quinta-feira, 18 de setembro de 2014

De que lado está o Papa Francisco? A Decisão sobre o Cardeal Burke vai dizer.


Recentemente, uma sobrinha do Papa Francisco disse que ele é muito fechado, que ele não gosta de rótulos. Ela definiu o Papa Francisco como teologicamente de direita (não ataca os dogmas da Igreja), mas pastoralmente de esquerda (apoia a "justiça social").

Para mim, pela definição dela, é como se o Papa distinguisse o que está escrito do que vai na realidade, distanciasse a Bíblia e os dogmas da vida cotidiana, como se defendesse que fosse possível ser cristão sem seguir a doutrina.

Não sabemos se a descrição da sobrinha é a verdade, mas o Papa Francisco certamente é muito confuso. Aqui no blog já descrevi inúmeras confusões teológicas e "pastorais" do Papa. Agora estamos no momento que há um sínodo que discute a família dentro da Igreja e pode abrir as portas da Igreja para que pessoas divorciadas e casadas novamente no civil possam receber comunhão. O cardeal Kasper defendeu a mudança e cinco cardeias escreveram um livro contra a mudança.

Entre estes 5 cadeiais está o cardeal Raymond Leo Burke (foto dele com os dizeres acima). Eu gosto muito das posições do cardeal Burke. Na época do Conclave, eu disse que adoraria tê-lo como papa, era o meu preferido.

Assim que assumiu, o Papa Francisco afastou Burke da Congregação dos Bispos, agora comenta-se que o Papa irá afastar Burke da Assinatura Apostólica e mandá-lo para Malta, um posto simbólico que o afasta do dia a dia da Igreja.

Alguns dizem que é por causa do livro que ele foi co-autor e que defende o casamento tradicional e sua relação com a Eucaristia.

Patrick Archbold, no maior jornal católico dos Estados Unidos, The National Catholic Register,  disse que se os rumores do envio de Burke para Malta se confirmarem, o Papa Francisco definitivamente mostrará quem realmente é e de que lado está.

Bom, eu concordo com Archbold.

E também digo que Cristo está com Burke, assim ninguém pode vencê-lo.

Os católicos dos Estados Unidos estão se levantando e defendendo Burke. Eu me levanto junto com eles.


(Agradeço a "meme" acima ao site Creative Minority Report)

4 comentários:

Nik disse...

De tudo o que o Papa disse, escreveu (?) e fez até hoje, de concreto, isso é sem sombra de dúvida o mais grave - se vier a se confirmado. Tão grave que só pode ser o prenúncio do que será o sínodo, que nada mais parece ser do que não uma oportunidade geológica, de ruptura da crosta, por onde aquele rio caudaloso e subterrâneo por onde se afogam os inimigos da Igreja irá vir à tona em todo o seu espetáculo de um gêiser mortal. Só pode ser o que escreveu o Arcebispo de Chicago, dias atrás:

"Catholics do know, with the certainty of faith, that, when Christ returns in glory to judge the living and the dead, the church, in some recognizable shape or form that is both Catholic and Apostolic, will be there to meet him. There is no such divine guarantee for any country, culture or society of this or any age."

Deus me perdoe, mas exerço aqui meu direito canônico pela crítica, mas isso não me parece ser justo nem necessário. Cardeal Burke têm somente 66 anos!

A proximidade deste sínodo está de deixar qualquer um preocupado, Pedro. Seriam estes nossos dias as grandes vésperas de mais uma tragédia na Igreja do Ocidente? O que você acha?

PAX, Nik.

Pedro Erik disse...

Eu rezo pela Igreja, Nik. Procuro conter o meu desespero, com tais notícias, mas sei que se confirmada a Igreja vai no caminho errado, contrário a Cristo.

Mas desespero é pecado e olho para o símbolo que uso, ICXC NIKA. Cristo sempre vence.

Santo Inácio já tremeu ao ver um cardeal ser eleito papa, o Santo sabia que aquele papa não era boa opção. Ele tinha razão, mas a Igreja sobreviveu.

Abraço,
Pedro Erik

Evandro disse...

Só é possível definir a profundidade de um poço no exato momento que atingimos o fundo!

Me parece que o avanço do liberalismo dentro da igreja ainda possui muito pavio para consumir, talvez o nosso tempo restante de vida não seja suficiente para vê-lo ganhar sua última batalha ou perder a primeira.

Eu particularmente creio que o que vemos é um movimento que só sessará quando restarem poucos fiéis católicos nos bancos das Igrejas, que chegará o dia que não encontraremos mais semelhança entre grande parte da palavra bíblica e o que vemos ou aprendemos na maioria das igrejas, mas também creio que permanecerão alguns fiés, confiantes que esta é a Igreja legada por Jesus e que a Sua providência agirá em favor da Barca quando for o tempo.

Usando esse ponto de vista, é possível dizer que o quanto antes o liberalismo chegar ao seu ápice, mas rápido veremos a proa da barca apontar para Cristo.

São tempos difíceis ... em determinadas questões o limite entre discordar e ser cismático fica tão tênue, que prefiro ficar calado.

Na última semana li um ótimo post (não lembro onde) sobre as entrevistas rápidas e estranhas do Papa Francisco ao longo do seu pontificado, e com um argumento muito simples o post me ofereceu um novo óculos para olhar o Papa ... basicamente dizia que estamos mal acostumados a olha-lo somente como o Pedro esquecendo do Simão, mas que nos últimos tempos somente vendo o Simão podemos minimamente compreender o que o Papa diz ou faz em algumas ocasiões.

Pedro Erik disse...

Ótimo comentário, Evandro.
Como disse Chesterton, Cristo escolheu o fraco Pedro e não místico João ou o brilhante Paulo. Devemos lembrar disso.

Obrigado.

Abraço,
Pedro Erik