sábado, 25 de janeiro de 2014

Você aprova aborto nos casos de estupro e incesto? Pense melhor.


Quantas pessoas que passam por nossas vidas foram geradas em um estupro ou por incesto? Deve ser muito penoso para elas falarem disso. Mas as pessoas da foto acima venceram o medo. Durante a Marcha pela Vida em Washington, do último dia 22, elas exibem cartazes que dizem que elas foram geradas por estupro e incesto e que defendem a vida.

Muita gente é a favor da vida, mas defende o aborto em caso de estupro e incesto. Já vi muito católico "fervoroso" defender isso. Eu acho que aqueles foram gerados são outras pessoas, apesar de estarem no ventre materno, eles querem viver e a mãe tem o dever de permitir isso. Se não pode criá-los ou não quer criá-los que entregue a criança para doação ou para que o Estado cuide.

O site Business Insider escreveu sobre a defesa da vida de pessoas que foram geradas em estupro e incesto. Elas conseguem convencer aqueles que defendem o aborto em caso de estupro e incesto. É um texto muito bom.

Traduzo o texto da Business Insider abaixo, em azul.

É chocante - e eficaz. O blogueiro libertário Andrew Klavan escreveu no site conservador Truth  Revolt na quinta-feira que as mulheres nestas fotos ajudaram ele a mudar de ideia sobre o aborto . Ele agora acha que a prática deveria ser ilegal em todas as circunstâncias.

O governador do Rick Perry teve uma mudança semelhante de coração depois de se reunir com a ativista anti-aborto Rebecca Kiessling, que foi concebida pelo estupro. Antes das eleições de 2012, ela conversou com Perry. Ela explicou a reunião para o site LifeNews nos seguintes termos:

    
Eu disse a ele: " Quando você faz essa exceção ao estupro, é como se você estivesse me dizendo que eu merecia a pena de morte pelos crimes de meu pai. De acordo com a Suprema Corte dos EUA, meu pai nem sequer merece a pena de morte. A Suprema Corte disse que não há pena de morte para estupradores. Mas você diz que eu, como a criança inocente do estupro, merecia a pena de morte? " E Perry disse:" Não, não, eu não acredito nisso."

  
Perry agora insiste que a vida da mãe deve ser a única exceção quando se trata de aborto.

 

Kiessling é talvez a mais famosa oradora concebida de estupro. Ela foi concebida em 1968, antes da lei que na prática liberou o aborto nos Estados Unidos (Roe versus Wade). Ainda assim, ela diz que foi "alvo de aborto ", que sua mãe biológica quase a abortou duas vezes em situações perigosas, ilegais. Apesar disso, ou melhor, por causa da experiência de sua mãe, Kiessling não acha que o aborto deveria ser legal em nenhuma circunstância. Aproximadamente 20 por cento da população americana concorda com ela. Em seu site , ela conta a sua história :

    
Eu fui adotada quase desde o nascimento. Aos 18 anos, eu aprendi que eu fui concebida a partir de um estupro brutal sob ameaça de faca por um estuprador em série. Como a maioria das pessoas, eu nunca tinha considerado que o aborto se aplicava a minha vida, mas uma vez que eu recebi esta informação, de repente me dei conta de que, não só se aplica a minha vida, mas que tem a ver com a minha própria existência. Era como se eu pudesse ouvir os ecos de todas as pessoas que, com o mais simpático dos tons, diria: Bem, exceto em casos de estupro. ..", Ou que preferem fervorosamente exclamar com nojo!: "Especialmente em casos de estupro" Todas essas pessoas estão lá fora, e nem sequer me conhecem, mas estão de pé no julgamento da minha vida, de modo rápido para rejeitá-la apenas por causa da forma como fui concebida. Eu senti como se estivesse que justificar minha própria existência, que eu teria que me provar para o mundo que eu não deveria ter sido abortada e que eu era digna de viver.

  
Kiessling não está sozinha. A educadora de Abstinência Pam Stenzel (estudantes do ensino médio católicos podem lembrar dela por seus vídeos de educação sexual) também foi concebida por estupro antes de Roe versus Wade. Sua biografia diz:

    
Em 1964, uma menina de quinze anos de idade foi estuprada, engravidou e decidiu levar o feto a termo. Cinco meses depois a menina nasceu, em um ato de coragem e amor a jovem mãe dá sua filha para um ambiente melhor, para uma família adotiva. Aquela criança era Pam Stenzel.


Stenzel repete o apelo de Kiessling no filme "Conceived in Rape":
"Eu não merecia a pena de morte para os crimes de meu pai. "

[No trailler do filme Conceived in Rape ("Concebida em Estupro") também há os casos de incesto. Várias pessoas descrevem como foram geradas e como defendem a vida. É um vídeo muito forte e bonito. O vídeo apresenta os depoimentos de Stenzel, Kiessling, e outras mulheres concebidas por estupro.

video
 
UM subconjunto ainda menor da multidão anti- aborto admite ser concebido pelo incesto. A história de Robert Bennett foi publicada pelo TheUnChoice.com depois que ele falou para a legislatura da Dakota do Sul sobre o aborto. Bennett afirma que a gravidez de sua mãe fez seu avô parar de estuprar sua mãe e sua tia:

 
    
Meu pai biológico é também meu avô. Eu descobri que ele era alcoólatra e costumava estuprar suas duas filhas, minha mãe e minha tia desde o início de 1960. Foi o que aconteceu durante anos até que minha mãe me concebeu dele. Minha tia nunca engravidou, mas os estupros pararam quando minha mãe ficou grávida e deu à luz a mim. Você deve entender que minha vida ajudou a proteger a minha mãe de ser estuprada por mais tempo por seu próprio pai.

  
A ativista anti- aborto Kristi Hofferber também foi concebida de incesto. Seu pai biológico só serviu 18 meses na prisão, e ela acha que, se o tribunal soubesse do nascimento dela, ela teria sido a evidência necessária para dar-lhe uma pena de prisão maior.

As histórias são diferentes, mas a mensagem para aqueles que pensam que o aborto deveria ser legal em casos de estupro ou incesto é o mesma: Será que você quer que sejamos mortos? Por que devemos ser punidos por aquilo que os nossos pais fizeram? Os filhos de incesto muitas vezes pensam que seus nascimentos salvaram suas mães de ataques repetidos.
 

Nem todos os ativistas trazem suas histórias pessoais para o público. As mulheres da foto são membros do Save the 1, um grupo de missão que quer tornar o aborto ilegal - sem exceções. Kiessling acha que isso é possível. A maioria dos conservadores, não.  

Após a eleição de 2012 , Ann Coulter (conservadora muito conhecida) escreveu em TownHall :

    
 

"Nenhuma lei jamais vai exigir uma mulher de ter o filho de seu estuprador. Sim, é bocado tanto a vida como um feto que não é o produto de estupro. Mas os seres humanos dotados de sensibilidade são capazes de gradações ao longo de uma linha de desenho."\

Kiessling respondeu em Save the 1: " Nenhuma lei jamais vai exigir uma mulher a ter o filho de seu estuprador. Eu não acredito nisso. Leis devem proteger as crianças como eu e essas proteções podem e devem ser restauradas".  

Alguns poderiam dizer que as mulheres como a mãe de Kiessling foram vítimas da era do aborto ilegal - que elas foram confrontadas com circunstâncias horríveis e opções limitadas. Os filhos dessas mulheres veem a década de 1960 de forma diferente. Kiessling insiste,
    "Por favor, entenda que sempre que você se identifica como sendo pró-escolha, ou sempre que você fizer essa exceção para o estupro, o que isso realmente se traduz em é você ser capaz de estar diante de mim, me olhar nos olhos e dizer: "Eu acho que sua mãe deveria ter sido capaz de abortar você".

---
Rezemos pela vida de todos.

2 comentários:

Lura do Grilo disse...

Muito interessante

Pedro Erik disse...

Obrigado, caro Lura do Grilo.

Divulgue, se puder.

Abraço,
Pedro Erik