terça-feira, 5 de agosto de 2014

Cristãos são Crucificados por não se tornarem Muçulmanos.


As fotos de crucificados no Iraque e na Síria são terríveis. Acima vai um exemplo que não é a pior foto. Se vocês quiserem vê-las, cliquem aqui.

Raymond Ibrahim, autor do livro Crucified Again (já falei deste livro algumas vezes aqui no blog, como aqui) , descreveu, no site Christian Post, os relatos feitos até ao Vaticano sobre a crucificação de cristãos sírios, porque eles se recusam a renegar a fé cristã e assumir o Islã.

Vou traduzir aqui parte do que disse Ibrahim:

De acordo com os meios de comunicação árabes, "uma freira síria declarou à agência de notícias do Vaticano que alguns cristãos em Ma'loula foram crucificados por se recusarem a se converter ao islamismo ou pagar jizya" (tributo a ser pago pelos cristãos para viverem em terras muçulmanas, estabelecido no Alcorão 9:29)

Aliás, eles foram crucificados por um grupo ligado à rede terrorista al-Qaeda, chamado Nasra Frente. 

Irmã Raghad, o ex-diretora da Escola Patriarcado em Damasco que atualmente reside na França, disse à Rádio Vaticano como ela testemunhou pessoalmente jihadistas aterrorizando Ma'loula, inclusive pressionando os cristãos a proclamar o credo do Shehada-Islam que declara que não há nenhum deus além de Allah e Maomé é seu mensageiro, que quando pronunciado diante de testemunhas muçulmanas transforma o declarante em um muçulmano, e sujeito a pena de morte por apostasia se mais tarde "renegar", retornando ao cristianismo.

De acordo com a freira, os cristãos que se recusaram a abraçar o Islã foram mortos de forma atroz e violentas que não podem ser descritas. Se você quer exemplos, eles crucificaram dois jovens em Ma'loula por se recusarem a proclamar credo do Islã, dizendo-lhes: "Talvez você queira morrer como o seu mestre [Cristo] em quem você acredita. Você tem duas opções: ou proclama o Shehada ou então será crucificado. Um deles foi crucificado diante de seu pai, que também foi morto". 

Não está claro se os jovens mortos fazem parte de um grupo de três cristãos que se recusaram a aceitar o Islã e foram mortos em Ma'loula.

Os três foram declarados mártires pela Igreja Síria Greco Católica, ou como o Patriarca Gregório III explicou ao Papa Francis em uma reunião:. "Santo Padre, eles são verdadeiros mártires, obrigados a renegar sua fé, eles orgulhosamente recusaram. Outros três, no entanto, foram forçados a declarar-se muçulmano, mas depois voltaram para a fé dos seus antepassados ​​". 

O fato é que a crucificação é uma forma de punição prescrita no Alcorão (5:33) e ocorre em todo o mundo islâmico com muito mais freqüência do que se imagina. Há casos descritos no Iraque em 2008, Costa do Marfim em 2011, Egito em 2012 e Iêmen também em 2012.

Se alguém investiga a história islâmica, observa-se que crucificações eram extremamente comuns. Por exemplo, o livro Witnesses For Christ: Orthodox Christian Neomartyrs of the Ottoman Period 1437-1860 listas crucificação como uma das formas de execução de muitos milhares de cristãos pelos turcos muçulmanos. 

E em seu livro de memórias, Ravished Armenia, Aurora Mardiganian descreveu como no início do século XX, na cidade de Malatia, ela viu 16 meninas serem crucificadase serem devoradas pelos urubus.

Prescritas no próprio Alcorão, crucificações são tão antigas quanto o Islã e, com o renascimento mundial do Islã, estão retornando com maior frequência. E, embora seja mais politicamente correto  informar sobre jihadistas crucificando outros terroristas jihadistas, o fato é que muitos cristãos inocentes estão sendo crucificado novamente, incluindo simplesmente por se recusarem a abraçar o Islã e não quererem renunciar a Cristo.

--- 
Salvem os mártires da Síria e do Iraque! Que Deus os glorifiquem no céu.

E que a própria Igreja Católica entenda a guerra que o mundo está vendo e deixe a diplomacia pecaminosa que só acelera as mortes de mais mártires.

Rezemos por nós, e por aqueles que ainda enfrentam a perseguição religiosa muçulmana.


(Agradeço o texto de Ibrahim ao site do padre Z)

6 comentários:

Duddu Pontes disse...

Obrigado por compartilhar, Pedro!
Saiba que constantemente reproduzo em meu facebook os links aqui do seu blog, no intuito de alertar meus amigos sobre a verdadeira face do islã!

Vou incluir esses novos mártires nas minhas orações noturnas e pedir que eles intercedam ao bom Deus para que perdoe nossos pecados e nossa covardia de, ao contrário deles, muitas vezes renegar nossa fé diante de coisas tão mais fáceis de enfrentar!

Abraco!

Pedro Erik disse...

Muito obrigado, Duddu, por divulgar o blog. É muito bom saber que os posts são divulgados no Facebook.

Que lindos mártires estes da Síria e do Iraque, enfrentando bestas humanas usando o amor a Cristo. Será que seríamos capazes de fazer o mesmo?

Abraço,
Pedro Erik



Anônimo disse...

Realmente, os cristãos estão sendo caçados e assassinados. A dor que sinto ao ver tanta barbárie talvez já seja do tamanho da dor de ver o Papa Francisco permanecer mudo diante de tanto horror. Por que se cala? Por que não usa seu prestígio para defender os cristãos? Jesus Cristo nunca se omitiu, por que se omite o Papa? Ele já defendeu os gays, os muçulmanos, os evangélicos...e não pode defender os cristãos, como Papa que é? Ou não é?
É preocupante, pra dizer o mínimo, a atitude dele. É triste!
Mara

FireHead disse...

E depois ainda há quem insista em dizer que os muçulmanos não são assim e que andamos todos com a mania da perseguição!

Esta notícia é importante demais para passar ao lado. Vou falar disto no meu blogue. Obrigado.

Abraço.

Pedro Erik disse...

É verdade, Mara, é estarrecedor ver o silêncio do Papa.
Creio que a história não o perdoará.
Rezemos por nossos irmãos cristãos.
Abraço
Pedrt Erik

Pedro Erik disse...

Ok meu amigo, Firehead.
Abraço
Pedro Erik