quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Atenção Psicólogos e Filósofos: Pesquisas Mostram que Crianças já Nascem com Moral (defendem o bem)


Um artigo do site The Atlantic divulga pesquisas que mostram que crianças com poucos meses de vida (ou até nas primeiras semanas de vida) já escolhem o lado bom e abandonam o mal. Isto é, quase provar que crianças bem pequenas já usam o primeiro princípio da teoria moral: "faça o bem, evitem o mal".  As pesquisas mostram (resumidas no livro acima) que bebês tem um disposição para bondade.

Resultado fantástico e bastante profundo.  Isto tem um efeito astronômico. Todo o universo da psiciologia e também filosofia moderna, que há séculos debate a natureza humana, sofreria impacto desta descoberta, que no fundo nos leva de volta a São Tomás de Aquino (e Aristóteles).

Vou traduzir aqui parte do que diz o texto do The Atlantic:

Apesar de compartilharmos mais de 95 por cento do nosso DNA com os macacos, muitas pessoas pensam que a moralidade é uma criação exclusivamente humana. A visão predominante e extremamente influente por centenas de anos, defendida por gigantes intelectuais como John Locke, Sigmund Freud e Jean Piaget, foi a de que os seres humanos nascem como folhas em branco (tábulas rasas) e adquirem conhecimento sobre o certo e o errado através de seus pais, professores e cultura. 

Outra idéia, igualmente influente, é a que o primatologista Frans de Waal chama Teoria Verniz. A Teoria Verniz, que surge a partir de uma compreensão da seleção natural darwiniana, sustenta que a moralidade é "uma sobreposição cultural, uma fina camada escondendo uma natureza de outra forma egoísta e brutal", como de Waal explica. A natureza é bruta, e civilização (cultura) serve para domá-la. 


Mas ao longo da última década, um crescente corpo de evidências desafiou tanto a visão tábula rasa da moral como a Teoria Verniz. Chimpanzés, que não possuem as ferramentas da civilização, tem os blocos de construção da moralidade e da bondade moral. Primatologists como Frans de Waal, Jill Pruetz , e Christophe Boehm têm mostrado que nossos parentes mais próximos no reino animal, a partir de chimpanzés bonobos, tratam uns aos outros com empatia, compaixão e auto-sacrifício. Mesmo ratos mostram empatia. "Diante de uma escolha entre dois recipientes, um com gotas de chocolate e outro com um companheiro preso ", escreve de Waal em seu recente livro sobre as origens da moralidade, The Bonobo and the Atheist, ratos costumam escolher resgatar seus companheiros primeiro. 

Através do estudo das emoções e comportamentos dos animais, o próprio Darwin concluiu que eles são capazes de simpatia, carinho e altruísmo. Ele escreveu sobre um cão que não iria passar por um gato doente sem lambê-lo um par de vezes .
 
Estudando animais é uma forma de aprender sobre as origens da moralidade, mas o outro é, naturalmente, para olhar para os bebês. Bebês humanos, antes de aprender a falar e até mesmo realizar-se de seus próprios corpos, são capazes não só de dizer a diferença entre certo e errado, mas de tomar decisões moralmente carregadas, uma descoberta quechocou os cientistas quando foi descoberto cerca de dez anos atrás. 

"Foi uma desoberta avassaladora", diz Paul Bloom da Universidade de Yale, um dos psicólogos por trás de uma série de estudos inovadores de moralidade infantil e autor de um livro novo fascinante, Just Babies: The Origins of Good and Evil. Acontece que os bebês,  mesmo jovens demais para ter aprendido sobre a moralidade, têm um senso moral inato. Em cima disso , eles mostram uma disposição básica para a bondade. Eles não são os monstrinhos que os teóricos da tábula rasa pensavam que eram. Sem estímulos, por exemplo , as crianças começam a partilhar logo depois seis meses de idade. Quando eles estão um pouco mais velhas do que isso, as crianças vão ajudar um estranho em necessidade.


Em um estudo realizado por Felix Warneken e Michael Tomasello, uma criança estava em um quarto com sua mãe quando um desconhecido entrou com as mãos cheias. O estranho caminhou até um armário para abrir a porta , mas não conseguiu. Como esse drama se desenrolava, ninguém olhou para a criança ou o encorajou a fazer qualquer coisa. No entanto, cerca de metade de todas as crianças testadas espontaneamente levantaram e caminharam até o armário para abrir a porta para a pessoa em necessidade, uma façanha mais notável quando você sabe que as crianças são muito relutantes em abordar estranhos adultos em tudo. 

A partir de sua pesquisa sobre bebês, realizado no Centro de Cognição Infantil de Yale, Bloom chegou a ver que nascemos com este sentido moral inato, que é aperfeiçoado com o tempo. 

Em um experimento, Bloom e seus colegas apresentaram a crianças de 6 e 10 meses de idade um jogo de moralidade. Os bebês assistiram um fantoche empurrando a bola para cima de uma colin. Em seguida, os bebês viram uma de duas coisas acontecendo. Um outro fantoche vinha e ajudava o primeiro fantoche a empurrar a bola até o morro, ou outro fantoche aparecia e dificultava o primeiro fantoche, empurrando a bola para baixo do morro. 

Depois que os bebês assistiram esses cenários, os pesquisadores mostraram cada fantoche para os bebês. Acontece que quase todos os bebês, não importa quantos anos eles tinham, estenderam a mão para o bom boneco que tinha ajudado. Elas são atraídas para bondade ou são simplesmente repelem a maldade? Para descobrir isso, os pesquisadores introduziram um terceiro personagem na mistura - um neutro que não ajudou nem impediu o boneco principal. Então, eles deixam os bebês escolherem qual fantoche que eles queriam. Os bebês preferiram o neutro  mais do que o que tinha mal caráter, e escolheram o bom caráter mais do que escolheram o neutro. 

Como Bloom disse: " Eles podem dizer que este é o mocinho e este é o cara mau e quero ajudar o mocinho e eu quero machucar o cara mau. Isso me fascina." 

Bloom foi ainda mais surpreso quando os bebês a partir dos três meses de idade mostraram consciência moral. Quando colegas de pesquisa de Bloom sugeriram que eles pesquisem de bebês apenas doze semanas fora do útero da mãe , Bloom objetou. Nessa idade , os bebês "são realmente como lesmas".
 
Mas mesmo em sua lesma - como o estado, esses jovens bebês podem controlar os seus olhos, que "realmente são janelas para a alma do bebê ", como escreve Bloom . Você pode dizer o que um bebê gosta vendo o que ele olha . Então os pesquisadores mostraram  abebÊs de trÊs emses de vida o mesmo jogo de moralidade dos fantoches e, em seguida, colocaram os bonecos em frente a eles. A maioria dos bebês olhou para o bom fantoche. 

"Bebês", escreve Bloom , "têm uma apreciação geral do comportamento bom e ruim." Além de distinguir entre o bem e o mal , as crianças também têm uma compreensão de equidade e justiça. Em uma versão de ajudar / dificultar estudo, um dos bebês realmente estendeu a mão para o boneco mal e deu um tapa na cabeça dele.

---
Fascinante campo de pesquisa. Leiam todo o texto da The Atlantic.

Mas no fundo não sei é uma descoberta fascinante, ou apenas o óbvio: temos uma natureza divina.



(Agradeço a indicação do The Atlantic ao site Culture War Notes)

2 comentários:

Duddu Pontes disse...

Boa noite, Pedro.
Fascinante mesmo! Sensacional!
Me pergunto como é tão difícil pra alguns entenderem que há um Deus, e, mais que isso, somos semelhantes à Ele! Oremos pelos que não creem!

Um abraço

Pedro Erik disse...

É isso, Duddu. Temos a imagem de Deus.

Abraço,
Pedro Erik