sábado, 12 de abril de 2014

O Papa é Argentino, lembra um jornal argentino.


Nicolás Tereschuk escreve no jornal Buenos Aires Herald dizendo que para entender o papa Francisco deve-se saber o que é ser um argentino.

No início do texto, Tereschuk diz que o papa Francisco costumava ser visto como conservador na Argentina, mas como papa, para surpresa de muitos, ele está mais esquerdista. Para se entender o pensamento do papa, segundo Tereschuk, deve-se saber que ele pensa em como dominar e não em como impor suas ideias (achei esta definição terrível).

Mas o ponto central do artigo é mostrar os movimentos políticos do papa para influenciar a política em seu país natal. Tereschuk diz que o papa Francisco é muito popular na Argentina, mas não tem conseguido influenciar as ações políticas. Em geral, as ações políticas do papa Francisco são erráticas, confusas, contraditórias e sempre deixam muita coisa sem definição.

Tereschuk  conclui dizendo que "Francisco não é Bergoglio, mas ele ainda é como qualquer argentino obcecado com política".

Leiam todo o texto de Tereschuk.

---
Eu já fui a Argentina, umas duas vezes, e sempre fico surpreso com a força do peronismo, que não deixa ver a luz do sol no país. É assustador ver aquele país sendo dominado por políticas malígnas por tanto tempo.

Eu acho um país angustiante.

Rezo, que longe da Argentina, o papa tenha sua mente mais livre.


(Agradeço a indicação do texto ao site American Catholic)

4 comentários:

Leonardo Santana de Oliveira disse...

Prezado Pedro, Salve Santíssima Imaculada Virgem Maria,Mãe de Deus,Co-Redentora pois trouxe ao mundo O Redentor.


"No início do texto, Tereschuk diz que o papa Francisco costumava ser visto como conservador na Argentina, mas como papa, para surpresa de muitos, ele está mais esquerdista."

Conservador só se for sob os parâmetros da cosmovisão liberal-neopagã que domina o cenário político internacional.

Vai me perdoar a galhoafa, prezado Pedro, mas se Bergoglio é conservador eu sou um santo igual São Pio de Pietrelcina.

Rezemos para que Nosso Senhor Jesus Cristo (o católico, centro de tudo) acabe com esse tempo de provação o quanto antes!!

Dignare me pugnare pro Te, Virgo Sacrata. Et da mihi virtutem contra hostes tuos"

Pedro Erik disse...

Talvez seja conservador diante do extremo esquerdismo dos outros padres e bispos argentinos, Leonardo.
Abraço
Pedro Erik

juscelino disse...

boa noite, ví esse post em um site: com toda essa pendenga aí será que procede?
hriste eleison
Unum, Domine.
Arte, liturgia, filosofia, teologia, história, atualidades, sempre à luz da Luz da Luz.


domingo, 13 de abril de 2014

Cardeais preparam guerra contra Bergoglio: até que enfim!


Enfim uma luz no fundo do túnel? Segundo um artigo do site italiano de notícias Qelsi, com tradução francesa no excelente site ratzingeriano Benoît et moi, boa parte dos cardeais está preparando-se para resistir bravamente à tentativa bergogliana de destruir a doutrina católica sobre a família.

Segundo o artigo assinado por Antonio Margheriti Mastino, o clima entre os cardeais é de revolta contra a algazarra doutrinal que se instalou no Vaticano. Para alguns purpurados, Bergoglio estaria mexendo os seus pauzinhos para dinamitar o ensinamento tradicional da Igreja e implantar em seu lugar o programa completo de reformas liberais já adotado pelas diversas denominações protestantes, começando pela comunhão dos divorciados, passando pelo casamento gay para se chegar Deus sabe aonde.

Não é possível avaliar a força desse grupo de prelados heroicos, mas a simples notícia de sua existência já é um alívio. Prova que ainda há no alto clero gente nobre o bastante para não deixar que a doutrina revelada por Nossos Senhor Jesus Cristo seja destroçada, sem enfrentar nenhuma resistência, por um grupo de pretensos iluminados.

O resultado a Deus pertence, mas a luta é imperativa, mesmo que inglória.
http://www.christeeleyson.com/2014/04/cardeais-preparam-guerra-contra.html

Pedro Erik disse...

Muito interessante, Juscelino.

Não sei se procede, mas já vi ilustres cardeais falarem meio abertamente sobre a confusão que se instala no Vaticano com Francisco. Infelizmente o papa é no mínimo muito frágil doutrinalmente e fraco na governança e na percepção de sua posição.

Rezemos por ele.

Abraço,
Pedro Erik