sábado, 9 de março de 2013

"Não é Gay e Nem é Casamento" - por Dale Alhquist


Dale Ahlquist (foto acima) é presidente da American Chesterton Society, ele escreveu um excelente texto sobre casamento gay na revista Crisis Magazine, colocando qual seria o ponto de vista de Chesterton sobre o casamento gay.

O texto merece ser lido, como tudo o que escreve Ahlquist.

Vou traduzir o texto abaixo, em azul.

GK Chesterton: Não é Gay, Nem é Casamento

por Dale Ahlquist

Uma das questões prementes da época de Chesterton era "controle de natalidade". Ele não só contestou a idéia, ele se opôs ao prôprio termo porque significava o oposto do que dizia. Não significava natalidade, nem controle. Eu só posso imaginar que ele teria as mesmas objeções sobre "casamento gay." A ideia é errada, pelo próprio nome. Não é gay e nem casamento.

Chesterton foi  tão consistentemente certo em seus pronunciamentos e profecias por entender que qualquer coisa que ataca a família era ruim para a sociedade. É por isso que ele falou contra a eugenia e a contracepção, contra o divórcio e "amor livre" (outro termo que ele não gostava por causa de sua desonestidade), mas também contra a escravidão assalariada, educação compulsória patrocinada pelo Estado compulsório e mães contratando outras pessoas para fazer o que as mães eram projetadas para fazer. É seguro dizer que Chesterton levantou-se contra todas as tendências da moda que nos assola hoje porque cada uma dessas tendências e modismos enfraquece a família. Governos tentam substituir a autoridade da família, e as grandes empresas tenta substituir a autonomia da família. Há uma constante pressão comercial e cultural sobre o pai, a mãe e os filhos. Eles são minimizados e marginalizados e, sim, zombados. Mas, como Chesterton diz, "Esse triângulo de truísmos, de pai, mãe e filho, não pode ser destruído, só se pode destruir aquelas civilizações que ignorá-lo." 


Este último ataque sobre a família não é o último nem o pior. Mas impressiona, apesar do processo de sensibilização de que as indústrias de informação e entretenimento têm colocado nos últimos anos.  Aqueles que tentaram se manifestar contra a normalização do anormal foram recebidos com "palavrões ou silêncio", como Chesterton foi quando ele tentou argumentar contra as filosofias faddish que foram promovidas pelos principais jornais de sua época. Em 1926, ele advertiu: "A próxima grande heresia será um ataque a moral, a moral sexual, especialmente". Seu aviso passou despercebido, e a moralidade sexual tem deteriorado progressivamente. Mas vamos lembrar que os ataques começaram com o controle de natalidade, que é uma tentativa de criar sexo por causa do sexo, transformando o ato de amor em um ato de egoísmo. A promoção e aceitação do sexo sem vida, estéril, egoísta que logicamente evoluiu para a homossexualidade. 

Chesterton mostra que o problema da homossexualidade como um inimigo da civilização é bastante antigo. Em Everlasting Man, ele descreve o culto à natureza e a"mera mitologia" que produziu uma perversão entre os gregos. "Assim como eles se tornaram não naturais ao adorar a natureza, eles também se tornaram pouco viris ao adorar o homem." Qualquer jovem, ele diz, "que tem a sorte de crescer são e simples" naturalmente repele a homossexualidade, porque "isso não é verdade à natureza humana ou ao senso comum. "Ele argumenta que, se tentar agir indiferente sobre isso, estamos nos enganando. É "a ilusão de familiaridade," quando "uma perversão torna-se uma convenção." 

Em Hereges, Chesterton quase faz uma profecia do mau uso da palavra "gay". Ele escreve sobre "a filosofia muito poderosa e muito desolada de Oscar Wilde. É a religião do carpe diem. "Carpe diem significa" aproveite o dia ", fazer o que quiser e não pensar nas consequências, viver apenas para o momento. "Mas a religião Carpe diem não é a religião de pessoas felizes (gay significa feliz em inglês), mas de pessoas muito infelizes." Há uma desesperança, bem como uma infelicidade para ele. Quando o sexo é apenas um prazer momentâneo, quando não oferece nada além de si mesmo, ele não traz nenhuma satisfação. É literalmente sem vida. E como Chesterton escreve em seu livro São Francisco de Assis, quando o sexo deixa de ser um servo, torna-se um tirano. Esta é talvez a análise mais profunda do problema de homossexuais: eles são escravos do sexo. Eles estão tentando "perverter o futuro e desfazer o passado." Eles precisam ser livres.

O pecado tem consequências. Chesterton ainda mantém sempre que devemos condenar o pecado e não o pecador. E ninguém mostra mais compaixão para com os que caíram que GK Chesterton. De Oscar Wilde, a quem chama de "chefe dos Decadentes", ele diz que Wilde cometeu "um erro monstruoso", mas também sofreu monstruosamente por isso, vai para uma prisão terrível, onde foi esquecido por todas as pessoas que já havia torrado sua rebeldia cavaleira. "A vida dele foi uma vida completa, nesse sentido terrível em que a sua vida e a minha são incompletas, já que ainda não pagamos por nossos pecados. Nesse sentido pode-se chamá-lo de uma vida perfeita, como se uma fala de uma equação perfeita, se anula. Por um lado temos o horror saudável do mal; por outro lado temos  o horror saudável da punição ". 


Chesterton se referia ao comportamento homossexual de Wilde como um pecado "altamente civilizado", algo que era uma aflição ruim entre as classes ricas e cultas. Foi um pecado que nunca foi uma tentação para Chesterton, e ele diz que não é grande virtude nunca cometer um pecado para o qual não somos tentados. Essa é outra razão que devemos tratar nossos irmãos e irmãs homossexuais com compaixão. Conhecemos bem nossos próprios pecados e fraquezas. Filo de Alexandria disse: "Seja gentil. Todo mundo que você encontra está lutando uma batalha terrível. "Mas a compaixão nunca deve se comprometer com o mal. Chesterton aponta o equilíbrio, nossa verdade não deve ser impiedosa, mas também não pode ser nossa piedade mentirosa. A homossexualidade é um transtorno. É contrário à ordem. Os atos homossexuais são pecaminosos, isto é, eles são contrários à ordem de Deus. Eles nunca pode ser normais. E pior ainda, eles nunca podem ser justos. Como o grande detetive Padre Brown de Chesterton disse: "Os homens podem manter uma espécie de nível de bom, mas ninguém jamais foi capaz de se manter em um nível de mal. Essa estrada vai para baixo e para baixo. " 

O casamento é entre um homem e uma mulher. Essa é a ordem. E a Igreja Católica ensina que é uma ordem sacramental, com implicações divinas. O mundo fez uma paródia do casamento que já culminou com uniões homossexuais. Mas foram homens e mulheres heterossexuais que abriram o caminho para essa decadência. O divórcio, que é uma coisa anormal, é agora tratada como normal. Contracepção, outra coisa anormal, é agora tratada como normal. O aborto ainda não é normal, mas é legal. Fazer o "casamento" homossexual legal não vai torná-lo normal, mas vai aumentar a confusão dos tempos. E vai adicionar à espiral descendente de nossa civilização. Mas a profecia de Chesterton permanece: Nós não seremos capazes de destruir a família. Nós simplesmente podemos nos destruir por desconsiderar a família.


6 comentários:

Martim disse...

O que você acha disso?:
http://townhall.com/tipsheet/ashleybrooks/2013/03/08/poll-54-of-americancatholics-support-gay-marriage-n1529277

Pedro Erik disse...

Caro Martim,

Ainda bem que a Igreja não segue a democracia (o que pensa a maioria) e sim as palavras de Cristo.

Mas é triste ver que muitos que se dizem católicos não seguem as palavras de Cristo, não só com relação ao casamento gay (condenado não só por Cristo, mas por todo o Velho e Novo Testamento), mas ao aborto, ao divórcio, etc.


Abraço,
Pedro Erik

avmss disse...

Excelente artigo. Muito obrigado pela tradução. Bem importante ele citar que essa confusão toda começou com o divórcio, depois com a contracepção e aborto... E o mais importante foi a última parte: "Nós não seremos capazes de destruir a família. Nós simplesmente podemos nos destruir por desconsiderar a família."
Que a Sagrada Família abençoe todos os que tentam mostrar a verdade aos homens!

Abraço

Pedro Erik disse...

Obrigado, avmss.

Grande abraço, amigo.
Pedro Erik

Estanislau Tallon Bozi disse...

Excelente texto!

Muito obrigado pela oportunidade que nos concedeu de conhecê-lo.

Abração,

Stan

Pedro Erik disse...

Obrigado, Stan.

Abraço,
Pedro Erik