sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Vídeos: Stephen Hawking vs 7 Físicos, padre Robert Spitzer e Ateus como Alexandre Schwartsman



Você deve estar se perguntando: o que um economista brasileiro blogueiro Alexandre Schwartsman tem a ver com físicos renomados, incluindo Stephen Hawking e Arno Penzias (Prêmio Nobel de Física), e um renomado filósofo, Robert Spitzer?

Vou explicar isso depois, antes vamos para o mais importante.

Ontem, eu recebi por email a indicação de uma entrevista do filósofo padre jesuíta Robert Spitzer.

Nesta entrevista padre Spitzer fala de um debate que teve com Stephen Hawking em 2010. Este debate da CNN que está disponível no youtube. São três partes de debate, eu vou colocar aqui apenas as duas primeiras partes.

A primeira parte é apenas com Hawking. E é bem reveladora. Vou traduzir aqui as perguntas que o apresentador (Larry King) faz a Stepehn Hawking, o vídeo vem em seguida.

Inicialmente, o entrevistador pergunta a Stephen Hawking: " Você diz que a ciência explica o universo sem precisar de Deus, qual é a explicação, como algo surgiu do nada absoluto?

Hawking responde: "Gravidade e física quântica criaram o universo a partir de nada".

Larry pergunta: "você diz que a lei da gravidade criou o universo a partir do nada. Mas quem criou a lei da gravidade?"

Hawking não responde apenas diz que a gravidade pode explicar a existência do universo.

Daí, King pergunta se Hawking acredita em Deus.

Hawking responde: "Ele pode existir, mas não é necessário para explicar o universo".

Bom, a resposta dele está mais para agnóstico do que para ateu. Mas continuemos com a entrevista.

King pergunta se Hawking acha importante a teologia para explicar o universo. Ele responde que não. Vou falar disso em seguida ao falar do vídeo do Magis Center.

King pergunta o que dá significado à vida de Hawking. Ele responde que a família e o trabalho dele dão significado para ele.

Depois de algumas perguntas menos importantes. King pergunta quem é o herói de Hawking. Ele responde que é Galileu. Espero que ele conheça realmente a vida de Galileu.

No final, ele repete que a coisa mais importante do livro é que a ciência pode explicar o universo sem precisar de Deus.

Depois King passa a entrevistar Leonard Mlodinow, co-autor do livro com Hawking, mas fica mais ou menos claro que Leonard foi apenas o cara que redigiu o livro, ele não contribuiu tecnicamente.

Vejam a primeira parte da entrevista abaixo:



Na segunda parte, Larry King entrevista padre Robert Spitzer, e o padre começa dizendo que gostava mais do que Hawking tinha escrito em livro anteriore, quando Hawking deixou espaço para a transcendência, para Deus. Agora, Hawking está mais ateu.

Spitzer diz que ao fechar a possibilidade de Deus, o novo livro enfrenta muitos problemas. Você terá que explicar como equações podem fazer surgir a matéria, sem falar que equações já é algo que precisa ser criado.

Larry King pergunta se não é fácil sugerir que existe Deus. Daí, padre Spitzer responde que a ciência exige que se deixe aberto a possibilidade da existência de Deus. Se não você terá de explicar como pode surgir algo do nada absoluto. E isto é extremamente difícil de defender.




Bom, padre Robert Spitzer é filósofo e presidente do Magis Center, um centro que estuda as fronteiras da ciência e sua relação coma fé.

De forma sensacional, o Magis Center preparou um DVD, capa deste post, chamado Cosmic Origins, que coloca em debate a importância de Deus para a criação do universo por meio da opinião de 7 renomados cientistas, como Dr. Owen Gimgrich, do departamento de Astronomia da Universidade de Harvard, Dr. John Polkinhorne do Departamento de Física da Universidade de Cambridge e Dr. Arno Penzias, vencedor do Prêmio Nobel de Física.  

Eu já comprei o DVD e também o livro Evidence for God from Comtemporay Physics and Philosophy de autoria do padre Spitzer.




Finalmente, chegamos ao economista brasileiro, Alexandre Schwartsman.

Até esta semana, eu seguia o blog do economista Alexandre Schwartsman, que costuma ser bastante ácido contra a atual política econômica do Brasil. Fazia isso por dever de ofício, eu sigo diversos blogs do Brasil e do Exterior que tratam de economia. Tenho até outro blog que trata apenas de eocnomia. chamado Bloco 11, Cela 18.

Schwartsman é ateu declarado e todo mundo que é ateu perde um crédito enorme comigo. Mas dentre tantos sites, não fazia muita diferença o ateísmo dele, e eu tenho de seguir o que economistas conhecidos dizem sobre a política econômica do país. 

Mas aí Schwartsman, em um post sobre economia, resolveu atacar por meio de uma figura todos que são religiosos. Eu, então, reagi no blog dele e foi atacado por "anônimos". Aliás, como os "anônimos" são machos em ofender os outros na internet, não é? O meu nome é o meu nome.

Cliquem aqui e vejam lá a imagem que Schwartsman  colocou, o meu comentário e os ataques dos "anônimos" machos que recebi.

O que tem este post sobre física e teologia a ver com Schwartsman?

É que o caso de Schwartsman ilustra muito bem a estupidez de muitos ditos cientistas ateus. Eles não estudam teologia, nem filosofia, mas falam de Deus e de teologia com uma certeza absurda.

Toda vez que um ateu cientista tira opara discutir teologia com um especialista eu fico com vergonha pela humilhação que passa o ateu. Basta ver os vários debates entre William Craig e os ateus conhecidos do mundo (disponponível nos youtube),

Stephen Hawking tem um herói. O herói é Galileu Galilei. Eu já li sobre a vida de Galileu por diversas fontes, cristãs e não. E o que se pode dizer é que Galileu era um ótimo cientista (especialmente para criar telescópios), mas que tinha o hábito de não reconhecer que muitas de suas "descobertas" não eram dele, já haviam sido descobertas antes e era amigo de padres e de papas. A Igreja estimulava a pesquisa dele, até o ponto em que Galileu resolveu satirizar o Papa. Além disso, a teoria heliocêntrica não de Galileu  e sim de Copérnico (um padre) e Galileu não conseguiu provar esta teoria, ninguém conseguia provar o heliocentrismo na época dele. Sem falar que é bobagem dizer que a Igreja prendeu e torturou Galileu. Isto não é verdade, Galileu viveu muito bem e continuou escrevendo após a condenação da Igreja. Já falei de Galileu no blog.

Por que Hawking escolheu Galileu e não Newton ou Einstein? Não sei, mas talvez porque nem Newton, nem Einstein eram ateus ou brigaram com a Igreja ou com a teologia.

Os ateus de hoje também tem heróis. No meio científico dois deles se sobressaem: Stephen Hawking e Charles Darwin. Todos os ateus colocam os dois em patamar superior, talvez Schwartsman faça o mesmo.

Aqui eu falei de Hawking, sobre Charles Darwin, eu recomendo o livro What Darwin Got Wrong, que mostra que a teoria da evolução está longe de ter convencido totalmente os biólogos e também o livro Signature in the Cell que discute design inteligente.

Sou também economista, assim como o Alexandre Schwartsman, e me considero um economista de sucesso,  cheguei a postos que nunca imaginei que conseguiria quando me formei, mas eu estudo e estudo muito teologia para entendê-la. Estudo os heróis cristãos, mas também os heróis dos ateus. E agora vou entender bem mais de física com o DVD e o livro que comprei.


5 comentários:

Nik disse...

Pedro, se me permite um pouco de ironia e bom humor:

Eu acho que você leva muito a sério o que dizem os economistas.

Li a matéria do blog citado, me pareceu um espasmo de puerilidade, uma tentativa de impressionar com piadas velhas, desgastadas; aquela história de que sou ateu e mais inteligente por gozar os teístas... eles deveriam, como você sempre diz, se calar sobre determinados assuntos.

Agora, o que os anônimos não puderam perceber, mas você pode, é que sendo leviano assim sobre assunto que não conhece e não respeita, ele está sim comprometendo parte de sua credibilidade sobre o que é mestre, a economia, pelo erro de julgamento, civilidade e filosofia. Mas isso, só você percebeu.

Abraço, bom final de semana.

Pedro Erik disse...

Você tem toda razão, caro Nik.
Um das razões que eu não uso facebook é para não me deparar com imbecilidades enormes. Mas por vezes não escapo.
Grande abraço,
Pedro Erik

Silas Toledo disse...

Pedro, gostei muito deste post. Já sugeri a leitura dele aos meus amigos do facebook.

Pedro Erik disse...

Parabéns pela compreensão lógica do argumento de Schwartsman, Nik.

Pedro Erik disse...

Obrigado, meu amigo Silas.
Não uso facebook também porque não preciso. Meus amigos divuulgam meu blog por mim.
Grande abraço,
Pedro Erik