segunda-feira, 30 de março de 2015

Obrigado, Dep. Eduardo Cunha. Muito bem lembrado.


Em entrevista para o jornal O Globo, o deputado Eduardo Cunha foi perguntado se ele seria conservador. Ele respondeu dizendo:


Sou um político de centro, que acredita no mercado. Busco essa linha. E sou conservador de costumes sim. Defendo a tese da vida e da família. Aborto, todo mundo é contra. A questão não é só evangélica. É católica. Cristãos que defendem a vida.

Muito bem lembrado, ilustre deputado Eduardo Cunha.


No Brasil, acontece uma coisa engraçada, sempre que se fala em defesa da vida e da família, a imprensa menciona a chamada "bancada evangélica".

Ao que parece se exclui o que pensa a Doutrina Católica.

Por que será?

Será que a CNBB defende menos a vida  e a família do que os evangélicos? Parece que sim. Não lembro quando a CNBB se levantou para defender um polítco que seja contra o aborto ou o casamento gay. Vocês lembram?

Aliás, há neste aspecto um contraste gritante entre Brasil e Estados Unidos.

Nos Estados Unidos, são os católicos que são conhecidos como estando na frente da luta contra o aborto e o casamento gay. E não "evangélicos".

Sempre que se tem um candidato católico a presidente dos Estados Unidos (Rick Santorum, Newt Gingrich...) se lembra logo da luta contra aborto.

Lá os evangélicos são mais conhecidos pelo relativismo religioso e por aceitar aborto, contracepção, casamento gay e mulheres como sacerdotes, fruto das posições da igreja episcopal, principalmente. 

No Brasil, é o contrário. 

Onde está o erro, lá ou aqui?

Nos dois casos. 

Aqui, a CNBB não se levanta, apesar da maioria católica, lá, a grande variedade de igrejas evangélicas dispersa a opinião.

A solução foi dada também pelo deputado: "Cristão defendem a vida". 

Aliás, no Brasil, por vezes, não vemos nem católicos, nem evangélicos se levantarem.

Lembro que um debate eleitoral para presidente no ano passado, o candidato Levy Fidelix, que é católico, estava discutindo com o candidato do Partido Verde. Fidelix defendia a família e lutava contra o aborto. O candidato do Partido Verde atacava fortemente Fidelix.

Nem Aécio, que se diz católico, nem Marina ou Pastor Everaldo, que são líderes evangélicos, defenderam Fidelix.

Uma desgraça.

Finalmente, cabe lembrar, que não conheço profundamente o deputado Eduardo Cunha para apoiá-lo incondicionalmente (até porque não apoio ninguém incondicionalmente, nem meus filhos). Mas agradeço enormemente pela resposta dele e rezarei por ele e por essa ideia que ele nos lembrou.

Atenção CNBB, siga estas palavras do Dep. Eduardo Cunha. Pelo amor de Deus.


2 comentários:

Anônimo disse...

A CNBBomba está muito ocupada em dialogar com seu PT e Dilma, por isso muito ocupada!
Na defesa da vida, Pe Paulo Ricardo, Pe Lodi, Hermes Nery e apenas uma mais 1/2 dúzia de gatos pingados entraram nessa defesa e a NBBolivariana em cima do muro, como sempre.
Alias, o Cunha também presta um relevante serviço ao Brasil por seu PMDB dar contas que era usado pelo PT - depois ser engolido pela hidra - e parece de agora para frente, inimigos mortais, e essa bendita inimizade quem ganha é o Brasil, pois faz seria oposição ao PT + as ruas, enfraquecendo-o e devem estar a fim de pegarem a presidencia...!
O PT comprovadamente odeia os cristãos, persegue a Igreja, além de ser aliado dos degoladores dos mesmos no O. Medio, do ISIS!
Henoc

Adilson J. da Silva disse...

Boa noite.. um pouco atrazado, mas eis-me aqui.

Dá-lhe Cunha! É isso aí. É glorioso saber que ainda há resistência. Já assisti a algumas entrevistas com o Eduardo Cunha sobre a questão, especialmente uma que ele deu aos esquerdopatas da UOL. Na verdade não foi uma entrevista: foi um esquerdopata tentando se impor contra Cunha e contra a vida dos humanos em gestação!