sexta-feira, 6 de junho de 2014

O que perdemos, se abandonamos o Cristianismo?


Eu sou mestre em economia, e por vezes me assusto de ver como a formação dos economistas atualmente despreza completamente o poder da cultura. Olhando para minha graduação, eu diria que aprendi tão pouco na minha graduação que eu diria que me formei em nada. Fui aprender economia apenas no mestrado, e a economia que aprendi despreza a cultura, a moral e a ética. É o que eu chamo de efeito Adam Smith que colocou o egoísmo em um pedestal e o idolatrou. Hoje o economista só se preocupa com o custo de oportunidade (como lucrar mais do que outros).

Outro dia eu estava conversando com um aluno de mestrado de economia sobre o mercado financeiro, e ele se mostrou muito preocupado com a atuação de governos. Para ele, os governos tinham obrigação de salvar os grandes bancos, pois caso contrário, tudo seria um caos. Eu disse que eu estava longe de ser comunista, mas não acreditava nesta teoria de que o povo (governo) tem de salvar banqueiro, que não acreditava nesta teoria do caos dele.

Eu acredito no caos se não protegemos nossa cultura, nosso cristianismo, coisa bem mais profunda do que o mercado financeiro que se ajusta pela necessidade humana. Por que o mundo ocidental salva banqueiro e abandona o cristianismo?

Porque há décadas o ocidente enfraquece os valores cristãos, a economia como disciplina apenas reflete isso, o cristianismo no ocidente virou apenas mais uma religião.

Quando irão derrubar o Cristo Redentor?

Certa vez, eu falei aqui no blog que os próprios membros da Academia de Ciências da China reconhecem: a chave do sucesso do ocidente é cristianismo.

Mas por que falo disto hoje?

Porque hoje eu li que o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko (foto abaixo), disse que devemos proteger o cristianismo no mundo "a qualquer custo", pois se "perdemos o cristianismo, perdemos tudo".


Ele tem toda razão.

Hoje eu também li que mais de 60 igrejas cristãs já foram destruídas na Síria. A Síria já era majoritariamente muçulmana, mas tem (ainda) um presidente que protege a minoria cristã que é cristã desde os primórdios do cristianismo. Uma Síria sem cristãos é um aberração histórica e teremos outro país.

Rezemos para que o mundo ocidental ouça o presidente da Bielorrússia que fala o que nem os papas têm dito.

Os papas até pedem proteção aos cristãos no mundo, mas pedem que os países procurem protegê-los de forma incisiva, com uso de força. Em suma, os papas tÊm abandonado os cristãos aos próprios governos e terroristas a que estão sujeitos.


7 comentários:

Nik disse...

Pedro, agradeço aqui o post anterior, em que você nos propõe a leitura do artigo do Cardeal Chaput. Eu li, e agradeço imensamente a oportunidade que me deu de conhecer o pensamento deste homem culto e ponderado. Da mesma forma esta notícia aqui, sobre a declaração do presidente da Bielorússia. Sabe, enquanto operário do pensamento (não projeto idéias, apenas as opero...) sou grato pela perspectiva que Chesterton me deu, que bem pode ser resumida no conto sobre o vento, as folhas e as revoluções. Ou seja, que é o Espírito quem infla este mundo e seus devotos. Algumas coisas começam pequenas, como o foi Petencostes, mas só com Chesterton compreendi que é assim mesmo que se percebe a proximidade da ventania, com o leve farfalhar da primeira árvore. Em breve, a floresta inteira estará em frenesi. E acho que voc~e é atento, em suas indicações e comentários, a estes mesmmos sinais sutis. Obrigado pelas indicações de leitura, estimado Pedro. Aguardo o texto que recentemente apresentou na Inglaterra!

Pedro Erik disse...

Muito obrigado, caríssimo Nik.

Espero que continue apreciando este blog, que me trouxe tantos amigos fantásticos, como você.

Sobre o texto que apresentei recentemente, só devo finalizá-lo no final do ano. Já tenho toda a argumentação e dados, por isso fui capaz de apresentá-lo, mas ainda resta muita leitura para finalizá-lo. Estou em negociação para apresentá-lo para seminaristas. Vamos ver.

Estou esperando a publicação de outro texto que apresentei no ano passado também no Reino Unido, que segundo o editor será publicado "logo, logo". Este versa sobre o Islã. Assim, que eu publicar, eu divulgo no site o link.

Abraço,
Pedro Erik

Anônimo disse...

Olá!
Gostei muito do post.
Acho que a resposta à sua pergunta é a excessiva preocupação com o "dia de amanhã". Com isso, nos esquecemos do verdadeiro Inimigo. São Paulo nos adverte: Efésios 6, 12 - Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.
Talvez seja essa uma das causas do abandono do cristianismo.
Sobre isso, São Josemaría Escrivá tem uma frase perfeita: ”se o mundo está em trevas, é porque a Igreja deixou de ser luz.”
Não seria a atual apostasia do clero o cumprimento das profecias de Fátima?
Rezemos para que o Imaculado Coração de Maria triunfe.

Bom fim de semana.

Gustavo.

Pedro Erik disse...

Ótimos comentários, Gustavo.

Rezemos amigo, realmente há muita apostasia no clero, a Igreja está apagando a própria luz.

Abraço,
Pedro Erik

Anônimo disse...

Olá estimado amigo! Eu de novo...
Agora uma pergunta sobre economia. Se porventura surgisse um novo Gabriel García Moreno (ex-presidente equatoriano) que rompesse com a agenda da nova ordem mundial - abortismo, socialismo, contracepção etc etc - , ele teria chance contra a especulação financeira dos mercados globais? Não entendo de economia, mas tenho a impressão que os governantes do mundo inteiro estão nas mãos dos banqueiros.
Fico no aguardo!
Até mais.
Gustavo.

Pedro Erik disse...

Caro Gustavo,

Não se preocupe com o "mercado". Ele só quer destituir presidente se este não pagar as contas ou retirar ativos do setor privado. Se o líder é Hitler ou Stalin, eles não estão nem aí. A Volks adorava Hitler, e quantas empresas não ganharam dinheiro com Chavez, Stalin, Fidel, e etc.

Governantes estão nas mãos de banqueiros , pois a busca de poder está atrelada ao dinheiro.

Mas um presidente cristão, que seja contra o aborto, seria odiado pela ONU e afins. Espalhariam mil denúncias falsas, etc.

Cristo já alertou: não se preocupe se o mundo lhe odeia, eles odeiam a Mim.

Costumo pensar que se um presidente é amado pelo mundo (ONU e mídias) ele deve estar tramando contra Cristo.

Por isso, muitas vezes me preocupo com ações midiáticas do Papa Francisco.

Abraço,
Pedro Erik

Anônimo disse...

Sábias palavras.
Obrigado pela resposta.
Gustavo.