terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Vídeo: O Filósofo da Morte sem Sentido aos 97 Anos Discordou Dele mesmo



Acima, temos um vídeo com o filósofo Herbert Fingarette, que escreveu os livros Death e Self-Deception. O ponto dele nos livros é que a morte não é nada, não se deve ter medo da morte, você vai apenas deixar de existir, não será feliz, nem triste, nem vai para céu, nem para inferno.

Aos 97 anos, o neto dele, Andrew Hasse, filmou seu avô. Ele estava sozinho e triste e discordava dos seus livros, tinha medo da morte, precisava da ajuda diária, e via aspectos transcendentais na vida que nunca tinha visto. Além disso, aos 97 anos, Fingarette costumava gritar na sua casa: "me diga qual é o sentido de tudo isso?", "qual o sentido da vida?".

O neto disse que nos últimos momentos de vida, depois de horas com os olhos fechados, Fingarette de repente abriu os olhos e disse:

"Well, that's clear enough!" (Bem, isso está claro o suficiente)

e depois disse:

"Why don't' we see if we can go up and check it out?" ("Por que nós não vemos se podemos subir e conferir?").

O que será que Fingarette viu? Com quem ele falou?

Nunca saberemos, mas os livros dele ainda estão por aí ainda,passando a informação que o próprio autor discordou em vida.

Se eu fosse o neto dele, eu teria perguntado se ele queria que retirássemos os livros das ruas. Ou se ele queria que fossem reescritos.

O vídeo vale a pena para lembrarmos daquela frase latina: "memento mori" (lembre que você morrerá)

Rezemos pela alma de Fingarette.


4 comentários:

Adilson disse...

Acho que esse "filósofo" era do tipo que torcia a realidade para fazê-la adequar-se a sua "filosofia". Mas quando ele chegou na fase da vida que até então só os outros viviam, então chegou o momento de verificar sua se sua "sabedoria" era séria: não deu certo.

Adilson disse...

quem filmou parece que estudou cinema e saber dar destaques nas imagens. Ele fi bem pontual: a luz no quarto em contraste com "protagonista"; os destaques em parte do rosto; a mocinha na flor da idade cuidando dele (um velho já no fim); as mãos pegando o remédio; o discurso atravessando a sequencia de imagens. Bom. É interessante também como ele permitiu isso: fazendo dos últimos dias um "livro" em forma de filme. A

Pedro Erik disse...

Realmente, meu amigo, o neto dele soube filmar, enquadrar e editar com o texto. Ficou ótimo.

Abraço,
Pedro Erik

Anônimo disse...

Alguém precisa lembrar ao antipapa herege público e escandaloso do Bergoglio que um dia ele vai morrer e dará contas de todas essas heresias e blasfêmias que ele prática!

Rezamos para Bergoglio se arrepender e se converter!