sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Votar em Obama é votar no Mal intrínseco. E no Brasil?

-

Votar em Obama é votar contra a lei divina. Não sou eu que digo, é o bispo de Springfield, no estado de Illinois, Thomas John Paprocki. Ele condena a plataforma política do Partido Democrata do Obama:

There are many positive and beneficial planks in the Democratic Party Platform, but I am pointing out those that explicitly endorse intrinsic evils. My job is not to tell you for whom you should vote. But I do have a duty to speak out on moral issues. I would be abdicating this duty if I remained silent out of fear of sounding "political" and didn't say anything about the morality of these issues. People of faith object to these platform positions that promote serious sins. I know that the Democratic Party's official "unequivocal" support for abortion is deeply troubling to pro-life Democrats.

Certainly there are "pro-choice" Republicans who support abortion rights and "Log Cabin Republicans" who promote same-sex marriage, and they are equally as wrong as their Democratic counterparts. But these positions do not have the official support of their party.


Again, I am not telling you which party or which candidates to vote for or against, but I am saying that you need to think and pray very carefully about your vote, because a vote for a candidate who promotes actions or behaviors that are intrinsically evil and gravely sinful makes you morally complicit and places the eternal salvation of your own soul in serious jeopardy.


(Há muitas plantaformas positivas e benéficas no Partido Democrata, mas estou apontando aquelas que explicitamente endossam males intrínsecos. Meu trabalho não é dizer-lhe para quem você deve votar. Mas eu tenho o dever de falar sobre questões morais. Eu estaria abdicando deste dever se permanecesse em silêncio por medo de soar "político" e não dissesse nada sobre a moralidade dessas questões. Pessoas de  fé não aceitam essas posições que promovem pecados graves. Eu sei que o apoio oficial "inequívoco" para o aborto do Partido Democrata é profundamente preocupante para os que são pró-vida no partido.

Certamente há "pró-abortos" no Partido Republicano e alguns republicanos que promovem o casamento homossexual, e eles são tão errados quanto os democratas. Mas estas posições não têm o apoio oficial do Partido Republicano.

Novamente, eu não estou dizendo que partido ou que os candidatos você deve votar, mas eu estou argumentando que você precisa pensar e orar muito cuidadosamente sobre o seu voto, porque um voto para um candidato que promove ações ou comportamentos que são intrinsecamente mal e gravemente pecaminosos nos tornam moralmente cúmplices e coloca a salvação eterna de sua própria alma em sério risco).


O vídeo abaixo também mostra (em inglês) as 5 questões que são inegociáveis para um católico: aborto, eutanásia, uso de células embrionárias, casamento gay e clonagem humana. Qualquer um que defenda estas questões não pode receber apoio nem voto de um católico. A defesa da vida e da família é inegociável.





E os partidos brasileiros? Quais são as posições deles em relação a estas questões? Se o partido defende o aborto apenas para casos de estupro, por exemplo, já é intrinsecamente mal, pois uma vida não pode pagar por um pecado de outro. Qual partido brasileiro não defende o aborto em casos de estupro? Qual partido brasileiro é contra o casamento gay?


(Agradeço o vídeo ao site Pewsitter)

4 comentários:

Anônimo disse...

O vídeo abaixo também mostra (em inglês) as 5 questões que são inegociáveis para um católico: aborto, eutanásia, uso de células embrionárias, casamento gay e clonagem humana. Qualquer um que defenda estas questões não pode receber apoio nem voto de um católico. A defesa da vida e da família é inegociável.

É engraçado observar que, das cinco questões inegociáveis para um católico, três são inegociáveis para muitas outras pessoas e, por tanto, devem ser garantidas pelo Estado: aborto, eutanásia (ou qualquer metódo de morte assistida), casamento gay (não só gay, mas qualquer casamento entre maiores de idade). A clonagem humana seria polêmica, dividiria a sociedade. O usu de células embrionárias parece ser substituível pelo de células adultas, então, se isso demonstrado com efiência, será conseguido. De resto seria "ditadura católica".
"A defesa da vida e da família é inegociável". A família não é patente católica. Qualquer pessoa pode formar a família que achar ser melhor e ter filhos, nem que adotivos. E o Estado deve garantir isso.

Eduardo Araújo disse...

Anônimo, e daí?

Sabemos que há muitas pessoas que defendem a imbecilidade do aborto - que não passa, no frigir dos ovos, de um assassinato de um ser humano indefeso; a estupidez da eutanásia - no fim das contas, uma desculpa para se eliminar idosos e pacientes terminais "indesejáveis"; e essa FARSA do "casamento" gay. A respeito deste último, você é bom exemplo da ignorância que corre frouxa na sociedade atual, quando diz "qualquer casamento entre maiores de idade".

Demais disso, anônimo, não passa de uma imensa HIPOCRISIA a alegação de que o Estado deve garantir essas porcarias a quem desejar levá-las adiante. Ao cabo da imposição ditatorial desse lixo moral, a continha, sr. anônimo é paga também por quem não concorda com esses atos, e realizada também por quem discorda deles, como ocorre hoje em Portugal, em relação á objeção de consciência (vá um médico português recusar-se a proceder a um aborto ...) Ou seja, muito bonitinho, o Estado garantindo atos PESSOAIS com recursos e trabalho de quem não comunga desse lixo moral.

Engraçado você falar em ditadura católica. Assim, podemos, pelo mesmo caminho enviesado de subjetividade, falar em DITADURA ANTICATÓLICA, no caso de aprovação das porcarias que você defende.

Mais: certamente, a família não é "patente" católica, o que não impede a Igreja, por meio dos seus clérigos e fiéis, defender e propagar essa instituição, que é, por seu turno, patente do DIREITO NATURAL. Coisa, aliás, que não se aplica a "casamento" gay.

A questão, afinal, é que o Pedro elencou as questões inegociáveis para OS CATÓLICOS. Cátólicos estes, senhor anônimo, que também fazem parte do estado democrático e possuem, também, direito à expressão e - pelo menos até ser instaurada a DITADURA ANTICATÓLICA dos seus sonhos - à luta democrática pelos seus princípios e valores.

Insinuar que a consecução DEMOCRÁTICA desses princípios e valores corresponde a uma "ditadura católica" é bastante revelador do npivel rasteiro de um certo anticatolicismo tacanho e de vocação totalitária.

Eduardo Araújo disse...

Caro Pedro,

Muito bem apropriada a distinção entre partido e partidário.

De fato, pode haver abortistas em qualquer rincão ideológico desse mundinho nosso, mas no tocante à ação política prevalecerá, sem dúvida, a agenda do partido.

Trazendo isso para o caso brasileiro, lembro os parlamentares que o PT expulsou de suas hostes, p.ex. Luiz Bassuma, por serem declarada e ativamente pró-vida. Sobre a questão, já ouvi católico alegando que não haveria problema em votar num petista sendo este a favor da vida, contra o qual argumentei justamente com a questão das diretrizes partidárias e do exemplo de Bassuma e outros.

Por outro lado, é triste constatar a ausência, neste País, de um partido verdadeiramente conservador, de direita, estabelecido sobre sólidas raízes cristãs. Aqui em Fortaleza/CE, onde resido, o candidato do DEM à prefeitura, que por acaso é mórmom, é de uma ambiguidade horrorosa quando o assunto é aborto e eutanásia. Nas vezes em que foi indagado sobre esses temas, limitou-se a afirmar que seguiria "o que está na lei". Chega a ser desanimador ...

Abraços

Pedro Erik disse...

É isto mesmo, Eduardo, nossos partidos defendem apenas uma ideologia, o esquerdismo, que é quase uma religião e é destruidora da sociedade.

Grande abraço,
Pedro Erik