domingo, 1 de março de 2015

Se Igreja mudar Definição de Família, como Explicar Cristo e a História da Igreja ?


Será só um capricho da Igreja em não mudar a definição de família? O Cardeal Pell mostra que não, disso depende a própria relação da Igreja com Cristo e a presença da Igreja na história humana.

Vejamos o curto, mas bem potente texto do Cardeal Pell publicado no site The Catholic Thing, o texto se chama What About Henry VIII? (imagem acima).




What about Henry VIII?



Interestingly, Jesus’ hard teaching that “what therefore God has joined together, let no man put asunder” (Mt 19:6) follows not long after his insistence to Peter on the necessity of forgiveness (see Mt 18:21–35).
It is true that Jesus did not condemn the adulterous woman who was threatened with death by stoning, but he did not tell her to keep up her good work, to continue unchanged in her ways. He told her to sin no more (see Jn 8:1–11).
One insurmountable barrier for those advocating a new doctrinal and pastoral discipline for the reception of Holy Communion is the almost complete unanimity of two thousand years of Catholic history on this point. It is true that the Orthodox have a long-standing but different tradition, forced on them originally by their Byzantine emperors, but this has never been the Catholic practice.
One might claim that the penitential disciplines in the early centuries before the Council of Nicaea were too fierce as they argued whether those guilty of murder, adultery, or apostasy could be reconciled by the Church to their local communities only once—or not at all. They always acknowledged that God could forgive, even when the Church’s ability to readmit sinners to the community was limited. 
Such severity was the norm at a time when the Church was expanding in numbers, despite persecution. It can no more be ignored than the teachings of the Council of Trent or those of Saint John Paul II or Pope Benedict XVI on marriage can be ignored. Were the decisions that followed Henry VIII’s divorce totally unnecessary?




4 comentários:

Adilson J. da Silva disse...

Boa tarde, nobre Pedro!
Interessante postagem. Como sempre!
Esse Henrique VIII realmente fez um grande estrago contra a Igreja Católica inglesa! Além de ter declarado guerra conta o catolicismo e fundar para seu próprio benefício uma "igreja", perseguiu e executou clérigos e católicos, fechou mosteiros, confiscou patrimônios da Igreja, etc. Evidentemente, outras facções protestantes foram perseguidas pelo anglicanismo, como os puritanos e quaquers. Até nas 13 colônias, a vida desse pessoal foi difícil. Uma questão: se o papa Clemente VII tivesse concordado com o sacrilégio desse rei contra o sacramento do casamento, ele teia feito todo aquele estrago?

Pedro Erik disse...

Henrique VIII não foi o primeiro rei ou lide que pediu à Igreja anulação de casamento. Geralmente se pedia anulação com base em laços sanguíneos. No caso de Henrique VIII não havia nem de longe laços sanguíneos.
E ele se relevou um sanguinário. Matou três esposas alem de santos (são Thomas More e são John Fisher).
Alem do estrago secular de sua estupida ação na busca de um herdeiro masculino. Quantos foram mortos!!!!
Abraço
Pedro Erik

Anônimo disse...

O EMINENTE CARDEAL PELL É "POLITICAMENTE INCORRETO"!
Houve um sacerdote de nome João Semeria que, antes e depois da Pascendi, condescendia com os mais renomados modernistas da época; sua obra deixava sintomas de afeição ao liberalismo contemporâneo, e quem sabe, talvez houvesse convicção pessoal em levar à frente seus ideais relativistas.
Conta-se que “ o papa Pio X censurou-o um dia por ter recebido tantos dons de Deus para fazer o bem, mas os empregava em escrever livros desconformes com os ensinamentos da Igreja. Semeria respondeu que tencionava pôr a religião ao alcance de todos. O Papa S Pio X então acrescentou: – “Alargais as portas para que entrem os que estão de fora, mas entretanto obrigais a sair os que estão dentro”.
Não se amolda ao caso das pretendidas concessões que alguns suspeitos de infiltrados da régua e compasso ou do martelo e foice, cardeais almejam para angariarem “católicos”, como os amasiados e homôs?
Não há dúvidas que o eminente Cardeal Pell estaria na lista dos “politicamente incorretos”, decorrendo disso, ou enquadrar-se ou ser lançado na caldeira, pois no recente Sínodo das famílias muito atuou na defesa dos tradicionais principios da Igreja referentes ao indissolúvel sacramento do matrimonio!
Outra aqui que caberia do mesmo S Pio X:
“Tomem severas medidas para combater a fome, a peste, a pobreza, as impurezas da atmosfera e contemple com complacência a contaminação dos espíritos”.
Henoc

Pedro Erik disse...

Ótimas frases de Pio X, Henoc.
Abraço
Pedro Erik