segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Vídeos: "Fátima Center" Combate o Ecumenismo Luterano do Papa Francisco na Suécia


O Papa Francisco passou esse mês de outubro "celebrando" o luteranismo, contra tantos católicos que morreram na história para derrotar a heresia luterana, contra o que disse Chesterton, que a Reforma Protestante é o fato mais destrutivo da história da humanidade.

A tese do Papa Francisco, repetida várias vezes, é "o que nos une é maior do que nos separa".

Bom, qual o tamanho da não aceitação do maior ser humano da história: Nossa Senhora? Qual o tamanho da não aceitação da Eucaristia? Qual o tamanho da não aceitação de que o cristão é fé e atos e não apenas fé? Qual o tamanho da não aceitação de que os cristãos devem saber tanto a Bíblia como o magistério da Igreja?

Lutero foi excomungado pela Igreja em 1521.

Como eu relatei recentemente sobre um texto de Esolen, os católicos não devem se afastar da companhia de luteranos ou outros protestantes quando se luta por ideias comuns, como na luta contra o aborto, contra o casamento gay e contra o secularismo das escolas. Somos irmãos em armas nisso e com orgulho.

Mas há muitas diferenças importantes e muitas delas determinam se sua alma vai ser salva.

Sobre o ecumenismi luterano do Papa Francisco, alguns católicos do Fatima Center foram a Lund na Suécia para combater o ecumenismo do Papa Francisco em relação às ideias de Martinho Lutero.

Abaixo vai o texto do Fatima Center sobre a viagem do Papa a Suécia para "celebrar" Lutero e alguns vídeos da organização, debatendo o assunto e distribuindo panfletos na cidade do encontro do Papa.

Catholic Faith To Be Defended During Pope Francis’ Participation in Commemorating the Luther-Led Protestant Revolution
As we approach the 500th anniversary of Martin Luther’s revolt against the Church, Pope Francis and the representatives of the Lutheran World Federation will participate in a joint liturgy in the Lutheran Cathedral in Lund, Sweden, followed by an ecumenical gathering in the nearby town of Malmö. This deeply troubling event, presided over by Pope Francis and Lutheran “bishops”, has the ostensible purpose of celebrating an event that led to centuries of bloodshed and the ultimate wreck of Christendom. These questions need to be asked: Why celebrate? Why should we be joyful about an event that led to the eventual demise of Western civilization? How can the Pope participate in such a scandalous event?
Representatives from The Fatima Center are in Lund and Malmö to remind Catholics, and the world, that there can be no reconciliation between truth and error. We will hold a press conference (details below) to set out our grave concerns and to invite all who share them to join us in our protest of this travesty, which confounds reason and insults the Catholic Faith and all who fought and died for it in the bloody revolution begun by Martin Luther. (For more about Luther and his beliefs, please see our daily news releases at www.fatima.org.)  We will distribute literature that explains in simple and clear language the differences that separate Catholics and Lutherans. We will offer Rosaries in reparation for this scandalous event and for the conversion of those who have fallen away from the Faith. Let us all appeal to Our Blessed Mother to shower us with the graces we need to come together again under Her mantle as one family, united in the truth.
We hold no enmity toward Lutherans, but we cannot pretend that contradictory beliefs can both be true, or that no contradiction exists, when it clearly does. Nothing can be built on a foundation of lies, no matter how many sweet words are poured forth and how many ecumenical embraces occur. Through Luther’s cry of “Faith Alone” and his rejection of the dogmatic and sacramental theology of the Catholic Church, Europe was shaken to its foundation and we live among the ruins. The only way to put the pieces together again is to invite those who have left the One True Church to return to Her loving embrace and receive the graces waiting for them in the sacraments instituted by Our Lord and Savior, Jesus Christ.  
What is at stake is the salvation of souls. Since there is no salvation outside the Catholic Church, we must do all we can, in the spirit of fraternal charity, to help those who have left their spiritual home to return to it. Love demands the truth, and the truth will set us free.
The Fatima Center is an international Catholic apostolate formed in 1978 to promote the full message of Our Lady of Fatima.  Its head office is in Fort Erie, Ontario, Canada  (www.fatima.org).

O primeiro vídeo fala de quem foi Martinho Lutero






O segundo e o terceiro discutem a tese do Papa Francisco: "o que nos une é maior do que o que nos separa"








O quarto vídeo mostra a organização distribuindo panfletos.





Rezemos.

5 comentários:

Isac disse...

Como pode o Papa Francisco ter coragem de compartilhar das comemorações da rebelião de Lutero contra a a doutrina da Igreja - ao invés de ser contra seus membros sem fé?
Não daria aos católicos e aos outros a impressão de que ele admira os atos e as doutrinas desse devasso?

Pedro Erik disse...

Bom, caro Isac.

O próprio Papa já disse admirar Lutero. Então, não é mais apenas impressão. Infelizmente.

Rezemos.

Abraço,
Pedro

Adilson disse...

Bom dia. Nobre Pedro.

Postagem interessante. De fato, o papa Francisco apresenta muitos problemas sérios de teologia. Não sou teólogo e tampouco estudo seriamente teologia, uma vez que não tenho tempo (cuidar dos filhos e meu trabalho não permitem) e nenhum dinheiro para fazer um curso de teologia. Mas sem querer discordar de você, Pedro, eu tenho sérias dúvidas, entre as quais:
(1) A posição de papa o permite agir assim? Lembremos que o papa São João Paulo II beijou o Alcorão;

(2) E os documentos que o papa Francisco editar e sancionar com relação ao protestantismo deverão ser reconhecidos e administrado pela Igreja em todo o mundo?

(3) Pelo que vejo, apenas sacerdotes, leigos, organismos e associações de leigos, bem como ordens católicas, se expõe e criticam o papa com fervor e sabedoria. Mas essa situação me deixa sinceramente perturbado e não consigo achar respostas para mais esta pergunta: se o papa Francisco está tão errado em tais ações, então por que os bispados de todo o mundo, as grandes ordens e institutos sacerdotais (como o IBP) não se reúnem e produzem um documento para frear o papa? Será que todos temem perder alguma coisa? Vão esperar vê aonde tudo isso vai dá? Creio que muitas pessoas e instituições católicas não querem mesmo é bater de frente. Exemplo: eu sei que o IBP saiu da Fraternidade São Pio X por diversos motivos. E nessa separação, há um motivo que eu soube que estranho: o IBP e a FSPX se recusam tenazmente a aceitar a missa no rito novo de Paulo VI, como também o rito de consagração de sacerdotes. Só que o IBP, temendo ficar sem seus trabalhos reconhecidos bem como ficar sem as graças de Roma, tem seus sacerdotes consagrados por bispos que celebram missa no rito novo e que em sua maioria foram consagrados padres sem os rigores da Tradição que tanto o IBP defende e prega. Enfim, pra encerrar, pergunto: tal liberdade do papa não se deve justamente por que a maioria esmagadora da Igreja Católica não se impõe devido a infalibilidade papal? E quando eu digo a 'maioria esmagadora', creio que não estou exagerando: ora, o rito novo ainda estava em discussão no Concílio Vaticano II, e nos EUA e em muitos países, inclusive o Brasil, o rito romano já havia sido abandonado. Então, ou quem deveria resistir se acovardou ou isso era o que já dominava toda a Igreja. Enfim, tem coisas que me perturba, entendeu?

Eu, você e milhares de católicos (dentre eles, muito inteligentes e fervorosos) somos apenas fiéis, criticando e se opondo ao comportamento do papa, mas e quanto à maioria, muitos até com proximidade e com grande domínio teológico e histórico? Por que nada é feito? Há, por acaso algo no direito canônico que limite as ações do papa?

RICARDO LIMA disse...

Já disse antes, e digo de novo: O Papa Francisco é um péssimo Papa. Desgraçadamente. :(

Pedro Erik disse...

Caro Adilson,
O beijo do São João Paulo II até hoje machuca os católicos.
E eu diria que muito é feito, alguns cardeais se levantam contra atos e escritos do Papa Francisco.
Daí a declarar um Papa herético há uma distância. Apenas um Papa é considerado herético por defender que Cristo tinha apenas vontade divina.
Mas há muitos papas considerados péssimos papas, péssimos pastores.

Abraço,
Pedro