sexta-feira, 9 de maio de 2014

Manifesto nos EUA: Salvem os Cristãos do Oriente Médio!


Cristãos dos Estados Unidos divulgaram ontem um Manifesto pedindo o fim da perseguição aos cristãos no Oriente Médio. O Manifesto se chama Pledge of Solidarity & Call to Action on Behalf of Christians and Other Small Religions Communities in Egypt, Iraq and Syria (que poderia ser traduzido por Manifesto de Solidariedade e Chamada de Ação em Nome dos Cristãos e Outras Comunidades Religiosas no Egito, Iraque e Síria).

O Manifesto é assinado por dezenas de líderes cristãos de várias denominações, entre eles dois importantes e conhecidos cardeais católicos: cardeal Charles Chaput e cardeal Donad Wuerl, além de renomados escritores católicos como George Weigel e Michael Novak.

Não há uma condenação ao Islã, como ideologia, o que é um erro (o Islã foi condenado por inúmeros santos), mas imagino que o Manifesto procurou o máximo de assinaturas, então evitou condenar o Islã.

O texto diz que os ataques aos cristãos Oriente Médio ocorrem "apesar da rejeição da maioria dos muçulmanos e condenação de proeminentes vozes muçulmanas como o príncipe jordaniano Ghazi Mohammed e o Grã Aitotlá Sistani do Iraque".

No entanto, se a maioria dos muçulmanos é contra, eles são silenciosos e também não conhecem (ou não respeitam) as condenações explícitas aos cristãos e judeus no Alcorão. E o Manifesto não cita os milhares de líderes religiosos islâmicos que estimulam a perseguição e morte de cristãos diariamente nas mesquitas pelo mundo (incluindo mesquitas do Ocidente).

Sobre a tomada de ação, o Manifesto sugere:

1) Designação de um Enviado Especial sobre Minorias Religiosas no Oriente Médio pelo governo americano;

2) Revisão da Ajuda Internacional para financiar a liberdade religiosa no Oriente Médio;

3) Estabelecimento de um Programa para Refugiados e Reconstrução, para garantir a segurança dos cristãos;

São medidas paliativas, não atacam o cerne da questão: o Islã em si. Mas o Manifesto é um começo, bem atrasado, mas é um começo.

Rezemos pelos cristãos do Oriente Médio.


(Agradeço a informação do manifesto a Mark Movsesian)

5 comentários:

Anônimo disse...

Olá amigo!
É um tema complicadíssimo por causa do fanatismo dos muçulmanos. Lembra-se de quando o papa Bento XVI na Universidade de Ratisbona comentou sobre a questão da violência como forma de expansão da fé muçulmana? Surgiram até ameaças da Al-Qaeda...
Tomara que a iniciativa dê frutos.
Um abraço.
Gustavo.

Pedro Erik disse...

Na verdade, Gustavo, mataram até um padre (padre Boulos Behnam) por conta do discurso do Papa que versava sobre razão e fé (o Islã não acredita na razão).

No entanto, eu acho que o assunto não é tão complicado. O Alcorão é um livro curto e repetitivo e prega o ódio a cristãos e judeus em muitas passagens. São Tomás viu claramente (e não é difícil ver) o que é o Islã.

Abraço,
Pedro

Anônimo disse...

Não sabia do caso do padre Boulos, e nem que o Islã é contra a razão. Obrigado pelas informações.
Bom fim de semana.
Gustavo.

Pedro Erik disse...

Caro Gustavo,

No discurso do papa, ele não diz explicitamente que o Islã é contra a razão, apenas nas entrelinhas.
Mas um ótimo livro sobre isso é o de Robert Reilly que se chama The Closing of the Muslim Mind.
Bom fim de semana.
Abraço
Pedro Erik

FireHead disse...

Infelizmente só podemos mesmo é continuar a rezar por eles, pois eles vão continuar entregues a si próprios por muito mais tempo, senão mesmo para sempre, até desaparecerem finalmente daqueles cantos do globo.