domingo, 22 de janeiro de 2012

A Ciência e o Homossexualismo: Será o Gay Determinado pela Biologia?

-


Será que uma pessoa é homossexual porque a sua formação biológica determinou? Isto é, a pessoa já nasce homossexual por causa de fatores genéticos?

É sobre este assunto e muitos outros mais sobre ciência e homossexualismo que o psicólogo Stanton Jones trata. Ele escreveu um ensaio para revista First Things (foto da edição da revista acima) resumindo o que a ciência sabe sobre homossexualismo, apesar de ser um assunto proibido em muitas universidades. É um texto excelente.

O texto de Jones se chama Same-Sex Science (A Ciência da Atração Sexual pelo Mesmo Sexo).  Para ler todo o texto de Jones, cliquem aqui. Vou traduzir algumas partes (em azul).

Primeiro Jones ataca dois mitos: um conservador e outro dos esquerdistas:

Muitos conservadores religiosos e sociais acreditam que a homossexualidade é uma doença mental causada exclusivamente por fatores psicológicos ou espirituais e que todas as pessoas homossexuais podem mudar sua orientação se eles simplesmente se esforçar o suficiente. Estas visões são amplamente criticadas (e com razão) como ambas erradas sobre os fatos e prejudiciais em vigor. Mas poucos que atacam estão dispostos a reconhecer que, hoje, há um totalmente diferente, muito mais influente e não menos prejudiciais conjunto de falsidades, por vezes atribuídos aos achados da "ciência", domina a literatura de pesquisa e discurso político.

Dizem-nos que as pessoas homossexuais são tão psicologicamente saudável quanto os heterossexuais, que a orientação sexual é determinada biologicamente ao nascer, que a orientação sexual não pode ser mudado e que a tentativa de mudá-lo é necessariamente prejudicial, que as relações homossexuais são equivalentes aos dos heterossexuais em todas as características importantes, e que a identidade pessoal é adequada e legitimamente constituídos em torno da orientação sexual. Estas alegações são tão equivocada quanto as crenças ridicularizadas de alguns conservadores sociais, pois  brotam de representações distorcidas ou incompletas das melhores descobertas da ciência da atração pelo mesmo sexo.

Depois, ele mostra como a pesquisa ciêntífica evoluiu desde o começo do século XX:

Até as primeiras décadas do século XX, a desaprovação moral de "sodomia" guiou as políticas públicas, mas foi deslocada por um modelo psiquiátrico que considerou o homossexualismo como uma doença mental. Uma vez que a homossexualidade passou a ser visto não como um pecado, mas como uma doença, tornou-se uma simples questão para a ciência social para derrubar a oposição a atos homossexuais.

Mas o golpe decisivo para a interpretação mental-doença da homossexualidade veio de um único estudo, em 1957. Psicóloga Evelyn Hooker publicou resultados que demonstrou de forma convincente que as pessoas homossexuais não necessariamente têm desajuste psicológico manifesto.

Em seguida, Jones mostra os grandes problemas da pesquisa científica sobre homossexualismo:

Para evitar mal-entendidos sobre o fenômeno da homossexualidade, devemos lidar com o calcanhar de Aquiles da investigação científica sobre a condição homossexual: a questão da representatividade da amostra. Para fazer caracterizações gerais, como "os homossexuais são tão emocionalmente saudáveis ​​como heterossexuais", os cientistas devem analisar um número representativo do grupo de homossexuais. Mas amostras representativas das pessoas homossexuais são difíceis de reunir, em primeiro lugar, porque a homossexualidade é um fenômeno estatisticamente incomum.
A síntese de uma pesquisa recente por Gary Gates, do Instituto Williams, um think tank na UCLA Escola de Direito dedicado à orientação sexual-lei e de políticas públicas, sugere que entre os adultos nos Estados Unidos, Canadá e Europa, 1,8 por cento são homens e mulheres bissexuais, 1,1 por cento são homens gay, e 0,6 por cento são lésbicas. Esta raridade faz com que seja difícil encontrar participantes para estudos de pesquisa, levando os pesquisadores a estudar grupos fácil de acessar, que pode não ser representativa da população em geral homossexuais. Adicione a isso a dificuldade de definição de homossexualidade, de estabelecer limites sobre o que constitui a homossexualidade (com pessoas entrando e saindo do armário), e das percepções deslocando do social conveniência de abraçar o rótulo de identidade gay ou lésbica, e a dificuldade de saber quando se está estudando uma amostra verdadeiramente representativa de pessoas homossexuais se torna claro

Com essas dificuldades em mente, Jones fala dos resultados mais reconhecidos:

1)  Para a a afirmação de que o gay é tão saudável quanto o heterossexual:

Um dos estudos mais exaustivo já realizado, publicado em 2001 no American Journal of Public Health e dirigido por pesquisadores da Harvard Medical School, conclui que a orientação "homossexual está associada a uma elevação geral de risco para a ansiedade, humor e uso de substâncias e transtornos de pensamentos e planos suicidas. " Outros estudos mais recentes encontraram correlações semelhantes, incluindo análises da Holanda. Depressão e abuso de drogas são encontrados para ser em 20-30 por cento média mais prevalente entre pessoas homossexuais. Jovens manifestando atração pelo mesmo sexo informam de pensamentos suicidas e tentativas de suicídios em taxa de duas a três vezes maiores que os outros adolescentes. Indicadores similares de menor saúde física emergem nessa literatura.

2) Sobre o impacto do preconceito social sobre os gays:

A correlação entre o estigma social e problema psicológico é real, mas a análise  empírica para o primeiro influindo sobre o segundo ainda tem que ser feita. Isso não impediu aqueles que defendem que há um preconcento anti-gay. Isto levou à criação de uma nova terminologia: Não importa o quão congruente com a evidência científica, qualquer crença que a homossexualidade não é uma variante normal e positiva da sexualidade humana é uma manifestação de "homofobia" e "heterossexismo", um sintoma da destruição " narrativas de normatividade "

3) Sobre a determinação biológica do homossexualismo

A homossexualidade é determinada biologicamente ao nascer? Uma compreensão abrangente está se instalando na cultura ocidental que a orientação homossexual, orientações de fato toda e qualquer sexual, tem sido comprovada pela ciência para ser um dado da pessoa humana e enraizado na biologia. Por que essa mentira, que a homossexualidade tem sido provado ter um exclusivamente fator biológico é importante? É a base para afirmar que a orientação sexual é o mesmo tipo de característica como a raça ou cor, que tornou-se, por exemplo, a metáfora fundamental no impulso para o direito de casar com alguém do mesmo sexo.

Uma razão para se acreditar que a homossexualidade é causada por fatores biológicos é a suposta falta de alternativas críveis.

Mas há, de fato, muitos estudos e um monte de provas reais sobre alternativas para explicar o homssexualismo. Estudos recentes mostram que família, cultura e outros fatores ambientais contribuem para a atração pelo mesmo sexo. Famílias desestruturadas, pais ausentes, mães mais velhas, e nascendo e vivendo em ambientes urbanos todos são associados com a experiência ou atração homossexual. Além disso, abuso sexual na infância, recebeu recentemente validação empírica significativa como um contribuinte parcial de um estudo de trinta anos sofisticados longitudinal publicado no Archives of Sexual Behavior. Claro, que essas variáveis ​​no máximo explicam parcialmente a experiência mais tarde homossexuais, e a maioria das crianças que sofreram algum ou todos abusos podem crescer heterossexual, mas os efeitos são muito reais.

4) Como bom cientista, Jones não descarta completamente os fatores biológicos, diz que os resultados até agora são muito falhos e no máximo apontam para uma influência muito pequena no homossexualismo. Conclui dizendo:

Em contraste com a arrogância daqueles propensos a fazer pronunciamentos enfáticos, o que nós ainda não sabemos sobre a causa da orientação sexual é muito maior do pouco que estamos começando a conhecer. E o fato de que a causalidade é sem dúvida um complexo e misterioso subproduto da interação de variáveis ​​biológicas e psicológicas confunde a afirmação de que a orientação sexual é como a cor da pele, determinada no momento do nascimento ou mesmo da concepção. E contrário às sugestões de alguns, o envolvimento de alguma influência biológica não prova que a mudança na orientação sexual é impossível. 

5) Pode um Gay deixar de ser Gay? Sim, é resposta de Jones.

Com Mark Yarhouse da Regent University, eu recentemente estudei pessoas que procuravam mudar sua orientação sexual. Avaliamos a orientação sexual e os níveis de angústia psicológica de 98 indivíduos (72 homens, 26 mulheres) tentando mudar sua orientação sexual através de religiosos  organizados sob a Exodus International, começamos no início do processo e acompanhamos-los ao longo de seis a sete anos. Nossos achados originais dos achados foram publicado em um livro intitulado Ex-Gays;? A última pesquisa no Journal of Sex and Marital Therapy.

Dos 61 indivíduos que completaram o estudo, 23 por cento relataram o sucesso em forma de "conversão" à orientação heterossexual e funcionamento, enquanto 30 por cento relataram que eles eram capazes de viver na castidade e tinham reduzido a orientação homossexual como forma de identificação pessoal. Por outro lado, 20 por cento relataram desistir e abraçar plenamente a identidade homossexual, e os restantes 27 por cento continuou o processo de mudança tentado com sucesso limitado e insatisfatório.  

Concluo que a orientação homossexual é, ao contrário do suposto consenso, por vezes mutáveis. "A homossexualidade" é um fenômeno multifacetado, há provavelmente muitas homossexualidades, com algumas talvez mais maleáveis do que outras. Nem todas as intervenções são os mesmas, nem todos os profissionais são igualmente qualificados.

6) Relacionamento Homossexual.

Relacionamentos gays masculinos são 50 por cento mais propensos a acabar que os casamentos heterossexuais, enquanto as relações lésbicas são 167 por cento mais propensos a ter fim do que casamentos heterossexuais.

Gostei bastante do texto de Jones, lúcido e serve como fonte de inspiracão para que todos tenham uma atitude de amor para compreender os homossexuais e também de esperança para aqueles que querem deixar de ser homossexuais. Além disso, o texto mostrou as dificuldades científicas tanto para conseguir uma amostra confiável de análise, como para driblar os preconceitos imbutidos nas próprias universidades e meios científicos.

A conclusão geral para mim é que: homossexualismo é bastante complexo, possui explicação mais forte em fatores familiares e sociais, mas pode existir alguma contribuição mesmo que ínfima em fatores biológicos. Não se pode generalizar. Além disso, o relacionamento homossexual é muito mais instável e o homossexualismo não é imutável.


(Agradeço a indicação do texto ao site Catholic Culture)

Um comentário:

Osvaldo Aires disse...

CHEGAMOS AO FIM?!
http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com.br/2013/03/chegamos-ao-fim-realmente-e-um-absurdo.html