terça-feira, 25 de outubro de 2016

Já Estamos em Guerra e é Contra Outros Católicos Também. Vejam os 4 Tipos de Católicos (por Esolen).


Hoje, leio que um padre, chamado Reverendo Dennis Holtschneider, presidente da maior universidade católica dos Estados Unidos, a DePaul University, condenou estudantes por eles defenderem a vida, por eles fazerem manifestação contra o aborto. O padre chamou os estudantes de "fanáticos".

Lembrei de um artigo fantástico, do filósofo Anthony Esolen, que tem o seguinte título "What Do You Do When the Persecution Comes" (traduzindo: "O Que Você Fará Quando a Perseguição Chegar).

Nesse artigo, Esolen mostra os diversos tipos de católicos frente a perseguição a católicos. Ele mostra que os católicos farão guerra contra outros católicos. Pois muitos que se dizem católicos odeiam as doutrinas da Igreja ou não a defendem (por preguiça ou desinteresse) ou se acham melhores do que a Igreja.

São 4 tipos de Católicos:

1) O Perseguidor. Aquele que Perseguirá os Católicos e a Igreja. Este odeia a Igreja. Ele deseja destruir a Igreja por dentro. Ele exalta o mundo. Tem desprezo por João Paulo II e pelo Papa Bento XVI (INTERESSANTE QUE ESOLEN NÃO CITA O PAPA FRANCISCO). O perseguidor sempre está do lado do Estado na luta contra a Igreja. Ele deseja que a Igreja aceite o aborto e o casamento gay e que as instituições católicas façam abortos e casamentos gays.

2) O Traidor. Aquele que renega a Igreja. Este não odeia a Igreja, mas também não a ama. Deseja ardentemente ser aceito pelo mundo. Acredita no futuro. Este acho é o tipo mais comum no Brasil. Pode até ser padre e bispo, mas muito raramente defende a Igreja e fica até feliz em fechar paróquias, culpando outros por isso. O traidor deseja que a Igreja adote o mundo, acredita que o mundo moderno sabe mais do que a Igreja. Ele costuma ressalatar os erros da Igreja e até inventar erros da Igreja.

3) O Vingador. Este tentou viver de acordo com os ensinamentos da Igreja e sofreu perseguição e retaliação por isso. E essa perseguição destruiu o amor que ele tem pela a Igreja, ele passou a odiar a Igreja. Condena a Igreja por não seguir os ensinamentos de Cristo e por isso deseja que a Igreja seja destruída. Por vezes, o vingador é um tradicionalista por outras vezes é um que odeia os tradicionalistas. O vingador não luta contra a revoilução sexual, o relativismo, o globalismo, a corrupção das crianças, nada. Ele não luta. Ele não vai para guerra, a não ser que ele mesmo determine a estratégia, que ele seja o general.

4) O Soldado. O soldado não reclama dos seus superiores porque os superiores dão péssimas ordens, ele reclama porque os superiores não dão ordem alguma. O soldado que ir para a guerra e está pronto para liderar. Ele sabe que a guerra é um inferno, mas que nem ele nem a Igreja são culpados pela guerra. Os demônios que levaram à guerra é que procuraram destruir a Igreja. O soldado prefere a paz, ele prefere que seu país e seu povo seja mais santo e que a Igreja seja livre. O soldado não diz: "só farei guerra se meus supeiores forem sábios". Ele não diz: "só farei guerra se eu não lutar do lados dos protestantes, dos tradicionalistas, outros cristãos, ou pessoas ecumênicas". O soldado agradece pelos irmãos em armas, e se seus uniformes forem um pouco diferente, ele pensa que no fim Cristo resolverá. O soldado não é Poliana, ele sabe que sofrerá muitas tribulações, mas sabe também que no fim Jesus vence. O soldado não recusa fartura, mas também não se afasta do jejum. Ele deseja glória para Igreha. Ele consegue atrair gente para a Igreja. Ele se sente mais feliz em atrair gente para Cristo do que em jantares ricos.

Esolen termina desejando que todos nós sejamos soldados. Faço minhas as palavras dele. Que todos nós sejamos soldados, pois já estamos em guerra até contra outros católicos.

Leiam os 4 tipos, nas palavras de Esolen, abaixo.

The PersecutorFirst are the Persecutors. These people hate the Church, and that is why they remain ostensible members of it. They desire from within to punish the Church for what they perceive to be her sins, which these days have nothing to do with her teachings on the Trinity or the nature of Christ, but with sex—so tawdry are our heresies. O Arius, Arius, would that we had such as you for our enemy! The Persecutor has unbridled contempt for Pope John Paul II, the too-lenient father whom the Persecutor, like a spoiled brat, portrays as a tyrant, and for Benedict XVI, whose broad-ranging and penetrating intellect makes the Persecutor feel puny by comparison.
In all conflicts between the State and the Church, the Persecutor will not only side with the State; he will be glad to lead the charge. He will, to give one recent example from Connecticut, push a bill designed to subject the governance of Catholic parishes to state oversight. He will, to give a current example from New York, attempt to compel Catholic crisis pregnancy centers to refer women to the nearest abortorium. He will be eager to threaten Catholic schools with loss of government funds if they remain Catholic—if, for instance, they think it is not a good idea to sponsor groups committed to Sodom, and let them massage the minds of children. But why do I use the generic masculine pronoun here? Sheshe will want to compel Catholic interns to assist in abortions, or even to perform one; she will want to compel Catholic parishes to allow their grounds and their halls to be used for the celebration of pseudogamy. Religious freedom? The Persecutor respects neither God nor the conscience of man.
The QuislingSecond, the Quislings. The Quisling does not hate the Church, but he does not love her, either. He is a worldling and craves the approval of the world. He believes in “the future,” and that means he is easy prey for the peddlers of ideological fads: a field mouse against the Great Horned Owl. He is embarrassed by tradition. He is seldom brave enough to express formal heresy, just as he is seldom brave enough to defend the Church with any clarity or confidence. He seems pleasant enough, is perfectly lamb-like when it comes to wining and dining with the powerful, but will turn with a pent-up frustration against the ordinary churchgoer who dares to question his prudence. If he is a bishop, he is secretly happy to close churches and sell off their property, comforting himself with the thought that he is doing what is only necessary in hard times, and blaming the parishioners themselves for failing to bring up their children in the faith—when in point of fact he and the chancery have given them no help at all in doing so, and have usually checked them at every pass.
The Quisling wants the state to bring the Church into “the modern world,” whatever that may be; it depends upon the times and the place. Oh, he does not want the compulsion to be violent, and he can intone pontifically about the sanctity of individualconscience; so long as the individual with the tender conscience keeps it to himself, where it will remain ineffectual and inert, like a seed on concrete. The Quisling, with a sad and knowing shake of his head, pleases himself by meditating upon the many sins of his Holy Mother the Church, and will magnify them, or even invent sins that she never committed, the better to prove to himself how open-minded and pious he is.
The AvengerThen comes the Avenger. He has tried to live in accord with the Church, and has received mainly contempt from her, or neglect, or persecution. That has curdled him within, and he now hates the Church such as she is more than he loves her as the bride of Christ. He sees that the Church has compromised herself by taking Caesar’s coin, even when Caesar offered it at first with the most innocent of intentions, and so he looks forward to the time when Holy Mother will have to do without that money. It occurs to him that that will kill an untold number of Catholic schools and colleges, but he says that they deserve to die; and he does not clearly consider how many souls will be lost. To him, it is better that there should be no Catholic school at all, than that there should be a school struggling to remain Catholic in a bad time—struggling, and often failing, but struggling for all that.
The Avenger makes conversion more difficult, not less, for people who still wish to believe in Christ but who have bought, usually without much thought, the confusions of our time. The Avenger enjoys rejection, enjoys loss, because that gives him a fine opportunity to meditate upon his courage. Sometimes the Avenger is a traditionalist. Sometimes he is a hater of the traditionalist. Whether he is one or the other, he does not aim his rifle at the terrible enemies of the Church from without: he does not fight the materialist, the sexual revolutionary, the radical secularist, the globalist, the corrupter of children, or the hawker of filth. He aims his rifle at Catholics, and many of them will be good Catholics who disagree with him about strategy. The Avenger will not go forth to war unless he approves the strategy in all its details, which of course will never happen. He prefers to be an armchair general rather than to be a private slogging in the trenches.
The SoldierLast we have the Soldier. The Soldier complains about his superiors not because they give him bad orders, but because they give him no orders at all. He wants to do battle,and is willing to be led. He knows that war is hell, but that he and the Church have not sought the war. The war and the demons who lead it have sought the Church, to adulterate her or to kill her. The Soldier would prefer peace: he would prefer that his country might return to at least a worldly sanity, and grant the Church the liberty that she is owed and that redounds to the great benefit of the state itself.
The Soldier does not say, “I will fight, but my generals must be perfectly wise.” Generals are never perfectly wise or perfectly anything else. The Soldier does not say, “I will fight, but only if I do not have to share the field with these others,” which others may be traditionalists, the ecumenically minded, Protestants friendly to the Catholic Church, or Catholics who disagree with him on some political point. The Soldier is grateful for his brothers in arms, and if their uniforms are a little different from his, he figures that the Lord of Hosts will sort the matter out in the end.
The Soldier does not make light of the desperate situation. His name is not Pollyanna. But he remembers the words of Jesus: “In the world you will have tribulation; but be of good cheer, for I have overcome the world.” The Soldier will not refuse a hearty meal, but he will not grumble if he has to fast. The Soldier is filled with thymos: his eyes narrow and look to the horizon; his nostrils flare and his heart beats with excitement; he sings Rise Up, O Men of God; he craves honor, most of all the honor of the Church; he does not care who calls him a fool. He is immensely attractive and wins the respect even of his enemies. He brings both men and women into the Church without that being his principal aim, because it is sweeter to spend one day in the field with the Soldier than a thousand in the halls of the wealthy, the powerful, the timid, the faithless, and the mad.
May God grant us the grace to be Soldiers—all of us, now. The war is here.

5 comentários:

Isac disse...

Os 3 últimos padres com que conversei e citei acerca de ressalvas a certas posições do Vaticano pelo papa Francisco como base noutros bispos e cardeais discordantes, ou de um "ecumenismo mal entendido etc., como tendo posições dubias, ambiguas, discordantes do magisterio anterior etc., propuseram-me "abrir a mente, assim não dá, estamos noutros tempos"...
Somos e continaremos a ser os "reacionarios, rígidos, ortodoxos, apegados à letra, à misericordia atrelada à justiça"...

Pedro Erik disse...

Caro Isac,

O último padre com quem conversei parecia tudo menos padre. Se sentava na cadeira parecendo bandido.
Mas nossa obrigação é mantermos a fé é a luta por Cristo.

Grande abraço,
Pedro

Adilson disse...

Nobre Pedro, boa noite.

Belíssima, como também edificante, postagem! Essas palavras alimentaram minha alma e fortaleceram minha determinação. Chamo a atenção para dois fragmentos sobre o católico tipo 'vingador':
1) "Condena a Igreja por não seguir os ensinamentos de Cristo e por isso deseja que a Igreja seja destruída". E 2) "Ele não luta. Ele não vai para guerra, a não ser que ele mesmo determine a estratégia, que ele seja o general".
Creio que essas palavras tocaram minha consciência. Analisando minha consciência, percebi que já me comportei assim. Muitas vezes silenciei diante de palavras duras, e por vezes injustas, contra outros católicos, que talvez por ignorância ou falta de apoio, não praticam o catolicismo de forma séria. Creio mesmo que eu já até fiz isso. Esquecendo-se de mim mesmo, acabei por olhar para os erros de meus irmãos e irmãs. Eu mesmo já vi, e até participei, daquelas atitudes de ver a igreja local sofrendo e me afastar, em vez de ir à paróquia local e, ao menos rezar, por nossos irmãos dali. Cheguei mesmo a ver católicos bater no peito (e fiz o mesmo) e acreditar que estão mais certo que os outros irmãos não tão conservador ou tradicionalista quanto eu, quando a atitude correta é silenciar e rezar e, pelo exemplo e resignação, estimular os outros. O mais estranho é que as mesmas pessoas que se arrogam defensora da Tradição católica quando ofendidas em uma discussão ou no calor de um desentendimento logo se isolam ou viram o rosto quando veem os irmãos que o ofenderam. Aliás, até o uso da palavra "irmão/irmã" eu já estava desprezando, coisa que entre os evangélicos, em especial nos bairros mais pobres, é muito usada.
Aí me vem a pergunta: será que é certo que nos afastemos da Igreja local (as comunidades) quando os erros invadiram a tal ponto que os ritos católicos estão sendo desprezados? Hoje creio que não é correto, pois quando muitos homens bons e sábios fizeram isso, acabaram por ajudar ouros males crescer. Não é correto passarmos pela tempestade? Parece que isso aparece nas cartas às sete igreja, quando cita-se que há fiéis no meio de algumas igrejas que estão com problemas! Eu particularmente tenho visto na paróquia onde participo muitos erros doutrinários, mas por outro lado tenho visto uma abundância de ajuda e companheirismo entre os irmãos: vejo católicos perguntando aos ouros irmãos se eles estão precisando de ajuda financeira ou de outro tipo. Vejo pessoas pobres com seus numerosos filhos, às vezes mal vestidos, sendo fortalecidos e encorajados por irmãos que muitas vezes tem fraco conhecimento doutrinário, mas demonstram grande prazer em ajudar. Eles demonstram preocupação em se conhecer! Será que isso não é motivo suficiente para que os católicos que se dizem conservadores e tradicionalistas permaneçam rezando junto às suas comunidades, em vez de montarem grupos tradicionalistas e se isolarem? Por outro lado, vejo entre os que se arrogam tradicionalistas, mais preocupação em conhecer as doutrinas católicas e em profundos ensinos tradicionalistas, mas por outro lado evitam ter mais de dois filhos, concentram-se mais em si mesmos, desconhecem os próprios vizinhos, não buscam saber quem são aqueles católicos necessitados ou que estão doentes. É claro, que cada um cuida de si mesmo, mas tais pessoas tem autoridade para reclamar dos problemas da comunidade, quando eles mesmos a abandonaram? E me vem uma outra pergunta: não ensina a doutrina dos apóstolos e da santa Igreja que devemos levar a sério o tratamento de "irmão/irmã" entre nós, a tal ponto de nos amparar uns aos outros? Creio que é isso o que está contido na definição do "católico soldado"!

É isso. Abraços.

Pedro Erik disse...

Belíssimo comentário, Adilson.
Muito obrigado.

Abraço,
Pedro

Wanderley Dias Da Costa disse...

É claro que está se definindo uma igreja fiel e uma igreja infiel, temos que fazer a nossa escolha.