sábado, 28 de janeiro de 2012

Como Pensa um Louco e Como Argumentar com Ele.

-

Chesterton responde o que se deve fazer quando se discute com um louco. O louco aqui não é apenas uma pessoa com problemas mentais, mas alguém muito comum em nossas universidades. Aquele que chega no dia de discutir um livro na sala sem ler o livro mas quer ter um opinião brilhante sobre o assunto. Ele geralmente começa dizendo: "não li, mas eu acho...". São aqueles que têm uma simples explicação para tudo. Por exemplo, eles dizem que os capitalistas são ladrões ou que os judeus são cruéis ou que a religião é o ópio do povo. Este louco pode até ser uma pessoa inteligente e seus argumentos podem apresentar lógica, mas não explicam nada.

Na internet o que mais se vê são argumentos fracos e muito mal escritos. Mas muitas vezes aparecem argumentos desses loucos. O cara começa com uma frase forte, atacando alguém, e quando vai justificar seu argumento, usa frases curtas, desconexas e ainda usa reticências e coloca interjeções do tipo, ha ha, he he e símbolos mostrando rostos zangados ou tristes.


Chesterton ensina no livro Ortodoxia o que se deve fazer se for obrigatório discutir com este tipo. Este livro mudou meu modo de pensar. Eu não conseguiria dizer o quanto recomendo este livro. Agradeço ao blog Canterbury Tales por selecionar as partes sobre os loucos. Vamos ao que diz Chesterton (em azul):

Se você for discutir com um louco, é extremamente provável que você leve a pior, pois em muitos aspectos a mente do louco se move mais rápido porque não é atrasada por as coisas que são do bom senso. Ele não é prejudicado por um senso de humor ou pela caridade, ou pelas certezas da experiência da vida. Ele é mais lógico pois não tem apego a sanidade. O louco não é o homem que perdeu a razão. O louco é o homem que perdeu tudo exceto a razão.
    
Explicação do louco de uma coisa é sempre completa, e muitas vezes num sentido puramente racional, satisfatórias. Ou, para falar de forma mais rigorosa, a explicação insana, se não for conclusiva, é pelo menos incontestável, o que pode ser observado especialmente nos dois ou três tipos mais comuns de loucura.

    
Se um homem diz (por exemplo) que os homens têm uma conspiração contra ele, você não pode contestá-la, exceto por dizer que todos os homens negam que são conspiradores, que é exatamente o que os conspiradores fariam. A explicação do louco abrange os fatos, tanto quanto a sua. Ou se um homem diz que ele é o legítimo Rei de Inglaterra, não há nenhuma resposta completa para dizer que as autoridades existentes o chamam de louco, pois se ele fosse o rei da Inglaterra esta seria a coisa mais sábia que as autoridades existentes podeiam dizer. Ou se um homem diz que ele é Jesus Cristo, não é resposta para lhe dizer que o mundo nega a sua divindade, pois o mundo negou Cristo ...

    
... A mente de um louco se move em um círculo perfeito, mas estreito. Um pequeno círculo é tão infinito como um grande círculo, mas, embora seja tão infinito, não é tão grande ... A teoria do lunático explica um grande número de coisas, mas não as explica de uma forma geral. ..

    
... Se pudéssemos expressar nossos mais profundos sentimentos de protesto e apelo contra a obsessão do louco, suponho que deveríamos dizer algo como isto: "Oh, eu admito que você tem o seu caso e tê-lo de cor, e que muitas coisas se encaixam outras coisas como você diz. Admito que a sua explicação explica muita coisa, mas deixa uma grande quantidade de coisa fora! Você acha que não há outras histórias no mundo, exceto a sua, e são todos homens ocupados com a sua lógica? Suponha que nós concedessemos os detalhes, talvez quando o homem da rua não parecia vê-lo foi apenas a sua astúcia, talvez quando o policial lhe perguntou o seu nome foi apenas porque ele já sabia. Mas quanto mais feliz você seria se você soubesse que essas pessoas não se importavam nada com você! Quanto maior a sua vida seria se você pudesse realmente olhar para outros homens com curiosidade e prazer comum, se você pudesse vê-los andando como estão no seu egoísmo e sua indiferença! Você poderia começar a se interessar por eles, porque eles não estavam interessados ​​em você. Você iria sair desse teatro pequeno e de mau gosto em que o seu enredo próprio pequeno está sempre sendo jogado e você iria encontrar-se sob um céu mais livre, em uma rua cheia de estranhos esplêndidos. "
 

Curar um louco não é discutir com um filósofo, mas expulsar um demônio.

Isto é apenas uma palhinha do livro Ortodoxia. Leiam.

3 comentários:

FireHead disse...

Grande Chesterton. :)

Eduardo R. V. disse...

Há livros de Chresterton traduzidos para português?

Pedro Erik disse...

Há sim, Eduardo. Pelo menos dois"Ortodoxia" e "Heresias" eu vejo em qualquer boa livraria.

Abraço,
Pedro