sábado, 22 de junho de 2013

Esquerdistas salvam árvores (pois elas sentiriam dor), mas não crianças.


A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou na semana passada o Pain-Capable Unborn Child Protection Act (Projeto de Lei de Proteção a Criança no Ventre Capaz de Sentir Dor), a ideia da lei é banir aborto que ocorram na vigésia semana de gravidez, pois a criança já sentiria dor, como mostraram os casos de aborto do caso Gosnell, médico que matava crianças em qualquer estágio de gravidez (falei aqui no blog disso diversas vezes, como aqui)

O projeto foi aprovado na divisão entre partidos. O Partido Republicano votou em peso pela lei (apenas seis foram contra), e  o Partido Democrata  (partido do presidente Obama) votou contra (apenas seis foram a favor). Obama, como sempre, honrou o nome de presidente americano que mais defende o aborto na história, e já prometeu vetar a lei, que não deve passar no Senado, que tem maioria democrata.

Esquerdistas amam o aborto (a morte), e o principal argumento é que ser contra o aborto é atacar a liberdade das mulheres sobre o próprio corpo. Um argumento cai por terra a partir do momento que se entende que não se trata do corpo da mulher, é outro corpo, outra vida dentro do corpo dela, que a mãe não tem o direito de matar.

Acho que a ideia de centrar na dor para banir o aborto, interessante, mas não precisamos da dor para saber que há outra vida dentro da mulher.

Mas é interessante como mostra o cartaz que ilustra este post.

Se você perguntar ao Obama ou a qualquer esquerdista (hippies e afins) se o mundo deveria repensar a derrubada de árvores pois teria sido provado que as árvores sentem dor ao serem atacadas com machados, a imensa maioria, se não todos, diria que sim. 

Por que, então, os humanos que sentem dor não teriam também o direito de receber o mesmo benefício, de ter a vida poupada por sentir dor?

 Rezemos pelas crianças no ventre, que elas tenham vida sempre.


(Agradeço a imagem da hippie com os dizeres ao blog Creative Minority Report)

2 comentários:

Estanislau Tallon Bózi disse...

Você muito bem revela a incoerência dos abortistas e de todos quantos lutam pela degradação moral da Humanidade.

Gianna Beretta Molla rogai por nós e, principalmente, pelos não nascidos!

Um abraço,

Stan

Pedro Erik disse...

Obrigado, Stan.

Especialmente pela citação de Santa Gianna que conhecia como médica e mãe o valor da vida.

Abraço,
Pedro