domingo, 25 de março de 2012

Pesquisa Gallup: Quem Vai à Igreja é Mais Feliz.

-


Pesquisa do Instituto Gallup nos Estados Unidos mostrou que a ida à Igreja está relacionada a felicidade, quanto mais você frequenta a Igreja mais você aprecia a vida. Não importa se é Igreja católica, protestante, sinagoga ou mesquita.  Veja o gráfico acima, se a pessoa nunca frequenta uma Igreja tem 3,36 sentimentos positivos por dia e 1,04 emoções negativas. Isto começa a melhorar quant mais se vai a Igreja. Se a pessoa frequenta pelo menos uma vez por semana, o índice de emoções positivas é o mais alto e o de negativas, o mais baixo.

Gallup perguntou a 329 mil pessoas quantas vezes eles participaram de serviços religiosos: nunca, raramente, uma vez por mês, quase toda semana, ou pelo menos uma vez por semana.

Em seguida, perguntou-lhes se eles experimentaram certas grandes emoções positivas e negativas durante o dia anterior. As quatro emoções positivas Gallup perguntadas às pessoas são se elas estiveram sorrindo, tendo alguma alegraia, sentiam felicidade ou estavam fazendo ou apredendo algo interessantee. As quatro emoções negativas, perguntaram se as pessoas estavam preocupadas, tristes, com estresse ou raiva..

Quanto mais vezes uma pessoa participou serviços religiosos, Gallup descobriu, mais vezes eles experimentaram emoções positivas e menos frequentemente eles experimentaram emoções negativas. Quanto menos uma pessoa participou de cerimônias religiosas, mais eles experimentaram emoções negativas e menos que eles experimentaram positivos.
 

O Instituto Gallup diz que uma análise da pesquisa seria que a amizade entre os membros da Igreja é mais importante para a felicidade do que a amizade no trabalho ou no clube. Eu concordo plenamente com isso, fico muito mais feliz quando não tenho que explicar minha fé quando estou entre amigos. 

Eu tenho uma imensa vontade de fazer uma pesquisa no Brasil, relacionada à pesquisa do Gallup. 

Gostaria de saber quantos professores de faculdade no Brasil frequentam missas. Eu não conheço nenhum colega com título de mestre ou doutor que frequente missas. Eu não os encontro aos domingos na Igrejas.

Por que pessoas da academia em geral acham que são superiores e não precisam de Deus? O que um pessoa que decide ser acadêmico aprende que diz que ele não precisa ser humilde e clamar por Deus? Certamente, elas não têm respostas para as questões mais básicas da humanidade, por que elas pensam que não precisam de Deus? 

Eu sou acadêmico, tenho título de doutor, mas nunca aprendi nada na minha formação que diminuísse minha fé. Mas meus colegas em geral fogem da Igreja, e eu sei que eles não sabem nada ou pouquíssimo sobre religião. E quando falam do assunto, geralmente é para falar mal sem conhecimento de causa. A pesquisa Gallup diz que eles são menos felizes do que eu.


(Agradeço a notícia ao site Weasel Zippers)

11 comentários:

FireHead disse...

E depois também há muitos que, ao longo do percurso, vão perdendo a Fé...
Eu estou com os alicerces da minha Fé profundamente abalados. Na sequência de uma troca de mensagens com um católico febebvriano, tomei conhecimento (não sabia) que o Papa Gregório XIII - o tal que introduziu o calendário que usamos actualmente - tinha no seu brasão de armas a imagem de um dragão e que no reverso da sua medalha papal estava a cabeça de uma cabra, como que a simbolizar Baphomet ou mesmo o início da roda zodiacal, com o carneiro (Aries). É suposto isso ter acontecido no sei da Santa Igreja? O Dragão não é o Demónio?
Ando já há uns dias atormentado com isso...

Pedro Erik disse...

Caro Firehead,

Na história da Igreja há alguns papas que foram péssimas pessoas. Mas vou lhe explicar que isto não é motivo para você perder seu sono. E até mostra o poder do espírito santo. É até um motivo para fortalecer a fé.

O fato de você ter descoberto que um deles acreditava em horóscopo, é até uma pequena ofensa. Há papas muito piores (que roubaram, tiveram váerias esposas e filhos, e até mandaram matar) Se você quer ler sobre o assunto, eu recomendo dois livros (infelizmente os dois estão em inglês).

O primeiro é um livro pequeno, mas serve para uma visão geral. O segundo é de um especialista da Universidade de Cambridge.

1) History of the Papacy
Schofield, Fr Nicholas

2) Saints and Sinners (de Eamon Duffy)

Por que isto não é motivo para você perder seu sono?

Primeiro, porque papas são homens em primeiro lugar. O primeiro papa, escolhido pelo próprio Cristo, era extremamente pecador e até negou Cristo. Mas Cristo o escolheu pois ele representava melhor os homens, que são fracos e vacilantes, Pedro representa a misericórdia de Deus com relação aos homens Como disse Chesterton, Cristo não escolheu nem o místico João, nem o sábio Paulo, mas o fraco Pedro.

Segundo, mesmo na pior fase dos papas, a doutrina da Igreja se manteve intacta. O Espírito Santo dominou, eles não conseguiram destruir a Igreja, o demônio não prevaleceu.

Terceiro, isto mostra que os cristãos não devem confiar só no papa para defender a fé, precisam aprender sobre ela, para defendê-la até contra papas.

Grande abraço,
Pedro Erik

FireHead disse...

Sim, Gregório XIII de facto não foi canonizado, nem beatificado e muito menos considerado um servo de Deus. Mas também há Papas que, ao terem ido contra a doutrina defendida pela Santa Igreja, acabaram excomungados. Houve Antipapas. E também tivemos os tristes exemplos dos Papas da família Bórgia e Médicis, só para não citar outros. De certeza que muitos que foram Papas terão sido condenados para o fogo eterno. Uma vez li, numa resposta dada pelo falecido Orlando Fedeli a um leitor da Montfort, que alguns Papas, em determinado período da História, terão permitido a entrada do paganismo na Igreja... Ainda assim, custa-me a acreditar que dois Papas (Gregório XIII e Paulo V) tinham a imagem de uma dragão nos seus brasões. No túmulo de Gregório XIII, no Vaticano, está, precisamente a imagem de um dragão e vim a saber que há igrejas com imagens de dragões e também no próprio Vaticano. Custa especialmente a aceitar isso porque nós seguimos actualmente o calendário reformado por ele... com traços pagãos? Eu sei que a Igreja permanece Santa porque tem a assistência infalível de Cristo... mas como pode Cristo permitir que o Demónio esteja pessoalmente dentro da Igreja, introduzido precisamente por quem deveria tê-lo afastado? Como pode, por exemplo, para além da existência de imagens de dragões em igrejas e mesmo de demónios (gárgulas, Baphomet ou Asmodeu) nas catedrais góticas medievais, existir membros no Vaticano que são maçons??

E depois ainda pensam alguns que a "derrocada" começou com o Concílio Vaticano II. Pelos vistos começou mesmo muito antes. O Demónio não dorme e eu sinceramente sinto-me profundamente abalado na minha Fé. Tal como Thomas More, que advogava o retorno da Igreja à sua pureza primitiva mas que ainda assim nunca deixou de ser católico (facto que o levou à morte), eu permaneço praticante. Neste momento prefiro tentar não me lembrar que a Igreja teve Papas que eram claramente anticristãos e me jogar nos braços da Santíssima Virgem. E que Cristo um dia me possa explicar tudo isso.

Esses livros que me sugeres falam alguma coisa sobre o Gregório XIII e o facto dele ter um dragão no seu brasão?

Obrigado pelo teu tempo. Abraço.

Pedro Erik disse...

Caro Firehead,

Nossa Senhora pisa em uma cobra em várias estátuas, em várias Igrejas há imagens do anjo caído (Lucífer).
Quando eu visitei igrejas anglicanas, vi várias imagens de cachorros, bodes e dragões que simbolizavam reis ingleses. Isto é até pior pois além dos símbolos pagãos há uma deferência a reis.

Tem um vídeo na internet de um padre no Brasil em que ele apóia que um cara fique dançando no altar da Igreja, com uma dança pagã.

Somos humanos, nem sempre seguimos o divino.

O dragão é um símbolo pagão, e pode simbolizar o diabo. Mas, Firehead, mais forte e mais alto estão os poderes de Cristo.

Tenha fé. Olhe, saiba que até o mal está sob domínio de Deus. Ele é superior.

Sabe o cara que escreveu o "Senhor dos Anéis', J.R.R Tolkien. Ele era católico devoto, e colocava mensagens católicas em seus livros, uma delas é justamente essa, o mal vai servir ao bem mesmo sem querer, pois Deus é Senhor.

Olhe também com mais cuidado para o Vaticano II, em certo sentido, ele foi usado por padres comunistas, mas como o Papa Bento XVI disse, o Vaticano II é bem mais profundo e qualidades.

Os livros não se concentram em símbolos pagãos dentro da Igreja, há problemas mais sérios que eles discutem. Os símbolos estão abaixo da cruz.

Abraço,
Pedro

FireHead disse...

Eu sei que tens razão no que dizes, mas mesmo assim há coisas que custam a encarar. E para mim, esta é uma delas. Tudo bem que o dragão era o emblema da família de Ugo Bouncampagno (Gregório XIII), mas tinha ele mesmo de levar para a Igreja o raio do dragão??

Pedro Erik disse...

O que é um dragão, símbolo de uma família, em frente aos casos de pedofilia, Firehead?

Não existiu nenhum papa perfeito, desde São Pedro. João Paulo II, por exemplo, errou ao tentar reabilitação de padres pedófilos. Eles deveriam ter sido entregues a justiça. Mas João Paulo II foi um santo em muitos outros aspectos.

Há fantásticos santos na Igreja Católica, a parte mais fantástica é justamente que eles eram justamente homens e mulheres que não eram perfeitos, mas foram divinos ao superar muitas imperfeições.

A beleza de Deus está muito concentrada na misericórdia em relação aos homens. Coisa por exemplo que o Alá dos muçulmanos não tem.

Como disse Cristo: "Atire a primeira pedra...

Abraço,
Pedro Erik

FireHead disse...

O Dragão é a "antiga serpente, que é Demónio e Satanás" (Apocalipse 20). E é isso que me está a atormentar grandemente, pois bateu-me forte. Eu sei que ao longo dos tempos houve Papas que cometeram erros (entre crimes e heresias contra a "sã doutrina da salvação"), e muitos deles certamente estarão condenados para o fogo eterno, mas custa, amigo. Custa muito. Como Católico, custa-me aceitar certas coisas. Dá a sensação que estou a viver uma espécie de mentira, ainda que eu sei que Deus permite tudo o que aconteceu e acontece.

João Paulo II errou bem mais do que isso. Errou com o seu ecumenismo romântico. Errou ao beijar um satânico Alcorão. Errou ao deixar que lhe fizessem um sinal hindu na testa. Como Papa ele falhou muito, embora tenha sido um grande homem.

Isso simplesmente serve para me fazer perfer a fé nos homens, principalmente naqueles que supostamente têm a missão de encaminhar as pessoas em direcção à salvação. A Igreja Católica é Santa e Santificadora, mas os membros humanos que a compõem são capazes do pior.

Melhor mesmo é deixar o meu funtamentalismo de vez, entregar-me aos braços da Santíssima Virgem e esperar que Cristo um dia me explique o porquê de tudo isso.

Abraço.

Pedro Erik disse...

Acho que é verdade, Firehead, você tem um fundamentalismo que não cabe na misericórdia que tem o nosso Deus.

A fé está em Deus, mas também não perca tanta fé na principal criação divina, o homem.

Tem um blog nos Estados Unidos, chamado Satan's Blog (já falei dele no meu blog, pesquise). O cara se faz passar por Satã para defender Cristo. Em um dos textos, ele diz como Satã se assustou ao ver esta criação divina, pensou: "O homem não é deus, não é um anjo, mas tem a imagem de Deus".

Eu costumo contar uma piada quando pessoas condenam os papas.

Certa vez, há muito tempo, uma padre sírio estava quase convertendo um judeu, explicando Cristo para ele.

Aí, o judeu lhe disse: "Padre, estou quase me convertendo, mas vou primeiro passar em Roma para ver sua Igreja de perto, na volta eu lhe respondo."

O padre pensou: "pronto, perdi um fiel, quando ele vir a bagunça e a corrupção de Roma, já era."

O cara voltou e disse para o Padre: "Padre, quero me converter ao cristianismo." O padre ficou assustado e disse: "Muito bem, mas diga, meu filho, o que você viu em Roma?"

"Muita bagunça e corrupção. Se a sua Igreja consegue ficar de pé com tudo aquilo, deve ser por causa de uma força superior".

Sobre o ecumenismo romântico de JP II, acho que Bento XVI deu o tom que a coisa merece: "Defenderemos Cristo sempre".

Mas JPII foi o homem do século XX.

Abraço,
Pedro Erik

FireHead disse...

Obrigado pelos conselhos, foram-me bastante úteis.
Por mais que tente, a verdade é que, por muito podre a parte humana da Igreja possa estar, impossível é virar as costas a Cristo e à Sua Santa Mãe. De facto só mesmo uma assistência infalível divina é que consegue fazer com que a parte podre humana, seja da parte de dentro da Igreja como de fora, não consiga destruir a Igreja Católica. Não conseguiram no passado, não conseguem agora nem nunca hão-de conseguir.

Um abraço.

Pedro Erik disse...

De nada, grande Firehead.

Aprendi muito com você.

É isso, o inferno não prevalecerá sobre o Corpo de Cristo (Igreja)

E não se perturbe tanto com as dúvidas, inúmeros santos tiveram dúvidas. É rezar, como Madre Teresa de Calcutá fazia, quando entrava na escuridão, sem ver Deus.

Abraço,
Pedro

FireHead disse...

A propósito, assim que puder, dá um salto ao meu blogue de apologética: www.seibonokishi.blogs.sapo.pt :)

Grande abraço.