segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Ataques Teroristas do Final de Semana - Edmonton, Marseille, Las Vegas, pelo menos.


Foi divulgado agora que um vídeo do Estado Islâmico chamava terroristas para atacar Las Vegas e também está em inúmeros jornais que o Estado Islâmico disse que o atirador se converteu ao Islã há alguns meses e era "soldado do Islã".

A imagem acima é parte do vídeo. Na qual o Estado Islâmico diz aos potenciais terroristas: "Lembre do que disse Maomé, o profeta: "Um infiel e seu matador nunca se encontrarão no Inferno".

Obviamente, querendo dizer que o terrorista estará no Paraíso.

Vejam o vídeo clicando aqui. E muitos jornais relatam o que diz o Estado Islâmico, como este clicando aqui.

Esse final de semana passado ocorreram, pelo menos, mais dois ataques terroristas islâmicos, um no Canadá (cidade de Edmonton) e outro na França (Marseille). Tanto no do Canadá como no da França, os terroristas eram refugiados.

Mesmo  que o Estado Islâmico esteja mentindo e que o atirador não seja muçulmano (coisa que nunca vi acontecer), o que o ataque terrorista em Las Vegas mostra é que terrorismo islâmico não é apenas uma questão de controlar as fronteiras, mas sim de derrotar o Islã em si.

O terrorismo tem fonte no Islã, desde que o Islã nasceu, desde, pelo menos, que Maomé tomou o poder em Medina. Inúmeros santos católicos, como São João Damasceno (que conviveu com o Islã) e São Francisco de Assis (que participou das Cruzadas), disseram isso, como eu falo no meu livro sobre Guerra Justa.

Mas enquanto isso, o Papa Francisco continua pregando pela abertura das fronteiras e que o Islã é religião de paz.





2 comentários:

Isac disse...

... Mas enquanto isso, o Papa Francisco continua pregando pela abertura das fronteiras e que o Islã é religião de paz.
E "pelas veias de Jesus corria sangue pagão", permitindo estátua de Lutero dentro do Vaticano, uns como como D Vincenzo Paglia, Pes Abascal, James Martin e similares da "Ditadura do Relativismo" etc., para não me estender mais?

Pedro Erik disse...

Triste verdade, meu amigo Isac.

Abraço,
Pedro