quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

As Passagens "Negras" da Bíblia

-

O quadro acima é de Hans Holbein (the younger) e faz um alegoria entre o Antigo e o Novo Testamento. Achei que era interessante como ilustração deste post que fala das passagens "negras" do Velho Testamento, passagens que falam de massacres e estupros, por exemplo. Estas passagens podem perturbar alguém que ler a Bíblia achando que o livro sagrado é isento da história humana, achando que Deus não leva em conta a condição cultural que o homem está inserido.

O próprio Cristo não se deteve e mudou uma lei de Moisés quando foi perguntado, sem diminuir a importância do Antigo Testamento. Ele mostrou qual é a direção que Deus quer que tomemos. Está em Marcos 10, 2-9 e fala sobre divórcio:

2. Alguns fariseus aproximaram-se de Jesus. Queriam tentá-l'O e perguntaram-Lhe se a Lei permitia a um homem divorciar-se da sua mulher.
3. Jesus perguntou: «O que é que Moisés vos mandou fazer?»
4. Os fariseus responderam: «Moisés permitiu escrever uma certidão de divórcio e depois mandar a mulher embora».
5. Jesus então disse: «Foi por causa da dureza do vosso coração que Moisés escreveu esse mandamento.
6. Mas, desde o início da Criação, Deus fê-los homem e mulher.
7. Por isso, o homem deixará pai e mãe,
8. e os dois serão uma só carne. Portanto, eles já não são dois, mas uma só carne.
9. Portanto, o que Deus uniu, o homem não o deve separar».

Levanto o assunto hoje depois que vi um post do grande Jimmy Akin, que escreve para o jornal National Catholic Register. E também tem um blog.

Akin está copilando e analisando várias dessas passagens. Mas ele começa pelo mais importante: expondo a posição da Igreja Católica sobre elas. Akin fala de um discurso do Papa Bento XVI sobre o assunto.

Aqui no blog, eu vou traduzir parte do que mostrou Akin ao analisar o texto do Papa, mas recomendo que acompanhe o blog de Akin para ler sobre as passagens.

Diz Akin:

Papa Bento XVI sobre as "passagens negras" da Escritura

Há certas passagens da Bíblia, sobretudo no Antigo Testamento, que são preocupantes. A questão de como estas devem ser interpretadas tem estado conosco por um longo tempo, e apologistas e estudiosos da Bíblia - para não mencionar Padres da Igreja e teólogos - fizeram muitas sugestões. 
Recentemente o Papa Bento forneceu algumas orientações. Aqui está o que ele tinha a dizer. . . 

Verbum Domini

O documento em que ele fez suas observações é intitulada Verbum Domini, que em latim significa "A Palavra do Senhor." 


O Plano de Deus se desdobra em Estágios 

Ao se referir às "passagens negras"das Escrituras, ele começou dizendo:  
42. Ao discutir a relação entre o Antigo e o Novo Testamento, o Sínodo também considerou essas passagens na Bíblia que, devido à violência e imoralidade que contém ocasionalmente, provam obscuras e difíceis. Aqui deve ser lembrado em primeiro lugar, que a revelação bíblica está profundamente enraizada na história. O plano de Deus se manifesta progressivamente e é realizado lentamente, em etapas sucessivas e, apesar da resistência humana. 

Em outras palavras, ao ler a Bíblia, temos que ter em mente a etapa particular do plano de Deus que uma passagem lida. Nós não podemos simplesmente pegar uma passagem ao acaso e afirmar que é uma expressão direta da vontade de Deus para todas as eras, ou para o nosso próprio tempo.Isto é o que o Papa Bento quer dizer quando ele salienta que a revelação bíblica "está profundamente enraizada na história" e que o plano de Deus "manifesta-se progressivamente ... em fases sucessivas."

Homem Resiste Plano de Deus 

Papa Bento também observa que o plano de Deus se cumpre ", apesar da resistência humana." 
Em outras palavras, os homens resistem plano de Deus, e isso tem deixado vestígios na Bíblia também. Portanto, se lemos uma passagem na Bíblia que nos alarma, pode ser um resultado da resistência do homem a Deus, não uma expressão da vontade suprema de Deus.

Plano de Deus 

Papa Bento XVI explica:Deus escolheu um povo e trabalhou pacientemente para orientar e educá-los.Em outras palavras, ele escolheu o povo hebreu em uma determinada fase do seu desenvolvimento cultural e moral e encontrou-los onde eles estavam.Ele não exigiu deles conformidade instantânea para a plenitude de sua vontade. Ele não pediu que eles fossem perfeitos da noite para o dia. 
Em vez disso, ele estava disposto a tolerar algumas das coisas que eles estavam determinados a fazer, pela dureza de seus corações, e no decorrer do tempo educá-los para um nível superior de compreensão e aceitação de sua vontade.
 

Segunda Fase 

A maioria das "passagens negras" está no Antigo Testamento, especialmente na Lei de Moisés (a fundação da nação) ou durante ou muito logo após a entrada de Israel na Terra Prometida (Josué, Juízes).Eles representam, portanto, "uma fase" de Deus para com os israelitas, quando ele ainda não tinha caminhado muito no caminho de compreender a plenitude de sua vontade. Como o Papa Bento XVI explica:No Antigo Testamento, a pregação dos profetas vigorosamente desafiou todo tipo de injustiça e de violência, seja coletivo ou individual, e, assim, tornou-se a maneira de Deus treinar seu povo, em preparação para o Evangelho. Papa Bento XVI nomeia assim "fase dois" do processo de Deus - o período dos profetas, em que Deus enviou mensageiros para denunciar a injustiça e violência e continuar a educar o seu povo em seus caminhos.Um exemplo clássico disso é o livro de Jonas, quando Deus envia o profeta para a cidade pagã de Nínive (agora Mosul, no Iraque moderno) para pregar contra isso. Quando o povo se arrependeu, Deus poupa a cidade, e isto chateou Jonas. Mas Deus lhe diz: "E eu não deveria ter pena de Nínive, a grande cidade, em que há mais de cento e vinte mil pessoas?" (Jonas 4:11) 
 

Terceira Fase 

Papa Bento XVI observa que os profetas fizeram seu trabalho como "a maneira de Deus treinar seu povo, em preparação para o Evangelho.  O Evangelho anunciado por Cristo representa, assim, o ponto final do programa de Deus da revelação.
 

Conclusão do Papa Bento XVI 

Papa Bento termina suas observações sobre as "passagens negras" da Escritura, dizendo: 
"Por isso, seria um erro negligenciar aquelas passagens da Escritura que nos parecem problemáticas.Ao contrário, devemos estar cientes de que a correta interpretação dessas passagens, exige um grau de conhecimento, adquirido através de um treinamento que interpreta os textos em seu contexto histórico-literário e na perspectiva cristã, que tem como chave hermenêutica final "do Evangelho e da mandamento novo de Jesus Cristo realiza-se no mistério pascal ". Eu encorajo os estudiosos e pastores a ajudar a todos os fiéis a aproximar essas passagens através de uma interpretação que permite que o seu significado a surgir à luz do mistério de Cristo."




2 comentários:

avmss disse...

Legal você ter postado esse tópico do Jimmy Akin. Como foi dito, não é só no Antigo Testamento que temos essas passagens meio "obscuras", por exemplo na Teologia do Corpo do Papa João Paulo II, explicado bem resumidamente numa palestra do Christopher West, ele mostra a interpretação do Santo Padre nas passagens de João que à primeira vista pareceriam bem machistas, mas na verdade são até bem românticas. Depois disso, eu comecei a ter uma ideia de que as Sagradas Escrituras são como um diamante bruto, que tem que ser bem lapidado para poder se apreciar seus brilhos e, claro, iluminar a vida de todos nós. Como disse o nosso Papa Bento XVI, não devemos negligenciar essas partes, pois bons frutos podemos tirar delas.
Abração!

Pedro Erik disse...

Valeu, avmss. Ótima informação sobre a Teologia do Corpo de JP II.

E você tem razão, as escituras são diamantes brutos, para entendê-las precisamos do Espírito Santo na Igreja.

Grande abraço, amigo.

Pedro Erik