segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Papa Francisco se Arrependeu da Entrevista ao Ateu?


Jornalista sugere que o Papa Francisco teria se arrependido da entrevista ao ateu Eugenio Scalfari. Falamos aqui no blog tanto sobre esta entrevista, como sobre o próprio texto escrito pelo Papa para o jornal La Republica de propriedade de Scalfari. Nos dois casos, o Papa comete um erro doutrinário em relação ao aspecto da consciência como mediadora da verdade. É especificamente deste erro que o Papa estaria se arrependendo. Na ocasião, aqui no blog eu tentei provar para um leitor que era fácil observar o erro doutrinário do Papa, bastava olhar o catecismo da Igreja.

O site Catholic News Agency (CNA) noticiou que aparentemente o Papa Francisco se arrependeu da entrevista que deu ao ateu Eugenio Scalfari ou pelo menos que ele não gostou que o jornal do Vaticano L'Osservatore Romano publicasse a entrevista, por conta do erro sobre consciência.

Traduzo o que diz o site da CNA em azul:

Segundo um escritor católico na Itália, o Papa Francisco estava ciente de que suas palavras relatadas em 1 de outubro em entrevista publicada  no jornal La Reppublica poderiam ser incompreendidas e tomou medidas para evitar isso. 

Antonio Socci, colunista do jornal italiano " Libero ", escreveu em 27 de outubro que após a publicação da entrevista, o Papa Francisco estava plenamente consciente do risco da incompreensão de algumas de suas palavras, particularmente aquelas sobre consciência. 

Na entrevista, Eugenio Scalfari , fundador e ex-diretor do " La Repubblica ", o Papa é citado como tendo dito que "A consciência é autônoma, e todos devem obedecer a sua consciência. " 

Papa Francisco teria reiterado sua frase, acrescentando que "Que todo mundo tem sua própria idéia do bem e do mal e deve optar por seguir o bem e combater o mal como ele as concebe . Isso seria o suficiente para tornar o mundo um lugar melhor. " 

Estas frases levaram a muitas críticas ao Pontífice.

Sabendo que estas palavras poderiam ser mal interpretadas, Federico Lombardi, diretor da Santa Sé, da assessoria de imprensa,  disse que o texto da entrevista não havia sido revisado pelo Papa e que fora escrito por Scalfari depois de um bate-papo informal.

Lombardi sublinhou igualmente que "a entrevista não faz parte do Magistério do Papa Francisco." 

Apesar disso, " L' Osservatore Romano ", o jornal do Vaticano, re-publicou a entrevista na sua edição de 2 de outubro, e está incluído entre os discursos do Papa Francisco no site do Vaticano. 

De acordo com Socci , o papa Francisco "lamentou " a publicação da entrevista no " L'Osservatore Romano " e "queixou-se ao diretor, Gian Maria Vian , em Assis, no dia 4 de outubro" .

Um vídeo da TV do Vaticano mostra quando o Papa foi visitar o túmulo de São Francisco de Assis, ele parou e teve uma conversa de um minuto com Vian. 

De acordo com Socci , "este é, provavelmente, o momento em que o Papa reclamou com Vian" 
Socci confirmou a CNA em 28 de outubro que ele " descobriu sobre o arrependimento do Papa por duas fontes diferentes". 

Socci também disse que "os críticos do Papa Francisco por sua visão sobre a consciência estão sendo desonestos. Você realmente acredita que o Papa Francisco pensa que todo mundo pode ter sua própria idéia do bem e do mal ?"

Socci ressaltou que " os ensinamentos sobre a corrupção, a confissão, o perigo do diabo, são provas de que o Papa Francisco tem uma visão ortodoxa , e que ele não tem enfraquecido os ensinamentos da Igreja, e em particular as doutrinas da Igreja. "

----
Bom, três coisas:

1) É uma boa notícia, eu cheguei a dizer que tanto a entrevista como o texto eram um desastre doutrinário;

2) Mas não se pode concluir que o Papa Francisco tenha se arrependido, no máximo ele não gostou que o jornal oficial do Vaticano tenha reproduzido a entrevista e colocado entre os discursos dele;

3) Os críticos não estão sendo desonestos. Os críticos são muito importantes para a Igreja e o Papa nunca declarou que não disse o que saiu no jornal La Reppublica nem que aquilo não era verdade. Ficamos com a entrevista e com os erros doutrinários publicados no jornal do ateu.

Como já repeti aqui várias vezes, o Papa tem de ter mais cuidado com o que fala e escreve.

Não canso de repetir o que houve no Brasil na entrevista dele ao Fantástico, que foi pouco noticiada no mundo. O Papa disse na entrevista (disponível no youtube) que não se importava se uma criança se educava em uma escolca católica ou não, bastava que fosse educada. O que é um erro grosseiro por não perceber a importância da religião na formação de uma criança. O Papa parece querer se aproximar do mundo secular com esta declaração, mas acabou abandonando quem se dedica a ensinar o cristianismo.

Penso que ultimamente o Papa parece que tem tomado mais ciência de sua posição.

Rezemos pelo Santo Padre.


(Agradeço a informação da CNA ao site Bonfire of the Vanities)

2 comentários:

Anibal Werneck de Freitas disse...

Perdoe-me, discordo e digo que Francisco I foi feliz quando disse que uma criança pode estudar em qualquer escola e assim ter os mesmos valores cristãos, traduzidos aqui como, amor, compreensão e paz.
Afinal, não foi isso que Cristo nos ensinou?

Pedro Erik disse...

Caro Aníbal,,

Acho que você não entendeu. Quando o papa diz que qualquer escola vale ele está diminuindo o próprio valor de Cristo.

Eu luto para colocar meus filhos em uma escola católica que respeite os ensinamentos de Cristo. A frase dele diz que eu não preciso fazer isso. A religião não teria valor para uma criança.

Você colocaria seu filho em uma escola islâmica ou em uma escola protestante?

Abraço,
Pedro Erik