quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Vídeo: Cristãos - O Grupo Religioso mais Perseguido Mundo. Quem os Mata?


Como lembra o site The American Catholic, hoje é aniversário de 444 anos da Batalha de Lepanto, uma das batalhas mais significantes da história da humanidade, de suma importância para afastar o Islã da Europa.

Aliás, o grande escritor espanhol Miguel de Cervantes, autor de Dom Quixote, foi um simples soldado cristão nesta batalha. Quem leu o maravilhoso, inigualável,  livro Dom Quixote de Cervantes sabe muito bem como Cervantes descreve os muçulmanos e Maomé.

A Igreja deveria honrar essa batalha em defesa do cristianismo, batalha que só ocorreu por insistência de um papa, Papa Pio V, que arregimentou pessoalmente as forças cristãs, em torno de um filho bastardo do imperador Carlos V, chamado Dom João da Áustria.

Os cristãos de hoje continuam morrendo aos montes nas mãos muçulmanas. O próprio Papa Francisco disse que nunca houve se matou tantos cristãos na história da humanidade, falta apenas a Igreja voltar a reconhecer quem mata os cristãos.

O vídeo abaixo explica por que os cristãos fazem parte da religião mais perseguida do mundo, quem são os principais assassinos dos cristãos, e por que a mídia ocidental não fala desse genocídio de nossos dias.

Quem fala ao vídeo é Raymond Ibrhaim, ele menciona o livro dele Crucified Again, que eu já comentei aqui no blog. Eu já li esse livro, é muito esclarecedor, qualquer um deveria ler, em especial professores de história.






(Agradeço o vídeo ao site The American Catholic)

8 comentários:

Anônimo disse...

Olá amigo!
Sabe se é verdade que o Papa JPII devolveu o estandarte da vitória dos cristãos para os muçulmanos, a fim de promover a paz?
Um abraço,
Gustavo.

Pedro Erik disse...

Não sei disso não, grande Gustavo.

Tendo a não acreditar, porque me pergunto a quem ele entregaria, pois o império turco-otomano já acabou faz tempo, mas infelizmente, eu não duvido, ele pode ter devolvido a algum grupo islâmico. JPII chegou a beijar o Alcorão em público. Triste.

Abraço,
Pedro Erik

Nikollas Ramos disse...

Sim, o rumor existe, mas nunca achei prova.

Só que não foi São João Paulo II, mas Paulo VI, quem teria devolvido o estandarte capturado em Lepanto aos turcos. Nunca achei prova disso, apenas rumores e afirmações, quase sempre de fontes que advogam o sedevacantismo. Agradeceria alguma informação melhor nesse sentido.

Supostamente, Paulo VI teria devolvido a bandeira em dezembro de 1965.

Aqui se lê que na verdade a bandeira está desaparecida: http://www.monomakhos.com/erdogan-and-the-long-shadow-of-lepanto/

Aqui se afirma que ela foi sim devolvida por Paulo VI e que está em exibição no Museu Naval de Istambul...! http://www.dailysabah.com/travel/2015/01/06/a-must-see-on-the-bosporus-the-istanbul-naval-museum

Não compreendo como é tão difícil comprovar ou não uma coisa aparentemente tão simples...

Paz e bem.

Nikollas Ramos disse...

Peraí, achei uma fonte sobre o assunto da bandeira de Lepanto:

“Paul VI gave back to the Muslims the Standard of Lepanto. The history of the flag was venerable. It was taken from a Turkish admiral during a great naval battle in 1571. While Pope St. Pius V fasted and prayed the Rosary, an out-numbered Christian fleet defeated a much larger Moslem navy, thus saving Christendom from the infidel. In honor of the miraculous victory, Pius V instituted the Feast of Our Lady of the Most Holy Rosary to commemorate her intercession. In one dramatic act, Paul VI renounced not only a remarkable Christian victory, but the prayers and sacrifices of a great pope and saint.”[110]

Op. Cit.: [110] Mark Fellows, Fatima in Twilight, Niagra Falls, NY: Marmion Publications, 2003,p. 193.

A obra citada está neste artigo.
http://www.mostholyfamilymonastery.com/catholicchurch/anti-pope-paul-vi/#_ednref110

Pedro Erik disse...

Muito obrigado, Nik, pelas informações, apesar de serem tão devastadoras. Paulo VI realmente trouxe muitos percalços e problemas para Igreja. Apesar de ser muito louvável a Humana Vitae.
Abraço,
Pedro Erik

Anônimo disse...

Obrigado Pedro e amigos pelas informações.
Que Nossa Senhora do Rosário nos proteja.
Gustavo.

Anônimo disse...

Se com este ato se tentou construir a paz, não vejo mal nenhum em entregar um estandarte. É apenas um símbolo de uma vitória. Alguém põe fogo, ele vira cinzas.

No entanto, a vitória de Lepanto e suas consequências jamais serão apagadas da história. Muito menos as orações do Papa Pio V e dos cristãos da época.

Do jeito que se fala, parece até que o símbolo da vitória se sobrepõe à própria vitória e às própria orações daqueles homens santos...


Jonas



Pedro Erik disse...

É verdade, caro Jonas, a própria vitória e as orações do Santo Papa Pio V são muito mais relevantes do que o estandarte.

Mas veja, o estandarte representa justamente essa vitória e essas orações, por isso deveria ser valorizado. Além disso, hoje vemos a Igreja desprezar aqueles que lutaram tão bravamente em Lepanto. Vemos a Igreja desprezar as vitórias militares que salvaram o cristianismo. Desprezar os soldados, mártires e santos que entregaram a vida pelo mundo cristão. Esse desprezo só tem permitido o avanço dos inimigos da Igreja.

O estandarte lembra que devemos lutar por Cristo. Ao entregá-lo, a Igreja parece dizer que a vitória e as orações não valeram nada. Despreza os que morreram para consegui-lo.

Abraço,
Pedro Erik