sexta-feira, 27 de junho de 2014

Seguindo o (mau) Exemplo do Papa Francisco?



Dois muçulmanos foram convidados para falar no lugar do padre durante a homilia de uma missa. O padre argumentou que estava seguindo o exemplo do Papa Francisco que recentemente convidou muçulmanos e judeus para rezarem no Vaticano (foto acima dos muçulmanos rezando no Vaticano).

Os dois muçulmanos aproveitaram a ocasião para igualar Jesus Cristo a Maomé, Jesus seria apenas um profeta como teria sido Maomé. Ninguém reagiu a estas palavras durante a missa. Ninguém teve a coragem de se levantar e dizer que Cristo não é profeta, Cristo é Deus.

Uma pessoa que estava presente resolveu perguntar a um padre dos Legionários de Cristo se o padre agiu certo em convidar os dois muçulmanos para a liturgia sagrada da Igreja.

O site Zenit publicou a pergunta e a resposta do padre. Vou traduzir em azul.

Pergunta: Durante a nossa sagrada liturgia no Domingo de Pentecostes, no lugar da homilia, dois líderes da mesquita local foram convidados a "juntar-se a nós em oração, à luz do exemplo dado pelo nosso Santo Padre." O primeiro muçulmano compartilho suas visões sobre Deus e como estamos todos à procura de paz e como ela pode ser encontrada somente em Deus. Ele explicou que os muçulmanos acreditam no mesmo Deus que os cristãos, e que eles também acreditam que "Jesus era um profeta, como o grande Maomé. " O segundo muçulmano começou a ler várias partes do Alcorão em Inglês e, em seguida, os mesmos versos cantados em árabe. Ele leu várias passagens sobre Maria também. No final de suas "orações pela paz", a mulher que tinha apresentado os dois muçulmanos explicou que "nossos irmãos muçulmanos agora deixariam a Liturgia da Palavra, enquanto nos preparamos para recitar o Credo que nos isola ainda mais do credo ". Eu não tenho problema com os muçulmanos serem convidados e presentes na nossa santa missa como observadores. Minha pergunta é: não é uma grave ofensa para tê-los falando na homilia, ler a partir do Alcorão, e ainda dizerem várias vezes "acreditam que Jesus foi um grande profeta"? Eu, pessoalmente, me senti um prisioneiro em minha própria casa e me senti envergonhado porque eu não tive a coragem dos primeiros mártires ficar de pé e dizer: "Jesus não era apenas um profeta, mas o Filho de Deus." Fiquei horrorizado ao ouvir o nosso Credo ser referido em nossa própria casa como ponto de "isolamento". Eu sinto que o nosso Credo não é um ponto de isolamento, mas a verdade que deve ser dita sem pedir desculpas por temos visitantes de outra fé com a gente. Estou exagerando? - H.C., Orlando, Florida 


Resposta do Padre Edward McNamara: Embora o nosso Santo Padre tem ido longe para promover entendimento e aceitação entre pessoas de diferentes credos mútuo, ele, como seus antecessores, fez todos os esforços para evitar qualquer sincretismo religioso, e eu não me lembro de nenhuma incidência não-cristã em ato litúrgico de culto cristão, muito menos em uma missa.

Portanto, em primeiro lugar, eu acho que dizer que seguiam o exemplo do Papa Francisco é errado.

Em segundo lugar, eu não acredito que os senhores muçulmanos envolvidos neste episódio jamais pensariam em convidar um ministro cristão para as orações da sexta para contar a seus companheiros muçulmanos que os cristãos acreditam que Jesus é o Filho de Deus e revelação definitiva de Deus ao homem. Ao dizer isto não estou criticado os muçulmanos por falta de reciprocidade, mas simplesmente diria que isso seria perfeitamente coerente do ponto de vista muçulmano, uma vez que permitir ao cristão dizer isso seria negar o princípio central do próprio Islã. 

Eu acredito que deveria ser óbvio para um ministro católico que não pode haver lugar para expor uma religião não-cristã dentro do contexto de um rito litúrgico cristão

Há certamente momentos e lugares onde a explicação de uma religião não-cristã pode ser feita em benefício mútuo, mas nunca em um contexto litúrgico cristão. Toda a liturgia cristã é uma proclamação de fé, e expor uma outra religião é negar a própria razão de estar presente no ato de adoração. Neste sentido, não só estão "isolados" de muçulmanos pelo Credo, mas a partir do momento que fazemos o sinal da cruz e proclamamos a Trindade no início da Missa.

Falando francamente: Embora possa e deva haver respeito mútuo e paz entre muçulmanos e cristãos, do ponto de vista das crenças religiosas, o islamismo e o cristianismo são religiões incompatíveis. De fato, há alguns valores compartilhados e pontos comuns de prática religiosa, mas ambas as religiões têm verdades dogmas absolutos que são mutuamente exclusivos. Podemos concordar em discordar de uma forma amigável, mas devemos aceitar que não há ponto comum em matéria de crenças religiosas centrais. 

Na medida em que ambas as fés acreditam que existe um Deus, então é certo que nós dois adoramos o mesmo Deus. De um ponto de vista mais especulativo, no entanto, alguns estudiosos argumentam que os conceitos subjacentes da natureza e os atributos da divindade nem sempre são compatíveis em ambas as religiões

Da mesma forma, a afirmação de que os muçulmanos consideram Jesus como um grande profeta como Maomé é praticamente sem sentido para os cristãos. 

Para usar outro exemplo: Um cristão poderia dizer que aos judeus que consideram Isaías um grande profeta. Seria uma afirmação verdadeira. No entanto, isso não significa que um judeu pode aceitar a crença cristã de que certos textos de Isaías predizem a vida e morte de Jesus. Para fazê-lo seria negar a fé judaica

Para os cristãos, Cristo é o Filho de Deus e revelação definitiva de Deus ao homem. Um cristão não pode aceitar que Maomé é um profeta no sentido cristão, uma vez que todas as profecias cessaram antes de Cristo e, necessariamente, levaram a Ele. Nem pode o cristianismo dá qualquer credibilidade à Alcorão como revelação divina, porque não pode haver revelação pública após o tempo dos apóstolos. Afirmar o contrário seria negar a crença central da nossa fé. 

Finalmente, a homilia não pode ser entregue a ninguém, apenas a um ministro ordenado que façã reflexões sobre a fé cristã. 

Como diz a instrução Redemptionis Sacramentum: 

"64. A homilia, que é dado no curso da celebração da Santa Missa e é uma parte da própria Liturgia," deveria normalmente ser dada pelo próprio sacerdote celebrante. Ele pode confiá-lo a um sacerdote concelebrante ou, ocasionalmente, de acordo com as circunstâncias, a um diácono, mas nunca a um leigo. 

"66 A proibição de admissão de leigos para pregar dentro da massa se ​​aplica também aos seminaristas, estudantes de disciplinas teológicas, e aqueles que assumiram a função daqueles conhecidos como" assistentes pastorais ", nem há de ser qualquer exceção para qualquer outro tipo de leigo, ou grupo, ou comunidade, ou associação. 

"67. Cuidado especial deve ser tomado para que a homilia é firmemente baseada nos mistérios da salvação, expondo os mistérios da fé e as normas da vida cristã a partir das leituras bíblicas e os textos litúrgicos ao longo do curso do ano litúrgico e fornecendo comentários sobre os textos do ordinário ou da própria Missa...

---
Bom, como disse o Papa Paulo VI: "Por alguma fresta o demônio entrou no Templo de Deus".

Eu concordo com quase tudo com que o padre McNamara falou, mas discordo que o Papa Francisco não tenha servido de exemplo. Ele abriu uma fresta sim ao convidar muçulmanos ao Vaticano.


(Agradeço o texto do Zenit ao site The Crescat)

4 comentários:

Anônimo disse...

Absurdo....

Duddu Pontes disse...

Amigo Pedro, boa noite!
Off topic, mas veja que bela reflexão o Jorge, autor deste blog que aqui copio, desenvolveu:

http://www.deuslovult.org/2014/06/23/o-papa-parou-em-nossa-casa/

Abraço.

Pedro Erik disse...

Obrigado, Duddu. Eu tinha ouvido falar deste belo fato.

Abraço,
Pedro Erik

Anônimo disse...

Tá certo: sim senhor, Alah é o mesmo Deus dos cristãos...
Alah É a deusa da lua dos muçulmanos, religião fundada por Maomé no ano 622 DC, escolhida entre os 360 deuses da Caaba, na cidade de Meca, na Arabia Saudita e sua reminiscência é o QUARTO CRESCENTE nas bandeiras de muitos países muçulmanos, no topo das mesquitas, ambulâncias etc., e no AT não há nenhuma referencia a Alah, portanto pagãos.
É um "deus" tão violento que por meio de seus imãs condena à morte que sair dos islamismo, odeia os judeus e cristaõs e entre si, como o caso dos xitas x sunitas, com milhões de mortos por causa de disputas religiosas; é a religião do ódio, com a morte a quem não os quiser seguir, como na Siria e Iraque atualmente etc.
Alah é um deus dos mesmos níveis das religiões pagãs ou animistas, como Xangô, Yemanjá etc.!