quinta-feira, 18 de junho de 2015

Já Publiquei sobre o Assunto. O que Penso sobre a Encíclica Ecológica?


Não li nenhuma análise e fui ler diretamente a Encíclica Laudato Sí do Papa Francisco divulgada hoje e que trata de ecologia.

O que eu penso da encíclica? Primeiro cabe dizer que eu me posiciono como capaz de falar sobre o assunto, não porque sou climatologista, mas por ter estudado a tal "mudança climática" por 5 anos, ter viajado para diversos países para debater o tema, e ter publicado dois artigos no exterior que têm relação com o assunto.

Eu diria que a principal qualidade da encíclica é que ela não acrescenta nada ao debate, ao não ser no fato que um Papa escreveu sobre mudança climática.

O grande defeito para mim é que o Papa Francisco dispendeu enorme esforço em um assunto morto diante de tantos problemas que os cristãos sofrem hoje em dia.

Vamos às partes da encíclica que menos gostei (do original em inglês). Comento em azul:

6. My predecessor Benedict XVI likewise proposed “eliminating the structural causes of the dysfunctions of the world economy and correcting models of growth which have proved incapable of ensuring respect for the environment”.[10] He observed that the world cannot be analyzed by isolating only one of its aspects, since “the book of nature is one and indivisible”, and includes the environment, life, sexuality, the family, social relations, and so forth. It follows that “the deterioration of nature is closely connected to the culture which shapes human coexistence”.[11] Pope Benedict asked us to recognize that the natural environment has been gravely damaged by our irresponsible behaviour. 

Acho que o Papa Francisco não entendeu corretamente o que disse o Papa Bento XVI, Bento XVI estava ressaltando a necessidade de se olhar o homem quando se discutir meio ambiente e não em reconhecer que nosso comportamento tem prejudicado o meio ambiente.

23. The climate is a common good, belonging to all and meant for all. At the global level, it is a complex system linked to many of the essential conditions for human life. A very solid scientific consensus indicates that we are presently witnessing a disturbing warming of the climatic system. In recent decades this warming has been accompanied by a constant rise in the sea level and, it would appear, by an increase of extreme weather events, even if a scientifically determinable cause cannot be assigned to each particular phenomenon. Humanity is called to recognize the need for changes of lifestyle, production and consumption, in order to combat this warming or at least the human causes which produce or aggravate it. It is true that there are other factors (such as volcanic activity, variations in the earth’s orbit and axis, the solar cycle), yet a number of scientific studies indicate that most global warming in recent decades is due to the great concentration of greenhouse gases (carbon dioxide, methane, nitrogen oxides and others) released mainly as a result of human activity. Concentrated in the atmosphere, these gases do not allow the warmth of the sun’s rays reflected by the earth to be dispersed in space. The problem is aggravated by a model of development based on the intensive use of fossil fuels, which is at the heart of the worldwide energy system. Another determining factor has been an increase in changed uses of the soil, principally deforestation for agricultural purposes.

O Papa não deveria ter falado em "aquecimento". Estamos há 18 anos sem aquecimento no planeta Terra, ao contrário do que previu a ONU diversas vezes. Aliás, ele deveria ter falado dos erros enormes de previsão, sem falar nas fraudes.
Além disso, ele deveria ter lembrado que o aquecimento tem fatores benéficos. E também que não é consenso a culpa humana.
Mas ainda bem que ele falou de outros fatores que podem levar à mudança climática. Ufa.

54. It is remarkable how weak international political responses have been. The failure of global summits on the environment make it plain that our politics are subject to technology and finance. There are too many special interests, and economic interests easily end up trumping the common good and manipulating information so that their own plans will not be affected. The Aparecida Document urges that “the interests of economic groups which irrationally demolish sources of life should not prevail in dealing with natural resources”.[32] The alliance between the economy and technology ends up sidelining anything unrelated to its immediate interests. Consequently the most one can expect is superficial rhetoric, sporadic acts of philanthropy and perfunctory expressions of concern for the environment, whereas any genuine attempt by groups within society to introduce change is viewed as a nuisance based on romantic illusions or an obstacle to be circumvented.

Acho que se você vai criticar as convenções internacionais por considerar que elas se movem por interesses financeiros e tecnológicos, você deve apontar uma solução. Além disso, em que situação um debate não tem interesses envolvidos?
Só criticar fica meio barato. Além do mais, o próprio Papa diz que não tem solução a apresentar:

61. On many concrete questions, the Church has no reason to offer a definitive opinion; she knows that honest debate must be encouraged among experts, while respecting divergent views. But we need only take a frank look at the facts to see that our common home is falling into serious disrepair. 

-----

Finalmente, a encíclica tem o grande defeito de reforçar uma imagem equivocada de São Francisco de Assis, que seria bonzinho que ama passarinhos. Enquanto o verdadeiro São Francisco enfrentou o Islã de peito aberto, defendeu as Cruzadas, sofreu estigamata, fez exorcismo de uma cidade inteira, defendeu a Igreja sempre.


3 comentários:

Anônimo disse...

"Dom Sanahuja ainda ressalta que “a legítima preocupação com o meio ambiente, que faz parte da doutrina católica – expressa, entre muitos outros documentos, nas Encíclicas Sollicitudo Rei Socialis e Centesimus Annus, nada tem a ver com o paradigma ecologista da nova ética ou religião universal, no qual se entrelaçam o relativismo moral, o sincretismo religioso e o panteísmo”, contidos na Carta da Terra".*
Os trecho acima muito preocupante – principalmente os anteriores condenando os ricos exploradores – JAMAIS se referiram condenatoriamente às FEROZES DITADURAS COMUNISTAS da ex Cortina de Ferro capitaneada pela Russia pisoteando seus satélites e destruidoras ambientais – e ZERO contra as atuais, inatacadas, escravagistas e anti pessoais remanescentes, como de Cuba, Coreia do Norte e da China, mesmo a FEROCÍSSIMA INQUISIÇÃO COMUNISTA com quase 200 000 000 de mortos só no sec XX; pior ainda, a deformação das mentes para o diabolismo que ainda tem patrocinado!
Se esse trio acima e os anteriores vermelhos ficarem de fora, como até agora, continuaríamos em suspense, como diante de uma incógnita!
* Citação do prof. Hermes R Nery e que poderiam existir nessa Encíclica.
Henoc

Adilson J. da Silva disse...

Boa noite do Dia do Senhor, nobre Pedro.Após longos dias sem fazer comentários, aqui estou. Tive uns problemas, entre eles minha viagem à Recife para resolver uns problemas e visitar minha mãe e parenteses. Não sabia por onde começar, então resolvi partir desta postagem. Mas, atencipo que vou ler as postagens antigas, pois não quero ficar inconsciente delas. Vamos lá. Eu não li o documento, e só fiquei sabendo pelo Jesuan, meu compadre, o qual, aliás, ficou bem preocupado e acabou me deixando também. Só que após a postagem de hoje, minha preocupação virou outra coisa. Só tenho uma coisa a dizer: graças a Deus que o Thyself me trouxe muito esclarecimento. Será que já chegou o momento de pensarmos no famoso "fuja para as montanhas"???

Pedro Erik disse...

Caríssimo Adilson,

Senti sua falta, meu amigo. Mas não se preocupe em comentar os posts.Apenas de sentir vontade. Ter vc como leitor já eh um privilégio.
Sobre o Laudato Sí deixei de fora algumas coisas perturbadoras como o fato do padre rezar primeiro para um " Deus criador" e só depois para os cristãos. Eu desejo ser caridoso com o Santo Padre. rezemos por ele. Ele eh bem confuso.
Não acho que devamos fugir para montanha, mas se eu pudesse eu me mudaria para comunidades mais católicas. E além disso devemos nos preparar com orações e lendo sobre teologia e tudo sobre Cristo.
Abraço
Pedro Erik