quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Um Nova União Européia - Manda Quem Pode...?

-

Li hoje um texto do Financial Times em que o ministro da Finlândia, Alex Stubb, argumenta em favor de que países com "Triple A" tenham mais influência na União Européia.  Isto é, aqueles países que são melhor avaliados financeiramente, por isso têm um nota com triplo A nas agência de crédito, deveriam mandar mais na União Européia do que os que não têm. Vejam acima que os Triplo A são Alemanha, França, Finlândia, Áustria, Luxemburgo e Holanda.

Eu acho a idéia estúpida.

Primeiro, porque está dando força política às agências de crédito. Elas estariam ainda mais sob pressão para alterar as notas e poderiam ser corrompidas. Já há vários casos sobre isso. A França atualmente está sob risco de perder o Triplo A, como seria a pressão se ela mandasse mais por causa dessa nota?

Segundo, e mais importante, haveria perda democrática para a União Européia, em uma situação em que a democracia dentro do grupo já não é essas coisas. Muitas medidas são feitas sem o apoio das populações atingidas, como leis sobre imigração e de mercado de trabalho.

Terceiro, há diferentes triplo A. Um Luxemburgo está longe de ser uma Alemanha, culturalmente e em termos de poder econômico e político.Como comparar também Luxembrugo com a Itália ou a Espanha, que não são triplo A? Mesmo a comparação entre França e Alemanha irá mostrar diferenças marcantes.

E quarto, por que a questão financeira deve ser o grande motor da União Européia?

Eu não concordo com a idéia de União Européia, acho que os países perderam muito de suas democracias ao entrar no grupo, e financeiramente também perderam a não terem mais um Banco Central para chamar de seu.

Acho que apenas quando se abandonar o euro é que os países europeus poderão se livrar das crises financeiras e do baixo crescimento econômico que assola a região. Sem falar nas questões culturais que são atingidas por leis elaboradas pelo grupo, e que as populações têm de engolir.

Mas como se irá destruir um processo de 50 anos em que muitas instituições foram criadas e muitas pessoas vivem disso? Primeiro passo é ver que escolheram o caminho errado.

2 comentários:

gutenberg disse...

Realmente, tudo uma grande bobagem. Aqueles países todos perderam sua alma. A Grande Europa só interessa aos grandes manipuladores, que permanecem ocultos.
O pior é que os cidadãos de cada país ficam limitados frente a tribunais supranacionais.
Vemos o erro agora, quando surgem os resultados da superproteção que ignora que não há almoço grátis.
Ab.
Gutenberg

Pedro Erik disse...

É isso aí, Gutenberg.

A alma, a importância da alma. No sentido que você e em todos os outros.

Abraço,
Pedro Erik