segunda-feira, 2 de julho de 2012

Papa Pio XII, o Holocausto e um judeu chamado Gary Krupp

-

 

A revista Veja anunciou qe o Museu do Holocausto (Yad Vashem) em Jerusalém resolveu mudar o texto que mostra as críticas fortes que se fazem ao papa Pio XII, que foi papa durante a Segunda Guerra. Agora, o texto do museu virá com a opinião daqueles que defedem o papa dizendo que a neutralidade do papa na guerra permitiu a salvação de milhares de judeus.

O Vaticano diz que se o Papa tivesse sido publicamente contra os nazistas, teria provocado inúmeras mortes mais de judeus e não judeus. E que o Papa ajudou a salvar milhares de judeus.

A Rome Reports também tratou do assunto. 

Parece-me que o Yad Vashem está lento na história, pois há inúmeros relatos sobre a salvação de judeus provenientes da ação do papa.

O maior especialista no assunto é um judeu chamado Gary Krupp, fundador do site Pave the Way Foundation, que tenta o diálogo entre as religiões.

Interessante, é que na semana passada, Gary Krupp deu uma entrevista para o Vatican Insider e explicou por que o assunto, conhecido como Black Legend, está encerrado. Isto é, as acusações contra o Papa Pio XII e seu comportamento durante a Segunda Guerra não têm nenhum fundamento.

Vou traduzir aqui o texto do Vatican Insider, em azul.

Após seis anos de incansável pesquisa que descobriu 76.000 páginas de material original, além de vários relatos de testemunhas e depoimentos de importantes estudiosos internacionais, Gary Krupp está confiante que a má reputação do Papa Pio XII está chegando ao fim.

"Estamos definitivamente ganhando, não há dúvida", Krupp diz agência de notícias Zenit em uma entrevista, durante uma visita a Roma esta semana. "Toda vez que fazemos mais pesquisas, encontramos um diamante. É incrível, mas não há nada do outro lado porque não há nenhuma fundação documentada por quaisquer de suas acusações."

Krupp, fundador da Pave The Way Foundation, uma organização sem fins lucrativos dedicada a fazer a ponte entre as religiões do mundo, é bem conhecido por ser um dos defensores mais fervorosos de reputação de Pio XII por heroísmo em suas relações com o povo judeu.
 
Como um judeu de Nova York, que cresceu, como muitos outros de sua geração, com um ódio doutrinado do Papa durante a guerra por seu suposto anti-semitismo e falta de vontade de ajudar os judeus durante o Holocausto, sua raiva ao perceber isto foi tudo mentira, e sua vontade de revelar a verdade, é ao mesmo tempo sincera e convincente.

Agora, ele e sua equipe de pesquisadores descobriram evidências mais documentadas que abrem o caminho acredita que devem funcionar como prova incontestável para qualquer historiador sério que Pio XII fez tudo que podia para proteger e defender os judeus, antes, durante e depois da Segunda Guerra Mundial. Toda a documentação pode ser vista no site da organização na Internet: www.ptwf.org

Alguns desses documentos mostram que Pio XII era a favor da criação de um Estado judeu, já em 1917. Em outras descobertas recentes, os pesquisadores se depararam com uma carta, escrita pelo Cardeal Pacelli (futuro papa Pio XII), em 1939, em que ele tentou obter os vistos para 200.000 judeus que permaneceram na Alemanha após a Kristallnacht (os ataques da Noite dos Cristais na Alemenha) 

"Ele não foi capaz de obter os vistos, mas ele tentou", diz Krupp. "O ponto é, ele não fez isso a partir da segurança de Washington DC, ou Londres. Ele fez isso quando cercado por forças hostis, e infiltrada por espiões, e ele ainda conseguiu salvar mais judeus do que todos os outros líderes mundiais combinados . "

Outras cartas revelam como, através de seu sobrinho Carlo Pacelli, o Papa Pio XII ajudou a prevenir a prisão de judeus romanos em 1943, dando a mais ou menos 12.000 deles a chance de buscar refúgio em mosteiros, conventos da Igreja, e as casas dos católicos italianos. "Todos esses documentos de arquivo mostram como ele pessoalmente ajudou a salvar o povo judeu", diz Krupp.

Outros descobertas revolucionárias mostram como o Papa não era apenas um alvo para assassinato de Hitler (Pave the Way tem uma cópia de uma carta que Pio escreveu a cardeais com a expectativa de ser morto e dando-lhes instruções para formar um governo no exílio), mas que ele e sua secretária também foram nomeados em um relatório alemão como co-conspiradores na tentativa de assassinato Valkyre de julho de 1944.

Pave the Way tem vasculhado cópias do New York Times e Post Palestina 1939-1958 para encontrar qualquer evidência de animosidade contra os judeus. "Não há um artigo negativo. Nem um", Krupp diz, acrescentando que um amigo francês deles também passou por franceses jornais comunistas e socialistas da época, e da mesma forma apareceu com nada de negativo.

Krupp aponta para uma "carta fantástica" do embaixador norte-americano para a Alemanha, relatando 03 março de 1939 sobre a eleição do novo Papa em 2 de março. O embaixador lembra de uma reunião com o Cardeal Pacelli, em 1937, ele queria visitar a Capela Sistina, mas ele não foi capaz porque o cardeal o mantinha em seu escritório por três horas seguidas, falando sobre Nacional Socialismo e Hitler. "Na carta ele diz:" Enquanto seus pontos de vista contra Hitler eram bem conhecidos por mim, eu não tinha idéia da extremidade de seus pontos de vista '", relata Krupp.
 
Como muitos, Krupp está convencido de que manchar a reputação de Pio foi uma ação de uma campanha de desinformação elaborado pelos soviéticos e, em particular, o filme "The Deputy", que foi amplamente realizada após a morte do Pontífice. A peça, que se espalhou o que se tornou conhecida como a "Lenda Negra" de Pio XII, ainda está sendo realizada hoje, atualmente em Munique e até mesmo em uma universidade americana - algo que muito irrita Krupp, mas o reitor da universidade elaga "liberdade acadêmica".

O que o faz tão incansável em seu desejo de descobrir a verdade é sua crença de que a história deve ser precisa. "As pessoas morrem com a história", diz Krupp ", por isso é absolutamente essencial que as pessoas percebam que a história é uma coisa sagrada -. Você deve obtê-la direito porque as pessoas matam umas às outras por causa da história percebida" Ele diz que anti-Pio historiadores são "revisionistas históricos", e não faz nenhuma apologia ao chamá-los de "mentirosos" em vez de estudiosos.


Ele é particularmente indignado com a comunidade judaica de Roma e aqueles que persistentemente propagam a Lenda Negra em face da evidência contrária. "Todos da comunidade judaica de Roma desprezam Pio XII, quando alguns curtos anos atrás eles erigiram um monumento em sua honra porque ele salvou todas as suas vidas", diz Krupp (o monumento, erguido em 1946, não está mais lá). "Você tem ar em seus pulmões hoje, porque ele salvou sua vida", diz ele em palavras pontas voltadas para eles ", e ainda assim você o despreza? Este é um pecado. Este é um pecado judeu." Krupp freqüentemente salienta que uma das falhas mais graves de caráter judeu pode ter é a ingratidão, e observa que a palavra hebraica para judeu está realmente com base na palavra gratidão. 

Ele acredita que se algum da comunidade estava disposto a olhar para os documentos, eles iriam mudar suas mentes. "Qualquer pessoa que se recusa a olhar os documentos prova que é um tolo", diz ele. "Isto é especialmente irritante para mim, como esta comunidade está viva por causa de suas ações, muito comprovadamente vivos - desde a época disse isso", argumenta Krupps.

Ele também diz que ele veio a descobrir os inimigos do Papa Pio XII tendem a ser "judeus e católicos ultra-esquerdistas", com uma agenda para destruir a reputação do Papa, porque ele "representou a Igreja, conservadora e tradicional."

Mas quais são as acusações feitas regularmente contra Pio XII? Krupp destrói cada uma delas com facilidade. 

Sobre o porquê Pio não deu a sua vida como mártir:? "Por que o General Patten também não deu? Por que Roosevelt não não deu? As pessoas esquecem que Vaticano são duas entidades, a cabeça da Igreja Católica  e também um governo. Seria a pior coisa que se pode fazer, especialmente quando ele poderia fazer o bem que ele fez vivo. Estar morto seria nada bom. "

Sobre a alegação de nenhum nazista foi excomungado: "Eles foram. Eu adoro rebater essa. Os bispos alemães disseram que qualquer pessoa que se juntasse ao 'Partido de Hitler", que usasse o uniforme ou hasteasse a bandeira nazista estaria excomungado e um sacerdote não podia atender a seu funeral. se algum nazista morresse "

Na acusação de que Pio XII ajudou os criminosos de guerra nazistas fugir para a América do Sul depois da guerra: "Não, ocorreu exatamente o oposto de acordo com o bispo Hudal [Hudal era um colaborador nazista em Roma], basta ler autobiografia de Hudal."

Na alegação de que Pio autorizava batismos forçados de crianças judias: "Bobagem. Na verdade, ele proibiu. Havia alguns ... Você teve algumas freiras com excesso de zelo e outros que fizeram isso, mas ele proibiu isso porque ele tinha um grande amor... e respeito para o Judaísmo, a partir de sua infância. Seu melhor amigo era um menino judeu ortodoxo, Guido Mendes. "

Krupp reconhece "Nostra Aetate", do Concílio Vaticano II Declaração do Conselho, considerado por muitos transformaram as relações judaico-católicas, como "um dos eventos mais importantes em relações judaico-cristãs". É discutível se os seus esforços imensos para limpar o nome de Pio XII teria ocorrido se não fosse por esse documento, mas Krupp começou a trabalhar na questão Pio depois de receber o título de cavaleiro papal, vendo que iria "abrir as coisas para fazer coisas maravilhosas entre os judeus e os católicos. "

Estou interessado em saber se ele próprio nunca pensou em se tornar um católico? "Não, nunca", diz ele. "Se alguém me desse um milhão de dólares, eu não iria. Esta é a maneira que eu devo ser. Eu estou fazendo o que eu deveria fazer como um judeu não como católico."

Ele diz que tem um "grande amor e respeito pela Igreja" porque ele "olha para o que interessa" e vê que há "Não há maior fornecedor do mundo de cuidados de saúde, educação ou caridade." Na verdade, ele ficou encantado e honrado em ser convidado este ano para receber um doutoramento honoris causa e entregar o discurso de abertura na St. Thomas Aquinas College, Orangeburg, Nova Iorque. 

"Eu sinto que meus irmãos e irmãs estão na Igreja, mas eu nunca iria considerar a conversão", diz ele. "Estou muito orgulhoso de ser judeu, e eu acho que esse é o caminho que Deus queria para me levar."

 

2 comentários:

avmss disse...

Bom esse post, bem esclarecedor e informativo, outro judeu que defendeu a Igreja foi o Albert Einstein quando disse: “Só a Igreja Católica protestou contra o assalto hitlerista à liberdade”.

abraço

Pedro Erik disse...

Obrigado, avmss.

Abraço,
Pedro Erik