segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

A Dinamarca com medo de Muçulmanos

-

O mais famoso é o cartunista Kurt Westergaard que vive sob proteção policial na Dinamarca e já sofreu várias ameaças de morte por conta dos cartoons que retratam Maomé, como o que vai abaixo. Mas há também dois políticos e agora o jornalista e historiador Lars Hedegaard que vivem sob proteção policial por conta de ameaças de muçulmanos.


Lars Hedegaard fundou a organização International Free Press Society (Sociedade da Imprensa Livre). Ele deu uma entrevista para a revista britânica  The Spectator (reportagem de Douglas Murray) esta semana. Vou traduzir  o que diz a reportagem que se chama "I May be Killed if I Write This" (Eu posso ser morto se eu escrevo isto).


O assassino chegou a sua casa, vestido como carteiro. Quando o historiador e jornalista Lars Hedegaard abriu a porta da frente, o homem - que Lars descreve como "parecendo um imigrante típico muçulmano" em seus vinte e poucos anos - disparou em linha reta em sua cabeça. Embora Hedegaard estivesse a um metro de distância, a bala não o acertou, passou raspando. O estudioso bem-educado (70 anos), então socou seu agressor na cabeça. O homem deixou cair a arma, pegou-a e disparou novamente. A arma travou e o homem fugiu. Mais de uma semana depois, o homem ainda tem de ser encontrado. 

Hedegaard teve que deixar sua casa e está sob proteção policial em um local não revelado. Uma semana após a tentativa de assassiná-lo conseguimos falar por telefone. 

"Tivemos bastante tentativas de silenciar as pessoas aqui. [O cartunista dinamarquês] Kurt Westergaard quase foi morto alguns anos atrás por um homem da Somália que veio para sua casa e invadiu-o com um machado e tentou matá-lo. Nós ainda temos políticos proeminentes sob guarda policial, o ex-líder do Partido do Povo Dinamarquês Pia Kjærsgaard, e também o ex-político conservador Naser Khader, que é descendente de sírios, um muçulmano liberal. E agora eu." 

Uma figura muito conhecida na Dinamarca, Hedegaard ficou mais conhecido após a capitulação da mídia oficial, na esteira do caso das caricaturas de Maomé. Ele criou a Sociedade Imprensa Livre (Free Press Society), uma organização que luta pelos direitos dos jornalistas e cartunistas para expressar-se sem medo de assassinato. Quando eu discursei em Copenhague um par de anos atrás, me foi dado uma caneca em agradecimento, a caneca apresentava a caricatura do rosto de Maomé: uma caneca de Mo. Hedegaard lançou recentemente um jornal chamado Dispatch International, que visa quebrar o silêncio da mídia sobre questões escandinavas na União Europeia, as alterações climáticas, imigração e Islã. Dois anos atrás Hedegaard foi levado a julgamento por "discurso do ódio '. Ele foi absolvido por unanimidade. 

Mas dadas as áreas que tratou e o que aconteceu com seus colegas, ele não achou que algo como isso poderia-acontecer? 

"Eu nunca especulei sobre isso, porque você não pode viver sua vida dessa maneira. Se cada vez que você se sentar ao computador para escrever algo você pensa, "Eu posso ser morto, se eu escrever isso", então é claro que você não vai ser tão bom quanto poderia ser. Você tem de distanciar-se do medo, se você quer ser um escritor de verdade e um verdadeiro intelectual, que é o que estou tentando ser. " 

E por que as pessoas continuam tentando silenciar os defensores de tais liberdade de expressão na Dinamarca, Holanda e em toda a Europa? Ele parafraseia o historiador Bernard Lewis: "Os líderes da Ummah [nação islâmica] agora evidentemente acreditam, ou querem demonstrar, que a sharia já ganhou força em lugares como Dinamarca. Em outras palavras, tem suplantado a nossa Constituição em suas mentes. Claro que não costumava ser assim, que costumava ser a maneira que você pode desenhar Maomé ou pintá-lo ou dizer o que queria na Dar al-Harb ['A Terra da Guerra' - em oposição à 'Terra do Islã'], porque o Islã considerava fora do seu território. Agora eles estão implicitamente afirmando que já estamos sob a lei da Sharia. "
 

Mas o que você diz para aqueles que falam: 'Bem, ele deveria saber. Isto é o que acontece se você chatea ou provoca as pessoas? 

'Eu não quero me gabar e me colocar em um nível onde eu não pertenço, mas você poderia ter dito a mesma coisa sobre o Rosa Branca, na Alemanha, o grupo de resistência. Eles deveriam ter sabido que, se dissessem alguma coisa sobre o nazismo, eles seriam mortos. Ou você poderia dizer a mesma coisa sobre o movimento de resistência dinamarquês durante a ocupação alemã. Foi dito a eles: não saiam de casa, nem façam sabotagem. Colabore e cale a boca, senão você vai chegar a um campo de concentração e você vai ser executado. Você poderia ter dito a mesma coisa para Winston Churchill ou o Exército britânico - por que diabos criar problema? Você sabe o que vai acontecer se você resistir - você vai ser morto. Sim, e muitos deles foram. " 

"Não é porque eu sou um herói ou eu quero ser um mártir. Longe disso. Eu levo a sério que as pessoas, os contribuintes dinamarqueses, muitos anos atrás, pagaram por mim para obter uma educação universitária em uma universidade muito boa, na Dinamarca, onde eu aprendi sobre a história, humanidades, lógica e filosofia, e inglês. Eu sinto a obrigação de usar a minha educação para o que era para ser. Se não, então você não merece ser educado. Se a educação é para ser usado para se calar, aplacar, minimizar, conversa doce, então você é melhor ser um carpinteiro. 

E os meios de comunicação, que - especialmente depois das campanhas de difamção que circularam durante o processo na justiça - têm regularmente o retratado como um fanático? Será que eles tem alguma culpa nisso? Hedegaard está relutante em atribuir a culpa secundária, mas finalmente diz o seguinte: 

"Você pode dizer com certeza que se você está constantemente apresentado como um inimigo do povo, como eu fui, então você é um bola fácil para qualquer lunático. Você não pode culpar alguns lunáticos por pensar que você pode facilmente entrar e me matar, porque se você ler todos os dias que eu sou um estúpido e cheio de mentiras, você pode fazê-lo impunemente. Sim, é claro que eu acho que a imprensa desempenha um papel [em facilitar as ameaças contra mim]. " 

E o que acontece agora? 'Bem, o jornal sobrevive, estamos mais determinados do que nunca de que não devem nos derrubar, venha o que vier. O que acontece comigo, eu não sei. Estou totalmente preparado para me manter vivo com o melhor de minha capacidade e estou mais ansioso do que nunca para escrever a minha opinião e tentar disseminá-la. Alguém não deve gostar do que eu estou dizendo, de modo que é mais uma razão para continuar a dizê-lo. "



2 comentários:

avmss disse...

Obrigado pela tradução. Não conhecia o movimento de resistência anti-nazista da Alemanha, o Rosa Branca, vi agora na internet que ele teve inspiração católica. Realmente os jornalistas não podem deixar esses radicais os pressionarem desse jeito, parabéns ao Lars Hedegaard pela fundação da organização IFPS.

Abraço

Pedro Erik disse...

Valeu pela informação sobre o Rosa Branca, avmss.

Abraço,
Pedro Erik