sábado, 22 de fevereiro de 2014

Crianças no Útero sentem Medo do Aborto.


Meu filho, no útero da mãe, durante um ultrassom, levantou o braço e pareceu realmente acenar para nós. Nós ficamos maravilhados. Lembrei-me desse fato fantástico da minha vida ao ler que uma pesquisa alemã mostrou que crianças em estágio bem cedo da gestação (mais cedo do que se acreditava anteriormente) ficam felizes, tristes, gostam de música, sentem toques na barriga da mãe, e têm medo.

Vou traduzir aqui o que Kathy Schiffer fala da pesquisa:

Na verdade, os bebês no útero experimentar uma grande variedade de estímulos sensoriais em um estágio muito anterior de desenvolvimento do que se acreditava. Esse é o resultado de um estudo de Ludwig Janus psicoterapeuta de Heidelberg, informado em 09 de fevereiro pelo jornal católico alemão kath.net.

A pesquisa do Dr. Janus mostrou que o feto já pode sentir emoções, tais como raiva e alegria. 

Segundo ele, há uma ligação estreita entre a mãe e a criança, por meio do qual o feto em desenvolvimento "é confrontado com toda uma gama de sentimentos e simpatiza com eles." Então o feto poderia estar com raiva no útero ou ter medo, mas também sentir alegria e satisfação.

Pela oitava semana, o feto desenvolve um sentido do tato. Imagens de ultra-som mostrar que o feto, por exemplo, chega a tocar uma faixa ao longo do cordão umbilical para alcançar a parede uterina e apalpar seus arredores.

O sentido do paladar pode ser testado já na 13a semana. Janus informou que as crianças, assim como recém-nascidos, gostam do sabor doce. Os pesquisadores norte-americanos no Monell Chemical Senses Center ( Filadélfia ) demonstraram que o feto vai engolir mais do líquido amniótico se é doce, e não se é amargo.

Na 17a semana, a criança em desenvolvimento tem um senso bem desenvolvido de primeiro batimento cardíaco da mãe - experimenta audição, o som de seu sangue e os rumores do estômago e intestinos, mais tarde, a voz materna, e  em seguida, outras vozes, músicas e sons do cotidiano. 

Quando os cientistas tocaram " Twinkle, Twinkle , Little Star" cinco vezes por semana nesta fase de desenvolvimento, e medem as ondas cerebrais após o nascimento, o grupo recém-nascido que tinha ouvido a música no útero responderam positivamente para a melodia. Ludwig Janus ,citado em um jornal saxão , disse: "Estamos vivendo no útero, somos seres sencientes e capazes de receber estímulos sensoriais do nosso meio ambiente e do processo. "

O sentido da visão é complicado. O especialista perinatal Nuremberg Dr. Franz Kainer informou que os olhos estão completamente formados pela décima sexta semana, mas leva até a 25 ª semana antes de estarem totalmente operacionais. Nessa fase  eles estão abertos e movendo-se livremente durante os períodos de vigília, e fechado para o sono. A acuidade visual ainda não foi completamente testada, no entanto, no ambiente escuro do útero.

O sentido do olfato não entram em jogo no útero, porque não pode operar no ambiente líquido. No entanto, logo após o nascimento do sentido do olfato assume grande importância , uma vez que irá ajudar o bebê a reconhecer a mãe e para encontrar o caminho até seus mamilos.

--
Como se diz: a ciência está do lado da vida. Isto é, as pesquisa científicas mostram que matamos pessoas quando fazemos abortos. É assassinato, puro e simples.

Rezemos pelas crianças no útero. Elas são os seres humanos mais desamparados e desprotegidos. Que as mães e pais entendam que eles não podem matá-los, nem em caso de estupro, nem em caso de incesto.

2 comentários:

Lura do Grilo disse...

Há várias referências na Bíblia à vida intra-uterina

Pedro Erik disse...

Caro Lura do Grilo,

Só conheço aquelas que sinalizam para uma predestinação divina. Teriam outras em outro sentido? Se tiver, mande-me.

Grande abraço,
Pedro Erik