terça-feira, 13 de novembro de 2012

O que é Felicidade? No passado, hoje e em Jesus Cristo - Por Peter Kreeft

-

O grande filósofo e escritor Peter Kreeft fez uma palestra sobre o que é felicidade para os filósofos da antiguidade como Aristóteles e Platão, para o mundo de hoje e comparou com a felicidade definida nas bem-aventuranças de Jesus Cristo. Sensacional.

Encontrei a palestra em um vídeo, e demorei muito, mas acabei achando a transcrição da palestra, com ela bem fica mais fácil e rápido traduzir para o blog.

Encontrei a transcrição no site Catholic Education Resource Center. Como o vídeo tem mais de uma 1 hora, a tradução completa ficaria imensa. Vou traduzir apenas partes e por partes.

Hoje, vou traduzir a parte em que Kreeft compara a definição de felicidade para os antigos e para o mundo de hoje, com um pouco do que Cristo pensa. Amanhã, traduzo as partes sobre a felicidade em Cristo (as bem-aventuranças).




Meu tema de hoje é o conceito de felicidade para Jesus. E devemos começar com a maçante mas necessária preliminar: definir o que queremos dizer por felicidade. Quase todos, de Aristóteles a Freud, concordam que todos nós buscamos a felicidade, e que buscamos como um fim, não como um meio. Ninguém procura a felicidade por qualquer outro motivo. Nós discutimos sobre outras coisas, mas não sobre a felicidade. Podemos dizer: "Que bem que trazem as riquezas, se não te faz feliz?" Mas nós não dizemos, "Que bem traz a felicidade se não te torna rico?" Isso é claro, para ambos os antigos, como Aristóteles e modernos, como Freud.

Mas há uma diferença muito significativa entre o antigo e o significado tipicamente moderno de felicidade. Palavras antigas para a felicidade, como eudaimonia, ou makarios em grego ou beatitudo em latim, significa bem-aventurança, verdade real, enquanto a palavra felicidade moderna geralmente significa satisfação meramente subjetiva, ou contentamento, de modo que se você se sentir feliz, você está feliz. Não faz sentido, hoje, dizer a alguém: "Você acha que é feliz, mas você não é."

Mas isso é precisamente o ponto principal do livro mais famoso da história da filosofia, a República de Platão: a justiça, a virtude de tudo incluído, sempre é rentável, ou seja, 'traz felicidade'. Mas a injustiça, não. Assim, o homem justo, mesmo se, como Sócrates, ele não tem mais nada, ele está feliz. E o homem injusto não está, mesmo que ele tenha tudo o resto, como Giges, ou Gollum, com seu anel de poder e invisibilidade. Assim, devemos distinguir o conceito antigo, que é bem-aventurança, do moderno, que é realmente o contentamento. 


Benção difere de contentamento de quatro formas, as quais podem ser vistas através da análise da palavra grega eudaimonia. Primeiro, ela começa com o prefixo eu, ou seja, bom, o que implica  você tem que ser bom, moralmente bom, para ser feliz.

Segundo, daimon significa espírito, implicando assim que a felicidade é uma questão de alma, não do corpo e seus bens exteriores da fortuna. A palavra felicidade, pelo contrário, em inglês, vem da palavra, ou seja, precisamente fortuna, sorte ou azar, que era o pensamento pagão. Se bem-aventurança é espiritual, é livre. Você é responsável por sua eudaimonia, mas a felicidade, no mundo moderno, apenas acontece, é sorte.


Terceiro, eudaimonia termina em IA, o que significa um estado duradouro, algo permanente. O contentamento é um momento de bem-aventurança, por toda a vida. Tanto é assim que Aristóteles, em Ética a Nicômaco não soube dizer se o provérbio "ninguém feliz até que ele está morto" estava certo ou errado Ou seja, deve-se esperar o fim da história para julgar.


Quarto, e mais importante de tudo, o estado de eudaimonia é objetivo, enquanto que o contentamento de hoje é subjetivo. Quando falamos de felicidade hoje, geralmente confundimos estes dois significados, o antigo e o moderno. E isso não é totalmente desaconselhável, porque dentro do antigo conceito de felicidade, de uma forma secundária, há também o subjetivismo moderno: a necessidade de algum contentamento, paz de prazer, mente e pelo menos um mínimo do dom da sorte. Enquanto dentro do conceito moderno de felicidade, ou seja, dentro satisfação subjetiva, há também como forma secundária, um sentimento para a necessidade de algo do ingrediente tipicamente antigo, a necessidade de pelo menos algumas virtudes e o sentimento de que a felicidade, para ser profunda e duradoura, deve ser a verdadeira felicidade, merecida e verdadeiro, tudo o que possa ser.

Estamos prestes a explorar conceito de Cristo para felicidade. É tipicamente o antigo (bem-aventurança), mas inclui também a ambigüidade acima ou duplicidade de sentido: a satisfação subjetiva, bem como a perfeição objetiva.

Nosso conceito de felicidade

Vamos olhar primeiro para o nosso conceito de felicidade. Quando eu falo do nosso conceito, que somos nós? Eu quero dizer a nossa cultura, a paisagem mental que todos nós habitamos, mesmo quando nos sentimos como estrangeiros aqui, mais geralmente, a moderna, pós-cristã ocidental, mais especificamente contemporânea, como poderia parecer em pesquisas de opinião.

Se uma pesquisa de opinião pedir aos americanos para listar os nove ingredientes mais importantes na vida feliz, eles provavelmente dariam uma resposta muito parecido com o seguinte: Primeiro, o mais óbvio, embora não o ingrediente mais profundo, é provavelmente riqueza. Se você observar que o seu amigo tem um grande sorriso em seu rosto de hoje, você provavelmente diria a ele: "O que aconteceu com você? Você acabou de ganhar na loteria?" Se é o que você diria, deve ser porque isso é o que colocaria o maior sorriso no seu rosto. E vamos enfrentar o fato, o dinheiro pode comprar tudo que o dinheiro pode comprar, que é um monte de coisas.

Segundo, seria o mais notável sucesso da nossa cultura, o poder, a conquista da natureza e fortuna pela ciência e tecnologia, permitindo que cada um de nós fossemos um Alexandre, o conquistador, o dono do mundo. Terceiro provavelmente seria a liberdade da dor. Acho que poucos de nós discordam que a invenção mais valiosa em toda a história da tecnologia tem sido os anestésicos.

Quarta provavelmente seria auto-estima, o bem maior, de acordo com quase todos da nova classe da nossa cultura de profetas, os psicólogos seculares - e psicólogos seculares estão entre os mais seculares de todas as classes em nossa sociedade. Quinta pode ser a justiça, assegurar os direitos de cada um. Justiça e paz resumir os ideais sociais da maioria dos americanos, os ideais que eles querem para si e para o resto do mundo.

Sexto, se formos sinceros, temos que incluir o sexo. Para a maioria dos americanos, isso é a coisa mais próxima para o céu na Terra, que é o êxtase místico, transcendendo do ego - a menos que eles são surfistas. Sétimo, nós gostamos de ganhar, seja em guerra, nos esportes, em jogos de azar, nos negócios, ou até mesmo em nossas fantasias. Nossa auto-estima positiva requer a crença de que somos vencedores, não perdedores. Nós queremos ser bem sucedidos, e não falhas.


Oitavo, queremos honra. Queremos ser honrados, aceitos, amados e compreendidos. Todos querem ser aceitos.

Em nono lugar, nós queremos a vida, uma vida longa e uma vida saudável. Thomas Hobbes está seguramente certo em dizer que o medo da morte violenta, especialmente dolorosa e precoce, é muito, muito poderoso. Sua vida não é feliz quando é tomada de você, obviamente.

Isso tudo parece tão óbvio e tão razoáveis ​​quanto a estar além do argumento. Ideais mais elevados do que estes são discutíveis. Alguns de nós procuram e alguns de nós não. Mas estes nove parece ser firmes e inexpugnáveis, universais e necessários. Quem pode negar que eles formam uma parte da felicidade seria um tolo. Quem poderia afirmar que a felicidade consistia em seus opostos seria insano.

Conceito de Felicidade para Cristo

Vamos agora realizar um experimento de pensamento fantástico. Vamos supor que houve uma vez um pregador que ensinou precisamente a insanidade, ponto a ponto, de forma deliberada e especificamente. Talvez você não pode esticar a sua imaginação tão longe, mas eu vou pedir para você esticá-la até um passo mais longe. Imagine este homem se tornando o mestre mais famoso, amado, venerado, respeitado na história do mundo. Imaginem quase todos no mundo, mesmo aqueles que não se classificam como seus discípulos, pelo menos, elogiando sua sabedoria, especialmente a sua sabedoria moral, especialmente o sermão mais famoso e amado ele sempre pregou, o Sermão da Montanha, o resumo das sua sabedoria moral, que começa com a reversão de 180 graus desses truísmos modernos.

Talvez você ache muito incrível para ser imaginável. Seria um milagre difícil de acreditar que Deus se torna um homem. É duro o suficiente para acreditar que alguém iria acreditar a estranha noção cristã de que um homem que começou a sua vida como um bebê, que teve que aprender a falar, e terminou como um criminoso executado, que sangrou até a morte de cruz, é Deus, eterno, sem princípio nem fim, imortal, infinitamente perfeito, todo-sábio, todo-poderoso, o Criador.

Mas é ainda mais difícil acreditar que alguém iria acreditar em seus paradoxos totalmente sobre a felicidade. Talvez nós realmente não acreditemos que eles, afinal. Talvez só acreditemos que nós acreditamos neles. Talvez tenhamos fé em nossa fé, em vez de fé em seus ensinamentos.

Pois, é claro, estou me referindo às oito bem-aventuranças de Cristo, que abriu seu Sermão da Montanha, o mais famoso sermão já pregado, no Novo Testamento é tido como central e válido e verdadeiro, bom e belo mesmo por dissidentes, hereges, revisionistas, céticos, modernistas, liberais teológicos, e qualquer outra pessoa que não pode levar-se a acreditar em todas as outras reivindicações do Novo Testamento ou os ensinamentos da Igreja. 



Continuamos amanhã com o que disse Kreeft sobre cada bem-aventurança de Cristo.


2 comentários:

avmss disse...

Muito bom esse "post", obrigado pela tradução. Interessante ele ter citado Gollum da obra de Tolkien, não adianta ter tudo ou possuir todo o poder se você é injusto, pois não encontrará a felicidade. A questão da bem-aventurança versus contentamento, achei importante também, e mais ainda quando Peter Kreeft diz da relação do espírito e a felicidade, levando a crer que que ela não será encontrada no mundo externo, mas dentro de cada pessoa. Concluindo assim, que nós somos os responsáveis por nossa felicidade, nós temos o controle e não dependemos dos outros para encontra-la.

Abraço

Pedro Erik disse...

Valeu, grande avmss. Muito legal que você tenha gostado.

É verdade, o mundo não pode trazer felicidade, só Cristo.


Abraço, amigo.
Pedro Erik