

Pedro Erik disse...

Caro flavio,
Considere a influência benéfica também. O país que tem a declaração de independência que eleva Deus acima dos homens, o pais formado por imigrantes, o pais em que católicos e protestantes lutaram juntos pela independência, o pais que entrou em guerra civil para libertar escravos, o pais que livrou mundo de Hitler e do imperialismo japonês. O pais que mesmo sob Obama está liderando a luta contra o Estado Islâmico. O pais em que o comunismo pouco devo frutos, partido comunista é nada lá.
Sobre matança de índios e escravos, os EUA não se distingue de inúmeros paises.
Sobre aborto, os EUA também não se distingue de inúmeros paises.
Abraço,
Pedro Erik