terça-feira, 27 de setembro de 2011

Youcef Nadarkhani Pode ser Enforcado no Irã

-

O pastor cristão evangélico iraniano Youcef Nadarkhani (foto acima) converteu-se ao cristianismo quando tinha 19 anos, e amanhã pode ser enforcado por apostasia, isto é, abandono da fé islâmica. Ele está preso desde 12 de outubro de 2009. Nadarkhani tem 32 anos é pai de dois filhos pequenos e a esposa dele também ficou presa até outubro do ano passado.

O debate jurídico é saber se o pastor era muçulmano quando se converteu. Mesmo que ele não tenha sido, sendo os pais deles muçulmanos, isto pode não evitar o enforcamento, pois o Islã considera muçulmano os filhos de muçulmanos. Para se salvar, o pastor deverá também renunciar ao cristianismo.

O governo americano exige que o Irã cumpra as convenções internacionais de liberdade religiosa e organizações de direitos humanos reagem, mas mesmo assim pode ocorrer o enforcamento, que será o primeiro em 21 anos.

O regimento legal do Irã não prescreve enforcamento para apostasia mas diz que caso não exista prescição legal para algum crime, deve-se recorrer a lei islâmica (Sharia). E a Sharia determina morte para quem abandona a fé islâmica na sura 4:89 (tradução do árabe para o inglês de Hilali-Khan):

"But if they turn back (from Islam), take (hold) of them and kill them wherever you find them".(Mas se eles se voltam contra o Islã, agarre-os e mate-os em qualquer lugar que encontrá-los).


Alguns estudiosos usam a sura 2:256 do Corão para dizer que não há compulsão para que as pessoas se tornem muçulmanas:

There is no compulsion in religion. Verily, the Right Path has become distinct from the wrong path. (Não há compulsão na religião. Verdadeiramente, o Caminho Correto se torna distinto do caminho errado)

Mas, a maioria dos especialistas em Islamismo argumentam pelo crime de apostasia.

Na Mauritânia, a pessoa tem três dias para refletir, se mantiver o abandono da fé islâmica, deve ser morta. Na Arábia Saudita, berço do Islã, também há condenação à morte por apostasia.

O advogado de Nadarkahni, Mohammad Ali Dadkhah, foi condenado ontem a 9 anos de prisão, acusado de propaganda contra o regime iraniano.

Rezemos pelos dois e para que a comunidade internacional se levante contra a afronta à liberdade religiosa.



(Agradeço o achado do assunto ao site Weasel Zippers)

2 comentários:

Anônimo disse...

Ao ler essa notícia fiquei muito triste, no entanto percebo a gloriosa mão de Deus sobre seu filho. O islamismo pensa que está perseguindo uma religião. Não! eles estão perseguindo o próprio Cristo, o filho do Deus vivo. O Senhor irá derramar da sua Graça e Amor sobre esse povo.

Pedro Erik disse...

Parabéns pela sua clareza. É exatamente isso que você falou.

Abraço,
Pedro Erik