segunda-feira, 31 de março de 2014

Que tal Estado Único para Israel vs. Palestina? Apenas Israel.


Quero ver algum líder político defender isso! Será atacado de forma visceral, aniquilado pela mídia global. Carolina Glick, editora do jornal The Jerusalem Post, no livro The Israeli Solution, propõe que a única solução possível, que gerará paz, entre Israel e Palestina é um estado único israelense e não dois estados (Israel e Palestina) como propõem todos (os dois partidos americanos, a ONU, a mídia, etc.).

Em um debate, Caroline se juntou a Robert Spencer (especialista em Islã, autor de inúmeros livros sobre o Alcorão) e Raymond Ibrahim (também especialista em Islã, autor de Crucified Again, e que tem a qualidade de entender árabe, por isso pode ler o que os muçulmanos dizem entre eles).

O vídeo do debate vai abaixo. Não vou traduzir tudo por que não tenho tempo. Vou colocar aqui apenas o ponto central da argumentação de cada um.

Caroline Glick foca sua crítica na solução "dois estados", defendida tanto pelo partido Republicano de George Bush, como pelo partido Democrata de Barack Obama. Diz que a presença de Israel é a grande garantia de segurança na região, é o único estado democrático. E que os palestinos nunca reconhecerão um estado israelense.

Raymond Ibrahim foca sua análise na hipocrisia da mídia. Ele aponta que a narrativa da imprensa mundial é defender os palestinos pois eles sofreriam opressão de Israel, ele seriam os "under dogs" (ppobrezinhos) cuja única solução é enfrentar o império perverso israelense. Ibrahim levanta a questão da perseguição aos cristãos feita pelos muçulmanos. A mídia não quer tratar desta perseguição pois ela não se encaixa na narrativa. Se a mídia fosse tratar desta perseguição, o público juntaria os fatos e veria que os ataques palestinos a Israel também não podem ser justificados pela opressão.

Robert Spencer foca seu discurso no que ocorreu com Gaza e no diz o Alcorão. Quando Israel liberou a Faixa de Gaza para os palestinos, a mídia dizia que iria ocorrer paz na região, que os muçulmanos iriam se dedicar a suas vidas e não em atacar Israel. Nada disso ocorreu, os palestinos usam a região para atacar Israel regularmente e a paz continua distante (sem falar que os palestinos brigaram entre eles pelo poder e expulsaram uma parte para Cisjordânia). Sobre o Alcorão, Spencer diz que o livro é claro no fato de que os muçulmanos devem atacar e expulsar os judeus sempre que os verem (verso 2:191). Spencer também critica o governo americano e lembra que Obama declarou que quer uma palestina "contígua". Isso significaria que Israel seria separado em duas partes.

Há muito mais dito no vídeo. É bem interessante para o debate sobre este conflito milenar.





(Agradeço o vídeo ao site Jihad Watch)

2 comentários:

Duddu Pontes disse...

Boa noite, amigo!

Acho esse assunto bem interessante, atual e relevante! Já fui mais partidário do estado palestino, hoje, depois de estudos e leituras(muitas delas tiradas daqui desse excelente blog) já não vejo os muçulmanos como antes, entretanto, fico penalizado com a situação do povo palestino de maneira geral!

Se você tivesse oportunidade de sugerir uma solução, Pedro, o que você proporia?

Abraco!

Pedro Erik disse...

Caro Duddu,

Eu não tenho a solução para o conflito e acredito que ninguém tenha. Mas acho que qualquer solução passa pelo abandono de grandes partes do Alcorão por parte dos muçulmanos.

Abraço,
Pedro Erik