quarta-feira, 29 de julho de 2015

Obama e a Agenda Gay na África



O Obama visitou alguns países africanos e resolveu pressionar pela sua agenda gay. Antes da viagem, ele disse à BBC que ia fazer isso.
Nas palavras dele à BBC. ele disse que era a favor de "tratamento igualitário a gays, lésbicas e transgêneros" e contra "discriminação e bullying". Ele disse:

“In my last trip to Africa, I was very blunt about my belief that everybody deserves fair treatment, equal treatment, in the eyes of the law and the state and that includes gays, lesbians, and transgender persons. I am not a fan of discrimination and bullying of anybody, on the basis of race, on the basis of religion, on the basis of sexual orientation or gender.

Bom, como relata Diane Montagna, o que ele fez na África foi bullying em favor da agenda gay.


Obama não deu ouvidos aos pastores. 

Mas ele recebeu troco.

Montagna revela a reação do presidente do Quênia que deixou claro que os quenianos não aceitavam essa agenda e também teve reações do bispo da Nigéria Emanuel Badejo, da associação African American Christians dos Estados Unidos  e do cardeal Onayiekan.

Em fevereiro, o Bispo Badejo chegou a dizer que os Estados Unidos de Obama deixou claro que só ajudaria a Nigéria a enfrentar o grupo terrorista Boko Haram se o país mudasse suas leis em relação aos gays. Bom, para mim isso é um bullying terrível.

Agora, depois da visita de Obama deste mês, Badejo disse:

“As a Nigerian and an African, I expect the leaders in Kenya to present again, as firmly as clearly as possible, the legitimate values and worldview of the Kenyan people, which admittedly could be a handful for President Obama to handle.

As a Nigerian, I worry little about President Obama’s mindset about the United States needing to have a presence ‘to promote the values that we care about,’ as he said in his interview with the BBC. My worry is whether Mr. President can actually figure out other rights aside from the LGBT ‘rights’ — the rights of other peoples to determine the values they care about — and whether he considers that some so-called American values are actually non-values for other peoples.  Nobody should be killed for private wayward or immoral behaviors that do not compromise other people’s lives. But that does not mean all kinds of exotic sexual adventure must be foisted on other nationalities in the name of rights.

Most Africans care about religious values, about the family, about the complementary nature of man and woman and the culture that makes us Africans. Why can we not choose what ‘benevolence’ to accept from the West? Why can we not just be helped to fight corruption, terrorism, unemployment, disease and illiteracy?


O Reverendo William Owens da African American Christians, disse que Obama era uma desgraça para a comunidade negra por impor a agenda gay:

“They never thought they would see this day that gay rights would be equated with civil rights. Not one agreed with this comparison,” he said.
 
“President Obama is a disgrace to the black community. He is rewriting history. We didn’t suffer and die for gay marriage. We marched for opportunity, equality, justice, freedom from oppression. We are the true heirs of the civil rights movement. We have a new movement to reclaim the ‘real’ civil rights movement.”


O Cardeal John Onaiyekan disse que a posição da Igreja em relação ao casamento gay é irrevogável:

“Unfortunately, we are living in a world where these things have now become quite acceptable, but the fact that they are acceptable doesn’t mean that they are right.
 
“The Catholic Church considers itself as carrying the banner of the truth in the world that has allowed itself to be so badly deceived,” 


Será que o Papa Francisco falará nos mesmos termos do bispo Badejo e do cardeal Onaiyekan em território norte-americano em setembro. 

Rezemos.


4 comentários:

Adilson disse...

Boa noite, nobre Pedro Erik.
Há alguns anos, eu já tinha lido em Julio Severo que Obama realmente estavam chantageando os quenianos com sua agenda gay. Eu achava que ele já tinha parado com essa porcaria, mas pelo que leio hoje aqui no Thiself, descubro que não: "Obama deixou claro que só ajudaria a Nigéria a enfrentar o grupo terrorista Boko Haram se o país mudasse suas leis em relação aos gays". Acabei ficando furioso e mais furioso ainda com o fato dos principais telejornais brasileiros nada noticiarem sobre o assunto.
Espero que os protestantes dos EUA se manifestem sobre o assunto defronte da Casa Branca.
Vamos rezar pelo povo do Quênia! (ah! no blog são pio V já é possível visualizar algumas fotos do nosso iv congresso, mas vou republicá-las no Agathon!

Pedro Erik disse...

Vou ver as fotos no Agathon.
Abraço, amigo.

Adilson disse...

Nobre Pedro, acabei de postar algumas imagens do congresso. Postei apenas do primeiro dia, mas amanhã e dias seguintes publicarei mais outras. Por favor, preciso te enviar uma mensagem importante, podes explicar como faço para entrar em contato com teu e-mail? Aguardo.

Pedro Erik disse...

Vou colocar meu email em um comentário no Agathon daí vc me escreve.
Abraço
Pedro Erik