segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Hungria Faz Conferência sobre Cristãos Perseguidos. A Esperança é Trump.


Na foto acima, vemos o grande primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, falando na primeira conferência governamental sobre perseguição aos cristãos, que contou com a presença de líderes religiosos cristãos especialmente do Oriente Médio.

Vocês podem ler o relato dessa conferência que ocorreu na semana passada clicando no site do National Catholic Register.

Vou apenas registrar que a Hungria recebeu muitos elogios pela realização da conferência, que muitos palestrantes falaram do genocídio de cristãos na região do Oriente Médio, terra que habitam há mais de mil anos e principalmente que o patriarca católico sírio Ignatius Youssef III disse que a comunidade internacional deveria evitar três Ps quando lidando com os cristãos que sofrem perseguição no Oriente Médio: 

- Paternalismo, considerando que os cristãos do Oriente Médio são inexperientes e precisam dos conhecimentos do Ocidente; 
- Profitism (busca do lucro) e pensar na crise do Oriente Médio como fonte do lucro e 
- Panderism (se rebaixar, adular, ser bonzinho, ceder) aos países islâmicos.

Panderism? 

Taí uma coisa que o Papa Francisco faz com os países islâmicos.

No relato da Conferência não há nenhuma menção ao Papa Francisco. Mas há palavras para o Obama e para o Trump. Há condenação às atitudes de Obama e há palavras para que o Trump cumpra sua promessa e proteja os cristãos perseguidos.

A esperança é Trump.

No meu livro sobre Guerra Justa: do Império Romano ao Estado Islâmico, eu explico o "panderism" da Igreja e as dificuldades de se condenar o Islã.



4 comentários:

Isac disse...

*MAIOR AUTORIDADE DO ISLÃ SUNITA NOMEIA O PAPA FRANCISCO COMO "DEFENSOR MUNDIAL DO ISLÃ".
O Papa Francisco recebeu uma honra notável na semana passada quando Ahmed al-Tayeb, o Grande Imã de al-Azhar no Cairo, lhe agradeceu pela sua "defesa do islamismo contra a acusação de violência e terrorismo".
Algum outro Papa de Roma na história do Cristianismo já foi anunciado como um "defensor do islamismo"?
Claro que não. Mas a Igreja Católica percorreu um longo caminho desde os dias do Papa Calisto III, que prometeu em 1455 "exaltar a verdadeira fé e extirpar a seita diabólica do depravado e infiel Maomé no Oriente"...
*http://www.libertar.in/2017/07/maior-autoridade-do-isla-sunita-nomeia.html
Imaginemos ao acaso se os dois se encontrassem, a troca de farpas...

Pedro Erik disse...

Obrigado, pela informação, carissimo Isac.

Bom, não se pode dizer que o Papa não merece. Infelizmente.

Abraço

Marco de Oliveira disse...

Pedro, você leu ou viu algo sobre o santo rosário rezado na Polônia, por mais de 1 milhão de pessoas? Se sim, poste algo no blog.

Abraço

Pedro Erik disse...

Claro que li, meu amigo, sobre esse belíssimo ato polonês.

Procuro não colocar no blog assuntos muito divulgados. Não sei se isso saiu na mídia brasileira, mas foi muito divulgado pela mídia católica.

A Polônia tem uma história belíssima em defesa da fé. Mais um ato para a história.

Abraço,
Pedro