domingo, 22 de janeiro de 2017

Documentário sobre Padre Malachi Martin: Exorcista, Linguista, Arqueólogo, Profeta ou Charlatão?




A formação do padre Malachi Martin é de assustar. Nascido em 1921, na Irlanda, Malachi Martin tinha doutorado em arqueologia e línguas semíticas, participou das análises sobre os papiros do Mar Morto, foi acessou de cardeais durante o Concílio Vaticano II e participou de inúmeras sessões de exorcismo.

Em 1965, Martin abandou a congregação dos jesuítas e a cidade de Roma, por discordar da direção teológica da congregação, permancendo apenas com o voto de castidade e foi morar nos Estados Unidos, onde foi garçon e motorista de táxi. Até que passou a receber apoio financeiro e escreveu vários best sellers.

Um desses livros, Hostage to the Devil, dá nome ao documentário que está sendo exibido no Netflix, neste mês.

Outro livro muito conhecido dele é Windswept House, que no Brasil tem nome de A Casa Varrida pelos Ventos, que trata da adoração a Satã dentro do Vaticano, incluindo cardeais.

Martin era um homem controverso. Disse que esse livro sobre satanismo no Vaticano é 95% de fatos reais e 85% usa pessoas reais.  Malachi em vida falou que alguns papas foram assassinados, que outros era maçons, que cardeais eram adoradores do demônio, etc. E atacou a congregação dos jesuítas, dizendo que essa congregação tinha se virado contra a Igreja.

A vida dele merece realmente uma série. Mas pelo trailler se vê que não é para todo mundo assistir. Tem foco nas sessões de exorcismo de que participou Malachi. Dizem que Malachi morreu depois que uma criança de quatro anos possuída o atraiu para uma sessão.

Em suma, uma pessoa pra lá de controversa. Eu não tenho opinião formada, preciso ler mais sobre sua vida e ler seus livros.

Aqui vai um texto que li sobre o documentário, no Christian Review, escrito por uma pessoa que defende que Malachi era um profeta e que acha que o documentário é bem feito.



Netflix’s Hostage to the Devil – The Case of Father Malachi Martin

5 comentários:

Isac disse...

CONFIRA OS TRÊS E TIRE MELHORES CONCLUSÕES A RESPEITO DE SEU EVENTUAL VATICINIO NO WINDSWEPT HOUSE.
1 - Em 1888, naquele episodio conhecido do papa Leão XIII, o diabo teria pedido a Jesus 75 anos para tentar destruir a Igreja e lho foi concedido, dando em 1963.
Noutro local, constaria que teria pedido mais 25 anos, e Jesus o aceitou, também.
2 - *Windswept House describes a satanic ritual - the enthronement of Lucifer - taking place at Saint-Paul's Chapel inside Vatican City, on June 29, 1963. The book gives a depiction of high-ranking churchmen, cardinals, archbishops and prelatees of the Roman curia, taking oaths signed with their own blood, plotting to destroy the Church from within. It tells the story of an international organized attempt by these Vatican insiders and secular internationalists to force a pope of the Catholic Church to abdicate, so that a successor may be chosen that will fundamentally change orthodox faith and establish a New World Order.
Ligue os fatos e conclua mais a respeito do Pe M Martin.
3 - "RATZINGER NÃO PODIA VENDER NEM COMPRAR".
https://www.gloria.tv/article/ZJ8dTJkgoxMU1ZiW4owQb8eSn
* Wikipedia.

Rodrigo disse...

"Dizem que Malachi morreu depois que uma criança de quatro anos possuída o atraiu para uma sessão."
Não entendi. Você quis dizer sessão de exorcismo ou o boato é sobre outro tipo de sessão?

Pedro Erik disse...

Sessão de exorcismo, caro Rodrigo.

Grande abraço,
Pedro

Rodrigo disse...

Pedro, obrigado pela resposta.
Fique com Deus!

Adilson disse...

Só hoje é que a Netflix lançou documentário aqui no Brasil. A coisa é séria. Os diretores do documento entrevistam tanto pessoas próximas ao Malachi e leigos exorcistas atuante, quanto seus críticos e opositores. Há um homem, aliás doente, que até acusa Malachi de praticar adultério com sua esposa. De qualquer forma, creio que no campo do exorcismo muitas pessoas tem sido abençoadas pelos trabalhos de Malachi e pelos seus seguidores católicos nesse campo. Eu mesmo gostaria de ter homens como o Malachi nas paróquias do bairro onde moro.

Desculpe pelo comentário tardio!