segunda-feira, 11 de julho de 2016

O Poder Político da Comunidade LGBT. O Terrível Futuro que nos Espera.


Como será o momento em que as escolas católicas terão que ensinar que pais e mães não valem nada?

Recentemente, eu e uma mãe fomos a escola dos nossos filhos para exigir que a escola (que é católica) não adotasse cartilha que dizia que todas as famílias eram iguais, que a criança não perderia nada em ser filha de dois pais ou duas mães. Nós conseguimos com muito esforço que a escola banisse a cartilha.

Mas por quanto tempo ainda conseguiremos manter escolas católicas do poder político e cultural dos gays?

Hoje, leio um texto sobre o avanço da comunidade LGBT na política dos Estados Unidos. Isso ocorre no mundo todo.

Eu costumo repetir aos meus amigos: Não gosto do mundo em que vivo, de completo abandono do certo e errado, do avanço do Islã, do avanço do gayzismo, um mundo efeminado, que não sabe nem o que é homem e mulher. Mas se não gosto desse mundo, o mundo em que meus filhos terão tende a ser muito pior. Por isso, eu procuro prepará-los para a guerra, cultural e de sangue mesmo. Se eu me sinto só, eles se sentirão ainda mais. Rezo desperadamente por eles.

Vejam parte do texto sobre o poder político dos gays nos Estados Unidos. O texto do site da Bloomberg publicado hoje diz que a grande prioridade dos gays é serem protegidos como se protege a religião. E a comunidade LGBT tem muito dinheiro e é apoiada pela mídia e grandes empresários. Hillary Clinton já declarou apoio ao que a comunidade LGBT quer.

Nós, cristãos, que entendemos, o valor da vida, o valor de um pai e de uma mãe na vida das crianças, que entendemos que o casamento gay não é casamento de verdade, e que as políticas gays levam à destruição espiritual das pessoas (e dos países), devemos lutar contra.  Devemos buscar nosso espaço, nossas escolas, nossos países. Para isso, devemos entrar na guerra cultural, mostrando o impacto nas crianças de pais gays, mostrando o valor de um pai, o valor de uma mãe, financiando quem defende nossas ideias. No final a guerra vai ser de sangue, devemos estar prontos.

Devemos dizer aos gays que os amamos, e rezamos por eles, mas que não aceitamos o pecado deles. O pecado deles é condenado por Deus, em toda a Bíblia, é um pecado que clama aos céus por vingança, que santos como São Pedro Damião, que escreveu O Livro de Gomorra no século 11, já denunciaram há muito tempo o impacto terrível do gayzismo dentro da Igreja e fora dela.


Gay Political Power Reaching Record as U.S. Attitudes Shift


When gay Americans notched some of their biggest political victories in the last year forsame-sex marriage and military service, opponents were already preparing an intense battle to roll back the new rights.
That onslaught, in state legislatures and Washington, has raised the stakes in the 2016 election for the lesbian, gay, bisexual and transgender community, which is trying to leverage its unprecedented political power to elect lawmakers who would extend federal protections at work and home to gay citizens, just as the Civil Rights Act of 1964 protected race, religion and gender.
“It was easy to forget how big the challenge still is,” said Representative Sean Patrick Maloney, the first openly gay congressman chosen by New Yorkers in 2012. “It’s more important than ever that we have people in elected office, that we have strong organizations in the community and that we continue to build alliances in the straight community.” The Republican majority in Congress is still hostile to these issues, he added.
The gay power base has never been stronger. Maloney is one of seven openly gay U.S. lawmakers -- the most ever -- and membership in the House LGBT Equality Caucus has surged 58 percent this session. There are about 500 LGBT politicians serving in elected office at all levels of U.S. government and almost 200 more running for office this year, including 11 for Congress, according to the Gay and Lesbian Victory Fund, which supports those candidates.

Now, according to Maloney, the biggest priority is electing more Democrats and gay politicians to win support for a sweeping federal law, the Equality Act, that would give LGBT residents in the U.S. the same civil protections afforded for race, age and religion.
“It’s very clearly shifted from an outside game to an inside game,” said Jeff Trammell, a Washington lobbyist, who has been active in political campaigns stretching back to Al Gore’s 2000 presidential run. “We have definitely reached a tipping point within the Democratic party. Acceptance has changed so much faster than expected. We’re in bit of a sorting out process.”
Trammell, who was married to his longtime partner in 2013 by former U.S. Supreme Court Justice Sandra Day O’Connor, estimates that as many as 20 percent of his fellow fundraisers for presumptive Democratic nominee Hillary Clinton are members of the LGBT community. An increasing number of key campaign personnel, including the treasurer of the Democratic National Committee, Andrew Tobias, are also openly gay.
It’s difficult to put a specific dollar amount on LGBT money in politics. But there is no question that the spending is much more visible than it was two decades ago, said Tobias, who has been DNC treasurer since 1999 and involved in fundraising since the early days of Bill Clinton’s campaigns for president.
“It’s hard to quantify, but it’s clear to me the LGBT community has been doing more than its pro-rata share over the years I’ve been treasurer – and for good reason,” Tobias said. “When it comes to equality, one party has been with us, and the other attempting to block us, every step of the way.”
Among the approximately 140 biggest donors who gave almost exclusively to Democrats in 2014, about 7 percent, or $13 million, came from 10 openly gay donors. More recent data isn’t available. At least six more LGBT donors rank among the so-called bundlers who raised $50,000 or more for Hillary Clinton in her current run.
In the past year, Wall Street firms including Goldman Sachs Group Inc. and State Farm Mutual Automobile Insurance Co. have balked at funding the campaign of Republican Scott Garret, chairman of the House Financial Services subcommittee that oversees capital markets, after news reports surfaced saying that he disparaged gay Republican congressional candidates in a closed door meeting. In the broader business community, almost 80 companies, from Abercrombie & Fitch Co. to Xerox Corp., support the Equality Act, according to the Human Rights Campaign. The bill has been stalled in Congress since last year.
Recent battles in Congress to prevent amendments that would limit gay rights in federal contracts demonstrate how much work is left to do, Maloney said in an interview. He was able to convince 43 Republicans to break with the party and oppose the amendment, but that still meant more than 200 were in favor of it, he said. The caucus is incensed that Republicans plan a hearing on July 12, the one-month anniversary of the murder of 49 patrons at a gay night club in Orlando, to discuss a bill that allows businesses to deny service to LGBT patrons if such service goes against religious values.
“The fight is far from over,” said Maloney, who is running for his third term in Congress. “This system is working for us, but it’s working for us because we worked. People made sacrifices and ran for office and gave money. LGBT people are demonstrating right now that the system can change and respond to the will of the voters.”
In the presidential race, the contrast is stark: Clinton, who is already endorsed by the largest gay advocacy group, has said she supports the Equality Act and would appoint a Supreme Court Justice who would protect gay rights. Republican Donald Trump has said he supports traditional marriage and would let states decide issues such as whether transgender people can use the restroom of their gender identity.
...
Five years ago, there were 18 states without a gay lawmaker and that number has fallen to 9, now, Moodie-Mills said. In states where anti-LGBT legislation was introduced, 74 percent had either one or no LGBT lawmakers, according to Victory Fund research.
It’s a far cry from the late 1980s and even more recently, when it was still not uncommon for political candidates to either return money from LGBT sources or ask that the donations come late in the cycle so their opponents couldn’t use the contributions against them, said Joe Solmonese, who was president of the Human Rights Campaign, the largest LGBT activist group, from 2005 to 2012.
"If you want to have political power, you have to be a powerful political player," Solmonese said. "We’re spending money and writing checks with our heads and understanding the importance of unconventional allies."

5 comentários:

Vic disse...

DENUNCIANDO E NOMEANDO AO POVO OS CONSPIRADORES CONTRA A IGREJA!
Se as ideias de mentes ideológicas anticristãs e desequilibradas estão em ascensão, os possíveis infiltrados na Igreja disfarçados de religiosos seriam os grandes responsaveis, por incentivarem O LGBTismo e, o pior ainda, por não combaterem essas perversões, inclusive sendo anti naturais!
A TL é uma dessas instituições propagadoras dessas fraudes, e contando com muitos apoios dentro do clero católico já subvertido ao marxismo!
Note-se que esses chantagistas contam com o silencio e/ou apoio da tal qual CNBB, tão ostensivamente esquerdista que foi contra o impeachment da vermelha Dilma, a qual tem sido promotora dessas perversões, amparado em nome da CNBB, ousando afirmar tratar-se de golpe, né, D Leonardo?
OS GOLPISTAS E CONSPIRADORES COMUNISTAS USANDO NA LINHA DE FRENTE OS IDIOTAS-UTEIS, OTARIOS E CAPACHOS...
E A CNBB SUBSERVIENTE A ELES, NÉ, D LEONARDO?

Nik disse...

Pedro, sei bem o que passou na escola. Niterói, RJ, vota amanhã e quinta a inclusão da ideologia de gênero no ensino. Ontem colhemos assinaturas. Todas as igrejas e parte da sociedade organizada daqui está empenhada em pressionar a Câmara contra este crime. Pois bem. Na audiência pública semana passada, os apoiado resposta da inclusão disseram o seguinte: mesmo que seja proibida, não deixaremos de ensinar e falar sobre gênero. No colégio dos meus filhos o ataque é muito bem organizado. A mais nova com sete e o mais velho com 11 nos mostram, perplexos, as sandices que seus professores propõem. Em reunião com a direção, não tive sua sorte. Ouvi que o programa é apoiado pela ONU, UNESCO e etc e que o colégio é laico... Como se alhos tivessem algo a ver com bugalhos. Rezem por Niterói. Somos uma cidade universitária e este ambiente decadente é muito poderoso em votos e influência, infelizmente.

Pedro Erik disse...

Rezerai pela sua família e amigos que lutaram, caríssimo Nik.
A batalha é imensa, mas temos Cristo, não podemos desanimar. Ele vai mostrar o caminho na nossa luta por Ele.
Abraço,
Pedro

Anônimo disse...

É, meu amigo, o negócio está feio...
Eu particularmente acho que não tem volta. Estamos pior que o capítulo 1 de Romanos. E não espero muita coisa das escolas também não...
Em um post recente no site do Padre Paulo Ricardo, encontrei um alento: assim como São Bento estabeleceu sua ordem em uma época decadente, se nós quisermos sobreviver (entenda-se - alcançar a vida eterna) nós precisaremos copiar o exemplo desse santo, montando o nosso próprio "mosteiro", no caso, na nossa família.
O sr. já publicou um post mostrando que os ateus estão fadados à extinção, pois têm poucos filhos. É o mesmo caso dos gays. Tudo isso no mundo está acontecendo devido o colapso das famílias cristãs, infelizmente.
Por fim, resta-nos a confiança em Cristo e sua Mãe, pois do jeito que está, só uma intervenção divina poderá nos salvar.
Um grande abraço. Rezemos uns pelos outros.
Gustavo.

Pedro Erik disse...

Ótimo comentário,Gustavo.
Acho que é isso
Precisamos de uma casa, um mosteiro, uma família. Acho até que os cristãos precisarão fundar um país para sobreviver.
Rezemos e lutemos amigo.
Abraço
Pedro Erik