sábado, 18 de janeiro de 2014

Defenda a Igreja dentro da ONU. Assine (e divulgue) Declaração de Apoio.


O instituto dos Estados Unidos Catholic Family and Human Rights Institute (C-FAM) acompanha as ameaças que a Igreja (Santa Sé) sofre dentro da ONU. A Santa Sé representa o Vaticano e a Igreja Católica desde 1964 na ONU, com status de observador permanente. A Santa Sé pode participar dos debates, fazer intervenções, responder questionamentos e propor legislações em conjunto com países.

A Santa Sé sempre declarou que não se torna um estado membro porque não quer, pois tem todos as condições para se tornar estado membro, possui território, líder (o Papa) e povo (espalhados pelo mundo todo).

Vários papas já fizeram discursos na Assembléia Geral da ONU. E a Santa Sé sempre lembra que realiza ações diplomáticas desde o século IV, muito antes da existência dos estados modernos. Atualmente a Santa Sé tem diplomatas em 117 países.

Mas há gente que odeia a Santa Sé pelas suas ações em defesa da família, da vida (luta contra o aborto), e da liberdade religiosa. Há até uma organização que se diz católica e luta pelo aborto que faz lobby pela expulsão da Santa Sé da ONU.

Então, é necessário que se defenda a Igreja dentro da ONU.

O C-FAM colocou no ar ontem uma petição para que os católicos e também os não-católicos (protestantes, muçulmanos, etc.) mostrem que exigem a permanência da Santa Sé na ONU. Pois mesmo os não-católicos podem claramente entender as credenciais da Santa Sé e também podem reconhecer importante papel da Igreja na defesa de princípios importantes para o debate internacional, uma vez que a Santa Sé não pode ser dominada politicamente ou com vantagens financeiras, como muitos estados pobres são.

Acesse aqui e assine a Declaração de Apoio a Santa Sé.

O presidente do C-FAM, Austin Ruse, explicou a Declaração (traduzo em azul):

Hoje (17/1/2014) o C- FAM anuncia uma nova campanha para mostrar apoio da Santa Sé na ONU. 
Por que isso é necessário? 

Na semana passada uma comissão de direitos humanos da ONU , em Genebra, atacou a Santa Sé exigindo que o Vaticano respondesse por abuso sexual em todo o mundo (como isto não fosse problemas de todos). Os inimigos da Igreja se excitaram e foram para a comissão. 

Há alguns meses, o grupo que se autodenomina "católicos pela escolha" (católicos que defendem o aborto) lançou uma campanha mundial para que a Santa Sé fosse expulsa da Assembleia Geral. 

Pelo menos um representante da ONU muitas vezes é ouvido menosprezando a Santa Sé e se perguntando como é que eles estão realmente em negociações governamentais. 

De tempos em tempos, torna-se necessário que as pessoas mostrem seu apoio para a Santa Sé na ONU. Esse tempo chegou novamente. 

O que acontece se a Santa Sé for expulsa da Assembleia Geral, algo que nossos inimigos não têm chance de conseguir? 

A Santa Sé é a consciência da ONU. É a única delegação que não tem considerações políticas quando negocia. Negocia exclusivamente a partir de princípios. 

A Santa Sé não pode ser pressionada por agências como o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), que ameaça regularmente seus delegados por não serem suficientemente pró-aborto e que também ameaça os países com perda de financiamento.

A Santa Sé não pode ser pressionado pelos países doadores na Europa que ameaçam os países pobres com a perda de financiamento por não serem pró-aborto , ou pró-sexo, ou pró- gay. 

A Santa Sé é defensora constante da vida, da fé e da família na ONU. Os governos olham para a Santa Sé para a liderança sobre estas questões. Na verdade, se, por qualquer motivo, a Santa Sé não se pronuncia sobre um problema, outros governos não falam. 

É por isso que "católicos pela escolha" e outros grupos malignos querem empurrar a Santa Sé fora da Assembleia Geral, ou silenciá-la. 

É por isso que estamos chamando todos os indivíduos e organizações de boa vontade para assinar a Petição de apoio da Santa Sé. 

Elaborada pelo Professor Robert George de Princeton e William Saunders dos Americanos Unidos pela Vida, a Declaração conseguiu mais de 4.000 assinaturas de grupos mais de uma década atrás, quando essas campanhas contra a Santa Sé começaram. 

Os signatários da Declaração incluiram os maiores protestantes e até mesmo os maiores grupos muçulmanos do mundo. O documento é para todos os homens e mulheres de boa vontade que entendem o papel vital que a Santa Sé desempenha na ONU. 

Abrimos a Declaração para grupos de assinarem e, pela primeira vez, abrimos também para as pessoas a assinarem .
Exorto-vos em termos mais fortes possíveis para ler a Declaração de apoio da Santa Sé em www.defendtheholysee.org e assiná-la. 

Eu ainda pedimos que você comece sua própria campanha para que as pessoas e grupos a assinem. Que campanhas sejam executados em sua cidade e no seu país. Temos de inundar os nossos adversários, com o apoio da Santa Sé , a única defensora constante da vida na ONU. 

Vamos apresentar os signatários à Santa Sé, em Nova York, Genebra e Roma em algum momento no final deste ano. 

Também serão apresentados aos signatários da ONU. Vamos deixar "católicos pela escolha" saberem que somos mais fortes, muito mais fortes do que eles são , e todos aqueles que querem impor matança de crianças no mundo.

---

Bom, muito bem dito, assinem a Declaração e divulguem!! 


(Agradeço a informação da campanha ao site Catholic Fire)

4 comentários:

Leonardo S. de Oliveira disse...

Hereges protestantes e mnuçulmanos vão assinar algo em defesa da Igreja Católica?

Eu não sei se vocês são muito ingênuos ou são muito otimistas.

Deixa a ONU esbravejar, a Santa Igreja Católica já enfrentou e venceu inimigos muito mais poderosos que a União Soviética,ops, ONU.

Mas pedir para hereges protestantes e muçulmanos defender a Santa Igreja Católica é a piada do ano!!

In Corde Jesu, semper.

Deus é por nós, coitada da ONU por mexer com a Igreja de Cristo.

Pedro Erik disse...

Caro Leonardo,

Não se engane, na batalha contra o lobby gay ou lobby do aborto, a Santa Sé já se uniu muitas vezes a países muçulmanos.

Esta é a verdade.

Grande abraço,
Pedro Erik

Lura do Grilo disse...

Ganhará alguma coisa a Greja em estar neste bando de criminosos? Pode a Igreja estar num bando que despreza os direitos humanos mais elementares no mundo muçulmano?

Pedro Erik disse...

É verdade, caro Lura do Grilo
Eles são criminosos e hipócritas
Muçulmanos por vezes lutam contra aborto mas explodem crianças em ataques suicidas.
No entanto a ONU pode ser muito perversa defendendo aborto de milhões.
Deve-se negociar com criminosos pela vida de crianças

Abraço
Pedro Erik