domingo, 20 de novembro de 2016

Entrevista com Líder do Estado Islâmico: "É um Prazer Matar Infiéis, Sinto Falta do meu Gatinho"


O jornal inglês The Mirror traz entrevista de Rachid Kassim, um francês líder do Estado Islâmico.

O cara revela-se um  assassino terrível que despreza qualquer vida de "infiel", mas tem saudade do seu gatinho que deixou na França quando fugiu.

O tal Rachid Kassim foi o mentor do ataque terrorista de Nice quando um cara pegou um caminhão e atropelou dezenas de pessoas.

Ele quer incentivar mais ataques.

Eu tenho algumas sugestões para o que fazer com o gatinho dele.

Leiam sobre a entrevista no jornal Mirror.



4 comentários:

Adilson disse...

Eles foram potencializados pelo Ocidente. Um Ocidente doente, perverso e completamente em queda livre. Eis os frutos da hegemonia das esquerdas na Europa e nos EUA: os muçulmanos ganharam força, terreno e muito dinheiro. Em nenhum momento da história anterior aos governos esquerdistas da Europa e dos EUA, esses bárbaros foram tão fortalecidos. Deus nos ampare.

Isac disse...

DIZEM QUE COMUNISTA BOM É COMUNISTA MORTO, tem sentido; por que não os satanistas facínoras tais quais muçulmanos?
Não será o diabo usando e rosnando por essa boca?
O Ocidente, pela apostasia, vem facilitando o vicejar de ideologias, como é o islamismo, embora envernizado de religião, sendo "amigo" de seus inimigos comunistas, apenas por conveniencias de momento!

Antônio Carlos disse...

Ainda não li a entrevista, mas, para mim, este chefe terrorista não necessariamente gosta de gatos. Tudo acontece porque o modelo que ele imita é Maomé, e este foi muito grato a um gato por ter lhe salvado a vida de um ataque de cobra. Justamente por causa do modelo, as cidades muçulmanas são cheias de gatos, que chegam até aos países que lhes fazem fronteira.

Pedro Erik disse...

Verdade, Antonio Carlos.
Abraço,
Pedro