sexta-feira, 16 de março de 2012

"Santos" do Ateísmo: Marx, Freud, Kant, Maquiavel, Sartre e Nietzsche

-

O filósofo Peter Kreeft (foto acima) fez um resumo dos grandes pensadores do ateísmo: Karl Marx, Immanuel Kant, Jean-Paul Sartre, Sigmund Freud, Nicolau Maquiavel e Friedrich Nietzsche.

A série de textos se chama "The Pillars of Unbelief" (Os Pilares da Descrença). Para cada um, há um texto excepcional. Recomendo fortemente a leitura completa dos artigos.

Aqui vou traduzir apenas alguns parágrafos sobre cada "santo" do ateísmo.

1) Karl Marx

Assim como Marx assumiu as formas e o espírito de sua herança religiosa (judaísmo), mas não o conteúdo, ele fez o mesmo com sua herança filosófica hegeliana, transformando a filosofia de Hegel de "idealismo dialético" em "materialismo dialético" "Marx estava com Hegel em sua cabeça", diz o ditado. Marx herdou sete idéias radicais de Hegel: 

Monismo: a idéia de que tudo é um e a distinção que o senso comum faz entre matéria e espírito é ilusória. Para Hegel, a matéria é apenas uma forma de espírito, para Marx, o espírito é apenas uma forma de matéria. 

Panteísmo: a noção de que a distinção entre o Criador e a criatura, marca distintiva do judaísmo, é falsa. Para Hegel, o mundo é feito em um aspecto de Deus (Hegel era um panteísta), para Marx, Deus é reduzido para o mundo (Marx era ateu). 

Historicismo: a idéia de que tudo muda, mesmo verdade; que não há nada acima da história julgá-lo e que, portanto o que é verdadeiro em uma era torna-se falsa em outro, ou vice-versa. Em outras palavras, o Tempo é Deus. 

Dialética: a idéia de que a história se move apenas por conflitos entre forças opostas, a "tese" versus a "antítese" evoluindo "uma síntese superior." Isso se aplica a classes, nações, instituições e idéias. A valsa da dialética desempenha no salão de bailes da história até o reino de Deus, Hegel identificou com o Estado prussiano. Marx internacionalizou para o Estado mundial comunista. 

Necessitarismo ou fatalismo: a idéia de que a dialética e os seus resultados são inevitáveis ​​e necessárias, não é livre. O marxismo é uma espécie de predestinação calvinista sem um predestinador divino. 

Estatismo: a idéia de que já que não há verdade eterna, o Estado é supremo e incriticável. Marx novamente internacionalizou o nacionalismo de Hegel aqui. 

Militarismo: a idéia de que uma vez que não há nenhuma lei natural universal ou eterna acima dos Estados para julgar e resolver as diferenças entre eles, a guerra é inevitável e necessária enquanto existirem Estados.

2) Immanuel Kant

Embora Kant pensasse si mesmo como um cristão, negou explicitamente que pudéssemos conhecer que realmente existe (1) Deus (2) o livre-arbítrio e (3) imoralidade. Ele disse que devemos viver como se estas três idéias eram verdadeiras porque se acredita neles, vamos tomar a moralidade a sério, e se não o fizermos não vamos. É a justificação da crença por razões puramente práticas o que é um erro terrível. Kant acredita em Deus não porque é verdade, mas porque é útil. Por que não acreditar em Papai Noel, então? Se eu fosse Deus, eu seria mais a favor de um ateu honesto do que de um teísta desonesto, e Kant é um teísta desonesto, porque só há um motivo honesto para acreditar em algo: porque é verdade.
 
A pergunta básica de Kant era: Como podemos conhecer a verdade? No início de sua vida, ele aceitou a resposta do Racionalismo, que conhecemos a verdade pelo intelecto, e não pelos sentidos, e que o intelecto possui o seu próprio "idéias inatas". Então ele leu o empirista David Hume, que, disse Kant, "acordou-me do meu sono dogmático". Como outros empiristas, Hume acreditava que pudéssemos conhecer a verdade por meio dos sentidos e que não tinha "idéias inatas". Mas premissas de Hume conduziram-no à conclusão de ceticismo, a negação de que nós nunca podemos  saber a verdade em tudo com toda a certeza. Kant viu o "dogmatismo" do racionalismo e do ceticismo do Empirismo como inaceitável, e procurou uma terceira via.

Havia uma terceira teoria disponível, desde Aristóteles. Era a filosofia do senso comum do Realismo. De acordo com realismo, podemos conhecer a verdade por meio do intelecto e dos sentidos, eles funcionam corretamente e em paralelo, como duas lâminas de uma tesoura. Em vez de retornar ao Realismo tradicional, Kant inventou uma teoria totalmente nova do idealismo. Chamava-o de "revolução copernicana na filosofia." O simples termo para isso é subjetivismo. Isso equivale a redefinir a própria verdade como subjetiva, não objetiva.

3) Jean-Paul Sartre

Sartre chamou a sua filosofia de "existencialismo" por causa da tese de que "a existência precede a essência". O que isso significa concretamente que "o homem é nada mais do que o que ele faz de si mesmo." Uma vez que não há Deus para conceber o homem, o homem não tem plano, nenhuma essência. Sua essência ou natureza não vem de Deus como Criador, mas a partir de sua livre escolha.

Assim, a legítima preocupação de Sartre com a liberdade humana e sua percepção de como ele faz as pessoas fundamentalmente diferente de meras coisas levam ao ateísmo porque (1) ele confunde liberdade com independência, e porque (2) ele concebe Deus apenas como alguém que tira a liberdade humana ao invés de criar e mantê-la, seria uma espécie de fascista cósmico. Além disso, (3) Sartre foi adolescente ao cometer o erro de equiparar liberdade com rebelião. Ele diz que a liberdade é apenas "a liberdade de dizer não".

4) Sigmund Freud

A teoria mais influente de Sigmund Freud é o seu reducionismo sexual. Como um ateu, Freud reduz Deus a um sonho do homem. Como materialista, reduz o homem a seu corpo, o corpo humano ao desejo animal, o desejo de desejo sexual e desejo sexual ao sexo genital. Todas são simplificações.

Freud era um cientista, e em alguns aspectos um grande. Mas ele sucumbiu a um risco ocupacional: o desejo de reduzir o complexo ao controlável. Ele queria fazer psicologia em uma ciência, até mesmo uma ciência exata. Mas isso nunca pode ser porque seu objeto, o homem, não é apenas um objeto, mas também um sujeito, um "eu"

Na base da "revolução sexual" do nosso século está uma demanda para a satisfação e uma confusão entre necessidades e desejos. Todos os seres humanos normais têm desejos sexuais e desejos. Mas simplesmente não é verdade, como Freud sempre assume que estas são necessidades ou direitos; ninguém pode ser esperado viver sem eles e suprimi-los seria psicologicamente não saudável.

Freud como um filósofo e pensador religioso é estritamente um pouco mais de que um amador e um adolescente.

Para ele, religião é uma suposição pré-científica com a forma como a natureza funciona: Se trovão, deve haver um Tonante, um Zeus. Como o medo, a religião é a nossa invenção de um substituto celeste para o pai terrestre quando ele morre, fica velho, vai embora ou envia seus filhos para fora da casa segura para o mundo assustador de responsabilidade. Como fantasia, Deus é o produto de realização de desejo que há uma força providencial todo-poderoso por trás das aparências terrivelmente impessoais da vida. E como a culpa, Deus é o garantidor de comportamento moral.

5) Friedrich Nietzsche

Friedrich Nietzsche dizia ser "o Anti-Cristo", e escreveu um livro com esse título. Ele argumentou para o ateísmo como segue: "Agora vou refutar a existência de todos os deuses. Se houvesse deuses, como poderia eu supor não ser um deus? Consequentemente, não há deuses".

Ele desprezou a razão, bem como a fé, e muitas vezes deliberadamente se contradisse, disse que "um sorriso de escárnio é infinitamente mais nobre que um silogismo" e apelou à retórica, paixão e ódio ainda deliberado, em vez de razão.

Ele viu o amor como "o maior perigo" e a moralidade como a pior fraqueza da humanidade. Morreu louco, em um asilo, de sífilis, assinando suas últimas cartas como "Um crucificado." Ele era adorado pelos nazistas como o seu filósofo semi-oficial.

Os principais temas de Nietzsche pode ser resumido pelos títulos de seus principais livros. Cada um é, de uma maneira diferente, um ataque à fé. O centro da filosofia de Nietzsche é sempre o mesmo: Ele é tão centrada em Cristo como Agostinho foi, só que ele centrado em Cristo como seu inimigo.

Nietzsche é um pensador tão crucialmente importante, não apesar, mas por causa de sua insanidade. Ninguém na história, exceto, possivelmente, o Marquês de Sade,  tão claramente, abertamente e de forma consistente formulou a alternativa completa para o cristianismo.

Pré-cristãs (isto é, pagão) sociedades e filosofias eram como virgens. Pós-cristãs (ou seja, moderno) sociedades e filosofias são como divorciados. Nietzsche não é pagão pré-cristão, mas o essencial, moderno pós-cristão e anti-cristão. Ele viu justamente a Cristo como seu principal inimigo e rival. O espírito do Anti-Cristo nunca recebeu tal formulação completa. Nietzsche não era apenas o filósofo favorito da Alemanha nazista, ele é o filósofo favorito do inferno.

6) Maquiavel

O argumento de Maquiavel era de que a moral tradicional era como as estrelas; bonita, mas muito distante para lançar alguma luz útil na nossa caminhada terrena. Precisamos ao invés de lanternas artificiais; em outras palavras, metas atingíveis.

A essência da revolução de Maquiavel era julgar o ideal pelo real em vez do real pelo ideal. Um ideal é bom para ele, só se for prático, assim, Maquiavel é o pai do pragmatismo. Não só "o fim justifica os meios"-qualquer meio que funcione, mas os meios justificam o fim, no sentido de que um fim vale a pena perseguir somente se existem meios práticos para atingi-lo. Em outras palavras, o maior bem é o sucesso.

Maquiavel não apenas reduzir os padrões morais, ele os aboliu. Mais do que um pragmático, ele era um anti-moralista. A relevância que só ele viu a moralidade para o sucesso foi ter de ficar em seu caminho. Ele ensinou que para um princípe era necessário "para aprender como não ser bom", como quebrar promessas, de mentir e enganar e roubar.


(Agradeço a indicação dos textos ao site New Advent)

Nenhum comentário: