quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Vaticano discute Conversão do Islã para Cristianismo

-

Durante o sínodo de bispos que ocorreu este mês, o cardeal Peter Turkson (foto acima) de Gana divulgou um vídeo (mostro vídeo abaixo) que mostra que o Islã está dominando a Europa demograficamente e culturalmente. Isto acabou alimentando uma discussão sobre a dificuldade de converter muçulmanos em países islâmicos. Vários bispos falaram sobre o assunto.

Destaco o que falaram alguns bispos.

O site Chiesa Espresso  disse que o primeiro a falar foi o bispo Louis Pelâtre de Istambul (Turquia). Ele disse (traduzido por mim):

"Em determinadas circunstâncias o anúncio de Jesus Cristo também é possível., O Catecismo da Igreja Católica foi traduzido em publicações turcas, assim como outras. A geração jovem aprende sobre a fé através da internet. Não temos acesso a praticamente nenhuma rádio pública ou canais de televisão,  contudo podemos usar essas redes privadas usadas mais evangélicos do que pelos católicos. Temos  necessidade de trabalhadores bem preparados e qualificados para a colheita que nos espera. Este apostolado específico não pode ser satisfeito pela boa vontade e improvisação."

O jesuíta Paul Desfarges, bispo de Constantino, e de Hippo antiga cidade de Santo Agostinho, na Argélia,  observou que diálogo islâmico-cristão é realmente posto à prova hoje "por causa da correntes fundamentalistas ", mas também" por causa de uma situação nova, feita de alegria e de sofrimento." Ele disse:

"Em alguns dos nossos países, nós fomos agraciados com um número de fiéis vindos de famílias muçulmanas. Geralmente, eles estavam se questionando internamente por um longo tempo. Estes novos discípulos são muitas vezes rejeitados pela própria família ou deve ser muito discretos. Com o tempo, no entanto, eles descobrem que sua história espiritual com Deus começou antes de sua conversão e o Espírito havia guiado através desta ou de outra pessoa muçulmana de seu fundo que encarnou os valores espirituais e humanos. Esses discípulos nos lembram que o diálogo da vida está no centro do testemunho do Evangelho. "

O Patriarca Maronita Bechara Boutros Rai, que reside no Líbano, disse:

"A evangelização é praticada nos países árabes de uma maneira indireta, em outras palavras, as escolas católicas, universidades, hospitais e instituições sociais pertencentes às dioceses e ordens religiosas abertas para os muçulmanos, bem como cristãos. Evangelização indireta é acima de tudo, praticada através de meios de comunicação social, especialmente os católicos, que transmitia as celebrações litúrgicas e vários programas religiosos. Nós gostaríamos de apontar algumas conversões secretas por muçulmanos ao cristianismo. "

O arcebispo Joseph Absi, de Damasco notou que a "abertura de alguns muçulmanos ao cristianismo, sem dúvida, é ajudada pelos meios de comunicação, alguns deles descobriram em Cristo o rosto amoroso de Deus Pai ". Mas:

 "Os muçulmanos não vêem  diferença entre cristãos e ocidentais, porque eles não fazem distinção entre o que é religioso e o que é político e social. O que os ocidentais fazem é percebido como sendo feito por cristãos. O comportamento ocidental, especialmente no nível cultural e política, e de uma forma geral, prejudica a sensibilidade religiosa e nacional dos muçulmanos, seus valores, sua ética e sua cultura. Conseqüentemente, este constitui um obstáculo para a sua abertura ao cristianismo e a sua evangelização possível ".


Em entrevista à Rádio Vaticano, o cardeal Jean-Louis Tauran, presidente do Pontifício Conselho para o diálogo inter-religioso, reiterou que "o grande problema reside no fato de que em países onde a lei islâmica é a da maioria, nenhum muçulmano aceita que a liberdade de mudar de religião ou de escolha deva ser inscrita em um texto legal. "

De todas as falas as mais contundentes são as do arcebispo Absi e as do cardeal Tauran. Faltou, no entanto, entre os bispos, citar o próprio Alcorão, que proíbe e condena a conversão do Islã. Quem se converte vira inimigo de Alá (Suras 2:217 ou 16:106-109).  Tauran deixou isto mais ou menos evidente quando citou que se um país adota a lei islâmica (Sharia) não é mais possível a conversão legalmente.

Com relação ao vídeo do cardeal  Turkson, isto trouxe bastante controvérsia pois alguns números apresentados sobre a demografia da Europa não estão corretos. O cardeal pediu desculpas por isso, mas disse que o vídeo era apenas para alimentar o debate.

Vejam vídeo apresentado pelo cardeal Turkson abaixo:



A BBC resolveu fazer um análise dos números apresentados pelo cardeal. E foi feito um vídeo no youtube do que disse a BBC, chamado A Demografia Muçulmana - A Verdade. Vejam este vídeo abaixo:



Eu, que trabalho com números econômicos, desconfio de todas as bases de dados. Conheço como elas são feitas. Então não se pode garantir nem os números mostrados pelo cardeal nem pela BBC.

No entanto, não se pode negar o avanço islâmico na Europa, tanto em termos demográficos, como culturalmente, inclusive pelo grande aumento nas construções de mesquitas.

Por que nós cristãos não podemos fazer o mesmo nos países islâmicos, construir nossas igrejas e procurar converter abertamente os muçulmanos? Porque o Alcorão não permite, seria a resposta mais simples, mas nós não devemos aceitar este comando do Alcorão. Cristo deve ser levado a todos para a salvação deles.



Um comentário:

FireHead disse...

Porque o Ocidente apostatou e abraçou o relativismo/marxismo cultural, amigo.