sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Papa no Financial Times: "Os Cristãos dão a César Apenas o que é de César"

-


O Financial Times publicou ontem um artigo do papa Bento XVI escrito para o jornal.Vou traduzir aqui o artigo do Papa. É sensacional, como sempre. Temos realmente, graças a Deus, um Papa brilhante. O mundo precisa muito dele.

O acesso ao texto dentro do Financial Times é restrito, mas encontrei o texto em vários sites, como no Zenit.

Vai abaixo a tradução em azul:

É Tempo dos Cristãos se Envolverem com o Mundo

"Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus", foi a resposta de Jesus, quando questionado sobre o pagamento de impostos. As perguntas, claro, estavam colocando uma armadilha para Ele. Eles queriam forçá-lo a tomar partido no debate altamente carregado de política sobre o domínio romano na terra de Israel. No entanto, havia mais em jogo aqui: se Jesus era realmente o Messias esperado, então certamente Ele iria se opor os senhores romanos. Portanto, a questão foi calculada para expô-lo tanto como uma ameaça ao regime, ou como uma fraude.

A resposta de Jesus habilmente move o argumento para um plano superior, gentilmente advertindo contra ambos politização da religião e da divinização do poder temporal, juntamente com a busca incessante de riqueza. Seu público precisava ser lembrado de que o Messias não era César e César não era Deus. O reino que Jesus veio estabelecer era de uma ordem completamente superior. Como ele disse a Pôncio Pilatos: "Meu reino não é deste mundo."

As histórias de Natal no Novo Testamento têm a intenção de transmitir uma mensagem semelhante. Jesus nasceu durante um "censo de todo o mundo" ordenados por César Augusto, imperador conhecido por trazer a Pax Romana para todas as terras sob o domínio romano. No entanto, esta criança, nascida em um canto obscuro e distante do império, era para oferecer ao mundo uma paz muito maior, verdadeiramente universal em escopo e transcender todas as limitações de espaço e tempo.

Jesus nos é apresentado como herdeiro do Rei Davi, mas a libertação que ele trouxe para o seu povo não era segurando exércitos hostis na baía, era sobre o domínio do pecado e da morte para sempre.

O nascimento de Cristo nos desafia a reavaliar nossas prioridades, nossos valores, nosso modo de vida. Enquanto o Natal é, sem dúvida, um momento de grande alegria, é também uma ocasião para a reflexão profunda, até mesmo um exame de consciência. No final de um ano que significou dificuldade econômica para muitos, o que podemos aprender com a humildade, a pobreza, a simplicidade da cena do berço? 

Natal pode ser o momento em que aprendemos a ler o Evangelho, para conhecer Jesus não só como o menino na manjedoura, mas como aquele em quem reconhecemos que Deus feito homem. É no Evangelho que os cristãos encontram inspiração para suas vidas diárias e seu envolvimento em assuntos mundanos - seja nas Casas do Parlamento ou da bolsa de valores. Os cristãos não devem fugir do mundo, que devem se envolver com ele. Mas seu envolvimento na política e economia deve transcender todas as formas de ideologia. 

Cristãos lutam contra a pobreza com o reconhecimento da suprema dignidade de cada ser humano, criado à imagem de Deus e destinado à vida eterna. Eles trabalham para uma partilha mais equitativa dos recursos da Terra a partir de uma crença de que - como mordomos da criação de Deus - temos o dever de cuidar dos mais fracos e mais vulneráveis. Os cristãos se opõem a ganância e exploração na convicção de que a generosidade e amor abnegado, como ensinado e vivido por Jesus de Nazaré, são o caminho que conduz à plenitude da vida. A crença no destino transcendente de todo ser humano dá urgência à tarefa de promover a paz e justiça para todos. 

Porque essas metas são compartilhadas por muitos, uma cooperação muito frutuosa é possível entre os cristãos e os outros. No entanto, os cristãos dão a César apenas o que é de César, não o que pertence a Deus. Os cristãos, por vezes, ao longo da história foram incapazes de cumprir as exigências feitas por César. Do culto ao imperador de Roma antiga para os regimes totalitários do século passado, César tentou tomar o lugar de Deus. Quando os cristãos se recusam a curvar-se diante dos falsos deuses propostos hoje, não é por causa de uma visão de mundo antiquada. Pelo contrário, é porque eles são livres das restrições da ideologia e inspirados por uma visão tão nobre do destino humano que não podem pactuar com qualquer coisa que a enfraquece. 

Na Itália, berço de muitas cenas apresentam as ruínas de antigas construções romanas. Isso mostra que o nascimento do menino Jesus marca o fim da velha ordem, o mundo pagão, em que reivindicações de César passaram praticamente incontestadas. Agora há um novo rei, que se baseia não na força das armas, mas no poder do amor. 

Ele traz esperança a todos aqueles que, como ele, vivem à margem da sociedade. Ele traz esperança a todos os que são vulneráveis ​​à sorte de mudança de um mundo precário. Da manjedoura, Cristo nos chama a viver como cidadãos de seu reino celestial, um reino que todas as pessoas de boa vontade podem ajudar a construir aqui na terra.



(Agradeço a indicação do texto ao site PewSitter)

3 comentários:

avmss disse...

Realmente excelente o artigo do Papa. Obrigado pela tradução.

abraço

avmss disse...

ah! no título está faltando o "s" depois do cristão. Na sétima estrofe da sétima linha: na convicção, separar. Na oitava estrofe e penúltima linha: não "podem". Na
penúltima estrofe e primeira linha: berço "de" muitas.
Se quiser pode apagar esse comentário.

Pedro Erik disse...

Muito obrigado, avmss. Não se intimide, pode corrigir à vontade.

Antes minha esposa fazia correções nos meus posts, mas ela agora está sem tempo. Estou longe de ser bom em português e faço meus posts em um pequeno espaço de tempo durante meu dia. Sempre preciso de correções, como todo mundo.

Feliz Natal, amigo. Muto obrigado.

Abraço,
Pedro Erik