sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Fofocas de Cardeiais na "Ditadura" do Papa Francisco


O que os cardeais falam do Papa? O que Papa faz por trás dos panos, escondido da mídia? Como o Papa usa a mídia para atacar membros do clero? O que eles fofocam entre si? Como eles agem uns contra os outros? É triste saber sobre tudo isso. É medonho ver "príncipes da Igreja" e o próprio Papa descendo vários níveis da desonestidade pelo poder.

Mas ontem eu li um texto que merece ser lido sobre o assunto. O texto é de Robert Royal que escreve sobre as fofocas no contexto do sínodo sobre família. Robert Royal é autor de muitos excelentes livros sobre a Igreja (eu li um sobre os mártires) e editor do The Catholic Thing,

Vou traduzir aqui parte do que disse Royal. Leiam principalmente os três primeiros parágrafos.

O clima em Roma é - vamos falar claramente - tenso. De acordo com uma fonte bastante confiável no local, não é apenas os "Ratzingerians" como o Cardeal Burke que vêm sofrendo um vento gelado. São também cardeias mais "moderados" cardeais e membros da Cúria que simplesmente não sabem o que fazer com o que está acontecendo. E temem o que pode acontecer se eles disserem a coisa "errada" - difícil de evitar, quando as coisas não são tão claras. 

Eu já relatei palavras duras do papa contra defensores da tradição,  em uma homilia estranha que pode ser entendida contra todos aqueles ao longo dos séculos que haviam defendido a indissolubilidade do casamento, como se eles fosse autoritários e legalistas de auto-promoção. 

Mas o que eles pensam do papa por trás dos holofotes - mais uma vez, para além dos habituais suspeitos conservadores e em, figuras tradicionais mais neutras - também é igualmente azedo: "um ditador latino", "um Peron",  alguém que gosta de ser o centro do palco no centro das atenções . E talvez o comentário mais chocante de tudo a partir de mais de uma pessoa: "Sua saúde é ruim, então, pelo menos, isso não vai durar muito tempo." 

A palestra do Papa fala sobre um espírito de abertura. Mas há gente experiente em Roma que acredita que se isso ocorrer, cabeças vão rolar. Algumas já rolaram.

Quando eu cobri o Conclave que elegeu o Papa Francisco, em 2013, uma das coisas impressionantes para alguém como eu, que vive em Washington por 30 anos, foi a rapidez com que as conversas que deveriam estar fora do registro - mesmo as apresentações que precederam o Conclave que os cardeais juram manter em segredo - vazaram aos jornais italianos. Temos vazamentos em Washington, também, mas eles são, basicamente, algumas gotas, um aqui outro ali -. Em Roma, eles parecem usar uma mangueira de incêndio. 

Pouco depois do Conclave 2013, um cardeal me disse em particular que ele ficou surpreso de que a intervenção do Cardeal Raymundo Damasceno Assis de Brasília de alguma forma tinham sido transcritas e publicadas na imprensa no dia seguinte, apesar dos esforços de segurança do Vaticano para segurar a natureza privada da apresentações: "E o que é ainda mais surpreendente, ele falou sem um texto. Eu estava sentado ao lado dele, e ele estava apenas falando, sem nada preparado com antecedência. Alguém deve ter registrado desde que não havia nenhum texto a vazar. Suas observações aparecem, praticamente palavra por palavra, tanto quanto eu poderia dizer, no dia seguinte, na impressão. "

Não é nenhum segredo em Roma que cardeais e outros altos funcionários do Vaticano têm "seus" jornalistas especiais para quem vazar o material. 

Roma é um lugar de fofoca. Mas é tipicamente sobre o tipo de política de escritório a maioria das pessoas não se importam muito sobre. Normalmente, ele pode ser ignorada. Não desta vez. Cardeias xingando outros cardeais. Duras críticas sobre o Papa. Comentários maldosos sobre sua saúde frágil e, possivelmente curto reinado. 

Nos tempos modernos, nunca foi desta maneira.

---
Há algo de muito podre no pontificado do Papa Francisco. Infelizmente.

Eu fiquei bastante triste ao ler este texto.

Rezemos mais pela Igreja, o que ocorre fora dos holofotes e até diante dos holofotes (com palavras ditas ao público direcionadas a atacar membros do clero) são de muito baixo nível. Todo mundo sabe que a Igreja é o principal objetivo de domínio do demônio. Vemos o demônio bem presente entre os membros do clero.

Que São Francisco Bórgia, santo do dia de hoje, que conheceu o poder e viu que não valia nada, proteja a Igreja e oriente os cardeais.

Leiam todo o texto de Royal. Há link para outro texto do autor que debate os argumentos do Papa Francisco.



---
(Agradeço o texto de Royal ao site PewSitter)

2 comentários:

Anônimo disse...

Senhor Pedro até que ponto se pode dar credibilidade a essas fofocas?? hein
O Papa como sabemos tem inimigos conservadores, como podemos garantir a idoniedade desses inimigos??
Luis Augusto.

Pedro Erik disse...

Caro Luís Augusto,
Não se pode garantir a idoneidade nem dos conservadores nem dos esquerdistas nem dos moderados nem mesmo do papa

Eu respeito muito Robert Royal mas como com o Papa eu não posso garantir a idoneidade dele.
Abraço
Pedro Erik