quinta-feira, 5 de junho de 2014

Ah, o Amor. O Diabólico Amor que Justifica Tudo.


Costumo dizer que uma das armas mais poderosas do demônio é a perversão do sentimento, a perversão do amor.

Por exemplo, gosto de fazer uma pesquisa prática entre meus alunos quando o assunto começa a ser religião. Pergunto a eles: Digam-me o que para vocês justifica o casamento gay. Eles sempre respondem a mesma coisa: "professor, eles se amam. O amor justifica".

Daí, eu respondo: "então, basta ter amor, que está justificado? E se eu amar uma criança, posso fazer sexo com ela, e se eu amar minha irmã e se eu amar oito mulheres, e se eu amar um bicho, e se eu amar matar uma pessoa, e se eu amar matar uma raça de pessoas..." Se o amor justifica, o ódio também.

A charge acima me lembrou este comportamento. As pessoas hoje baseiam a Bíblia inteira no amor e esquecem todo o resto. Não lembram que Cristo disse: "Quem me ama, segue meus mandamentos". Deve-se saber quais são estes mandamentos, não basta apenas amar.

Li também recentemente um bom texto sobre a perversão do sentimento, escrito por Kevin O' Brien. O texto se chama The Pornography of Sentiment (A Pornografia do Sentimento). Ele fala o óbvio, mas hoje o óbvio é excepcional.

Traduzo abaixo parte do texto de O' Brien, em azul, leiam todo o texto no site do Saint Austin Review.

Quanto mais velho fico, menos eu confio no sentimento, menos eu acho que a simpatia é genuína.

Nós amamos ter nossos sentimentos despertados. Grande parte da religião é assim. Para muitos, a religião é como um romance ou como um filme Hallmark sem os cavalos. A oração só é válida se você "sentir" ela; adoração só digna se " move" você. Claro, não há nada de errado com sentimento ou com sendo movido - mas essas coisas são supostamente para indicar algo mais profundo: a fé , o amor , a lealdade. E muitas vezes elas não fazem. Muitas vezes temos sentimentos por causa do sentimento. O sentimento é suposto ser um meio para um fim, não um fim em si .

E esse hábito popular de buscar sentimento pelo sentimento é uma espécie de pornografia - queremos o sentimento, sem a obrigação de que o sentimento implica.

Mesmo certas amizades podem ser assim. Podem ocorrer afinidades quando está tudo bem. Mas ninguém gosta de Timon de Atenas quando ele está sem sorte. A maioria dos nossos conhecidos são amigos no bom tempo, mas abandonam o navio quando os mares ficam difíceis.

Há algo na tradição cristã que aborda isso. É a noção de purificação pelo fogo, de luz e calor e do sofrimento revelar a verdade sobre quem somos e queimam nossos falsos pretextos.
A obra de cada um se manifestará; para o dia do Senhor que a declarará, porque será revelada no fogo; e o fogo provará o trabalho de cada homem, de que tipo é. (1 Coríntios. 3:13)

Isto é verdade não só dos mistérios de Deus, mas do homem. Toda comédia literária é sobre mascaramento e desmascaramento, e às vezes o pobre é revelado como o rei disfarçado, e o imperador é revelado como um tolo nu. 


(Agradeço o texto de Brien ao site Big Pulpit e a charge ao site Creative Minority Report)

3 comentários:

Anônimo disse...

Olá!
Realmente, o amor foi banalizado em sentimentalismo. O verdadeiro Amor exige sacrifício. Essa é uma das lições da Cruz.
Apenas quem ama verdadeiramente consegue "tomar sua cruz" e seguir a Cristo na vida diária, seja no trabalho, na família, etc. Quem não ama, de fato abandona o navio nos tempos difíceis, como dito no texto.
Abraço,
Gustavo.

Natália Oliveira disse...

Ótimo texto!

Pedro Erik disse...

Muito obrigado, Natalia.
Beijo,
Pedro Erik