terça-feira, 3 de abril de 2012

Como a Igreja Católica deve lidar com o Islã

-


O padre Michael P. Orsi fez um texto na semana passada chamado "Challeging Islam" (Desafiando o Islã) no qual faz um resumo sobre o que é o Islã e, ao final, faz sugestões de como a Igreja Católica e os cristãos devem lidar com o Islã.

Em termos de resumo sobre o Islã acho que o texto é muito bom, mas é melhor para quem já sabe suficientemente sobre o Islã, não é muito adequado para quem deseja aprender sobre o assunto, nem para quem já sabe muito, pois vai sentir falta de mais informação. Por isso, vou traduzir aqui apenas as sugestões do padre.

O padre baseia seu argumento em duas premissas: 1) contra o princípio usado por muitos para evitar discutir sobre religião: "Vamos concordar em discordar". Ele ressalta a importância do debate e do conhecimento das outras religiões; 2) Deve-se evitar o politicamente correto e discutir abertamente o Islã.

Na descrição do Islã, o padre permeia seus argumentos com partes de textos de vários autores.

Outro argumento bem presente no texto é que o Deus do Cristianismo não é o mesmo Deus do Islã, apenas as duas religiões são monotéistas, mas com irreconciliáveis diferenças em termos de quem é o Senhor.

Além disso, há destaque de que a base do Islã, o Corão, é bastante confuso e sujeito a diversas interpretações, mesmo porque não existe doutrina, diversas seitas fazem diferentes interpretações dentro do Islã.

Aqui vão as sugestões do padre para a Igreja Católica:

  • Pastores devem falar de forma clara a distinção entre o Deus da Bíblia e o Alá do Corão. Não há nenhuma razão para que isso não pode ser feito com respeito, e muito material está disponível on-line para auxiliar os pastores no desenvolvimento de homilias eficazes. Uma excelente fonte é a organização apologética, Respostas Católicas (www.catholic.com).
  • Os grupos de estudo e discussão deve ser criado para ajudar os paroquianos saber a verdade sobre Maomé e o Corão, e para ter uma visão precisa sobre o Islã e história muçulmana. Um excelente recurso para essa aprendizagem é o livro de Samir K. Samir, SJ (2008), 111 Questions on Islam.
  •  Na pregação e discussões sobre o Islã, não devemos deixar de abordar atitudes opressivas muçulmanas em relação aos direitos humanos e a liberdade religiosa, atitudes que normalmente impõem severas restrições à vida das mulheres, e em algumas partes do mundo, ainda toleram a escravidão.
  • As meninas devem ser aconselhados sobre as possíveis conseqüências de se casar com homens muçulmanos, alertando-os sobre a expectativa tradicional de que as mulheres vão ser subserviente em casamento, e da presunção comum que as crianças devem sempre ser criadas como muçulmanas, independentemente de qualquer convenção em contrário (mesmo após divórcio).
  • Aqueles em posições de autoridade religiosa deve evitar sinais indevidos de reverência para com o Islã ou o Corão, mesmo em eventos inter-religiosos. Enquanto o amor cristão exige respeitabilidade e de civilidade, posturas servis podem confundir os crentes e incentivar a falsa noção de que o ecumenismo significa todas as religiões são iguais.
  • As escolas católicas e universidades deve ser verdadeiras no ensino sobre a história do conflito entre o Islã eo cristianismo. Em particular, eles devem abordar o tema incômodo das Cruzadas. Os muçulmanos têm sido mimado em acreditar que eles foram vítimas de agressão cristã, e as Cruzadas se tornaram um ponto de encontro contra a injustiça percebida ocidental. Nada poderia estar mais longe da verdade. As Cruzadas foram iniciadas em resposta aos ataques muçulmanos contra cidades cristãs, comerciantes e peregrinos, bem como a destruição sistemática de mosteiros e lugares sagrados cristãos na Palestina. Estes fatos se tornam claras em inúmeras fontes, incluindo o livro God’s Battalions: The Case for the Crusades, de Rodney Stark (2009).
  • Talvez, mais importante, os pastores devem declarar que as investigações dos muçulmanos sobre o cristianismo são incentivados e conversões bem-vindas. Da mesma forma, os esforços da missão nos países muçulmanos devem ser apoiados. Os leigos têm um papel fundamental a desempenhar. Eles devem ser encorajados a engajar muçulmanos, oferecendo convites para saber mais sobre Jesus. (Mosab Hassan Yousef começou sua jornada para Cristo, quando um motorista de táxi em Jerusalém deu-lhe um exemplar do Novo Testamento, convidando-o a participar de um grupo de estudo bíblico.) Não há como negar os riscos associados com alcance para os muçulmanos. Mas, na realidade, um grande número de pessoas conseguiram deixar o islã (especialmente na África), e muitos mais vão fazê-lo. Papa Bento XVI, em suas intenções, recentementefalou: "Que a Igreja, consciente da sua própria identidade missionária, deve se esforçar para seguir fielmente a Cristo e anunciar o seu Evangelho a todos os povos" É ainda disse que "O sangue dos mártires é a semente da Igreja ". 
  • Em suma, os líderes cristãos devem abandonar o silêncio polido sobre o Islã, usar todos os recursos para identificar a ameaça que enfrentamos em agressividade muçulmana, e fazer as pessoas entender o que está em jogo. Papa Bento XVI exortou os pastores a adotar a tecnologia na difusão do Evangelho e trazer almas para Cristo, incentivando-os a usar sites, vídeos, blogs e redes sociais como ferramentas no ministério pastoral. Sua chamada não precisa ser limitado ao clero. Todos os crentes, que possuem a escrita e as competências tecnológicas, deve ser inscrito na causa. Mesmo a máquina de fotocópia paróquia deve ser mobilizado, este artigo pode ser copiado e distribuído aos paroquianos.

Bom, fico feliz em achar que este blog já faz parte do que o padre Michael Orsi pede para os leigos, procuro sempre falar aqui sobre os ensinamentos e as ameaçãs do Islã. Mas, graças a Deus, eu não sou o único, na lista de blogs que indico, há vários que fazem isto.


(Agradeço o texto ao site PewSitter)

2 comentários:

FireHead disse...

Infelizmente a Igreja já não é mais pujante como outrora e a apostasia entre os "fiéis" é tremenda, caso contrário já teria havido uma nova Cruzada para despachar os islâmicos...

Pedro Erik disse...

E agora, FireHead, os muçulmanos estão dentro de nossas casas (Europa e América), não estão mais no Oriente Médio atacando peregrinos. Pelo menos, o padre lembra que eles não têm o mesmo Deus. isto já é um avanço.

Abraço,
Pedro Erik