quinta-feira, 8 de maio de 2014

Igreja Católica ou Partido Católico? ou o "Positivismo Papal"


Partido político, em geral, é uma máfia, já dizia Santo Agostinho em Cidade de Deus. Como máfia, não se pode questionar as decisões do "padrinho". A Igreja Católica não pode ser como um partido político. Deve-se sim questionar decisões, textos, encíclicas etc dos papas, cardeais, bispos, padres..

Michael Dougherty, não lembrou Santo Agostinho, mas argumentou que a Igreja Católica não é um partido político em um excelente texto publicado no The Week.

Dougherty faz uma crítica a um blogueiro muito bom, chamado Jimmi Akin, que sempre leio mas que piorou muito depois da eleição do Papa Francisco, pois está ultrapassando limites lógicos e teológicos para defender o Papa Francisco.

Vou traduzir aqui parte do texto de Dougherty, em azul:

Papa Francis tem um jeito engraçado de nomear e envergonhar certas tendências na igreja, usando insultos que são inventivos, gerando confusão. Seu ouvido está afinado para a forma como a fé católica pode ser distorcida pela ideologia. E eu gostaria de imitar o seu exemplo, quando eu digo isto: A maioria dos católicos são completamente despreparados para um papa perverso. E eles podem não estar preparados para o Papa Francisco também. Eles são mais leais a um partido católico imaginado que para a fé católica ou a Igreja.

Especulações teológicas do pontífice romano são de quase nenhum interesse para os católicos ao longo da história, e nunca se tornaram assim a menos que ele fosse um grande teólogo, ou houvesse uma grande controvérsia que a autoridade da Igreja Romana pudesse resolver. Para a média de centenas de católico que vivem quilômetros de Roma, a fé era a fé, se o papa era zelosamente ortodoxo como São Bento II ou um criminoso sexual como o Papa João XII.

Durante as revoltas contra Vaticano II na década de 1970, 80 e 90 , os católicos conservadores desenvolveram uma arquitetura mental que lhes disse que, mesmo se o seu pároco ou bispo local fosse negligente, imoral ou mesmo vagamente herético, havia praticamente um santo vivendo em Roma, cuja ortodoxia era inatacável, tinha carisma pessoal, e boas obras. A solidez da mensagem que vem de Roma tem sido por muitos católicos a experiência prática dessa verdade sobre a igreja.

A quase onipresença que o papado moderno alcança através da mídia me faz me preocupar que a instituição do papado já devia estar em grave crise, se não fosse pela capacidade incomum teológica de Joseph Ratzinger, primeiro como cardeal e depois como papa Bento XVI , na qualidade de um balastro. A mídia moderna , especialmente a mídia católica moderna, trouxe o papa em nossas casas, através do rádio, na televisão e em nosso mundo da mídia de nicho. Ele está no navegador de muitos católicos a cada dia. E a mídia conservadora católica baseia-se fortemente sobre o papel imaginativo inflado do papado, como tablóides britânicos contam com a realeza. A pompa , mistério e fama ligada ao escritório são uma ótima maneira de vender revistas , recebendo cliques, ou captação de recursos. Ele é a celebridade mundial que representa o " nós". Ele é a razão da Fé.

Quando você adiciona a isso o fato de que a formação cultural dos católicos mais engajados é principalmente o combate ideológico de facções políticas e culturais, tendem a tratar o papa como seu " líder do partido ", e para o tratamento do "mundo" como um opositor. É difícil descrever como distorcida esta imagem mental é a verdadeira fé, mas alguns exemplos podem bastar.
Olhem, por exemplo, para a reação dos católicos conservadores ao telefonema do papa para Jaquelina Lisbona, uma mulher na Argentina civilmente casada como uma divorciada, em que Francisco supostamente aconselhou-a a ignorar praticamente a doutrina da Igreja sobre o divórcio, o adultério , confissão e comunhão.

Phil Lawler em Cultura Católica especulou , "Por tudo que sabemos, ela e seu marido estão agora a viver como irmão e irmã, caso em que não haveria nenhuma razão para que ela não poderia continuar a receber os sacramentos." 

Jimmy Akin lembrou aos seus leitores no National Catholic Register que o papa tem o poder de agir como chefe legislatura da igreja e executar juízos de imediato, e assim, portanto, ele poderia anular o primeiro casamento e radicalmente sancionar o segundo, tudo isso poderia ser feito por telefone. Se tivesse feito isso, o Papa teria eliminado todo o processo jurídico da igreja, minando a fé na disciplina da Igreja. 


Deixe-me sugerir que estes dois homens bons católicos estão agindo não como homens de igreja, mas como os homens do partido, e caindo em que Hillary Jane White apropriadamente diagnosticou como "positivismo papal." Lawler e Akin não está sozinhos. 

Membros do Partido e membros da igreja não são iguais em tudo. Partido pede aos seus membros que minimizem e expliquem supostas contradições entre um dirigente partidário e o próximo, para ocultar desvios pelos líderes partidários da plataforma do partido. Crimes de membros do partidos são tratados como muito menos graves do que os do partidos de oposição.

Ao contrário de um partido, a igreja já sabe o resultado da sua eleição; o reino abençoado, e não o maldito. A igreja já tem a vitória. E assim a Igreja e seus fiéis não dependem da justiça do papa. O papado e a Igreja dependeM da justiça de Cristo. A fé católica ensina que o papa tem o mesmo dever de manter-se constante na fé como nós, o Espírito Santo não o transforma em máquina após a sua eleição. Se ele mente, devemos repreendê-lo na caridade. Se ele falhar em alguma coisa, devemos ajudá-lo. Ele não é apenas o católico mais importante, ele é nosso irmão.

O Partido Católico eclipsando a Igreja Católica tem um efeito de distorção na percepção do mundo também. Se os mais altos e mais proeminentes membros ortodoxos da Igreja nos meios de comunicação tratam o papa como um líder do partido e são tão rápidos em racionalizar as enormes mudanças na prática da fé ao longo dos últimos 50 anos, por que eles deveriam ficar surpresos quando o mundo concebe as doutrinas e dogmas da Fé como plataformas de partidos, mutáveis, que deveriam ser atualizadas?

Como a igreja poderia possivelmente honrar os mártires ingleses como St. Thomas More, se eles morreram apenas por uma "política de partido", e não por uma verdade sobre os sacramentos?

Se o Papa aprovar [a mudança no sacramento do casamento para favorecer os divorciados que se casarem novamente, algo proibido pelo próprio Cristo], será tempo para os membros da Igreja Católica se levantarem e afirmarem aos seus prelados um gosto do sensus fidelium [que não depende do que pensa a maioria]

--
Sensacional artigo. Nada a acrescentar.

Rezemos pela Igreja.

(Agradeço o texto ao site Big Pulpit)

6 comentários:

FireHead disse...

Sensacional mesmo. Vou colocá-lo no meu blogue também. Obrigado.

Abraço.

Pedro Erik disse...

Ok. Firehead.

Como eu costumo dizer, citando a fonte todos podem copiar a vontade meus posts. E você é especial tem um ótimo blog.
Abraço
Pedro Erik

Pedro Erik disse...

Rezemos e lutemos pela Igreja, meu caro Leonardo. Fazendo isso lutamos por nossas almas

Abraço
Pedro Erik

Anônimo disse...

Lutero tambem foi tomado por esse espirito de critica!

Pedro Erik disse...

Caro Anônimo,

Você poderia lembrar também de Santa Catarina de Siena e do próprio São Paulo que criticaram fortemente os papas.
Abraço
Pedro Erik

FireHead disse...

Se passa pelo meu blogue, aproveite para ler as duas entradas antes deste texto que transcrevi do teu blogue. Pode ser que estejas de acordo comigo.

Abraço.