segunda-feira, 30 de junho de 2014

Tudo que você precisa saber sobre ISIS (história e chance de sucesso)


O site Strategy Page fez um excelente texto sobre o ISIS (Islamic State of Iraq and Syria, ou Islamic State of Iraq and Al-Sham ou Islamic State of Iraq and Levant - ISIL), que ontem se declarou apenas IS (Islamic State) e pediu apoio de todos os muçulmanos do mundo em apoio ao califa Abu Bakr Al- Baghdadi (a declaração pode ser lida aqui e aqui), enquanto eles crucificam (literalmente) os inimigos.

O mundo fala do ISIS porque ele avança sobre o Iraque diariamente, mas temos também nos últimos dias o Boko Haram queimando igrejas cristãs em homenagem ao Ramadã e matando mais de 100 pessoas.

Voltando ao ISIS, eu não vou traduzir aqui tudo que disse o Strategy Page (não tenho autorização para isso), apenas algumas partes (em azul), acessem o link para texto completo.

Strategy Page descreve como o ISIS se formou, a guerra entre os grupos terroristas (contra e a favor do ISIS), a importância da presença dos Estados Unidos no Iraque, e as chances de sucesso do ISIS. Vejamos partes do ótimo texto do Strategy Page.

No início era apenas ISI (Islamic State of Iraq). O ISI começou como nacionalistas árabes sunitas, que perderam seus empregos, o poder e a riqueza, quando Saddam Hussein e seu Partido Baath foram derrubados no início de 2003. Saddam Hussein era um ditador secular, que tolerarava terroristas islâmicos se eles atacavam seus inimigos e se comportavam enquanto se escondiam no Iraque. Depois que as forças de Saddam foram expulsas do Kuwait, em 1991, sua política mudou e ele se religioso e apoiou grupos terroristas islâmicos sunitas desde que o ajudasse a manter a maioria árabe xiita do Iraque sob controle. Terroristas islâmicos sunitas estavam dispostos a fazer isso, porque os conservadores sunitas consideram os xiitas hereges digno apenas de tortura e morte. Os xiitas iraquianos tinha encenado uma grande rebelião contra Saddam logo após o exército de Saddam ser derrotado no Kuwait em 1991. Essa rebelião se inflamou durante os anos 1990. Saddam e seus principais colaboradores desenvolveram relacionamentos com líderes tribais sunitas e grupos terroristas islâmicos sunitas, que por décadas foram forçados a se manter afastados. Uma vez que Saddam estava fora do poder, em 2003, as tribos sunitas e os terroristas islâmicos perderam o apoio financeiro e militar de Saddam. A minoria árabe sunita (cerca de 20 por cento dos iraquianos) também perderam o controle da economia do Iraque e tudo o que o dinheiro do petróleo podia comprar. Isso foi grande choque. Muitos desses árabes sunitas queriam a sua riqueza e poder e estavam dispostos a fazer qualquer coisa para realizar essa tarefa. Isso incendiou os grupos terroristas islâmicos. A minoria árabe sunita no que é hoje o Iraque dominou por muito tempo o país e sente que essa dominação é um direito e uma responsabilidade. Eles eram sempre mais ricos, mais instruídos, mais organizados e propensos a crueldades. Ao se fundirem com terroristas islâmicos ele adquiriram a convicção de que eles tinham a aprovação divina para seus objetivos. 

Os sunitas são maioria dos muçulmanos no mundo (mais de 80 por cento) e acreditam que quando vivem na Arábia (onde o Islã apareceu pela primeira vez no século 7), eles são mais islâmicos do que outros muçulmanos. Afinal, o Alcorão foi escrito em árabe e todos os fundadores do Islã eram árabes. Por mais de mil anos, tem havido uma tradição de diferentes facções na Arábia tentando ser mais islâmica do que a outra. Uma dessas facções é a forma Wahhabi do islamismo sunita no que hoje é a Arábia Saudita. Wahhabis são muito conservadores e muito hostis aos não-muçulmanos e muçulmanos que não são sunitas. Isso significa muito pouco para o mundo não-muçulmano até o surgimento da riqueza do petróleo na Arábia após a Segunda Guerra Mundial. De repente, tornou-se possível para os muçulmanos mostrarem como piedoso que eram financiando missionários wahabitas indo para outros países muçulmanos (e muitos não-muçulmanos) para pregar, estabelecer escolas religiosas wahabitas e mesquitas e criar o atual problema do terrorismo islâmico. Bilhões foram gastos com esta política de obter meninos para essas escolas religiosas e transformar muitos deles em religiosos fanáticos que levou a um grande surto do terrorismo islâmico no final do século 20. Saddam tinha mantido isto fora do Iraque até 1991. Muitas líderes seculares de países muçulmanos (como Síria e Líbia) também haviam resistido a Wahhabi e se arrependeram disso quando tiveram problemas com o terrorismo islâmico. 

A partir de 2003 muitos sunitas iraquianos tinham certeza de que eles poderiam recuperar o poder. Eles consideraram que era a ordem natural das coisas, temporariamente interrompida por estrangeiros maus e ignorantes. Eles tinham a história do seu lado. Mesmo quando os turcos controlavam a área por séculos antes do império turco se desfazer após a I Guerra Mundial (1914-1918), foram dos árabes sunitas de Bagdá que os turcos dependiam para manter a maioria xiita sob controle. A riqueza do petróleo e independência veio em 1930 e para os próximos 70 anos, os sunitas fizeram muito bem para si mesmos. Perder tudo isso, em 2003, incentivou os grupos terroristas islâmicos a fazer causa comum com os nacionalistas sunitas (incluindo o Partido Baath) para colocar os árabes sunitas de volta ao comando. O que não foi resolvido era se a nova ditadura sunita seria secular (como Saddam) ou religiosa (como o vizinho Irã). 

ISIS começou como ISI (Estado Islâmico no Iraque) depois de 2004 e foi um dos muitos grupos terroristas islâmicos sunitas que operam no Iraque na época. Até 2010 ISI foi quase destruído devido aos esforços dos EUA, especialmente fazendo muitas tribos sunitas se voltarem contra os grupos terroristas islâmicos. Mas, depois que as forças americanas deixaram o Iraque em 2011 o governo iraquiano não conseguiu seguir o conselho dos EUA para cuidar bem das tribos sunitas, só para manter as tribos longe de apoiar os grupos terroristas islâmicos. Em vez disso, o governo xiita se virou contra a população sunita e parou de fornecer empregos públicos e pagamento regulares para muitas das milícias tribais sunitas. Naturalmente muitos árabes sunitas  voltaram a apoiar grupos terroristas, especialmente os muito violentos como ISI.

Depois de 2011, como os xiitas do Iraque estavam depreciando a minoria árabe sunita, houve uma rebelião contra a minoria xiita do governo na Síria, liderada pela maioria sunita árabe de lá. As tribos sunitas do oeste do Iraque estavam ligadas pela cultura e, por vezes, por laços familiares com as tribos sunitas do leste da Síria. A rebelião na Síria fez os ISI pensar sobre a formação de um novo estado islâmico sunita do leste da Síria, Iraque ocidental, Bagdá (historicamente o assento do poder sunita na região, apesar de agora ser meio xiita) e Mosul. Na verdade, isso também inclui o Líbano e todo o Iraque, mas isso foi mantido quieto inicialmente. Esta decisão fez o ISI gastar muito mais tempo e esforço de recrutamento no oeste do Iraque depois de 2011. ISIS foi criado em 2013, quando o ISI foi procurado  por estrangeiros, de outros grupos terroristas islâmicos que lutam na Síria, para se tornar o grupo rebelde dominante na Síria e formar um reino islâmico terrorista chamado ISIS. Isto causou problemas por causa da maneira dura com que o ISIS trata os  civis e qualquer um que se opuser a eles. ISIS aprecia a publicidade suas atrocidades. Mas a Al Qaeda sabia por amarga experiência (no Iraque de 2006-2008) que as atrocidades simplesmente viram o mundo islâmico contra você. As más relações entre ISIS e todos os outros radicais islâmicos na Síria chegou a um ponto baixo em junho de 2013, quando o chefe da Al Qaeda (e Bin Laden sucessor Ayman al Zawahiri) declarou inaceitável a recente fusão do novo grupo terrorista sírio (desde Janeiro de 2013) Jabhat al Nusra (JN) com ISIS inaceitável e ordenou que os dois grupos permanecessem separados. Isso porque a fusão foi anunciada pelo ISI / ISIS sem o acordo prévio da liderança JN. Muitos membros JN então deixaram sua facção JN para se juntar ao ISIS. Líderes do JN viram isso como uma tomada de poder pelo ISIS e a maioria dos homens JN que deixaram para se juntar ISIS eram não-sírios. Muitos desses homens tinha trabalhado com ISIS antes e pensram que eles estavam se juntando a um grupo mais poderoso. Um mês depois, a Al Qaeda declarou párias o ISIS e sancionou a guerra contra eles. Até janeiro de 2014 esta tinha se transformado em uma guerra total entre ISIS e outros grupos rebeldes na Síria. 

Essa não foi a primeira vez que a Al-Qaeda teve de bater-se contra grupos terroristas islâmicos iraquianos e não será a última. Mas não é um problema exclusivo do Iraque. É um problema para a Arábia Saudita, porque os sauditas financiam al Nusra e alguns dos outros rebeldes terroristas islâmicos na Síria que estão agora em guerra com ISIS. Para os sauditas esse apoio é o menor de dois males como ISIS está prejudicando os esforços rebeldes para derrubar o governo Assad. Isso também faz parte da guerra ideológica que os sauditas (e a maioria dos outros muçulmanos sunitas) estão lutando com Irã xiita (e seus aliados xiitas os Assad e a milícia Hezbollah no Líbano). Enquanto isso, os sauditas continuam a esmagar os terroristas islâmicos sunitas que tentam atacá-los em casa. Isto inclui membros locais da ISIS. Tudo isso soa um tanto bizarro, com a Arábia Saudita financiando terroristas islâmicos que se tornam incontroláveis ​​e querem derrubar os governantes da Arábia Saudita. Absurdo que seja, mas é um padrão familiar nesta parte do mundo onde a religião e a política têm sido entrelaçados de maneira absurda e trágicas

...

Tomar Mosul foi crucial para os planos do ISIS para a conquista regional e mundial. Mosul era parte da Turquia até 1918, quando os Aliados vitoriosos tomaram a província Mosul, e seu óleo, para longe da Turquia e deram para o Iraque recém-criado. Na década de 1980 Saddam Hussein, novamente brigando com a maioria curda no norte do Iraque, matou ou expulsou os curdos de Mosul e convidou os pobres sunitas do sul para entrar e assumir o controle. Depois de 2003, os curdos voltaram a tentar recuperar a sua propriedade roubada e controle de Mosul. Os árabes sunitas lá não queriam desistir de suas novas casas que seriam destituídas. Assim, os sunitas de Mossul foram com prazer obter ajuda do ISIS e outros grupos terroristas sunitas. Mas, agora, a maioria dos moradores de Mosul estão sentindo o impacto da ISIS assumindo como novas regras de estilo de vida, proibindo muitas coisas que os iraquianos ocidentalizados usam. 

A atual ofensiva ISIS no Iraque é, por assim dizer, uma milha de largura, mas uma polegada de profundidade. Ele trabalha mais por causa do impacto desmoralizador de corrupção no governo do Iraque (especialmente as forças armadas). Os soldados e policiais, a maioria deles xiitas, se sentiram abandonados e maltratados por seu próprio governo. ISIS concentraram seus ataques terroristas contra as forças de segurança, até o ponto em que a má liderança e maus tratos fizeram muitos deles fugir de uma série de ataques de grande escala do ISIS. Devido a isso, a principal tarefa das tropas americanas retornando é medir rapidamente a extensão dos danos causados ​​às forças armadas por três anos ou a corrupção e má gestão. Quando as forças americanas estavam no Iraque havia assessores americanos em todos os níveis das forças armadas. Além de conselhos, esses oficiais americanos e sargentos também relataram casos de corrupção e os EUA foram capazes de tomar estas queixas a altos membros do governo e manter o impacto negativo sobre o desempenho militar em xeque. Uma vez que os americanos foram embora o roubo estava fora de controle e as forças de segurança começou a declinar. 


Os árabes sunitas não pode derrotar a maioria xiita, enquanto os xiitas estão armados e têm apoio externo (principalmente do Irã e dos Estados Unidos e, em silêncio, da Arábia Saudita). Os EUA também incentivam o sunita Estados Árabes do Golfo (especialmente Arábia Saudita) para impedir que os iraquianos sunitas recuperem o controle do país (como alguma forma de ditadura, porque os sunitas não têm os votos para serem eleitos.) Os EUA também restringem os xiitas iraquianos de atacar toda a população sunita, como aconteceu em 2006-8 e mandar um terço dos sunitas iraquianos para fora do país e quase o mesmo número de suas casas com medo dos esquadrões da morte xiitas. Apesar do que os Estados Unidos e o Ocidente querem, eventos naquela região seguem um ritmo diferente. Neste momento, o apoio local para ISIS não existe, exceto entre a minoria sunita.

Enquanto isso, o avanço ISIS não foi uma surpresa para os Estados Unidos. Por mais de um ano o Iraque tem negociado com os Estados Unidos para o retorno de algumas unidades de inteligência americanos. Isso é algo que os líderes iraquianos não gostam de discutir em detalhes, porque isso significa admitir que os americanos eram tão bem sucedidos em esmagar os terroristas islâmicos, porque os EUA têm tecnologia (hardware e software) e pessoal de inteligência qualificados capazes de monitorar apenas sobre todas as comunicações sem fio no Iraque, além de grande parte do que aconteceu na internet. Wikileaks e os posteriores vazamentos NSA torná-lo muito claro como tudo isso funcionava. A diferença entre a forma como eficazes foram as operações de combate ao terrorismo foram no Iraque (não tão bom) e no Afeganistão (ainda muito bom) depois de 2011 é, para os líderes iraquianos, rastreáveis ​​para a decisão de ejetar todas as forças norte-americanas depois de 2011. Apesar da resistência político iraquiano, os EUA retomaram seus esforços de inteligência sobre o Iraque mais de uma semana atrás. Aviões de guerra norte-americanos e UAVs de companhias americanas e bases aéreas do Golfo Pérsico retomaram vôos de reconhecimento sobre o Iraque. Satélites espiões foram movidos para a posição também. Os especialistas da Intel na embaixada norte-americana no Iraque está reativando fontes dentro do Iraque e buscando acordos de compartilhamento com as agências de inteligência dos vizinhos do Iraque. Na verdade, alguma atividade de inteligência americano permaneceu no Iraque depois de 2011 e os EUA relataram a crescente ira entre os árabes sunitas e do poder crescente de ISIS para autoridades iraquianas. Mas muitos líderes iraquianos acreditavam que poderiam lidar. Eles estavam errados, mas muitos dos políticos iraquianos não estão dispostos a entregar o poder, apesar de suas deficiências óbvias.


---
Strategy Page não acredita na força militar do ISIS para avançar sobre um país de maioria xiita e por usar métodos muito violentos contra outros muçulmanos.

Mas acho que o caos vai permanecer no Iraque. E só ajuda de inteligência não será suficiente nunca. O mundo lida com uma ideologia da morte, o Islã, que vai continuar sendo financiada com o ISIS ou sem ele. Apesar de que o mundo (incluindo a Igreja Católica) deveria agradecer aos Estados Unidos por gastar recursos públicos para combater nem que seja minimamente esta ideologia. Sem falar que a Rússia quer "ajudar" o Iraque a combater os terroristas (isto traz um complicador, apesar da possível boa ação)

Enquanto isso, os cristãos são mortos, pedem proteção ou deixam o Iraque e a Síria aos milhares.


(Agradeço a indicação do texto do Strategy Page ao site The American Catholic)

2 comentários:

juscelino disse...

http://www.jihadwatch.org/2014/07/islamic-states-caliph-al-baghdadi-said-to-be-severely-injured-flees-to-syria

Pedro Erik disse...

Obrigado, Juscelino, pela informação.

Abraço,
Pedro Erik